Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

E-NOTíCIAS > PLANETA DIGITAL

O risco da guerra cibernética

Por Evgeny Morozov em 05/06/2012 na edição 697
Reproduzido do Estado de S.Paulo, 30/5/2012; tradução de Terezinha Martino; intertítulos do OI

Devemos nos preocupar com a guerra cibernética? A julgar pelas manchetes exageradamente dramáticas na mídia, sim, e muito. O argumento é que a guerra cibernética tornará as guerras mais fáceis e, portanto, mais prováveis de eclodir.

Por que? Em primeiro lugar, é uma guerra assimétrica; como é barata e destrutiva, pode incitar Estados mais fracos a entrar em conflito com outros mais fortes. Em segundo lugar, como é difícil rastrear ataques cibernéticos, os responsáveis não temem uma rápida retaliação e se comportam de modo mais agressivo do que o habitual. Em terceiro lugar, como é difícil uma defesa contra tais ataques, muitos Estados sensatos preferirão atacar primeiro. E, finalmente, como as armas cibernéticas estão envolvidas num manto de segredo e incerteza, é difícil a aplicação de acordos de controle de armamentos. Em outras palavras, a guerra cibernética significa mais guerras.

Não tão rápido, ressalta um artigo bastante provocativo de Adam Lift, que está concluindo seu doutorado em Princeton, no Journal of Strategic Studies. Segundo ele, assumir que a guerra cibernética tem uma lógica inerente – uma teleologia – que sempre resultará em mais conflitos é ter vista curta. Além disso, as análises não consideram as sutilezas das relações de poder e da estratégia militar. Em vez de focarmos nossa política cibernética em cenários estapafúrdios de filmes de segunda categoria, temos de lembrar que aqueles que usarem armas cibernética têm planos e interesses reais – e terão de pagar os custos reais se algo der errado.

A resposta com armas convencionais

Diante da situação geopolítica atual, Lift não vê nenhuma razão para o alarmismo sombrio e catastrófico de influentes embaixadores com relação ao complexo industrial cibernético, especialmente Richard Clarke e seu livro lançado em 2010 e um sucesso de vendas, Cyberwar. Lift chega mesmo a detalhar diversos cenários onde a guerra cibernética na verdade provocaria uma redução dos conflitos armados.

É certo: o advento das armas cibernéticas poderá, no final, promover a paz mundial. Hippies de todo o mundo, unam-se e aprendam a armar ataques cibernéticos! A guerra virtual pode parecer assimétrica, mas é um mito dizer que as armas cibernéticas são baratas e de fácil obtenção. Seu desenvolvimento exige recursos, tempo e segredo operacional. Atores fracos não são realmente capazes de articular ataques de grande extensão que podem destruir a infraestrutura de sistemas com boas defesas.

Mas, mesmo que o consigam, provavelmente não optarão por essa alternativa. Ataques cibernéticos por parte de Estados mais fracos só têm sentido se eles conseguirem respaldar seu poder digital com armas convencionais.

Do contrário, poderão ser esmagados pela resposta militar convencional do Estado mais forte. Isto explica por que a Somália ou o Tajiquistão não lançarão ataques cibernéticos contra os Estados Unidos tão breve; seja qual for o dano que poderiam causar com esses ataques, a resposta seria rápida com armas convencionais.

Guerras têm a ver com coerção

E os Estados engajados numa guerra virtual tampouco sabem necessariamente das consequências de fato dos seus próprios ataques. Mesmo Estados avançados como os EUA desconhecem as chances de sucesso de tais ataques. O risco de causar danos a si próprio é alto, e os ataques cibernéticos podem inadvertidamente colocar outros ativos lucrativos (como a infraestrutura financeira do inimigo) fora da mesa. Tais incertezas podem ser o melhor meio de dissuasão.

Como Lift sublinha, é fácil achar que atores mais sensatos preferirão explorar as vulnerabilidades cibernéticas dos outros e se engajar numa guerra virtual cara se conseguirem outras maneiras mais baratas de solucionar seus conflitos. Neste caso, a disponibilidade das armas cibernéticas, independente do seu real potencial destrutivo, pode de fato permitir que Estados mais fracos consigam melhores acordos com seus adversários mais fortes, talvez até evitando um conflito.

Do mesmo modo, não devemos esquecer que as guerras têm a ver, em primeiro lugar, com coerção – e é difícil coagir outros sem causar danos à propriedade deles. Sim, pode ser difícil rastrear ataques cibernéticos, mas qualquer governo que fizer uso deles esperando conseguir que outros governos cedam à sua vontade gostaria de assumir tais ataques como seus.

Explicações teleológicas

Lift discute como é perigoso supor que as tecnologias (incluindo as armas) possuem propriedades essenciais e inalienáveis que teriam o mesmo efeito lógico – e também revolucionário – quando forem usadas.

Para ele, a guerra cibernética não é revolucionária e ele afirma, corretamente, que o efeito final dessa modalidade de guerra sobre a probabilidade de conflitos depende da natureza dos atores envolvidos, da sua força na hora de negociar e o quão confiáveis são as informações que possuem um sobre o outro.

Seja qual for a lógica inerente das armas cibernéticas, da mídia social ou dos filtros online, essa lógica inevitavelmente muda quando esses instrumentos se insiram em qualquer que seja o regime cultural, social ou político que oriente seu uso na prática. É deste modo que as armas cibernéticas acabam promovendo a paz, a mídia social acaba fortalecendo o totalitarismo e os filtros online acabam melhorando a descoberta da informação. Podemos não ser sempre capazes de prever tais efeitos, mas quanto mais nos ativermos às explicações teleológicas, menores são as probabilidades de desenvolvermos melhores estruturas para análises e tomadas de decisão de caráter tecnológico.

***

[Evgeny Morozov é pesquisador visitante da Universidade Stanford, analista da New America Foundation; escreveu este artigo para a Slate]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem