Sábado, 15 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

DIRETóRIO ACADêMICO >

Time divulga lista dos mais influentes

02/05/2006 na edição 379

A revista Time divulgou, no domingo (30/4), a lista anual com as 100 pessoas mais influentes do mundo. Estão nela o presidente George W. Bush, o escritor turco Orhan Pamuk, a chanceler alemã Angela Merkel, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, a secretária de Estado americana Condoleezza Rice, o ex-presidente Bill Clinton, o empresário Bill Gates, a apresentadora americana Katie Couric e o rapper Sean ‘Puffy’ Combs. Apesar de seu atual baixo índice de aprovação popular, é dito que Bush ‘já assegurou um grande lugar na História’. Orhan Pamuk, mais famoso escritor da Turquia, foi obrigado a deixar o país por uns tempos após escrever um livro criticando a história nacional. Angela Merkel, primeira mulher a assumir o posto de líder da Alemanha, ‘agora apresenta índice de aprovação estratosférico’. Sean Combs, que além de cantar é produtor, estilista e filantropo, é descrito como ‘uma força da natureza’. Informações da Reuters [30/4/06].



Juiz defende prisão de Judith Miller

O juiz federal Thomas F. Hogan, responsável pela ordem de prisão à ex-repórter do New York Times Judith Miller, defendeu sua atuação no caso. Em um encontro de uma associação de imprensa regional, na sexta-feira (28/4), Hogan afirmou que estava certo quando decidiu que os jornalistas chamados a depor no caso Valerie Plame não deviam gozar de proteção da Primeira Emenda para manter suas fontes confidenciais – especialmente em uma questão criminal. O juiz disse que rejeitou a possibilidade de dar uma multa à Judith porque acreditava que apenas a prisão a faria cooperar com a Justiça. A repórter ficou 85 dias na cadeia antes de apontar Lewis Libby, então chefe de Gabinete do vice-presidente dos EUA, como sua fonte. Segundo Hogan, Judith não era uma inocente coadjuvante na história, e sim participou de um crime – a transferência ilegal de informação privilegiada. Curiosamente, a jornalista nunca publicou nenhuma matéria sobre a identidade secreta da agente da CIA Valerie Plame, mulher de diplomata crítico ao governo Bush. Informações de Toni Locy [AP, 28/4/06].

Todos os comentários

MONITOR DA IMPRENSA >

Time divulga lista dos mais influentes

02/05/2006 na edição 379

A revista Time divulgou, no domingo (30/4), a lista anual com as 100 pessoas mais influentes do mundo. Estão nela o presidente George W. Bush, o escritor turco Orhan Pamuk, a chanceler alemã Angela Merkel, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, a secretária de Estado americana Condoleezza Rice, o ex-presidente Bill Clinton, o empresário Bill Gates, a apresentadora americana Katie Couric e o rapper Sean ‘Puffy’ Combs. Apesar de seu atual baixo índice de aprovação popular, é dito que Bush ‘já assegurou um grande lugar na História’. Orhan Pamuk, mais famoso escritor da Turquia, foi obrigado a deixar o país por uns tempos após escrever um livro criticando a história nacional. Angela Merkel, primeira mulher a assumir o posto de líder da Alemanha, ‘agora apresenta índice de aprovação estratosférico’. Sean Combs, que além de cantar é produtor, estilista e filantropo, é descrito como ‘uma força da natureza’. Informações da Reuters [30/4/06].



Juiz defende prisão de Judith Miller

O juiz federal Thomas F. Hogan, responsável pela ordem de prisão à ex-repórter do New York Times Judith Miller, defendeu sua atuação no caso. Em um encontro de uma associação de imprensa regional, na sexta-feira (28/4), Hogan afirmou que estava certo quando decidiu que os jornalistas chamados a depor no caso Valerie Plame não deviam gozar de proteção da Primeira Emenda para manter suas fontes confidenciais – especialmente em uma questão criminal. O juiz disse que rejeitou a possibilidade de dar uma multa à Judith porque acreditava que apenas a prisão a faria cooperar com a Justiça. A repórter ficou 85 dias na cadeia antes de apontar Lewis Libby, então chefe de Gabinete do vice-presidente dos EUA, como sua fonte. Segundo Hogan, Judith não era uma inocente coadjuvante na história, e sim participou de um crime – a transferência ilegal de informação privilegiada. Curiosamente, a jornalista nunca publicou nenhuma matéria sobre a identidade secreta da agente da CIA Valerie Plame, mulher de diplomata crítico ao governo Bush. Informações de Toni Locy [AP, 28/4/06].

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem