Quinta-feira, 17 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

E-NOTíCIAS > REDES SOCIAIS

Qual abandonar primeiro, Twitter ou o Facebook?

Por Paul Masondo em 10/09/2013 na edição 763
Reproduzido da Folha de S.Paulo, 9/9/2013, tradução de Paulo Migliacci

Estou ponderando há um ano se deveria abandonar primeiro o Twitter ou o Facebook, mas a questão sempre pareceu teórica – e óbvia: o Twitter é essencial para o trabalho, enquanto o Facebook, cada vez mais sobrecarregado por publicidade, questões de segurança e disputas de propriedade intelectual, não. Mas o que tenho visto no Twitter é uma deserção moral, que me leva a considerar por quanto tempo ficar ali.

As melhores estimativas indicam que o número de contas do Twitter continua alto, em mais de 500 milhões. Mas algumas das pessoas interessantes optaram pelo silêncio. Seus tuítes estão se tornando mais “profissionais” e menos espontâneos.

Muitas das celebridades, jornalistas, empreendedores e políticos que contam com mais seguidores começam a censurar as minúcias de suas vidas – os relacionamentos, as bebedeiras, os relatos em primeira pessoa de distúrbios que no passado tornavam aquilo tão divertido.

Agressões

Acima de tudo, porém, algumas das mulheres mais conhecidas do serviço de microblogs se viram forçadas a dedicar cada vez mais tempo à defesa de seu espaço on-line contra ameaças de estupro, de morte e contra os trolls, problema mais insidioso.

Embora o Facebook seja maior, com mais de um bilhão de usuários, ele ainda é uma “rede”, enquanto o Twitter se transformou em um serviço mundial de notícias sem censura e sem precedentes. Um documentário do canal de notícias americano CNBC afirma que 70% dos usuários do Twitter verificam sua página três minutos depois de acordar. Na minha casa, isso seria considerado lento.

Entre os jornalistas, o Twitter substituiu as agências de notícias: basta acompanhar alguém que você sabe que está na linha de frente de uma determinada cobertura e você terá não só relatos em primeira mão, mas usualmente corroboração ou ajustes em poucos segundos. Assim, seria um desastre que o Twitter se tornasse disfuncional. Mas o risco existe.

Ação coletiva

Desde que participei da cobertura de ameaças de estupro e morte no Twitter contra mulheres britânicas conhecidas, sou alvo constante de trolls, esses completos desconhecidos que invadem sua página e a inundam de obscenidades ou coisa pior. Minha resposta foi uma onda de bloqueios tão agressiva que fiquei até com os dedos doloridos. E isso só funcionou por um motivo: sou homem. Na internet, os trolls tomam mulheres por alvo, em sua maioria esmagadora. Pode-se constatar, em termos gerais, uma alta no assédio organizado contra oponentes políticos, também.

O Twitter, que prevê para o ano que vem um faturamento de US$ 1 bilhão, baseado na venda de publicidade, sabe que existe a chance de que parte de sua base de usuários abandone o site subitamente, cansada de sexismo e de abusos. Esses dois componentes estão se tornando questão de receita e lucro para empresas de mídia social.

A solução precisa ser radical e coletiva, pois há muito em jogo. Policiar abrangentemente o sistema é impossível. O Twitter poderia ajudar se respondesse claramente às autoridades sobre qual é sua política de armazenagem de tuítes apagados por serem considerados ofensivos. Mas, em última análise, só os usuários poderão salvá-lo. Ao que parece, isso envolverá listas criadas por usuários e compartilhadas, com endereços de contas a bloquear. O lado negativo seria entregar a uma terceira parte coletiva o controle sobre o que você vê; algumas pessoas poderiam ser bloqueadas injustamente. O nível de raiva cresceria entre aqueles que se divertem agindo como trolls.

Mas o resultado seria como a cena do Juízo Final na Capela Sistina: uma divisão da humanidade online entre os salvos e os condenados – mas como resultado do crowdsourcing, e não da intervenção divina. E isso seria perfeito. Pois a erupção súbita de trolls, ameaças de estupro e psicose em minha página serviu para me lembrar de que ainda existe mal no mundo.

******

Paul Masondo, do The Guardian

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem