Quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº975

E-NOTíCIAS > BLOGUEIROS PROGRESSISTAS

Encontro será de 20 a 22 de agosto

Por André Cintra em 13/08/2010 na edição 602

Com inscrições abertas até sexta-feira (13), o 1º Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas deve reunir não só blogueiros – mas também ‘tuiteiros’, representantes da mídia alternativa e estudantes de Comunicação. Na opinião do jornalista José Reinaldo Carvalho, editor do Vermelho, a iniciativa ‘chega em bom momento’ e ‘poderá resultar no surgimento de uma organização social, de um novo movimento social organizado’.


Os debates acontecem em São Paulo, de 20 a 22 de agosto. Segundo os organizadores, deve reunir cerca de 300 pessoas, com inscrições a R$ 100 (R$ 20 para estudantes de Comunicação Social). O Vermelho se empenhará pelo êxito do Encontro, que se destacará cada vez mais no noticiário do portal. ‘Eu diria que o Vermelho está umbilicalmente ligado a esse movimento e, por isso, daremos apoio total. Como não temos recursos financeiros, o empenho do Vermelho não é econômico – é político, é ideológico, é moral, é militante’, garante José Reinaldo.


***


O que podemos esperar do 1º Encontro Nacional dos Blogueiros Progressistas?


José Reinaldo Carvalho – É uma iniciativa que chega em bom momento. Vejo o encontro como o segundo desdobramento prático do movimento – o primeiro foi a Confecom (Conferência Nacional de Comunicação, realizada em dezembro passado). Está-se criando um movimento de massas sobre isso, uma grande corrente de um ativismo jornalístico, editorial, político, que há de render seus frutos. Disso certamente poderá resultar o surgimento de uma organização social, de um novo movimento social organizado.


Podem surgir também iniciativas editoriais, como uma grande agência de notícias. Quem sabe o encontro dos blogueiros não torne isso um resultado possível, agora ou depois? No evento de lançamento do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, o Paulo Henrique Amorim disse: ‘Temos de ganhar a batalha da notícia, da informação – e não apenas a batalha da opinião’.


De fato, a informação é a matéria-prima do jornalismo, seu ponto de partida. Os grandes veículos de comunicação têm condições de mobilizar batalhões de jornalistas para fazer coberturas in loco dos fatos ou contratar as grandes agências noticiosas internacionais para mandar os seus despachos sobre o que está acontecendo – na Guerra do Afeganistão, na Guerra do Iraque, nas epidemias da África, etc. Nós não temos ainda essa estrutura. Como disse o Paulo Henrique, ‘temos muitas pessoas que dão opiniões muito boas, bons analistas – mas não chegamos primeiro à informação’.


Se conseguirmos juntar tudo o que nós dispomos, no sentido de fomentar uma grande agência de notícias sobre os movimentos sociais, seria um resultado já positivo. Esse Encontro de Blogueiros Progressistas pode resultar em muitas coisas e vai jogar papel nessa batalha pela democratização dos meios de comunicação. A vantagem da grande mídia está ligada aos recursos financeiros e tecnológicos de que eles dispõem. Temos de nos munir dos meios.


Qual será o grau de adesão do Vermelho ao Encontro?


JRC – O grau de adesão do Vermelho ao 1º Encontro de Blogueiros Progressistas será total. Posso até dizer o seguinte: rigorosamente, o encontro, como parte desse grande movimento que já resultou antes na Confecom, nasceu em grande medida no Vermelho. É fruto, em grande parte, da orientação correta e do empenho do Altamiro Borges, que foi secretário de Comunicação do PCdoB, e do Bernardo Joffily, que, como editor, transformou o Vermelho na trincheira dessa luta pela democratização da mídia.


Eu diria que o Vermelho está umbilicalmente ligado a esse movimento e, por isso, daremos apoio total. Como não temos recursos financeiros, o empenho do Vermelho não é econômico – é político, é ideológico, é moral, é militante. As páginas do Vermelho já se abriram ao noticiário sobre o Encontro – o que será intensificado nesta semana, já que as inscrições terminam na próxima sexta-feira. Nos dias do encontro, estaremos lá presentes, e já é decisão nossa que cobriremos totalmente a programação.


Quais devem ser os próximos passos na luta para democratizar a mídia?


JRC – Em primeiro lugar, é preciso concretizar o que já foi decidido. Os marcos de cada luta são as conquistas. À medida que você as materializa, dá para avançar e fincar sua bandeira num determinado território. Creio que implantar as medidas aprovadas na Confecom deve ser o próximo passo. É responsabilidade do governo, do Congresso e também do movimento – que precisa ir a Brasília, fazer pressão, bater na porta dos ministérios e do Congresso. Precisamos transformar as conquistas em leis.


A segunda questão – e isso será tema de debate no Encontro – é o que fazer para que o movimento dos blogueiros se organize mais. Não sei se estou sendo idealista, mas será que é um objetivo que se pode pôr no médio ou longo prazo? Surgiu o Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé. Estão surgindo outros centros similares? É positivo que isso ocorra?


Existe a possibilidade de em algum prazo, em algum momento, surgir uma entidade ainda mais forte? De surgir uma grande ONG ou um grande sindicato, talvez algo nos moldes das centrais sindicais e das entidades estudantis, que se estruturasse com estatuto, diretoria, meios econômicos, para ser representante do movimento social dos lutadores por uma mídia livre e democrática? Enfim, que passos o movimento pode dar no sentido de se estruturar e se tornar uma força real na sociedade?


Essa questão da mídia ainda é muito difusa. É uma luta que tem muitos aderentes e com a qual todo mundo simpatiza, mas é pouco organizada. Acho que o Centro Barão de Itararé dá uma contribuição para isso, e o Encontro de Blogueiros Progressistas também.


Terceira coisa, que está ligada a isso: a Confecom aprovou a conquista de certos espaços institucionais, como o Conselho Federal de Jornalismo e o Observatório Nacional de Mídia e Direitos Humanos. É preciso não só efetivar esses espaços mas também garantir a real participação da sociedade. Esses representantes da sociedade terão grandes responsabilidades.


E no plano político-parlamentar? A luta pela democratização dos meios de comunicação é transversal a todos os partidos democráticos e a todos os movimentos. Será que há, nestas eleições, candidatos que são ligados a essa causa e que possam formar uma bancada pró-democratização da mídia? É possível organizar uma força política com influência para arrancar concessões e conquistas importantes dos poderes públicos?


Creio que também é necessário associar essa luta ao movimento sindical. Temos a Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas), que acaba de eleger uma nova diretoria, e existem as federações de outras categorias ligadas ao labor da informação. Que vínculos se estabelecem entre essas entidades? Enfim, é preciso dar passos importantes para organizar o movimento. É uma tarefa gigantesca, e o Encontro de Blogueiros contribui nesse sentido.


Você diria que é uma luta que vai além da simples reforma da mídia?


JRC – Para nós – que lutamos por uma nova sociedade – e para a esquerda em geral, a luta pela democratização da mídia nunca deve estar dissociada da batalha das ideias. Em cada vitória que se conquiste, essa luta deve servir também para ajudar a difundir as ideias progressistas – que estão muito esmagadas – no mundo e no Brasil.


Hoje você vê a difusão de ideias racistas e belicistas, de filosofias irracionalistas, da propaganda do individualismo e de todo tipo de preconceito. Não há instrumentos suficientes para divulgar outros valores que a civilização já conquistou com as grandes revoluções – a Revolução Francesa, as revoluções socialistas. São os valores da solidariedade, da fraternidade, do coletivo, da paz, da democracia popular.


Penso que os blogueiros progressistas e as mídias alternativas devem se empenhar nessa luta para incorporar valores ideológicos ao seu ideário político stricto sensu. Para nós, tudo isso faz parte de uma batalha histórica e maior – que é a batalha pela estruturação da sociedade em outros planos. É mais que uma reforma da mídia. É uma luta permanente de ideias para formar correntes de opinião progressista. Já tivemos isso no mundo, mas se perdeu muito com as derrotas que os revolucionários e socialistas sofreram. O Vermelho está à disposição dessa luta.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem