Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

E-NOTíCIAS > ENDEREÇO CERTO

Um método para evitar vazamentos por e-mail

Por Fábio de Castro em 03/07/2007 na edição 440

Quem nunca enviou e-mail para um destinatário errado? Uma situação como essa pode ser apenas cômica ou constrangedora, dependendo do teor da mensagem. Mas a conseqüência tende a ser desastrosa quando se lida com informação sigilosa em ambientes empresariais, governamentais ou jurídicos.

A fim de procurar evitar esse tipo de situação, o brasileiro Vitor Carvalho, pesquisador da Universidade Carnegie Mellon, nos Estados Unidos, desenvolveu um novo método para prevenção de vazamentos de informações por e-mail.

‘É uma aplicação de inteligência artificial e processamento automático de linguagem natural que diminui substancialmente a probabilidade de ocorrerem vazamentos de informação. Em testes, o método detectou os envios de e-mails a destinatários indevidos em 82% dos casos’, disse Carvalho à Agência Fapesp.

O trabalho fez parte da tese de doutorado de Carvalho, defendida no Instituto de Tecnologias de Linguagens da Universidade Carnegie Mellon, cuja pós-graduação em Ciência da Computação foi considerada a melhor dos Estados Unidos, segundo comparativo divulgado este ano pela revista U.S. News & World Report. O método foi desenvolvido em conjunto com William Cohen, do Departamento de Inteligência Artificial.

Motivo de erros

Segundo Carvalho, a técnica foi patenteada provisoriamente e aguarda propostas para implementação em sistemas de larga escala de e-mail ou webmail. ‘O potencial é muito grande, uma vez que o e-mail é um meio de comunicação usado por milhões. E, quanto maior a lista de contatos de uma pessoa ou organização, maior é a chance de um vazamento indesejado’, disse.

Para o pesquisador, o método seria especialmente importante para as empresas que trabalham com segurança na internet e para organizações que lidam com dinheiro público ou privado. Ele cita como exemplo um caso famoso de vazamento de informações confidenciais que ocorreu nos Estados Unidos em 2001.

‘O governo da Califórnia enviou acidentalmente a uma lista de e-mails uma mensagem com dados sigilosos sobre a compra de uma empresa de energia. Como havia jornalistas na lista, a informação vazou e prejudicou as negociações, interferiu em futuras licitações e manchou a imagem de políticos’, contou.

Um dos principais motivos de erros do tipo, segundo Carvalho, é que os programas de e-mail mais populares sugerem a complementação dos e-mails quando eles são digitados. ‘Às vezes, podemos digitar com pressa, ou dar uma resposta a todos os destinatários de e-mails anteriores. Isso é muito comum’, disse.

Cálculo de probabilidades

Com o novo método, à medida que se escreve a mensagem o programa identifica tópicos e palavras-chave relacionados a listas de antigos destinatários. ‘Em uma coluna, aparece uma lista de destinatários mais e menos prováveis para determinado conteúdo. Se no fim da redação há nomes muito improváveis na lista, o sistema indica possibilidade de vazamento’, explicou.

Para possibilitar o método, foi desenvolvido um algoritmo com base em técnicas de aprendizado de máquina e de modelos de linguagem. Enquanto se digita o e-mail, o sistema busca similaridades em textos de todas as mensagens anteriores. ‘Ao identificar os termos, o sistema cruza dados com toda a lista de destinatários do histórico do programa de correio eletrônico. O sistema considera a freqüência de contatos com cada um deles, o quão recente foi o último contato e quantas vezes se falou com eles sobre determinados termos. Com isso, o sistema calcula a probabilidade de determinado assunto ter relação com cada destinatário’, disse Carvalho.

No modelo implementado foi utilizada uma coleção de e-mails relacionada ao escândalo da empresa Enron, cujo acesso foi liberado pelo Ministério Público norte-americano após a concordata que se seguiu a uma série de denúncias de fraudes contábeis e fiscais.

‘A coleção tem algumas centenas de milhares de mensagens e graças a ela pudemos testar a eficiência do método’, afirmou Carvalho, que mora desde 2003 nos Estados Unidos e é graduado pela Universidade Federal de Pernambuco, com mestrado pela Universidade Estadual de Campinas.

******

Editor da Agência Fapesp

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem