Domingo, 24 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

E-NOTíCIAS > REDES SOCIAIS

As mídias sociais nas eleições

Por Acácia Lima em 24/07/2012 na edição 704
Reproduzido do Jornal do Brasil, 18/7/2012; intertítulo do OI

Inegável fonte de informações, entretenimento, divulgação e interatividade, as mídias sociais terão papel fundamental nas eleições brasileiras de 2012. Já usada como ferramenta de campanha, a internet diminuiu o poder da TV – enquanto o candidato apresenta seu plano de governo, os eleitores estão falando ao celular e navegando no Facebook e no Twitter. Utilizadas com extremo sucesso na campanha de Barack Obama durante a corrida presidencial americana de 2008, as redes sociais não só o aproximaram dos seus eleitores como também foram responsáveis por 47% do dinheiro arrecadado, só no Twitter.

Além do Facebook e Twitter, outro canal de grande importância é o YouTube. Se na TV os candidatos controlam sua imagem, no YouTube qualquer pessoa pode divulgar um pequeno vídeo feito com o próprio celular. Aliás, esse será o grande desafio das próximas eleições: a regulamentação das mídias sociais. Segundo a ministra da Secretaria de Comunicação da Presidência da República, Helena Chaves, durante a Conferência Legislativa sobre Liberdade de Expressão, na Câmara dos Deputados, “o número de pessoas que lidam com as redes sociais é enorme e não há nada a ser feito em termos de regulamentação por causa da liberdade de expressão. Esse é o desafio porque há pessoas que entram na Justiça reclamando dos abusos que destroem reputações”.

A ministra disse ainda que a internet é um dos espaços mais caóticos de expressão e é quase impossível de ser fiscalizado. “Acho quase impossível fiscalizar (a internet). É uma sinuca de bico, e temos que encontrar a medida certa, mas nada que controle o conteúdo”, defendeu.

Envolver e engajar o eleitor

Dessa forma, caberá ao candidato que decidir utilizar as mídias sociais em sua campanha vigiar constantemente os perfis a fim de interagir nas boas e más mensagens a seu respeito. Alguns eleitores, entretanto, já estão se manifestando contra as campanhas via Facebook, defendendo o direito de usar esse espaço apenas para os assuntos de sua livre escolha.

Este é, portanto, outro desafio da próxima campanha. Além de controlar o que é publicado, os candidatos terão que descobrir uma maneira de envolver e engajar o eleitor, sem invadir seu espaço e sem correr o risco de ser ele “excluído”. Está lançada a tarefa.

***

[Acácia Lima é jornalista e diretora da YellwA, agência especializada em mídias sociais]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem