Sexta-feira, 18 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

E-NOTíCIAS > REDES SOCIAIS

Google decide tirar Orkut do ar até o fim do ano

Por Bruno Romani em 01/07/2014 na edição 805
Reproduzido da Folha de S.Paulo, 30/6/2014

Maior rede social do mundo até 2011, o Orkut está perto do fim. O Google decidiu acabar com o serviço nos próximos seis meses.

A Folha apurou que a partir desta segunda (30/6), novos perfis não poderão ser criados e usuários antigos terão um período para poder exportar seus dados, como fotos e scraps. Uma ferramenta também permitirá converter o perfil do Orkut em perfil no Google+, rede social criada em 2011, mas que ainda tem pouquíssimos usuários.

O processo de desligamento deverá ser concluído até o final do ano, com a extinção completa do serviço.

Depois de 31 de dezembro, nem mesmo o endereço “orkut.com” deverá ser mantido pela empresa, visto que Orkut Büyükkökten, engenheiro turco criador da rede, deixou o Google há quatro meses e pretende manter controle sobre o domínio.

Atrativo do Orkut, as comunidades terão tratamento diferenciado. Ao menos parte delas não será apagada – ficará mantida de forma estática, “congelada”, como uma espécie de museu do serviço.

Em relação a perfis e comunidades suspeitos de envolvimento em crimes, como pornografia infantil, os dados de casos com investigação em curso serão preservados também até o final do ano.

Em julho de 2008, Google e Ministério Público firmaram um TAC (Termo de Ajuste de Conduta) sobre o tema como resultado da CPI da Pedofilia.

No documento, o Google se comprometeu a comunicar os casos em que o material ilícito fosse divulgado e a preservar dados necessários à investigação do crime por um prazo de 180 dias, prorrogável por mais 180 dias.

Justiça

Em fevereiro, o MPF-SP (Ministério Público Federal em São Paulo) denunciou dois diretores do Google – segundo o órgão, desde 2010 deixaram de ser cumpridas ao menos 14 ordens judiciais em ações destinadas à apuração de casos de pornografia infantil envolvendo usuários do Orkut.

A companhia considera as acusações “ultrajantes” e diz que colabora com as autoridades brasileiras em investigações e cumpre “à risca todas as ordens judiciais que estão ao seu alcance”.

******

Bruno Romani, para a Folha de S.Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem