Quinta-feira, 21 de Março de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1029
Menu

E-NOTíCIAS >

A seleção arbitrária da imprensa

Por Luciano Martins Costa em 26/02/2009 na edição 526

As revistas semanais de informação deram sequência aos comentários sobre a moralidade política inaugurados por Veja. Até mesmo a revista Época e a IstoÉ repercutiram o tema levantado por Veja com a entrevista do senador Jarbas Vasconcelos na semana anterior. No entanto, apenas IstoÉ abriu o leque, citando de modo geral ‘os fichas sujas do Congresso’, alinhando os sete senadores e 38 deputados que respondem a processos no Supremo Tribunal Federal.


Ainda assim, reunido todo o material publicado durante os dias de carnaval, o leitor fica com a sensação de que falta alguma coisa. Esse sentimento é induzido pela constatação de que a imprensa continua fazendo uma seleção arbitrária dos corruptos de plantão.


A leitura de Veja, por exemplo, induz o leitor a acreditar que existem duas bandas distintas de corruptos: os ‘nossos’ e os ‘deles’, do ponto de vista dos editores. A revista apresenta um levantamento do crescimento do patrimônio de algumas figuras notórias do PMDB, restringindo a esse partido a análise do fenômeno da corrupção no Congresso. E avança ligeiramente sobre a origem dos desmandos, nas eleições municipais.


Embora afirme ligeiramente que a corrupção está presente em todos os partidos – o que é uma injustiça literal, por faltar com as evidências – a reportagem de Veja centra fogo apenas no PMDB. Mas não em todo o PMDB – e como se sabe, existem sempre dois PMDBs.


Outra editoria


Se pretendia mesmo fazer uma radiografia da corrupção, como anuncia em sua capa, a revista poderia ir bem mais fundo, pois material de pesquisa não falta.


Da forma como o tema foi abordado, e seguindo a repercussão oferecida nos últimos dias pelos jornais, algum leitor distraído pode se induzido a acreditar que a imprensa brasileira é o último refúgio da moralidade política, e que a corrupção tem indicadores de nível conforme o perfil ideológico do corrupto, ou conforme o grupo político com o qual ele se identifica.


Todos sabemos que muitos ‘homens de bem’ poupados do noticiário sobre corrupção estariam mais bem retratados na editoria de Polícia do que na de Política.


***


Folha reescreve a história


Passados quase dez dias, a Folha de S.Paulo segue provocando debates por causa da revisão histórica que seus editorialistas resolveram oferecer à Nação. Segundo o jornal que se apresenta como ‘o maior do país’, o regime de exceção imposto ao Brasil entre 1964 e 1985 não foi uma ditadura. No trocadilho infeliz escolhido pelo redator que expõe as opiniões do diretor responsável do jornal, o Brasil passou por uma ‘ditabranda’.


Os argumentos já alinhavados pela internet, alguns deles publicados na seção de cartas da Folha, bastariam para qualificar tal afirmação como mera e desrespeitosa aleivosia. Mas preocupa os observadores da imprensa que um jornal alinhado entre os mais influentes do país venha a propor semelhante jogo de palavras sobre tema a respeito do qual não há como tergiversar.


Reação tardia


A Folha tem há algum tempo a mania dos ‘rankings’ e das tabelas classificatórias, mas não há como fazer uma lista classificatórias de horrores. Comparar a ditadura brasileira com a chilena ou a argentina seria o mesmo que comparar o terror nazista com os horrores do stalinismo, dizendo que este ou aquele pode ser mais aceitável.


A Folha foi o jornal brasileiro que mais se entusiasmou com as idéias do economista americano Francis Fukuyama, que no fim dos anos 1980 anunciou o ‘fim da História’. Também foi o jornal que abrigou sem reservas as teses de que existe uma tal pós-modernidade.


Mas não há como fugir da História. Não é com a negação que a Folha vai escapar da verdade segundo a qual foi um dos jornais que mais colaboraram com a ditadura militar, inclusive contratando policiais para trabalhar como jornalistas na década de 1970.


Ao desrespeitar os mortos do regime de exceção, o jornal faz lembrar seu próprio comportamento durante os anos de chumbo. A reação, tardia, e a luta pela redemocratização, foi liderada por repórteres e alguns editores, inicialmente à revelia da direção do jornal.


Quem se aventura a reescrever a História se arrisca a ser julgado por ela.


 


Leia também


Direita, volver! – Luiz Antonio Magalhães


Os limites do ombudsman – Celso Lungaretti


A ‘ditabranda’ e a culpa de Fidel – Gilson Caroni Filho


Ditadura, por favor – Fernando de Barros e Silva

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem