Domingo, 19 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

E-NOTíCIAS > BIT GENERATION

Juventude promove sua ‘publishing revolution’

Por Paulo Lima em 11/10/2005 na edição 350

Ela poderia ser chamada de bit generation. Mas nem altas viagens, nem jazz, nem a revolução de costumes, nem o libelo contra o sistema, como quis a beat generation, mais ilustrada, mais libertária, pró-estágios alterados de consciência, pró-orientalismo, flower power, vida natureba, outros valores, enfim. Essa nasceu e morreu nos anos 60. A bit generation dos anos 2000 tem como missão aquilo que o jornal britânico The Guardian denominou de ‘publishing revolution’, em matéria de 7/10 (‘Young blog their way to a publishing revolution’), com os resultados de uma pesquisa realizada na Inglaterra com 580 jovens entre 14 e 21 anos.

Segundo os números obtidos, um terço deles mantém algum blog ou website, que têm sido criados pelo mundo na razão de um a cada segundo. Perseguir algum tipo de conteúdo online é o ‘must’ dessa nova geração. ‘Milhões de jovens que cresceram com a internet e os celulares não estão mais contentes com o tráfego de mão única da mídia tradicional; estão agregando seus próprios conteúdos’, informou o Guardian.

Esse universo teen passa em média quase oito horas plugado na internet, mas isso está longe de parecer uma atividade solitária para obter informações, como fazer compras ou ler jornais online. ‘A maior parte dos jovens está usando a internet para se comunicar’, noticiou o jornal. O que revelaria um ‘hiato de gerações’: ficar conectado em busca de informações é uma tarefa ‘out’ – ah, coisa para os pais desses adolescentes.

Desafio

E como é que essas oito horas passadas em frente à tela são distribuídas? Metade desse tempo é usada em chats de comunidades online, ou em serviços de mensagens. A outra metade é para mandar e-mails. ‘Trata-se de um janela para o ‘reino’ pessoal desses adolescentes, mas não uma janela para o mundo’, anotou o Guardian. Somente um em cada 10 pesquisados afirmou que usa a internet para se manter informado.

Essa tendência tem exercido impacto em fãs de música, segundo o jornal. Eles acabam formando comunidades em torno de bandas, antes mesmo de elas lançarem um single ou serem ouvidas no rádio. A pesquisa apontou que os jovens entre 14 e 21 anos baixam da internet uma média de 34 músicas por mês, e compram uma média de dois CDs. Conforme a pesquisa, 6 entre 10 jovens têm acesso doméstico à internet. Oito entre 10 o fazem por banda larga. Detalhe: uma quarta parte deles tem computador no próprio quarto de dormir.

Todo esse caldo de mudanças só poderia alterar a relação entre esse público mais jovem e os tradicionais produtos de mídia. Para eles, dar um pulo até a banca mais próxima para comprar um jornal impresso, por exemplo, soa tão despropositado ou irreal como mandar uma carta pelo correio convencional ou ouvir um elepê. Isso aumenta o desafio enfrentado por editores e redes de rádio e TV para tornarem seus produtos relevantes.

Modelo

Um grande tubarão da mídia como Rupert Murdoch já deu o primeiro passo para abocanhar essas novas fatias de mercado. Segundo o Guardian, além de investir em sites como o MySpace.com, ele já deu o aviso a uma platéia de editores nos Estados Unidos [ver remissão abaixo para artigo crítico de Alberto Dines à fala de Murdoch]: se não mudarem, morrerão. Criticando a complacência da mídia, Murdoch chamou a atenção para ‘uma revolução na maneira como os mais jovens estão acessando as notícias’.

O recado dado por Murdoch foi duro: ‘Eles (os jovens) não querem confiar no jornal matinal para obter informações atualizadas. Eles não querem confiar numa espécie de Deus acima deles para lhes dizer o que é importante. E, para manter a analogia com a religião, eles certamente não querem que as notícias sejam apresentadas como se fossem um evangelho’.

Por força das novas tendências, a publicidade tem debandado para o online de forma crescente: em 2010, o mercado atingirá cerca de US$ 18 bilhões, contra US$ 9,3 bilhões gastos em 2004 com a mídia tradicional. Apesar da discrepância entre as duas realidades sociais, seria no mínimo instigante conhecer os números brasileiros sobre o assunto. Somado ao alerta de Rupert Murdoch, o resultado constituiria um alerta a mais para os editores brasileiros. Afinal, também em termos de modelo jornalístico, é dos Estados Unidos que vêm as orientações.

******

Jornalista e editor do Balaio de Noticias

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem