Jornalismo no Facebook | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Sexta-feira, 17 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

E-NOTíCIAS > INFORMAÇÃO & CONTEÚDO

Jornalismo no Facebook

Por Lucia Guimarães em 21/04/2015 na edição 847
Reproduzido do perfil da autora no Facebook, 18/4/2015; título do OI

Considerem o que este gráfico da Quartz diz sobre o Brasil.

Somos o país que mais consome “notícias” via Facebook – 67%, bem na frente do segundo colocado, a Itália, com 57%,um país que lê muito mais (pesquisa do Reuters Institute). O gráfico abaixo registra em azul escuro o grau de uso de rede social para qualquer objetivo, azul claro para notícias.

ranking_noticias_facebook

Assim como queimamos a etapa da leitura nos anos 1960, passamos do vasto analfabetismo para um sistema sofisticado de TV que uniu o país (Gilberto Braga me disse, há 25 anos: no Brasil, graças às novelas, empregadas domésticas têm uma relação, não um namorado), não vamos migrar para plataformas de jornalismo digital abrangente. Jornalismo, não importa se de papel, ou digital, é um pilar da democracia. Vamos passar direto ao desmonte da experiência da informação consequente.

No momento em que a mídia no Brasil e nos EUA (do New York Times a vários outros a bordo) considera ceder grande parte de sua independência à plataforma do Facebook (saem os links, Facebook vira o anfitrião do conteúdo jornalístico, controla o tráfego), as consequências, no caso do Brasil, são especialmente assustadoras. Já temos uma geração pouco educada e não leitora chegando à idade adulta convencida de que se informar é circular por aqui.

A informação jornalística, para o Facebook, é apenas um arranjo para compor o cenário de outras plataformas mais lucrativas. Nunca é demais lembrar a famosa frase de Mark Zuckerberg: “Um esquilo morrendo no seu jardim deve ser mais relevante para o seu interesse do que pessoas morrendo na África”. A relevância a que se refere Zuckerberg é a decidida pelo seu orwelliano algoritmo. Uma fórmula matemática decide o que é notícia neste varal digital.

Ou seja, é o fim do jornalismo (nada a ver com o fim do papel) como conhecemos. Não acredito que seja necessário marchar de olhos vendados na prancha do navio em direção ao mar. Foi o que fez a indústria fonográfica ao ceder o poder econômico à plataforma, esmagando quem cria.

Informar não é agradar. Quem sabe, uma nova geração vai imaginar alternativas para esta alienação que já é claramente refletida no debate político brasileiro, contaminado por polarização e desprezo por fatos.

Mas, no médio prazo, não posso me sentir otimista sobre este dilema no Brasil. Os novos destituídos não serão necessariamente os explorados num mercado de trabalho injusto. Serão os que não sabem, não querem saber ou não sabem o que mais há para saber.

***

Lúcia Guimarães é jornalista, em Nova York

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem