Sexta-feira, 17 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

E-NOTíCIAS > JORNALISMO-CIDADÃO

Tecnologias digitais – o que realmente mudou?

Por Danielle da Gama em 22/07/2014 na edição 808

Muito se tem divulgado sobre as oportunidades que as tecnologias digitais apresentam para a democratização da comunicação e desta para a consecução de uma real democracia política. Essa visão guarda características idealistas, mas, na mesma proporção, idealizadas. Na prática, apesar de algumas iniciativas plenas de boa vontade, o chamado “jornalismo-cidadão” não tem conseguido acompanhar todo o potencial das novas tecnologias, rumo a uma maior democratização dos meios de comunicação.

A questão principal é que não se tem construído um novo jornalismo, capaz de apresentar diferentes vozes e aceitar discursos mais diversos, e sim, apenas, um “velho” jornalismo feito em novas plataformas. De um lado, há uma estreita agenda nos meios noticiosos tradicionais, propagando os mesmos discursos, construindo cenários uniformes que deixam ao largo grande parte da sociedade. De outro, cidadãos, com dispositivos que podem utilizar para participar da produção do agendamento ou do conteúdo, alienando este poder, além de muitas comunidades sem acesso a estes equipamentos ou às bases para sequer construir um discurso que consiga seja ouvido.

Para os que se aventuram a brigar pela “cidadania midiática”, lembramos que é necessário extirpar a noção de competição entre os comunicadores profissionais e os comunicadores cidadãos, ampliando a noção de colaboração, questão chave para o aproveitamento das novas tecnologias; ensinar as pessoas a utilizar as ferramentas digitais, tornando-as hábeis a criar e divulgar conteúdos. Desde a simples ação de agregar comentários, até criar blogs ou sites de opinião ou de denúncia, sites híbridos em que coexista o conteúdo do jornalista cidadão com o do jornalista profissional, ou com a curadoria deste, toda e qualquer iniciativa que desconstrua o agendamento centralizado, distribua o direito à expressão e democratize o acesso à informação, construindo um jornalismo mais polifônico.

Muitos avanços são inegáveis, mas há muito que fazer para incluir quem ainda está de fora do processo. O fato é que o jornalismo em tempo real, online, tem em geral seguido dois caminhos: 1) a via da uniformização e reprodução de discursos, em nome da rapidez e economia de recursos, negando minorias e em pouco contribuindo para a cidadania; 2) o caminho da tentativa de constituição de um público comunicador, no amplo sentido da palavra, num modelo de Comunicação mais rico, que dê voz à coletividade em expressões mais plurais, o que é, em última análise, o viés político do jornalismo no ciberespaço. Resta, aos que acreditam na mídia cidadã, contribuir com realismo na sua construção.

******

Danielle da Gama é graduanda em Comunicação

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem