Sábado, 23 de Fevereiro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1025
Menu

E-NOTíCIAS >

Google Glass

Por Márion Strecker em 28/05/2013 na edição 748

Se você usa óculos, deve estar se perguntando como é que vai usar o Google Glass. Mandará fazer Google Glass de grau? Google Glass de leitura? Google Glass multifocal? Complicado demais. Vai adotar lentes de contato? Talvez. Ou vai vestir o Glass em cima dos óculos? A ideia é essa, mas nem sempre encaixa.

Pensei que o Google Glass poderia evoluir e sair ele mesmo na forma de lente de contato. Aí sim ficaria imperceptível e não deixaria ninguém com cara de nerd.

Que espaço na sua vida terá aquela armação com uma lente só, dotada de câmera e microfone, que ainda não foi oficialmente lançada no mercado? Quanto você pagaria pela traquitana?

O Google já andou vendendo por US$ 1.500 para 2.000 desenvolvedores na Califórnia, sedentos por novidade e esperançosos de criar aplicativos que possam fazer sucesso. Quanto vale o show dos óculos que interagem na internet?

Tempo real

Pra que serve o Google Glass? Fotografar, filmar e compartilhar essas imagens sem usar as mãos. Serve também para falar ao telefone e fazer buscas no Google.

Você aciona funções por comando de voz e vê a ação ou o resultado na frente do seu olho direito. As pessoas vão estranhar você, que ficará olhando para cima até cansar a vista. Embora muito pequena, essa lente-tela transparente ao ser vista tão de perto parecerá grande.

Você vai se sentir estranho, tendo de aprender a comandar um novo aparelho. Será que vai se surpreender gritando com os seus óculos no meio da rua? E em locais barulhentos? Reclamará da qualidade da conexão? Sofrerá com vírus? Terá o aparelho danificado se usar na chuva? Possivelmente sim.

E o design do Google Glass? Farão Google Glass coloridos? Sim! Farão Google Glass com design Philippe Starck? Romero Britto? Louis Vuitton? Por que não? Será que usar o Google Glass ao sol vai causar mancha de sombra num olho só? Certamente. Haverá Google Glass com lente escura? Sim, já há.

Já havia óculos computadorizados para esquiadores, praticantes de snowboard, ciclistas e corredores. A ideia é permitir telefonemas e dar informação em tempo real ao usuário, a partir de um localizador geográfico e tecnologia sem fio.

Olhos nos olhos

O marketing é tornar a experiência mais rica, mais segura e menos solitária, já que o sujeito não precisa olhar para o relógio ou segurar o telefone durante a atividade.

Mas há os detratores dessas novas e inevitáveis tecnologias, preocupados com os acidentes que serão causados por mais uma distração. E há os preocupados com a privacidade, seja dos usuários, seja das pessoas em volta, que podem não saber que estão sendo fotografadas, filmadas ou televisionadas.

Privacidade? Os outros me olham, só que não sabem o que estou vendo ou fazendo. Não saberão se os estou fotografando, tuitando, facebookando, instagramando, googlando, e-mailando ou o quê.

Estar com alguém, ainda que olhos nos olhos, nunca mais será a mesma coisa. Em vez de ver e viver o presente inteiro, viverei desatenta, mergulhada no futuro, no passado, na informação além, na pessoa além.

******

Marion Strecker é colunista da Folha de S.Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem