Sábado, 26 de Maio de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº988
Menu

E-NOTíCIAS > NEGÓCIOS DIGITAIS

Negócio bilionário une duas visões de mundo opostas

Por Roberto Dias em 25/02/2014 na edição 787
Reproduzido da Folha de S.Paulo, 20/2/2014

Fechado o negócio, Mark Zuckerberg postou que ele e o ucraniano Jan Koum, criador do WhatsApp, compartilham uma visão de mundo.

No fundo, a história é mais ou menos o oposto disso.

O Facebook é a empresa que se orgulha de dizer que seu serviço “é e sempre será gratuito”. Mas como faz dinheiro? Com uma sofisticadíssima máquina de publicidade, calçada na mais completa base de dados já montada sobre os seres humanos.

O que o WhatsApp pensa disso? “As empresas hoje em dia sabem literalmente tudo de você, dos seus amigos, dos seus interesses, e usam isso para vender anúncios”, escreveu Koum em 2012.

Ele enfatizava: “Lembre-se: quando há publicidade envolvida, você, usuário, é o produto”. É com base nisso que defendia a cobrança.

E, a quem o que questionava sobre isso, devolvia: “Já considerou a alternativa?”.

Por ora, o modelo de serviço do WhatsApp continuará o mesmo, segundo anúncio.

Mas agora Koum vai ter que sempre olhar para a “alternativa” ao se sentar na diretoria do Facebook, ao lado do Zuckerberg.

******

Roberto Dias é secretário-assistente de Redação da Folha de S.Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem