Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

E-NOTíCIAS > PLANETA DIGITAL

Jornalistas devem ter boa postura profissional nas redes sociais

Por Cleyton Carlos Torres em 21/08/2012 na edição 708

Jornalistas que trabalham diretamente com o universo digital precisam ter uma atenção extra no quesito postura profissional. Se no chamado mundo offline os profissionais da imprensa já eram julgados pelos seus posicionamento ou atitudes públicas que envolviam algum tema mais delicado ou polêmico, isso não é diferente nas redes sociais. Quanto maior o grau e quanto mais notório é o veículo em que o profissional trabalha, maior será a sua fiscalização por parte do público – e por parte dos outros jornalistas.

Não só por questão de bom senso, mas sempre é recomendável ter em mente que a barreira entre o contexto profissional e o pessoal está tão apagada que não vale a premissa de que algo foi comentado em sua rede particular. Não há rede particular, assim como não há o “seu Facebook”. Se algo foi comentado de forma inapropriada nas redes sociais você, como jornalista, deve saber que haverá consequências, muitas delas impactando negativamente a sua profissão.

E isso não é só com a explosão no uso das redes sociais pelos usuários, pela imprensa e pelos jornalistas. Sempre foi assim na época onde só o e-mail reinava. A postura profissional está intrinsicamente ligada com a qualidade do profissional. Não há como admitir um profissional competente, porém totalmente despreparado para lidar com críticas e comentários nas redes sociais. E tentar “fugir” desses ambientes é ainda mais perigoso, mas o profissional da imprensa deve ser o primeiro na linha de combate – tanto para bater como reconhecer os seus erros.

Ascensão profissional

As questões envolvendo a postura do jornalista nas redes sociais não deve sempre discutir o assunto como se essa conversa fosse algo inibitivo. Outra vertente que pode ser trabalhada é que quando bem utilizadas, as redes sociais podem alavancar o nome do profissional. Usar de maneira mais “profissional” o Twitter, o Facebook e os blogs podem gerar uma visibilidade positiva para o jornalista, já que quanto mais “agradável” é o profissional nesses ambientes, mais pessoas – e, por tabela, mais empresas – irão reconhecê-lo.

As dicas nesse ponto são as mais básicas possíveis, como sempre buscar produzir conteúdo de alta qualidade, procurando, dessa forma, se torna uma autoridade em determinado nicho. Outra recomendação é evitar participar de “correntes” negativas com tom pejorativo ou preconceituoso, assim como evitar quedas de braço “em público”, seja com empresas ou com outros usuários. Lembre-se que você é o profissional de uma empresa jornalística e não cairia bem esse tipo de exposição. Se for freelancer, a atenção deve ser ainda maior, pois a sua empresa é você mesmo.

***

[Cleyton Carlos Torres é jornalista, pós-graduado em assessoria de imprensa, gestão da comunicação e marketing e pós-graduado em política e sociedade no Brasil contemporâneo]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem