Terça-feira, 19 de Junho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº991
Menu

E-NOTíCIAS > QUARTA-FEIRA, 19/3

Mino Carta deixa o iG em solidariedade a PHA

Por Leticia Nunes (seleção de textos) em 19/03/2008 na edição 477

Leia abaixo a primeira parte da seleção de quarta-feira para a seção Entre Aspas.


************


Blog do Mino


Quarta-feira, 19 de março de 2008


PHA
Mino Carta


O último post, 19/3


‘Meu blog no iG acaba com este post. Solidarizo-me com Paulo Henrique Amorim por razões que transcendem a nossa amizade de 41 anos. O abrupto rompimento do contrato que ligava o jornalista ao portal ecoa situações inaceitáveis que tanto Paulo Henrique quanto eu conhecemos de sobejo, de sorte a lhes entender os motivos em um piscar de olhos. Não me permitirei conjecturas em relação ao poder mais alto que se alevanta e exige o afastamento. O leque das possibilidades não é, porém, muito amplo. Basta averiguar quais foram os alvos das críticas negativas de Paulo Henrique neste tempo de Conversa Afiada.’


 


 


************


Conversa Afiada (www.paulohenriqueamorim.com.br)


Quarta-feira, 19 de março de 2008


SAÍDA DO iG
Paulo Henrique Amorim


Esclarecimento I


‘O iG rescindiu meu contrato que ia até 31 de dezembro de 2008. O Conversa Afiada continua o mesmo – e mais livre, aqui, neste novo espaço.


Seja bem-vindo!’


 


***


Esclarecimento II


‘O Conversa Afiada ficou fora do ar por 08 horas e 58 minutos.


Breve, escreverei um Máximas e Mínimas para tentar explicar o que aconteceu.


O iG se limitou a enviar uma notificação assinada por Caio Túlio Costa, para avisar que o contrato se rescindia de acordo com clausula que previa um aviso prévio.


Não é a primeira vez que me mandam embora de uma empresa jornalística.


Só o Daniel Dantas me ‘tirou do ar’ duas vezes: na TV Cultura e no Uol.


E ele sabe que não vai me tirar, nunca …


Com isso, se encerrou a vida deste blog num portal da internet.


Nenhum blog de relevância política nos Estados Unidos, por exemplo, está pendurado num portal.


Clique aqui para ver: http://www.huffingtonpost.com ou http://www.talkingpointsmemo.com, para ficar em dois dos melhores exemplos.


Essa é a virtude a internet: último reduto do jornalismo independente.


Assim, se você acha que o Farol de Alexandria e o presidente eleito são dois impostores; se você gosta do Festival do Tartufo Nativo; se acha que o PIG, além de ilegível, não tem salvação; que os portais da internet brasileira são uma versão – para pior – do PIG; que a Veja é a última flor do Fascio; que o Ministro (?) Marco Aurélio de Mello deveria ser impeached; que Daniel Dantas deveria estar na cadeia;que Carlos Jereissati e Sergio Andrade vão ficar com a ‘BrOi’ sem botar um tusta; que a ‘BrOi’ significa que o Governo Lula vai tirar Dantas da cadeia; que chega de São Paulo, porque está na hora de um presidente não-paulista etc etc etc … se você acha tudo isso, continue a visitar o Conversa Afiada neste novo e renovado espaço.


Em tempo: o Conversa Afiada anuncia publicamente que não é candidato a nada no iBest. Nunca levou isso a sério. Não vai ser agora que vai levar.


Muitas novas atrações virão.


Até já !’


 


 


************


Vi o Mundo


Quarta-feira, 19 de março de 2008


PHA
Luiz Carlos Azenha


Mino Carta deixa o iG em solidariedade a Paulo Henrique Amorim, 19/3


‘SÃO PAULO – Do blog do Mino Carta:


19/03/2008 12:54


O último post


Meu blog no iG acaba com este post. Solidarizo-me com Paulo Henrique Amorim por razões que transcendem a nossa amizade de 41 anos. O abrupto rompimento do contrato que ligava o jornalista ao portal ecoa situações inaceitáveis que tanto Paulo Henrique quanto eu conhecemos de sobejo, de sorte a lhes entender os motivos em um piscar de olhos. Não me permitirei conjecturas em relação ao poder mais alto que se alevanta e exige o afastamento. O leque das possibilidades não é, porém, muito amplo. Basta averiguar quais foram os alvos das críticas negativas de Paulo Henrique neste tempo de Conversa Afiada.


*****


ESTE É MEU COMENTÁRIO (DO AZENHA) SOBRE O ASSUNTO:


SÃO PAULO – Ontem foi um dia histórico para a internet e o jornalismo eletrônico brasileiro. Pela primeira vez, ao menos que seja de meu conhecimento, um site foi desplugado do ar sem qualquer aviso aos internautas, sem qualquer explicação oficial da empresa hospedeira. Os leitores foram privados de um conteúdo, independentemente de concordarem ou não com ele. O site deu pluft e sumiu do ar. Tentei obter informações do IG. Nada. O jornalista Paulo Henrique Amorim não quis gravar entrevista antes de consultar seu advogado e prometeu dar sua versão dos fatos no novo endereço que criou.


Confirmou que ficou sem acesso inclusive a conteúdo que classificou de ‘pessoal’, como a reprodução de palestras que colocava à disposição dos leitores. Em minha modesta opinião, é como se alguém fosse privado da própria memória; que, por ser pública, na verdade era memória do conjunto dos internautas, mais uma vez independentemente da avaliação que fizessem do conteúdo. Salvo mudanças, é uma espécie de queima de arquivo digital.


Mais uma vez ficou registrada a ação dos jornalistas prestadores-de-serviço. Ricardo Noblat deu uma informação falsa em seu blog. De acordo com Paulo Henrique Amorim, o contrato dele com o IG venceria no dia 31 de dezembro de 2008.


O portal da revista Imprensa divulgou uma notícia apresentando uma versão definitiva, atribuindo-a a uma fonte anônima, sem ouvir os dois lados. Tratando-se do portal de uma revista dedicada à cobertura do setor, é de uma pobreza ilustrativa do estado vegetativo do Jornalismo brasileiro. O que é ‘baixa audiência’ na internet? Qual era a audiência do Conversa Afiada? E de outros sites, para que se possa estabelecer uma relação? Nada. Apenas o registro de que a rescisão aconteceu ‘respeitando todas as cláusulas do contrato.’


Não houve curiosidade da grande imprensa, nem de colunistas; não houve apuração de repórteres sobre o que aconteceu. Algumas pessoas até celebraram, como se isso fosse um bom sinal.


Eu não sei a audiência do site Conversa Afiada. Com certeza está na casa das milhares de pessoas. Com certeza tinha um impacto, ainda que reduzido àqueles que têm, no Brasil, o privilégio de acessar a internet. Como é possível que o blecaute de um site que até ontem liderava o prêmio mais importante da internet brasileira – mais votado até mesmo que sites de partidos políticos como os do PCdoB, PT e PSDB – seja tratado como não-notícia? Fico imaginando se, nos Estados Unidos, saísse do ar sem explicações o Drudge Report. Garanto que seria notícia na Fox, na CNN e no New York Times.


Mais uma vez o caráter do jornalista brasileiro esteve à mostra: alguns ficaram em cima do muro, outros sumiram, ninguém tem nada a ver com isso, como se o precedente não fosse um péssimo sinal. Como especulou, em entrevista a este site, o sindicalista José Lopez Feijóo, na falta de melhor explicação trata-se de um cala boca generalizado, uma tentativa de intimidação, um recado que serve para todos os jornalistas, independentemente de veículo: sigam a linha oficial, concordem cegamente com a linha editorial.


Outro sindicalista, o presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Luiz Cláudio Marcolino, manifestou ‘estranheza’. Ele fez uma observação interessante sobre os sites da internet: ‘Tem um registro, toda uma construção, tem uma história.’ Assim sendo, ao retirar o conteúdo do ar, afirmou, ‘o IG deveria ter respeito com os leitores do site.’


Punições tem havido ao longo da História do Jornalismo brasileiro. Infelizmente quase todas ficam sem registro. Primeiro, porque conforme mostrou estudo da Agência de Notícias da Infância e Adolescência (ANDI), a mídia não cobre a própria mídia. Tirando as trocas de favores, que se dão em elogios públicos logo traduzidos em empregos ou nas resenhas laudatórias em que uns tentam garantir a venda de livros de outros, não há uma cobertura séria de um setor gigantesco da economia brasileira – que envolve emissoras de televisão, de rádio, jornais, sites da internet, TV a cabo e empresas de telefonia.


O curioso é que isso acontece justamente quando os meios fazem um papel cada vez maior de protagonismo na política brasileira. E em que uma revolução silenciosa acontece, com a disseminação de conteúdo em novas plataformas, como os aparelhos celulares. Sim, páginas e páginas serão utilizadas para descrever detalhadamente as qualidades e a tecnologia das novidades do setor.


Mas não haverá debate sobre o conteúdo, assim como não houve em um episódio ainda hoje obscuro, que decidiu uma vaga para o Senado brasileiro. Aquele, em que milhares de eleitores foram bombardeados em seus celulares, em véspera de eleição, com mensagens de texto denunciando Jandira Feghali pelo apoio ao aborto, um dos que fatores que levaram à derrota da candidata no Rio de Janeiro. Houve violação da lei eleitoral? Nunca se apurou.


É certo que um grande número de jornalistas brasileiros já está desplugado faz tempo. Assinam qualquer texto, falam qualquer coisa que o chefe mandar. Fazem acordos diários com o diabo, por medo ou em troca de privilégios. Esses privilégios vão da garantia da participação em grandes coberturas, como as Olimpíadas, às promessas de emprego eterno e aos jabás – situações em que uma empresa jornalística recebe favores monetários (passagens, hospedagem, etc.) para cobrir algum ‘evento’ que, caso contrário, não seria notícia.


A degradação dos meios, como um todo, passa por outros fenômenos: a utilização de novelas com objetivos político-eleitorais e de campanha ideológica; a obtenção de audiência a qualquer custo, com o superdimensionamento de problemas como a criminalidade, especialmente em São Paulo; a sobreposição de anúncios sobre o conteúdo editorial nas páginas de jornais; o fim da fronteira entre Jornalismo e entretenimento, que se expressa de forma ambulante na figura de um ótimo jornalista e animador, Pedro Bial.


De minha parte, decidi que não quero participar do iBest, que não leio mais conteúdo do IG e que dispensarei quaisquer serviços ligados ao provedor – inclusive telefônicos, se houver. Estou disposto a participar de outras iniciativas para protestar contra a forma como se deu o episódio. Finalmente, decidi manter este site na Hostnet, hospedeiro independente do Rio de Janeiro que não interfere no conteúdo. E acrescento que farei um backup num hospedeiro dos Estados Unidos.’


 


 


************

Todos os comentários

  1. Comentou em 20/03/2008 Maria Luiza Teixeira

    Antes tarde do que nunca o OI manifestou-se a respeito, ainda que com palavras alheias.
    Lembra aquele texto batidinho: bateram na porta do meu vizinho eu não disse nada… pois é.
    Será que respeito profissional virou mesmo uma mercadoria desvalorizada? Silêncio não é a melhor resposta para a comemoração danosa daqueles que querem mais que o país se dane, é? Daqui a pouco o insano vai comemorar a queda do Dines. Duvida?

  2. Comentou em 20/03/2008 Maria Luiza Teixeira

    Antes tarde do que nunca o OI manifestou-se a respeito, ainda que com palavras alheias.
    Lembra aquele texto batidinho: bateram na porta do meu vizinho eu não disse nada… pois é.
    Será que respeito profissional virou mesmo uma mercadoria desvalorizada? Silêncio não é a melhor resposta para a comemoração danosa daqueles que querem mais que o país se dane, é? Daqui a pouco o insano vai comemorar a queda do Dines. Duvida?

  3. Comentou em 19/03/2008 Fernando Lemos

    Hélcio Lunes, tudo muito bem explicado, segundo o ponto de vista neoliberal tucano demagogo, com certeza! Só não consigo enxergar as virtudes que vistes em Mainardi. Você o considera realmente um desqualificador de biografias de jornalistas? E qual biografia Mainardi tem? A de pseudo escritor patrocinado pela editora do paipai dele? A de trabalhador com carteira sem registros de emprego? Ou a de rebelde sem causa? Hélcio, se você pesquisasse na internet o número de sites que ridicularizam Mainardi ficaria surpreso, que o diga a Desciclopédia. Ele realmene motiva muita gente. Já o contrário acontece com muitos outros jornalistas de verdade. Por isso, é nítida a sua posição anti-Lula, e a desesperada preocupação tucana em evitar que outros partidos ganhem a eleição para presidente. Como a competência política nunca foi um forte dos tucanos, a movimentação que hoje existe para que toda e qualquer palavra anti-tucana seja bloqueada, proibida e banida é grande. Isso mostra o quanto estão preparados, os tucanos, para exibir sua desunião e falta de objetivo político. Mainardi é o fino da alienação, alguém que nunca teve o prazer de se deparar com os verdadeiros desafios da vida, como a maioria dos brasileiros. E aqueles que o lêem e o endeusam, seu caso, não podemos classificar, pois faltam palavras que definam a dor-de-cotovelo por perderem eleições para um analfabeto, segundo vocês.

  4. Comentou em 19/03/2008 Fernando Schweitzer .

    Lamentável… Estamos regredindo… Brasil? logo perguntaremos… era um país?

  5. Comentou em 19/03/2008 Fernando Schweitzer .

    Lamentável… Estamos regredindo… Brasil? logo perguntaremos… era um país?

  6. Comentou em 19/03/2008 Max Suel

    Oba ! O IG está melhorando.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem