Quinta-feira, 23 de Maio de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1038
Menu

DIRETóRIO ACADêMICO >

O Jornal da CBN no @jornaldacbn

Por Dione Rafael Junges em 17/05/2011 na edição 642

O jornalismo é dividido em alguns diferentes campos: o televisivo, o impresso, o online, o radiofônico, entre outros. Sendo que, todos sofreram adaptações ao longo de sua existência. A televisão assim como o jornal passou a ser colorida, o rádio adiciona novas tecnologias e ferramentas para seguir garantindo a agilidade e manter a velocidade como uma de suas essências, já o online se diferencia de todos esses, pois a cada dia proporciona novas ferramentas e adiciona mais e mais usuários a seus domínios.

Atualmente acompanhamos uma grande variedade de ferramentas disponíveis para que uma pessoa se relacione com as demais. A tecnologia que é utilizada por elas além de proporcionar novas possibilidades de interação entre os indivíduos também traz ao jornalismo novas possibilidades.

A sociedade usa as redes sociais para se relacionar, para transmitir mensagens, para auxiliar os demais, e isso faz com que uma nova perspectiva apareça, a utilização dessas redes sociais e a interação de um modo diferenciado. A criação de redes sociais através do twitter é um reflexo de interesses parecidos de diferentes indivíduos, o que faz com que percebamos que esses usuários buscam informações semelhantes. Como consequência a relação entre eles que acontece por meio dessa ferramenta.

Como essas ligações que são proporcionadas através do cruzamento de interesses, as mídias utilizam seus canais para interagir e estimular a participação dos seus seguidores nos programas que são produzidos para as outras mídias.

O radiojornalismo que é um campo que passa por constantes atualizações também se utiliza dessas possibilidades que são proporcionadas pela internet e pelo jornalismo nas redes sociais.

Através da internet algumas rádios utilizam o twitter para interagir com seus ouvintes e despertar neles o interesse em acompanhar suas programações. Na Rádio CBN (Central Brasileira de Notícias), o programa Jornal da CBN é um dos que utiliza a ferramenta para postar suas chamadas principais, para informar seus ouvintes de situações que podem influenciar em seu cotidiano. E ao mesmo tempo utilizam alguns seguidores como fontes de informação, ou seja, redirecionam as informações que são enviadas através dos twitter’s fazendo com que essas informações cheguem ao conhecimento de mais pessoas.

Como a rádio CBN é uma emissora que trabalha com essa nova possibilidade de interação na internet utiliza o twitter em todos os seus programas. Foi feito acompanhamento do Jornal da CBN, um dos programas que utiliza a ferramenta, com intuito de verificar de que forma a emissora trabalhava o seu twitter e seu programa radiofônico em paralelo, para que aconteça o processo de interação com o ouvinte follow em sua programação.

Rádio e tecnologia

A informação instantânea é uma das marcas do radiojornalismo, que se tornou mais forte na década de 90 quando surgiu o celular. BIANCO (2005) fala sobre o notável aumento de velocidade e a instantaneidade que aconteceu devido ao celular, ‘essa tecnologia contribuiu para alterar o conceito de velocidade e instantaneidade na divulgação da informação. Tornou o jornalismo de rádio diário ‘mais quente’ em relação aos demais’ (BIANCO, 2005: 6).

Desde então o radiojornalismo continua mudando e se tornando mais ágil. Utilizando ferramentas tecnológicas como telefone, celular, pager, internet, o jornalista consegue aumentar a velocidade com que noticia. Com a utilização dessas ferramentas o jornalista tem a possibilidade de fazer uma apresentação mais completa utilizando as fontes disponibilizadas pelas ferramentas tecnológicas e ainda pode buscar mais versões para um mesmo assunto.

Para que se possam usar as vantagens do telefone, do celular, do pager, da internet, surge necessidade de capacitação no rádio, ‘[…] novas habilidades serão demandadas do profissional deste meio de comunicação e novas funções serão criadas para esse jornalista do rádio em ambiente de convergência’ (LOPEZ, 2007: 8).

A perspectiva de multimídia para o rádio faz com que o profissional de jornalismo conheça as diferentes mídias como telejornalismo, jornalismo online, jornalismo impresso, mas tenha que buscar sempre uma capacitação para utilizar as ferramentas tecnológicas, telefone, celular, internet, etc. O jornalista que utiliza essas ferramentas traz para o rádio algumas vantagens para a redação, como: a procura de fontes no meio online, entrevistas através do celular, apuração de fatos, grande disponibilidade de pautas etc.

A relação com a internet e as redes sociais que estão nela inseridas faz com que o jornalista encontre diversas fontes para suas matérias, pois a internet é utilizada por grande parte da sociedade.

No radiojornalismo era necessário contato mais direto com as fontes, uma relação mais pessoal, e com a disponibilidade das pessoas no mundo on-line é possível utilizar a internet e suas vantagens para entrevistas, por exemplo, esse processo reflete diretamente nas apurações radiojornalísticas e causa uma redução no contato pessoal entre jornalista e fonte. Por outro lado aumenta a possibilidade de encontrar as fontes, pois o contato pode se estabelecido em qualquer lugar e momento.

Isso acontece graças à grande e variada disponibilidade de usuários na rede, graças a eles fica mais acessível para as rádios se pautarem e fazerem a apuração e verificação de dados, ou seja, nem sempre é necessário que o jornalista se desloque até o local do acontecimento, e nem até onde a fonte se encontra, pois é possível fazer a apuração e entrevista pelo espaço disponibilizado pela internet.

Atualmente podemos dizer que as mudanças no fazer jornalístico trazem aos profissionais dessa área a possibilidade de utilizar uma grande quantidade de ferramentas e simplificar o seu trabalho, utilizando a internet e suas possibilidades para entrar em contato com as fontes potenciais que são todos os usuários presentes no ciberespaço, como afirma MACHADO (2002).

A novidade do jornalismo digital reside no fato de que, quando fixa um entorno de arquitetura descentralizada, altera a relação de forças entre os diversos tipos de fontes porque concede a todos os usuários o status de fontes potenciais para os jornalistas. Se cada indivíduo ou instituição, desde que munido das condições técnicas adequadas, pode inserir conteúdos no ciberespaço devido a facilidade de domínio de áreas cada vez mais vastas, fica evidenciada tanto uma certa diluição do papel do jornalista como único intermediário para filtrar as mensagens autorizadas a entrar na esfera pública, quanto das fontes profissionais como detentoras do quase monopólio do acesso aos jornalistas (MACHADO, 2002: 6).

Com a disponibilidade, quase instantânea, de informantes trazidas pelas tecnologias nota-se a importância do uso de ferramentas como telefone, celular, pager, internet no trabalho do radiojornalista. E com isso se percebe que essa utilização faz com que o radiojornalismo se torne bem mais ágil e mostre informações com muito mais variedade.

Radiojornalismo e as ferramentas tecnológicas

O radiojornalismo convide com novas ferramentas tecnológicas e os avanços proporcionados por elas desde que surgiu o transistor, aparelho de recepção e amplificação de sinal eletrônico, o qual proporcionaria ao comunicador, a possibilidade de se deslocar com equipes móveis e implementar o sistema de reportagens. Posteriormente o telefone fixo se tornou muito importante no radiojornalismo, pois deu a possibilidade de reportagens de rua mesmo com alguma restrição de mobilidade. Problema resolvido com o surgimento do celular que aumentaria gradativamente as transmissões ao vivo, devido a sua mobilidade.

Um outro avanço importante para o radiojornalismo é a internet, pois através dela se tem uma grande facilidade em transmitir, localizar, e trabalhar informações. ‘O rádio e seus correlatos vão, assim, ao encontro, além dos computadores pessoais, de mesa ou notebooks, via novos aparatos tecnológicos – palm tops, iPods, iPhones… –, de uma maior interatividade entre o ser humano e a máquina’ (FERRARETO, 2007: 6).

Quando o jornalista utiliza essas ferramentas elas ajudam na velocidade com que as informações são repassadas de onde acontecem para onde serão trabalhadas e na apuração da noticia. Esses aparatos, como são denominados por FERRARETO (2007), tem uma praticidade na captação, armazenamento, acesso e utilização da informação, com isso o radiojornalista tem mais facilidade em trabalhar a noticia, pois são ferramentas que auxiliam na apuração e desenvolvimento da noticia. Aliando a agilidade e praticidade que é proporcionada por esses avanços tecnológicas fazem com que o trabalho do jornalista radiofônico se torne mais rápido e mais fácil como cita PEÑAFIEL:

‘El sistema informático en las redacciones radiofónicas ha facilitado un acceso más rápido y más fácil, no sólo a las fuentes de información a través de la consulta de ficheros ya grabados o que vamos grabando en el disco duro, sino también, una sencilla e inminente comprobación de la información que obtenemos’ (PEÑAFIEL, apud LOPEZ, 2009: 5).

Com essa facilidade que é proposta por PEÑAFIEL, o radiojornalismo se relaciona com as demais ramificações do jornalismo e estabelece uma relação entre elas, isso, pois através de bancos de dados, redes internas, internet se pode trocar informações entre as redações com mais facilidade. Tal processo de aproximação compõe algumas características do ambiente jornalístico de convergência que é definido como

‘un proceso multidimensional que, facilitado por la implantación generalizada de las tecnologías digitales de telecomunicación, afecta al ámbito tecnológico, empresarial, profesional y editorial de los médios de comunicación, propiciando una integración de herramientas, espacios, métodos de trabajo y lenguajes anteriormente disgregados, de forma que lãs periodistas elaboran contenidos que se distribuyen a través de múltiples plataformas, mediante los lenguajes propios de cada una’ (SALAVERRÍA; NEGREDO, 2008, apud LOPEZ, 2009: 6).

Os autores abordam a relação que existe entre as diferentes áreas do jornalismo e que é facilitada pelos avanços tecnológicos e afetam tanto o radiojornalismo quanto as demais.

Essa integração entre as diferentes áreas do jornalismo que ocorre devido aos avanços e o uso de ferramentas tecnológicas e a capacidade dos jornalistas de trabalhar com elas. Esse processo de integração entre jornalista e tecnologia fez com que o radiojornalismo se tornasse um dos usuários dessas ferramentas que fazem com que o jornalismo se atualize cada vez mais rápido, e como conseqüência continue o processo de velocidade de informações que o rádio propõe desde a sua criação.

Redes sociais

A sociedade é composta por indivíduos que possuem diversos tipos de formação. Desde o nascimento passamos a conviver com pessoas de um determinado grupo social, tais como, pais, parentes, vizinhos, amigos, enfim, um conjunto de indivíduos próximos. E com esses relacionamentos começam a se definir preferências, gostos, interesses, itens que formam a nossa personalidade. Essas características fazem com que um indivíduo selecione com quem irá se relacionar, e assim formar uma ‘rede social’.

Redes sociais que são formadas por pessoas com interesses parecidos, ou ainda com a intenção de conhecer diferentes tipos de indivíduos. Como Afirma Marteleto (2001), redes são compostas por ‘[…] um conjunto de participantes autônomos, unindo idéias e recursos em torno de valores e interesses compartilhados’ (p. 72).

Em um grupo de pessoas existem fatos que podem caracterizar como uma rede social, tais como interação para compartilhar experiências, conversas a fim de conhecer diferentes tipos de cultura, enfim, atividades que envolvam pessoas. Para que exista uma rede social, não existe um numero mínimo de integrantes, ou seja, pode ser composta desde cinco até dez mil pessoas ou mais.

‘A formação de redes nas organizações ocorre por meios e formas variados, desde uma conversa informal com um colega de trabalho na hora do café, em encontro com os amigos após o expediente, em reuniões, congressos, listas de discussões, portais corporativos, até situações formalmente criadas com a finalidade de alcançar resultados específicos’ (TOMAEL, ALCARÀ e DI CHIARA, 2005: 94).

Existem vários tipos de redes sociais. As particulares, onde são discutidos assuntos mais pessoais com quem se tem intimidade, uma família, por exemplo. As livres, onde são debatidos temas que podem ser de conhecimento de todos os participantes, como uma sala de aula. As públicas, local este que não tem nenhuma limitação e quem acesso livre ao público, uma comunidade do Orkut sem moderação pode ser apontada como uma rede social pública.

‘O surgimento de novas fronteiras entre o público e o privado, ao mesmo tempo em que o desvanecimento das que já existem, constitui outro dos grandes temas no reconhecimento da Rede como coleção de áreas fundamentais no exercício do espaço público contemporâneo. Por um lado, a vulnerabilidade dos sistemas de junção e codificação de dados pessoais permite que a informação privada chegue a ser do conhecimento público, às vezes, por abuso de alguns e, em ocasiões, simplesmente por descuido dos usuários da Rede. (…) Por outro lado, a tensão está entre o caráter comercial e o aberto da Internet, onde há sites aos quais é preciso pagar para ter livre acesso; contudo, a grande maioria continua e continuará sendo de gratuitos. Em alguns sites, os usuários podem decidir se qualquer um pode ter acesso ao conteúdo que disponibilizam ou somente aqueles com os quais compartilhem a senha necessária para abrir um arquivo. E, sobretudo, a possibilidade de intercâmbio franco e espontâneo permitiu que na Rede estejam, disponíveis à curiosidade de quem quiser conhecê-los, conteúdos de natureza inicialmente privada’ (DELARBRE, 2009: 19).

Todas as redes sociais criadas têm objetivo atender as necessidades de pessoas. Uma nova dinâmica de rede social tem surgido com o advento da informática, tendo a internet como um meio de organização. Na internet as redes sociais têm o objetivo de proporcionar a relação entre diferentes usuários com os mesmos interesses sem os limites espaciais. A relação entre os usuários de uma rede social é capacitada graças ao uso de uma ferramenta de gerenciamento de contas, ou seja, um site social. Esses sites proporcionam as pessoas a possibilidade de se inserir em uma rede.

No twitter, por exemplo, as pessoas podem seguir as outras através de uma conta criada previamente. Nesta dinâmica se estabelecem novos contatos, novas amizades, e ainda que seja possível manter-se informado de acontecimentos antes distantes, através das postagens realizadas pelas demais pessoas que compõem sua rede de contatos ou rede social.

‘As redes sociais são dinâmicas, compostas de pessoas, que têm interesses próprios e coletivos, interesses esses que podem ser alterados com o andar da maré. Essas redes na Internet são coletivos, que podem trabalhar em grupo e onde pequenas ações podem reverberar de forma maior que a esperada. Assim, é muito difícil prever como essas redes vão responder às informações. Algumas vezes, as pessoas podem articular-se, outras não. Algumas vezes podemos ter efeitos focados apenas no espaço online e, em outras, podemos ter efeitos que perpassam outras esferas da sociedade’ (RECUERO, 2009: 4).

Como apresenta a autora, alem das redes sociais que criamos em nosso dia-a-dia, como o grupo de amigos para falar sobre os acontecimentos do meio esportivo da ultima semana, por exemplo, também são criadas as redes online, tais como uma comunidade do Orkut, onde pessoas que não se conhecem comentam sobre assuntos afins e trocam experiências com intuito de atender necessidades individuais. A partir deste espaço de troca, um usuário pode criar um vinculo com os demais e com isso tenha interesse em conhecê-lo pessoalmente, fazendo assim com que os sites que hospedam essas redes sociais funcionem como um ponto de partida para um possível encontro desses usuários.

O processo de inserção de uma pessoa em uma rede social online passa por diversas etapas, parte da criação de um perfil em um site social e vai até o relacionamento entre os usuários. Como apresenta (RECUERO, 2009)

‘Definimos site de rede social como serviços baseados na web que permitem aos indivíduos (1) construir um perfil público ou semi-público dentro de um sistema limitado, (2) articular uma lista de outros usuários com quem esses usuários dividem uma conexão e (3) ver e suas listas de conexões e aquelas feitas por outros no sistema. A natureza e a nomenclatura dessas conexões pode variar de site para site’ (RECUERO, 2009: 6).

A partir do momento que um indivíduo está inserido em um site de rede social, ele começa a participar de grupo ou comunidades para definir suas preferências e estabelecer relações com outras pessoas. Com essas preferências apresentadas e suas relações acontecendo o usuário passa a receber e emitir informações para os demais.

Jornalismo em redes

Ao decorrer dos anos foram surgindo novas formas de divulgar as informações apuradas pelos profissionais do jornalismo. Podemos notar essa evolução se retomarmos a época de ouro do rádio, de 1920 a 1950, onde surgiram muitas inovações que fizeram com que o jornalismo adquirisse uma nova mudança na apuração e divulgação da noticia.

O primeiro evento de telejornalismo noticioso foi no final da década de 20 nos Estados Unidos, o qual imprimiu novas e importantes mudanças para o jornalismo, pois além de voz e da imagem do jornalista, era mostrada cenas do acontecimento, imagens do local onde acontecia a noticia. Com essas evoluções novas e diferentes formas de noticiar foram se apresentando.

Hoje, acompanhamos uma crescente evolução que esta acontecendo no campo do jornalismo digital, com a evolução das ferramentas disponíveis na internet surgiram recursos que fazem com que o jornalista tenha a possibilidade de repassar informações com mais facilidade.

Com a internet surgiu uma nova perspectiva do jornalismo. Para fazer um mapeamento de informações era necessário adquirir uma grande quantidade de jornais impressos, com as opções disponibilizadas pelo webjornalismo [entende-se por webjornalismo tudo que é produzido e distribuindo na web, sendo assim, todas as informações que estão dispostas em um site jornalístico são consideradas webjornalismo] todas as notícias estão disponíveis na web, e isso faz com que se crie uma facilidade no agrupamento de informações.

Uma noticia traz algo que é importante para a sociedade, um acontecimento que de alguma forma influencie no dia-a-dia dos cidadãos e quem as coloca na rede somente o faz, pois acredita que a sociedade tem interesse nessas informações. A produção da informação é feita para que ela interesse ao publico e assim tenha alguma utilidade na sociedade. Entende-se por notícia:

‘(…) uma transformação do mundo exterior, ainda que, por execção, possa ser um não transformar-se algo cuja mudança se esperava. Como se trata de uma realidade objetiva que entra pelos sentidos, o autor parte para as normas: a missão do repórter é captar essa realidade com a maior amplitude e precisão possíveis e narrá-la com fidelidade, de tal forma que o leitor receba a mais cabal informação sobre o fato’ (MEDINA, 1988: 26).

Além de trabalhar uma informação que interesse para a sociedade com precisão e fidelidade para que ela se torne noticia é necessário avaliar a reputação e os interesses sociais como afirma RECUERO (2009)

‘Através da seleção e da publicação de informações especializadas e localizadas, os atores sociais estão construindo relevância, a partir de valores sociais como reputação. Nichos de pessoas interessadas em determinados assuntos vão produzir informações relevantes, detalhadas e novas. Esses atores vão filtrar as informações do ciberespaço e publicá-las, para quem quiser ouvir/ler’ (RECUERO, 2009).

Na internet existe a disposição várias ferramentas, como Orkut, Twitter, Facebook, que potencializam a criação de redes sociais e a interação entre as pessoas. Essas ferramentas trazem para usuário uma forma diferente de noticiar. Elas oferecem um conjunto de mídias que interagem entre si para complementar e fazer a noticia. A interação entre áudio, imagem, foto geram uma grande potencialidade para repassar e obter informações através das redes sociais. CANAVILHAS (2005) apresenta alguns recursos e caracteriza esse processo:

‘Na fase a que chamamos webjornalismo/ciberjornalismo, as notícias passam a ser produzidas com recurso a uma linguagem constituída por palavras, sons, vídeos, infografias e hiperligações, tudo combinado para que o utilizador possa escolher o seu próprio percurso de leitura’ (CANAVILHAS, 2005: 2).

Entre as mudanças que surgiram após inicio do jornalismo de web, uma das mais claras é a possibilidade que qualquer usuário tem de se tornar um informante da sociedade, ou seja, qualquer pessoa que tenha interesse em repassar informações pode fazer com o auxilio da internet e das ferramentas nela inseridas.

Sendo assim, qualquer individuo que possua um computador, notebook, palmtop, móbile e tantas outras máquinas capazes de transmitir mensagens para a internet, pode se tornar um informante. Transmitir informações é de certa forma um exercício que pode ser executado por qualquer pessoa que se depare com algum fato que julgue interessante ao ponto de compartilhar com os demais.

O que é disponibilizado por um usuário para os demais pode ser conteúdo jornalístico ou não. As postagens feitas pelos usuários dessas redes sociais não tem nenhum tipo de avaliação editorial, ou seja, não passa pelas mãos de ninguém mais além do autor, sendo assim, o que é colocado em uma mensagem enviada a uma rede social parte da definição somente pelo dono do perfil do qual a informação foi postada.

‘Tal dinâmica, de viés explicitamente complexo, conduz a uma incessante complementaridade graças às ferramentas de incentivo à interação, que possibilitam a participação ativa de qualquer internauta na produção de mensagens’ (BRAMBILLA, 2005: 2).

Em redes sociais as informações podem ser postadas de acordo com as tendências e interesses de seus usuários. Porém, é importante que a mensagem esteja simples. VISIONE (apud PINHO, 2003) afirma: ‘(…) Jogos de palavras, piadinhas e brincadeiras nos títulos e textos não funcionam. É preciso dizer logo a notícia.’

Despertar interesse no leitor fazendo com que ele siga as diferentes mídias para se informar é objetivo do usuário que emitiu essa informação, para alcançá-lo é necessário pontualidade na apresentação de uma informação. No twitter, por exemplo, o espaço para que um jornalista transmita uma informação é limitado e com isso ele deve postar algo que interesse ao publico e sendo o mais objetivo possível.

Tudo isso é importante na hora de marcar um assunto como noticiável, pois a notícia só ganha ascensão se ela for de interesse social e ter o seu caráter de novidade. De uma forma ou de outra, o público também é responsável pelo conteúdo que elege como popular (ou sucesso) (VERONI, 2009).

O simples fato de postar uma noticia em uma rede social através das ferramentas disponíveis na web configura-se como uma transmissão de informações, o que faz com que qualquer postagem sendo ela de interesse da sociedade se torne noticia. A repercussão desse fato ajuda a determinar sua importância, no twitter quanto mais retwetts ela possuir maior é sua relevância.

Twitter

O twitter foi criado por Jack Dorsey em 2006, uma ferramenta que possui varias características bem particulares, como: a postagem, que se limita a 140 caracteres para transmissão de informações; a retweetagem, processo de direcionamento de informações postadas por outros usuários; a linkagem, onde são relacionados aos posts alguns links, como fotos, vídeos, áudios, entre outros; o processo de follow, ou seja, para que recebamos as postagens de outros usuários é necessário que sejamos followers, ou seguidores deles.

O microblog atualmente conta com uma enorme quantidade de usuários, como afirma Alessandro Lisboa em publicação feita em seu blog ‘até inicio de outubro haviam sido criadas 191.527,100 contas no twitter e o numero só tende a crescer’ (LISBOA, 2010).

Mesmo com uma postagem limitada a 140 caracteres, o twitter é uma ferramenta que oferece ao usuário muitas possibilidades, desde a postagem de uma chamada simples, onde somente é transmitida a informação sem nenhum tipo de complemento, até uma composta que contem imagens, vídeos, sons linkados a chamada.

Como essas possibilidades estão disponíveis para todos os usuários da ferramenta, acontecem diferentes tipos de postagen no microblog. Mensagens de estado emocional, de atividades momentâneas, de informações e muitas outras. De uma forma restrita as mensagens criadas pelos twitteiros se configuram como noticia, pois ele é de acesso livre para quem quiser, e não há um tipo definido de postagem. O que dá a ao twitter a possibilidades de ser jornalístico é a sua utilização por canais de noticia, como a Rádio CBN, para publicar informações.

Na ferramenta twitter, são criados alguns tipos de contas, uma conta pessoal, de um cidadão, de um jovem, uma privada de uma profissional, como a de um jornalista, por exemplo. Que mesmo sendo a conta de um profissional do jornalismo pode não se configurar como jornalística, pois, a conta sendo privada dá ao jornalista a possibilidade de postar estado emocional, atividades que está fazendo, etc.

Ao contrário das contas privadas, as empresariais, são mais sérias, e trabalham de acordo com as definições da empresa. Nesse tipo de conta são postadas propagandas, informações, notas e noticias tudo de acordo com os padrões da empresa.

As organizações jornalísticas se utilizam dessa ferramenta para participar das redes sociais e informas os seus usuários, porém, nem sempre as postagens feitas são jornalísticas.

Muitas das informações postadas são meramente para saciar os interesses de pessoas que levam em conta as ações ou acontecimentos relacionados à uma celebridade, por exemplo. Enquanto outra, como um alagamento, que considera uma informação jornalística, pois interessam à sociedade, e de alguma forma pode auxiliar no dia-a-dia dos receptores dessa informação.

Os twitter’s feitos pelas organizações jornalísticas em seus canais principais buscam informar os seus seguidores, e com isso fazer com que essa informação gere mais repercussão.

Ao nos direcionarmos ao twitter para discutirmos se uma informação é importante ou não, um dos critérios que podemos adotar é a replicagem. Recuero (2009) considera o retweet como uma filtragem, ou seja, o processo de redirecionamento de uma mensagem pode qualifica – lá devido ao fato causar interesse ao usuário que o fez e ainda de potencializar a importância da noticia para um maior numero de pessoas.

Análise – Jornal da CBN e o @jornaldacbn

Para a realização da análise e entendimento da dinâmica operada pelo Jornal CBN no twitter oficial do programa, bem como o conhecimento da estrutura e do funcionamento do programa na rádio, foram analisadas uma semana da programação radiofônica juntamente com as postagens no seu twitter. O período de análise consistiu entre os dias 19/10/2010 à 26/10/2010, sendo gravados, assim como a captura dos posts no microblog. O programa foi captado da página da CBN, onde havia a possibilidade de escolha das emissões de Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo, sendo este último o escolhido para a análise.

Só foram observados os post enviadas mensagens através do espaço @jornaldacbn. Cabe destacar também que foram aproveitados somente os programas que aconteceram nos dias úteis, de segunda a sexta-feira, pois nos sábados e domingos o microblog não recebe postagem.

O Jornal da CBN é um programa de rádio exclusivamente de noticias que é transmitido pela Rádio CBN todos os dias das 06h00min até as 09h30min, transmitindo aos ouvintes noticias nacionais e internacionais. Tendo uma duração de 3h30min, os intervalos ocorrem em média a cada 15 minutos, nos quais transmite propagandas. A cada meia hora de programa há uma interrupção, de 2 minutos, para que outro programa, o Repórter CBN, entre no ar.

O programa não tem uma linha editorial fixa, como, esportes, política, sociedade, cultura, definidas claramente. Os jornalistas que fazem o programa são aparentemente livres para noticiar na ordem e hora que quiserem. É dada uma ênfase em política em cada bloco, sendo que as notícias mais importantes do bloco anterior geralmente são reforçadas após o intervalo. Após as 8h00min, começam a transmitir tomadas ao vivo do transito de São Paulo, para auxiliar os motoristas que estão acompanhando o programa.

As postagens no twitter do Jornal da CBN ocorrem somente durante o tempo que o programa se encontra no ar e seguem alguns padrões, geralmente são postadas as chamadas para reportagens especiais, matérias de abertura, e entrevistas ao vivo. No twitter as mensagens geralmente são para gerar interesse nos leitores instigando para que acompanhem a programação. Como é possível notar no post da Terça-Feira dia 19 de outubro pelo @jornaldacbn: ‘Na abertura: Greve na França, Dilma falando sobre aborto e aumento do IOF’, a chamada feita no microblog faz referência a duas diferentes reportagens que seriam transmitidas em seguida na rádio, uma sobre a situação da greve na França que foi tomada ao vivo com uma correspondente direto do país e outra através de uma entrevista realizada com a então candidata à presidência, Dilma Rousseff.

A questão temporal não é explorada como base para que aconteçam mais postagens, não há preferência a matérias com maior tempo de emissão, as vezes uma pequena nota gera um post.

Através da ferramenta os jornalistas que trabalham no programa fazem chamadas para que os twitteiros que também são ouvintes possam acompanhar a programação.

Com o auxilio do microblog o programa proporciona uma forma de contato para seus seguidores, já que ao se deparar com algum fato que julguem interessante para a sociedade, os seguidores do @jornaldacbn podem postar noticias e auxiliar na programação. Este auxílio é solicitado pelo âncora durante o programa, como podemos notar na chamada do jornalista Erodoto Barbeiro: ‘Acessem a nossa pagina, e nos mandem informações’ feita no dia 19 de outubro as 6h06min. Quando a informação que é publicada pelos ouvintes é importante o âncora faz um comentário breve sobre a nota, e algumas vezes a informação ainda recebe um retwett da @jornaldacbn.

O jornal trabalha de forma a suprir os interesses de seus ouvintes e dos seguidores do twitter noticiando informações que foram enviadas ou sugeridas ao canal do programa por twitteiros, como esse postado pelo usuário @randaljunio: ‘@jornaldacbn Rua da mooca nao eh alternativa a Radial hj. Completamente parada’. Este post foi gerado pelos comentários realizados pelo jornalista Diego Matozzo, direto do helicóptero CBN, ao estímulo dado por um comentário que indica aos ouvintes dicas para fugir de problemas de transito da cidade São Paulo como essa dada ao canal do programa por twitteiros.

Outra forma de participação é o envio de mensagens que auxiliam a programação e ainda pode gerar um retwett como o realizado pelo canal da CBN: ‘@ToffolettoCatia: Será que a sub da Lapa vai tomar providências??? O buraco da Afonso Sardinha já aumentou…’. Além do redirecionamento feito pelo canal da CBN ainda são feitos comentários ao vivo sobre as informações que são enviadas para o twitter da rádio.

O estimulo de interação que é feito pela rádio é bem interessante, os ancoras do Jornal da CBN pedem aos twitteiros que enviem perguntas para que elas sejam feitas aos entrevistados. Post feito no canal @jornaldacbn: ‘Mande perguntas para Edoardo Perrotti, sobre gestão de áreas técnicas. Ele está, ao vivo, pela internet, no site da CBN.’

Nota-se que a utilização do twitter pelos jornalistas responsáveis pelo Jornal da CBN é feito de modo a proporcionar ao ouvinte uma nova forma de participar da programação e ainda de estimular usuários do microblog a ouvir a rádio. A interação que acontece entre rádio e twitter é explorada pela rádio, já que em muitos momentos são feitas chamadas para que os ouvintes/twitteiros participem e ainda são enfatizadas as colaborações feitas através da ferramenta.

Considerações finais

Atualmente contamos com uma grande quantidade de novas ferramentas disponíveis para os jornalistas e as pessoas em geral. Com isso mais indivíduos tem a possibilidade transmitir informações e configurar de certa forma uma ‘concorrência’ com os jornalistas, pois a sociedade atual em sua maioria busca informações que são atualizadas rapidamente e com um enfoque breve do assunto o que facilita a transmissão de informações por cidadãos que não possuem a formação jornalística.

Dentre as inovações proporcionadas pela internet, contamos com as redes sociais, que nada mais são que grupos de pessoas com interesses semelhantes e com uma grande capacidade em transmitir e receber informações. Dentre os sites que contam com essa possibilidade de criação está o twitter, o mesmo se configura como um misto rede social e microblog, um portal com grande potencial informativo e de comunicação que já está se caracterizando como um dos mais utilizados.

Mesmo com limitações no numero de caracteres disponíveis para a postagem o twitter já adquiriu seu espaço no campo jornalístico. As diferentes áreas do jornalismo estão utilizando mais a cada dia para transmitir informações e até localizar diferentes pautas. Processo que se configura como interação, ou seja, como no twitter possuí muitos usuários, a ferramenta gera nas empresas interesse em transmitir noticias através do microblog e ao mesmo tempo utilizar as mensagens enviadas pelos twitteiros para enriquecer suas programações.

Como em todas as empresas de notícia o rádio também está fazendo uso desse recurso para incrementar sua programação e atrair ouvintes. O Jornal CBN utiliza o twitter para transmitir as chamadas principais de sua programação além de estimular os seus seguidores a participar da programação, o que acontece através de dicas, de imagens, de questionamentos, de informações que são enviadas para a rádio através do microblog.

Além disso, dá aos usuários do twitter a possibilidade de participar de programações e transmitir informações capazes de chegar ao conhecimento de mais pessoas. Essa grande interação entre empresas jornalísticas e o publico só faz com que o trabalho do jornalista tenha mais êxito, pois o profissional pode trabalhar de acordo com os interesses da sociedade trazendo informações que são consideradas relevantes pela publico que a recebe.

As adaptações pelas quais passa o radiojornalismo com o surgimento de novas tecnologias e ferramentas sempre fazem com que ocorra uma evolução que auxilia na melhora dessa mídia. E com o twitter este processo não é diferente, as informações que são compartilhadas nele somadas as divulgadas no rádio fazem com que os ouvintes tenham uma nova possibilidade para acompanhar a programação da emissora.

******

Estudante de Comunicação Social – Jornalismo, Santa Maria, RS

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem