Uma verdade para não se esquecida | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Sexta-feira, 17 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

E-NOTíCIAS > IMPRENSA & GOVERNO

Uma verdade para
não se esquecida

Por Luciano Martins Costa em 09/09/2008 na edição 502

A imprensa recebeu bem o discurso proferido na segunda-feira (8/9) pelo presidente da República diante de 300 executivos brasileiros e estrangeiros de empresas de comunicação, na abertura da Semana da Academia Internacional de Televisão, no Rio de Janeiro.


Até mesmo as queixas do presidente, reclamando daqueles que, na sua opinião, ‘desprezam os fatos’ ou ‘se excedem’, ficaram diluídas na constatação, alardeada pelo presidente, de que o Brasil alcança seus melhores indicadores sociais e econômicos em plena vigência da liberdade de imprensa.


O clima de festa parece ter marcado um momento de convergência entre o presidente e as empresas de mídia, depois de quase seis anos de convivência conflituosa. Lula admitiu que, sem a imprensa livre, jamais teria chegado à Presidência da República, mas não deixou escapar a oportunidade para registrar que em muitas ocasiões o noticiário se transformou em campanha política contra o seu governo.


Os jornais agasalharam as críticas, mas não deixam de marcar sua posição.


Mais liberdade


De certa forma, tanto o governo quanto a imprensa sabem que, no fim das contas, como disse o presidente da República, os leitores, a audiência, são capazes de separar o joio do trigo, a informação da desinformação, a notícia da campanha, a verdade da eventual manipulação.


Essa a questão essencial quando se trata de observar a imprensa: acreditar na inteligência do leitor, do ouvinte, do telespectador, do internauta.


No dizer de Lula, quem não os trata com respeito e não demonstra consideração por sua inteligência, termina por perder credibilidade. Pode-se dizer o mesmo a respeito dos governantes.


O encontro dos executivos da mídia termina na terça-feira (9), mas a frase que deve marcar o evento é aquela que sintetiza a relação entre os meios de comunicação e o presidente Lula, que passou praticamente metade do seu duplo mandato administrando crises com a imprensa: não há melhor remédio contra eventuais excessos cometidos por qualquer órgão de imprensa do que mais liberdade de imprensa.


Que nenhum dos dois lados jamais esqueça essa verdade, para o bem da nossa democracia.


***


O futuro é hoje


A surpreendente empresa de tecnologia e mídia Google completou dez anos no domingo (7/9) sem que a imprensa tenha chegado a um consenso sobre o que realmente ela é: uma plataforma de relacionamento e busca, uma ferramenta de classificação de dados ou tudo isso e uma nova forma de comunicação ainda em fase de transição.


Considerada a empresa mais inovadora do mundo, com um valor de mercado calculado em mais de 66 bilhões de dólares, o Google deve estar preparando novas surpresas para o público e os concorrentes: na semana passada, seus executivos receberam a visita do coordenador do sistema global de relatórios de sustentabilidade, Ernst Ligteringen.


É bem possível que a gigante da tecnologia esteja se preparando para crescer também no ramo das comunicações corporativas.


Enquanto isso, o mundo ainda convive com uma enorme variedade de meios de comunicação, cada uma lutando para sobreviver e garantir seu nicho de mercado. E os especialistas se colocam em posição de meros observadores, evitando especular sobre o que vem por aí.


Mas uma coisa parece certa: o futuro passa pela internet. Mesmo que a imprensa tradicional e algumas instituições, como os poderes públicos, ainda estejam longe de entender como isso funciona.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem