Terça-feira, 21 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

DIRETóRIO ACADêMICO > TAM, VÔO 3054

Os mortos e os outros que não sabem esperar

Por Deonisio da Silva em 24/07/2007 na edição 443

Quando o avião da TAM caía em São Paulo, eu estava em Petrópolis (RJ) e visitava outra vez a casa em que morou o brasileiro Santos Dumont, o inventor do avião, cuja vida também terminou em tragédia: ele se suicidou no Guarujá, entristecido e deprimido por ver seu invento servindo como arma de guerra civil que se abatera sobre o Brasil.

A casa onde ele morou em Petrópolis, transformada em museu, é pouco maior do que uma quitinete. Além da famosa escada que obriga a quem sobe entrar com o pé direito, há um pequeno terraço, pouco maior do que uma arapuca, em cima do telhado, onde se chega por uma escadinha toda original: lá ele passava horas contemplando o céu noturno, pois instalara ali um pequeno telescópio.

Depois da visita à casa do inventor do avião, fui ao cemitério visitar o túmulo do escritor austríaco, de ascendência judaica, Stefan Zweig, que também se suicidou, não no Guarujá, mas em Petrópolis, juntamente com a mulher, Charlotte. A casa em que o escritor morou está tombada, mas continua fechada, pois as obras de restauração ainda não foram iniciadas.

Proibido de reger

Stefan Zweig foi um dos dois oradores do funeral de Freud, a quem muito admirava. Os dois trocaram muitas cartas. A mulher de Freud reprovara o casamento com Charlotte, muito mais jovem do que Zweig.

Alberto Dines escreveu notável biografia sobre o escritor, intitulada Morte no Paraíso, título muito apropriado, pois o escritor, apaixonado por nosso país, que escolhera para seu exílio, escreveu um livro intitulado Brasil, país do futuro. E um filme muito bem cuidado sobre o biografado, como é próprio desse cineasta, está ainda longe dos cinemas, apesar de pronto há algum tempo. É Lost Zweig, de Sylvio Back. Estive numa exibição especial, no Rio, em que Alberto Dines e o cineasta debateram com o público. A sensação era de quem, em meio aos livros de auto-ajuda nas livrarias e de filmes dispensáveis nos desertos em que se transformaram livrarias e cinemas, chegáramos a um belo oásis para alguns momentos de refresco.

Depois que eu publiquei uma pequena novela intitulada A Mulher Silenciosa, baseada na história real de u’a mulher que eu conheci em Ijuí (RS), acusada injustamente de mandar matar o marido, e mesmo assim condenada e, depois de muitos anos de prisão, indultada por Getúlio Vargas, soube que este era também o título de uma ópera de Richard Strauss, cujo libreto é de autoria de Ztefan Zweig.

Às vésperas da estréia, em Dresden, em 1935, Goebbels mandou retirar o nome de Zweig, mas Strauss revoltou-se e disse que então a obra não estreava. Pagou caro pelo gesto. Deu-se a estréia sem a retirada do nome de Zweig, mas também Strauss foi depois demitido do seu cargo e proibido de reger na Alemanha e na Áustria. Strauss não era bem visto pelos nazistas porque seu filho era casado com uma judia. Seus dois netos eram portanto judeus.

Outros medos

Não resisto e transcrevo um trecho da carta de despedida do escritor Stefan Zweig:

‘Meu amor por este país (Brasil), aumentou dia após dia, e em nenhum outro lugar eu teria preferido reconstruir uma vida nova, hoje que o mundo da minha língua desapareceu para mim e que meu lar espiritual, a Europa, destruiu a si mesmo. Mas, depois de sessenta anos, é preciso ter uma força incomum para fazer um começo inteiramente novo. A que possuo esgotou-se nos longo anos de perambulação sem teto. Assim, julgo melhor concluir, em tempo hábil e de cabeça erguida, uma vida na qual o trabalho intelectual representou a mais pura alegria, e a liberdade pessoal, o bem mais precioso da Terra. Saúdo todos os meus amigos! Possam eles ter a graça de ainda ver a alvorada depois da longa noite! Eu, impaciente demais, sigo na frente’.

Os suicidas têm pressa. Nós precisamos ter paciência. Outro dia Nelson Sargento declarou: ‘A vida só é ruim para que não sabe esperar’.

Mesmo tendo o livro de Alberto Dines em casa, como ia ficar alguns dias em Petrópolis, tentei comprar outro exemplar e passei a procurá-lo nas livrarias. Não encontrei Morte no Paraíso. De volta ao Rio e depois em São Paulo, tornei a procurá-lo. Nada!

Em algumas livrarias moderníssimas encontrei um sistema de busca por computador que dá todos os dados do livro e informa que não há um único exemplar naquela livraria. O vendedor, solícito, me garante em que em dez dias, seu eu pedisse o livro, ele chegaria. Dez dias? Livro é como pão! Fui à internet e obterei o livro em 24h… se os aviões partirem no horário, o que é improvável!

Registro, pois, em meio à tragédia do avião da TAM e dos três suicídios históricos, certos traços de nossa modernidade torta, que provê aviões sofisticadíssimos, mas não faz sua manutenção mecânica; que informa que qualquer livro está (no catálogo) e não está na livraria (na estante); que condecora autoridades notoriamente incompetentes, como se o poder fosse um meio de mimar amigos e áulicos, mas é incapaz sequer de disciplinar a construção de prédios ao redor de aeroportos, como vem de acontecer em Congonhas.

Na Folha de S.Paulo de domingo, (22/7, pág A3), Frei Betto resumiu o drama, depois de desembarcar do avião que pousara imediatamente antes do da tragédia: ‘Não é de viagem de avião que tenho medo. É das autoridades responsáveis pela nossa segurança aérea’.

Mas há outros medos pairando no ar, de que é exemplo o nível intelectual dos quadros do governo que vão aplicar os critérios de faixas etárias à programação da televisão. Não é impróprio supor que terão competências assemelhadas às das autoridades que cuidam do outro espaço aéreo, dados os critérios desse governo para preencher seus quadros dirigentes em muitas áreas.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem