Segunda-feira, 24 de Junho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1042
Menu

E-NOTíCIAS >

Código é poesia

Por Luli Radfahrer em 30/07/2013 na edição 757

A expressão, usada como slogan pela plataforma WordPress, é controversa. Comparar a nobre arte poética com a técnica da programação parece sacrilégio.

Código é frio e calculado, precisa ser objetivo, não pode dar margem a interpretações. O que isso tem em comum com a artesania de palavras que compõe um verso?

A relação entre as duas áreas tem origens medievais. Até o século 12 não se calculava com números na Europa. Para isso existiam os ábacos. Derivados do sistema romano, números eram apenas um tipo de letra usada para registrar quantias.

A invasão árabe trouxe com ela as descobertas aritméticas dos hindus e persas, entre eles os escritos de Al-Khwarismi. De seu nome vêm os conceitos de algarismo, algoritmo e logaritmo.

Entre suas invenções está a álgebra, uma língua composta de pequenas frases e sinais que registra e calcula operações matemáticas. Em frases curtas, sequenciais e de gramática rígida buscava-se descobrir a incógnita, chamada por ele de “xay” (coisa), que não tardou a se transformar no “x” de tantas questões.

Algoritmos, como equações algébricas, usam expressões para realizar operações. Sintéticas, essas frases em línguas estranhas (SQL, JavaScript, HTML) têm sintaxe, ortografia e métricas precisas.

Estrutura e métodos

A semelhança entre código e poesia vai além de sintaxe e frases curtas. Ambas têm propósito, sentido e estrutura. Por motivos diferentes, precisam ser elegantes e concisas.

Bom código, como boa poesia, não “acontece” naturalmente, nem pode ser gerado a partir de dicionários de rimas. Demanda disciplina, talento e trabalho duro.

Algoritmos bem desenvolvidos, como poesias bem escritas, seguem fluxos naturais de ideias. Tudo neles parece estar no lugar correto, nada pode ser removido, cada linha emenda naturalmente na próxima.

O fluxo de operações não é determinado pela estrutura gramatical, mas pela forma com que cada ideia se conecta à seguinte, complementando a anterior. Linhas de código, como versos, fazem referências cruzadas, em que cada parte amplifica e sintetiza o que a antecedeu.

Como bem sabe quem já tentou escrever poemas ou algoritmos, a tarefa não é fácil. Licenças poéticas, exceções e desvios acabam sendo usados para contornar problemas, criando emendas que geram trabalhos de péssima qualidade.

Muitos preguiçosos autointitulados poetas apenas por serem capazes de rimar as palavras no fim de duas linhas se espantam porque ninguém suporta lê-los ou ouvi-los. Dodecassílabos, alexandrinos, heroicos ou redondilhas, poemas precisam de estrutura. Como eles, os haikus e sonetos algorítmicos demandam estruturas e métodos para serem devidamente apreciados.

Beleza oculta

Programar websites e aplicativos é complexo, mas não é impossível, nem restrito a mentes brilhantes especiais. Da mesma forma que todos podem escrever, todos podem programar. Com engenho e arte, novos talentos podem fazer o que Chico, Caetano e Gil fizeram com os versos da nossa música.

Mas só se poderá cultivá-los quando o preconceito que se tem com relação aos desenvolvedores for substituído pela admiração que temos por quem garimpa a beleza oculta na última flor do Lácio.

******

Luli Radfahrer é professor-doutor de Comunicação Digital da ECA (Escola de Comunicações e Artes) da USP e colunista da Folha de S.Paulo; mantém o blog www.luli.com.br

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem