Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

ENSINO DO JORNALISMO >

Vale a pena a família pagar a faculdade de jornalismo para os filhos?

Por Carlos Wagner em 13/12/2017 na edição 970

Publicado originalmente no blog do autor.

Os conflitos fazem parte da humanidade. E o repórter vai estar lá (cena de “A Montanha dos Sete Abutres — Ace in the hole”, de Billy Wilder)

A decadência das redações e a diminuição do número de alunos cursando jornalismo apontam na direção da extinção da profissão de repórter? Nas palestras que tenho feito sobre o futuro da reportagem nas universidades, nas redações dos pequenos e médios jornais espalhados pelo interior do país e nos movimentos sociais, essa pergunta acaba sendo o centro da conversa. Por conta dessa insistência na pergunta, eu mergulhei fundo para poder conversar sobre o assunto. Especialmente com os pais preocupados com o futuro dos filhos, principalmente com os que vão tirar da renda familiar a mensalidade da faculdade de jornalismo.

Antes de seguir contando a história. Lembro que, em 1973, quando cheguei para a minha mãe, dona Loni, que mora em Encruzilhada do Sul, pequena cidade agrícola no sul do Estado, e disse que iria fazer vestibular para jornalismo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), ela fez um comentário que não esqueço até hoje, 44 anos depois:
— Perdi um filho para a bebida.

Para a geração da dona Loni, que nasceu em 1936, os jornalistas tinham fama de bêbados, boêmios, comunistas e de “língua de lavadeira’ – no linguajar dos velhos do interior gaúcho, significa falar mal dos outros. Em linhas gerais, era essa a ideia que os pais da minha geração de repórter tinham a nosso respeito. A preocupação dos pais da geração de repórteres que entra na faculdade no próximo ano é se ainda existirá a profissão quando o filho acabar o curso. O que vou escrever a seguir não é opinião, é informação. Tenho 67 anos, 40 como repórter investigativo, um currículo a preservar e não seria irresponsável de conversar com pais aflitos sobre o futuro do filho baseado em “eu penso que é”.

Vamos aos fatos. Sobre a decadência das redações. Não é exclusividade do Brasil, ela está acontecendo ao redor do mundo, principalmente nos países desenvolvidos como Estados Unidos. Ela acontece por conta da diminuição nos lucros do negócio, trazido pelo surgimento de novas mídias que baratearam o custo dos anúncios, um dos esteios da sustentação dos jornais. Isso levou os donos de jornais a investir em outros negócios. Mas, aqui no Brasil, há uma particularidade nesse assunto que merece ser destrinchada. Ao contrário dos Estados Unidos e de países europeus, tipo Alemanha e França, o Brasil é um país em formação. Portanto, carente de informações. Portanto, os donos dos jornais brasileiros, ao seguirem a receita dos países desenvolvidos de enxugar as redações para viabilizar os negócios, revelaram um desconhecimento brutal da realidade do mercado de informações brasileiro – que é enorme, diversificado e ainda tem muitas fronteiras para serem ocupadas. O caminho correto seria tornar as redações mais eficientes e não destruí-las. A cobertura que está sendo feita da Operação Lava Jato é uma prova dessa situação. Não existe um brasileiro não queira saber o que exatamente está acontecendo. E nós só publicamos relatórios oficiais por falta de gente para fazer investigação própria – há vasto material sobre o assunto disponível na internet.

A decadência das redações no Brasil acabou salvando a profissão de repórter, porque ela criou um novo mercado para a profissão: o de empreendedor. A minha geração de repórter foi educada na faculdade para ser empregado. Não tinha como terminar o curso e não bater na porta de uma redação em busca de trabalho. Era isso, ou virar “chapa branca” – apelido maldoso da época para quem fazia assessoria de imprensa para os órgãos de governo. Hoje a realidade é outra. As novas tecnologias abriram uma fronteira fantástica de trabalho para as novas gerações de repórter. Lembro o seguinte: em 1995, eu viajei durante 60 dias pelo interior do Brasil para contar a saga dos gaúchos que tinham colonizado as novas fronteiras agrícolas. Eles construíram pequenas e médias cidades agrícolas ricas e, na época, carentes da presença de um meio de comunicação local.

Na época, as únicas informações que chegavam às novas fronteiras agrícolas eram pelos noticiários das TVs, para os que usavam antena parabólica. Claro, o conteúdo dos noticiários não tinha nada a ver com a realidade local. No ano seguinte, eu publiquei a história toda em uma série de reportagens chamado “O Brasil de Bombachas”, que se tornou um livro. Em 2011. eu fiz novamente o roteiro para contar a história dos filhos dos pioneiros. O que encontrei? Dezenas de jornalistas ganhando dinheiro com pequenos sites focados em notícias locais. Relatei tudo na reportagem “O Brasil de Bombachas – As novas fronteiras da saga gaúcha”, que também se tornou um livro. As fronteiras agrícolas povoadas pelos agricultores do Sul são hoje o coração do agronegócio, um dos motores da economia nacional.

O enxugamento das redações também criou o esteio da consolidação de um novo negócio para os jovens jornalistas: as agências de conteúdo. Pequenas empresas onde dois ou três profissionais prestam serviços de texto e imagem. Aqui lembro o seguinte. Nos anos 90, eu fui para Angola fazer uma reportagem sobre a guerra civil, um sanguinário confronto entre tropas do governo e da guerrilha que durou anos. Na época, encontrei correspondentes de guerra de vários países. Todos eles, menos a equipe chinesa, eram freelancers – trabalhavam por conta própria e vendiam a produção para os grandes jornais europeus e americanos. O mundo já estava mudando. Nós é que não sabíamos. Lembro que, nos anos 90, o jornalista que montasse o próprio negócio era chamado pelos colegas de “picareta”.

Há inúmeros estudos e livros sobre tudo que relatei. Não tenho dúvida alguma ao afirmar aos pais que vale a pena investir no sonho dos filhos de serem jornalistas. Se a atual geração de donos de jornais não sabe mais ganhar dinheiro, não é problema deles. Não podemos deixar os nossos jovens repórteres serem prematuramente liquidados pela decadência das redações. E qual é o papel dos repórteres velhos que conseguiram fazer história na carreira? Nós temos obrigação de compartilhar o nosso conhecimento com as novas gerações de repórteres, seja virando professores nas universidades, seja fazendo blogs, vídeos e palestras ou trocando ideias nas mesas dos botecos em troca de cerveja. Viu? A dona Loni tinha razões para se preocupar comigo. Adoro conversar sobre jornalismo tomando cerveja nos botecos.

**

Carlos Wagner é repórter, graduado em Comunicação Social – habilitação em Jornalismo, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Trabalhou como repórter investigativo no jornal Zero Hora (RS, Brasil) de 1983 a 2014. Recebeu 38 prêmios de Jornalismo, entre eles, sete Prêmios Esso regionais. Tem 17 livros publicados, entre eles “País Bandido”. Aos 67 anos, foi homenageado no 12º Congresso da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (ABRAJI), em 2017.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem