Segunda-feira, 21 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

E-NOTíCIAS > REDES SOCIAIS

‘Houve falha ética do Facebook’, diz advogada

Por Thiago Jansen em 08/07/2014 na edição 806
Reproduzido do Globo.com, 1/7/2014; título original: “‘Houve falha ética do Facebook na omissão das informações’, diz advogada”

O Facebook comprovou por meio de uma pesquisa que as informações lidas na rede social interferem no humor dos seus usuários. Mas a forma como o estudo foi realizado está gerando uma tempestade de críticas, encabeçadas por advogados e pesquisadores acadêmicos pelo mundo: o site de Mark Zuckerberg não informou aos 690 mil usuários selecionados para o experimento que eles teriam seus feeds de notícias manipulados.

Realizado em parceria com acadêmicos das universidades americanas da Califórnia e de Cornell em 2012, e divulgado no fim de semana, o estudo da rede social avaliou, por meio de algoritmos, os comentários, vídeos, fotos e links postados por pessoas nos feeds de usuários selecionados para o estudo por uma semana.

Enquanto uma parcela deixou de receber publicações “positivas” dos amigos, por meio de um filtro imposto pelo Facebook, outra parte recebeu menos posts “negativos”. Como resultado, o primeiro grupo acabou “entrando na onda” e publicando menos conteúdos tidos como “positivos”. O segundo foi na linha oposta.

A pesquisa, então, concluiu que “emoções expressadas por amigos, via redes sociais, influenciam nosso humor, constituindo, para nosso conhecimento, a primeira evidência experimental de contágio emocional de larga escala por meio de redes sociais.”

Pesquisadores criticam método

Apesar de os termos de uso do Facebook preverem que o site pode fazer análises com os dados das pessoas inscritas na rede social, pesquisadores e advogados em todo o mundo julgaram “absurda” a decisão da rede de não avisar aos usuários sobre o estudo.

É o caso da advogada Isabela Guimarães Del Monde, sócia do escritório Patricia Peck Pinheiro Advogados, especializado em Direito Digital. Para ela, a rede social não foi ética com seus usuários, desrespeitando a dignidade humana. “A participação em experimentos e pesquisas deve ser previamente autorizada pelo sujeito que for alvo delas, mesmo que ele não saiba a razão do estudo, o que, normalmente, é mantido em sigilo para que os participantes não sejam influenciados. Portanto, eticamente houve falha na omissão das informações”, afirma ela.

Ao comentar a atitude da rede social em seu blog, o professor de direito James Grimmelmann, da Universidade de Maryland, nos EUA, demonstrou percepção semelhante à de Isabela, criticando a forma como a empresa utilizou os seus termos de uso e classificando o estudo de “escandaloso”.

As críticas também chegaram de outras áreas da ciência que lidam com pesquisas com humanos e seguem os procedimentos de consentimento informado:

“Consentimento informado significa que o participante tanto entende essa informação como concorda em participar da pesquisa”, escreveu o pesquisador de epidemiologia Max Masnick, também de Maryland, em seu blog, atacando a falta de clareza (e de destaque expositivo) das regras do site.

No último domingo [29/6], Adam Kramer, um dos pesquisadores envolvidos no projeto, escreveu em sua página na rede social que o estudo foi feito pois os seus idealizadores “se importam com o impacto emocional do Facebook e das pessoas que usam nosso produto” e tentou minimizar as ações da rede:

“Ninguém teve postagens ‘escondidas’, elas simplesmente não apareceram em algumas atualizações do feed. Essas mensagens sempre puderam ser vistas nas páginas dos seus amigos e poderiam aparecer em atualizações futuras”, afirmou o pesquisador.

Empresa pede desculpas

Ao final do texto, Kramer pediu desculpas pela ansiedade gerada em reação à pesquisa e afirmou que as condutas do Facebook estão “sempre sendo renovadas”.

Diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro (ITS-Rio), Carlos Affonso Souza acredita que o Facebook está protegido pelos seus termos de uso quanto a possíveis processos por usuários em reação ao episódio. Para ele, o lado positivo da polêmica é que ela deve fomentar uma maior consciência das pessoas sobre as regras da rede, algo “sempre saudável”: “Ao filtrar os feeds, o Facebook não fez nada que já não faça normalmente e que seja descrito nos seus termos de uso. Agora, casos como esse são importantes justamente para alertar às pessoas sobre os dois lados da moeda das redes sociais: que elas se baseiam nos seus dados, mas funcionam sob regras definidas pelas empresas.”

******

Thiago Jansen, do Globo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem