Quinta-feira, 27 de Junho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1043
Menu

DIRETóRIO ACADêMICO >

Só não entendo por que o jornalismo foi escolhido

Por Verônica Lorenzo em 23/06/2009 na edição 543

Após a decisão do Supremo Tribunal Federal sobre a não obrigatoriedade do diploma e os depoimentos de jornalistas que compactuam com o mesmo pensamento, sinto-me indignada.

Hoje, a qualidade do jornalismo já é questionada quando se utiliza o sensacionalismo ou mesmo a parcialidade para abordar alguns fatos que lançam mais pontos no Ibope. No entanto, ainda resta a esperança de que alguns programas sobrevivam e tragam algum diferencial para a TV aberta.

Para aumentar minha indignação, ao acessar o portal Comunique-se, a manchete era: ‘Em palestra, Caio Túlio Costa diz ser a favor da queda do diploma desde os anos 80’. Segundo a própria matéria, o mesmo é jornalista formado pela ECA-USP, o que para mim soa como uma infeliz contradição. Por que alguém diplomado defenderia a não obrigatoriedade do diploma?

Para ele, a vocação e a moral do indivíduo são os requisitos necessários para se tornar um jornalista. Certamente ele parte da mesma premissa de que o fato de ter um bom texto já é necessário para que alguém exerça esta profissão. E a técnica? Se não fosse necessária, e se não caracterizasse o tipo de texto, de certo não deveria existir, mas existe e deve ser respeitada.

Continuarei defendendo a bandeira

Exijo respeito também aos profissionais que já atuavam nos veículos de comunicação e que de forma consciente buscaram a academia para exercer o jornalismo diplomado. A experiência adquirida na prática foi aprimorada e certamente alguns conhecimentos foram aprendidos naquele período. Por outro lado, aqueles que cursaram quatro anos na faculdade, aprenderam a técnica, debateram, refletiram, por vezes fizeram críticas a alguns modelos e, como resultado deste processo, se tornaram jornalistas diplomados.

Só não entendo por que o jornalismo foi escolhido. Se para ser arquiteto, engenheiro, psicólogo, assistente social, pedagogo, advogado e outras tantas profissões, necessitamos de um diploma, por que para ser jornalista isto não é necessário? Para estas a vocação e a moral também são necessárias, caro colega.

Participei do movimento pela obrigatoriedade do diploma e mesmo com a decisão do Supremo Tribunal Federal continuarei defendendo esta bandeira, por acreditar que a academia é o local adequado para que o jornalista tenha o conhecimento das técnicas para exercer esta profissão.

******

Jornalista especialista em Gestão da Comunicação Organizacional Integrada, Salvador, BA

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem