Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1059
Menu

E-NOTíCIAS >

Traição

Por Márion Strecker em 02/04/2013 na edição 740

Acordei com um e-mail do Gerald Thomas: “Oi, meu amor, fico recebendo coisas do tipo: Marion te adicionou ao TWOO ou algo assim. O que vem a ser isso? Love, J”.

O Gerald, um internauta veterano, resolveu perguntar antes de sair clicando no link que recebeu por e-mail. Fez bem.

Embora o e-mail tivesse até uma foto minha, não fui eu que mandei.

Quem mandou foi um site maligno que funciona em 37 idiomas e inferniza o público disparando e-mails a torto e a direito. Ele se aproveita dos contatos do seu computador e do seu Facebook.

O site pertence à empresa belga Massive Media e diz atrair 9,6 milhões de pessoas por mês, citando dados da comScore de novembro do ano passado.

Essa atração é feita com base em traição, o que não chega a ser novidade na internet.

O principal executivo do Twoo, Lorenz Bogaert, prometeu corrigir o “mal-entendido” quando foi questionado. Mas o problema persiste.

Mal tinha respondido ao e-mail do Gerald, recebo um outro com logotipo do Serasa. Trazia um aviso eletrônico de multa do Detran em meu nome e link para um boleto.

Estranhei. Daí me ocorreu pousar o cursor sobre o link enviado para observar a URL que aparecia (aquele endereço eletrônico de um site). Pronto: o endereço não era derivado da família de endereços do Serasa (www.serasa.com.br ou www.serasaexperian.com.br). Apaguei.

Há muitos anos não passo uma semana sem receber e-mails maliciosos, em nome de bancos, empresas ou pessoas, conhecidas ou desconhecidas, com pedidos ou convites, anexos ou links que nada mais são do que armadilhas.

Qualidade de vida

Segundo a multinacional de segurança Websense, baseada em San Diego, Califórnia, apenas o envio de links maliciosos cresceu 600% no último ano. Do total de e-mails em circulação, apenas 21,6% eram legítimos, sendo 76,4% deles spams (e-mails não solicitados), 1,6% phishing (tentativa de recolher nome de usuário, senha ou dados de cartão de crédito) e 0,6% malware (software malicioso).

Como sair ileso? Abrindo mão da curiosidade. Desconfiando de tudo e de todos, especialmente de mensagens que não sejam evidentemente apenas para você. Checando endereços antes de clicar em um link. Não abrindo nenhum anexo a não ser aquele que você já estava esperando. Evitando aplicativos de um modo geral, a não ser que sejam muito bem recomendados.

Vale fazer tudo isso? Não sei.

Fiquei pensando nos jovens que em vez de e-mail usam celular e redes sociais. Lembrei que spam, links maliciosos e softwares maliciosos já aparecem também em celular e redes sociais.

Fiquei matutando sobre quanto tempo e dinheiro gastamos para driblar as arapucas da internet. Pensei no mote que parece ser: “Crie problemas e venda soluções”. Ou: “Crie pânico e venda tranquilidade”.

Lembrei da arquitetura da violência. Moro num condomínio que se enche de grades e câmeras de segurança enquanto adolescentes são roubados e mortos na calçada da frente. Pensei que as estatísticas servem para explorar o medo e comercializar produtos. Não exatamente para melhorar serviços ou a qualidade de vida das pessoas.

******

Marion Strecker é jornalista, colunista da Folha de S.Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem