Segunda-feira, 19 de Agosto de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1050
Menu

E-NOTíCIAS >

Jornalismo tradicional na era digital

Por Fabio de Oliveira Ribeiro em 29/04/2008 na edição 483

A matéria ‘Poeira e conspiração‘, de Luiz Carlos Azenha, publicada na CartaCapital nº 493, é um excelente exemplo de como os males da internet podem fazer bem ao jornalismo.

Aqui mesmo neste Observatório já vi muitos jornalistas lamentarem as inovações tecnológicas. Quando não compromete a saúde financeira dos jornalões e revistinhas, ou provoca demissões de jornalistas, a internet é responsabilizada pela baixa qualidade do jornalismo. Em razão de não saírem da frente de seus computadores, os infojornalistas ficam tentados a inventar notícias – exatamente como aquele norte-americano que escandalizou o New York Times devido ao seu ‘jornalismo inventivo’.

É verdade que a revolução digital está sacudindo os alicerces do velho jornalismo. Mas as novas tecnologias não são e não podem ser culpadas pelos males do jornalismo. Há mais de um século invencionices e sensacionalismos assombram páginas dos jornais grandes e pequenos aqui e lá fora.

Contando histórias

Desde os primórdios do jornalismo, os bons profissionais sempre procuraram fazer uma distinção entre os boatos e os fatos. Alguns, considerando que os próprios boatos são fatos quando escondem deliberadamente a verdade, perseguiam os primeiros até chegar aos últimos.

No livro Manifesto da economia digital, que tive a oportunidade de resenhar, Pick Levine e outros defendem a tese de que atualmente:

‘Não precisamos de mais informação. Não precisamos de melhor informação. Não precisamos de informação automaticamente filtrada e sintetizada. Precisamos entender. Queremos desesperadamente entender o que está acontecendo…’

Ressaltam, ainda, que:

‘Se você deseja entender, precisa reentrar no mundo humano das histórias. Se você não tiver uma história, não terá entendimento. Desde a primeira carne assada por acaso numa savana pré-histórica, entendemos as coisas contando histórias. Não estou falando de ficção ou histórias com densos enredos; falo de narrativas que encadeiam os eventos no tempo e mostram seus desdobramentos.’

Desmontando o boato

Muito embora Pick Levin e seus colegas estivessem se referindo à gestão das empresas, dos mercados e das conversas que a internet proporciona entre os consumidores e entre os mesmos e as empresas, as idéias de ambos podem ser perfeitamente aplicáveis ao admirável jornalismo novo. Em razão da revolução digital, as ‘conversas na rede’ se tornaram a matéria-prima das empresas e dos jornalistas. Se em razão da internet alguns jornalistas deixaram de contar histórias, terão que reaprender a contá-las para recuperar a dignidade e credibilidade das informações que difundem.

Contar uma história foi exatamente o que Luis Carlos Azenha fez na matéria publicada na CartaCapital. Partindo de uma informação veiculada na Wikipédia em espanhol (de que os norte-americanos construíram o aeroporto de Luis Maria Arganã e pretendem instalar uma base militar no Paraguai), o jornalista foi até o local para apurar os fatos e construir sua narrativa.

Através das informações colhidas in loco e dos depoimentos das autoridades entrevistadas, Azenha conta a verdadeira história e desmonta o boato. Informa, também, que no website do Departamento de Estado dos EUA consta que o tal aeroporto foi construído por engenheiros militares paraguaios – informação idêntica à que colheu no local.

Conhecimentos e compromissos

O que nos interessa é menos o conteúdo da matéria do que o procedimento que foi adotado na sua construção. Partindo de um dado que consta da Wikipédia, os fatos foram apurados in loco, narrados, e inclusive confirmados, por outra informação online. É digno de nota o fato de que o jornalista não presumiu que a informação divulgada pelo Departamento de Estado fosse melhor ou mais confiável do que a que consta na Wikipédia. Ao contrário, ele foi ao local, apurou os fatos para que pudéssemos avaliar e julgar dois conteúdos que estão postados na internet sobre o mesmo assunto. Em razão de seu cuidado o jornalista deu uma nova dignidade e importância ao jornalismo.

O procedimento adotado por Azenha deveria se tornar referência para seus colegas. Os jornalistas não precisam demonizar a internet, nem tampouco devem utilizá-la de maneira leviana. Azenha sugere, na era digital, que há uma clara distinção entre o trabalho jornalístico e a produção de conteúdos para a internet. Nem todos os que produzem textos escritos ou iconográficos na rede têm a obrigação de preservar verossimilhança entre os fatos e o que difundiram sobre os mesmos. Em razão de seus conhecimentos e compromissos profissionais, os jornalistas podem e devem procurar os fatos e distingui-los dos boatos que circulam na internet – mas não é isto que tem ocorrido em alguns jornalões e revistinhas.

******

Advogado, Osasco, SP

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem