Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

E-NOTíCIAS > PLANETA DIGITAL

Você ainda usará moeda virtual

Por Ronaldo Lemos em 04/11/2014 na edição 823
Reproduzido da Folha de S.Paulo, 28/10/2014; intertítulo do OI

Quando a Apple lançou sua nova geração de iPhones, há algumas semanas, muita gente ficou desapontada. A empresa que era líder isolada em inovação dessa vez pareceu estar a reboque. A grande novidade em hardware foi o tamanho dos aparelhos, que cresceram.

Mesmo isso foi “cópia” do que os concorrentes já vinham fazendo. Mas quem olhar com cuidado vai ver que verdadeira novidade estava no software, com o lançamento do Apple Pay, uma entrada de cabeça da empresa no mercado de pagamentos virtuais.

O Apple Pay foi lido como um passo da empresa para se aproximar dos bancos e das empresas de cartão de crédito para resolver um problema que ambos não foram capazes de resolver sozinhos: massificar os celulares como meio de pagamento, transformando-o no novo “cartão de crédito” do futuro.

No entanto, a leitura mais interessante não apareceu em muitos lugares. O Apple Pay é também uma porta de entrada para as chamadas “moedas virtuais”, especialmente para o Bitcoin.

Para quem ainda não está familiarizado, o Bitcoin é uma moeda cujo banco central é a própria internet. Ela é gerada por um complexo conjunto de regras definidas por software e está se tornando hoje um ativo cada vez mais importante (na última sexta-feira um Bitcoin estava valendo R$970 por meio do site www.mercadobitcoin.com.br).

Ficção científica

Apesar de a Apple não declarar nada oficialmente sobre a relação entre Bitcoin e ApplePay, uma série de pistas indica que a empresa está de olho nesse campo. Uma dessas é que a companhia eliminou, em junho último, sua proibição para aplicativos que envolvessem unidades monetárias virtuais, que eram banidos até então.

Outra é que o Apple Pay vai ser aberto para o desenvolvimento por terceiros. Em outras palavras, aplicativos que estão experimentando com o uso do Bitcoin (como o Stripe e o PayPal) poderão ser integrados ao sistema Apple Pay.

O elemento mais importante, no entanto, é que, graças ao poder econômico e simbólico da Apple, o lançamento do Apple Pay fará com que a infraestrutura necessária para aceitar pagamentos por meio do celular se espalhe pelo mundo.

Cada vez mais lojas vão aceitar o “smartphone” como meio de pagamento. Uma vez que isso aconteça, Inês é morta. Não importará se você tem no bolso dólares, reais, bitcoins, ou dirhams marroquinos. Qualquer moeda do planeta pode ser usada para qualquer transação.

Nesse momento, o rei do pedaço vira o Bitcoin, moeda “nativa” da internet e que se adapta melhor a ela do que qualquer dinheiro emitido em papel.

Vão surgir até aplicativos para calcular diferentes cotações na hora de cada compra, indicando a mais vantajosa. Até que, hipoteticamente, as moedas do planeta caminhem para convergir em uma única moeda única –uma Ur-Moeda– resultante de todas as políticas econômicas globais juntas.

Isso parece ficção científica, mas anote essas palavras: você ainda vai usar uma moeda virtual.

******

RODAPÉ Ronaldo Lemos é advogado e diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem