Segunda-feira, 16 de Setembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1054
Menu

E-NOTíCIAS >

Quem controla o controle remoto?

Por Cleyton Carlos Torres em 02/06/2009 na edição 540

Muito se fala em web 2.0, em conteúdo produzido, consumido e customizado pelos próprios internautas, os consumidores ávidos de informação. Mas se todos podem produzir, publicar, criar redes de relacionamentos, averiguar o que querem consumir e o que é descartável, uma pergunta fica ao acaso: quem controla o controle remoto?

Ao contrário do que muito se diz, as velhas mídias (as mídias tidas por tradicionais, como a televisão e o jornal impresso) jamais sumirão. Poderão, até, sofrer algumas alterações e adaptações. Uma aposta de futurologia digital muita arriscada? Talvez sim, mas em um mundo onde o número de títulos de jornais aumentou, ou em um país (o Brasil) onde mais de 90% da população é adepta ao televisor, não é tão impossível tais afirmações.

Mas a questão central não é se esses meios convencionais perderão credibilidade ou se desaparecerão. O fato é que, de viver em um mundo onde os próprios usuários produzirão todo aquele conteúdo que irão consumir, a questão ‘credibilidade’ se torna um pouco mais complicada.

O que será válido e o que será descartável?

Atualmente, de onde tiramos nossa matéria-prima para nutrir blogs ou páginas ‘alternativas’ de informação? Da velha mídia. E o que acontecerá quando não mais existirem as velhas mídias? Tiraremos nossas informações de outros blogs, que tiraram de outros blogs, tornando todo o processo informacional um ciclo vicioso e altamente contaminado por amadorismo?

Sim, temos a Wikipédia. Sim, ela é a maior enciclopédia que a humanidade já produziu. Sim, ela deixou para trás serviços como a Enciclopédia Britânica. Mas uma coisa nunca é dita: todo o conteúdo que está disponível na página da Wikipédia só é tido como ‘verdadeiro’ se alguma outra página da web servir de referência, ou seja, tudo que lá é publicado tem que ter algum ponto de referência para se tornar válido, caso contrário, é desconsiderado. É o caso dos blogs que copiam blogs que copiam blogs…

Quando a humanidade começar a produzir informação em massa e a consumir toda essa informação produzida por ela mesma, o que será válido e o que será descartável? Quem dita tais posições? Nós, de novo? E quem somos nós? O profissional capacitado, professor universitário, médico respeitado, ou um garoto de 15 anos? A questão é, a princípio, complexa e extremamente extensa. Quem controla o controle remoto? Talvez não saibamos quando dar play ou stop.

******

Jornalista, Pindamonhangaba, SP

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem