Sábado, 25 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

E-NOTíCIAS > TEMPOS MODERNOS

O desafio da realidade ampliada

Por Luciano Martins Costa em 28/06/2012 na edição 700

Comentário para o programa radiofônico do OI, 28/6/2012

 

Notícias sobre avanços da tecnologia de informação e comunicação costumam ganhar destaque na imprensa, como é o caso dos novos equipamentos lançados ou anunciados pelo Google, que ocupam generosos espaços nas edições dos principais jornais de quinta-feira (28/6).

Há cerca de um mês, a imprensa também dá curso a especulações em torno de um novo aparelho a ser apresentado ao mercado pela Apple e que, segundo notas publicadas em sites especializados, vai revolucionar o modo como usamos a televisão.

Há um evidente deslumbramento com tais novidades tecnológicas e uma carência proporcional de análises sobre o que significa cada um desses movimentos para a indústria da comunicação.

O Google apresentou uma pequena esfera cuja função é conectar aparelhos digitais móveis, como tablets e smartphones, à televisão. Dessa maneira, tudo que o usuário possui armazenado em seus territórios pessoais nas chamadas nuvens computacionais pode ser visto na tela da TV.

O outro aparelho, apenas demonstrado e com lançamento oficial previsto para meados do ano que vem, é uma espécie de óculos que funciona como câmera e permite filmar e fotografar, acessar a internet e fornecer dados de localização geográfica que podem, por exemplo, informar o endereço de um restaurante. Sua aparência é a de uma espécie de tiara que deve ser colocada na testa, com comando por toque numa das hastes e uma pequena tela que fica um pouco acima da linha horizontal do olhar.

Novos protagonistas

O grande interesse por esses “brinquedos” de adultos faz parte do fascínio que a tecnologia sempre exerceu sobre o ser humano – parte do processo de emancipação do homem em relação a tarefas que exigem esforço físico e uma das maneiras de constatar o avanço do tempo.

A novidade é a aceleração desse processo, que se intensifica com a descoberta de novos materiais, que permitem o desenvolvimento de processadores cada vez menores e muito mais poderosos.

Os óculos do Google, por exemplo, possuem mais capacidade de memória e processamento de dados do que a maioria dos computadores de mesa ainda em uso em todo o mundo.

O que não se vê muito comumente nos jornais, como acompanhamento dessas notícias entusiásticas sobre novos aparelhos, é o efeito dessa tecnologia sobre os meios tradicionais de comunicação.

Cada uma dessas empresas que atuam na convergência da informática com as telecomunicações está criando seu próprio sistema integrado de aparelhos e aplicativos, fazendo surgir um conceito que pode ser chamado de ecologia da informação. Assim, a Apple, o Google, o Facebook e outros novos protagonistas desse universo em constante mutação, vão compondo seus próprios infoomas – um neologismo que pode ser aplicado em referência aos biomas do ambiente biológico.

Valor real

A questão que ronda por trás dessas novidades, e que não está sendo analisada pelos jornais, é: o que vai acontecer com a mídia tradicional quando tudo isso estiver integrado em um único e complexo sistema informacional?

Claramente, cada uma dessas novidades representa um avanço no processo de expansão dessas tecnologias, que pode ser comparado metaforicamente ao “big bang” cósmico. Por outro lado, não se pode ignorar o fato de que a essa expansão corresponde um movimento contrário das mídias tradicionais, que vão perdendo relevância na mesma proporção.

Pode-se afirmar que os novos meios libertam a humanidade da dependência histórica de centrais de informação e comunicação e produzem questionamentos relevantes sobre o próprio significado da palavra mídia.

Os óculos do Google são anunciados como parte das funcionalidades chamadas de “realidade ampliada”, que é como são denominadas as tecnologias que expandem o alcance dos sentidos humanos. Também são considerados como um dos primeiros movimentos de uma nova era, que é conhecida como a dos “computadores de vestir” – representada pelos aparelhos que se acoplam ao ser humano, tornando a computação como uma extensão do seu corpo. A partir desse ponto, perde-se o limite entre tecnologia e ficção científica.

Mas o que teria tudo isso a ver com a observação da imprensa? Tem que todas essas empresas produtoras de tecnologia de informação e comunicação se configuram cada vez mais claramente como concorrentes – e não fornecedoras – do conceito tradicional de mediação.

O Facebook, por exemplo, apresenta-se nesta semana como empresa de mídia e se consolida como um competidor a mais na disputa pela atenção do público e pelas verbas publicitárias.

A única coisa que pode preservar as empresas tradicionais é conteúdo de valor real para o público.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem