Terça-feira, 17 de Setembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1054
Menu

ENTRE ASPAS >

Blog de Lula estréia com navegação lenta

01/09/2009 na edição 553


Leia abaixo a seleção de terça-feira para a seção Entre Aspas. 
 


************


Folha de S. Paulo


Terça-feira, 1º de setembro de 2009 


 


LULA NA REDE


Folha de S. Paulo


Blog de Lula entra no ar com navegação lenta


‘Estreou ontem, mas com problemas técnicos, o novo ‘Blog do Planalto’ (http:// blog.planalto.gov.br), por meio do qual a Presidência da República pretende divulgar atos de Luiz Inácio Lula da Silva e de seu governo.


O blog entrou no ar à 0h30 de ontem, mas pela manhã a navegação estava lenta. A previsão da equipe técnica era suportar até 6.000 visitantes simultâneos, porém mais de 10 mil tentaram o acesso ao mesmo tempo.


À tarde, a capacidade do blog foi aumentada, e a velocidade melhorou. A Presidência não informou, porém, quantas pessoas acessaram a página ontem.


‘Iremos passar para a sociedade brasileira que viaja na internet todas as informações em tempo real daquilo que acontece no Planalto, daquilo que eu faço, das minhas viagens’, afirma o presidente, sorridente, num vídeo de boas-vindas.


O blog estreou com a cobertura do lançamento do pré-sal e tentou usar uma linguagem coloquial.


Informações sobre o jantar de anteontem do presidente Lula com governadores de Estados que abrigam as jazidas foram atribuídas ao ‘joão-de-barro que costuma fazer seu ninho perto da biblioteca do Palácio da Alvorada’. O título dizia que era o fim da ‘tensão pré-sal’.


O blog se vangloriou ainda de ter ‘tido acesso’ em primeira mão ao documento do governo com as novas regras da exploração do produto.


Também foi produzida uma linha do tempo com a importância do petróleo para o Brasil desde o século passado, além de entrevistas com ministros.


A página tem espaço para enquetes (a de ontem também era sobre o pré-sal), reprodução de vídeos e um olhar mais ‘intimista’ do dia a dia da Presidência, produzido pelo fotógrafo oficial de Lula, Ricardo Stuckert.


Não existe espaço para comentários de leitores. ‘Há dificuldades práticas para administrar essa interatividade’, é a explicação que consta da seção ‘perguntas e respostas’.


Na mesma área, informa-se que ‘o presidente vai se manifestar no blog por meio de textos, áudios e vídeos’.


O blog afirma ainda que não pretende entrar em conflito com a imprensa, mas isso vem acompanhado de uma ressalva.


‘A Secretaria de Imprensa da Presidência utilizará seus canais de comunicação para fazer os esclarecimentos que julgar necessários quando forem divulgadas informações equivocadas, fora do contexto ou incorretas’, informa o blog.


Na equipe, coordenada pelo jornalista Jorge Cordeiro, trabalham seis pessoas. A responsabilidade final é da Secretaria de Comunicação Social, chefiada pelo ministro Franklin Martins.’


 


 


TODA MÍDIA


Nelson de Sá


Dádiva & maldição


‘O dia começou com Lula no estreante Blog do Planalto e no Café com o Presidente, prometendo ‘segunda independência’ ou ‘um novo Dia da Independência’, ecoando toda a manhã por sites e portais sem fim, da Folha Online ao Terra.


À tarde, mais Lula, discursando que ‘o petróleo pertence ao povo’ e a Petrobras, capitalizada pelo Estado, será operadora única, ecoando nas manchetes do Valor Online ao UOL e demais.


Entrando pela noite, mais e mais Lula por Folha Online, G1, proclamando que pré-sal é ‘dádiva de Deus’ mas pode ser ‘maldição’.


Na Record e na Band, os telejornais foram contidos. Noticiaram as regras, ponto.


Já o ‘Jornal Nacional’ só foi falar de pré-sal após longa introdução do novo cenário, da ‘mesa novinha’. E da ‘maior estrela’, segundo William Bonner: ‘Agora o globo gira, porque a Terra gira’. Daí para a escalada, ‘tá na hora de começar’:


‘Anunciadas as propostas do governo para exploração de petróleo abaixo da camada de sal. A decisão sobre dinheiro destinado aos Estados fica para depois’.


ELA TAMBÉM


Dilma Rousseff não comandou o espetáculo, mas teve seus momentos na cobertura. No fim do dia, foi manchete na Folha Online e no G1, dizendo que os recursos ‘vão afastar a pobreza do país’ e trazer ‘casa, comida e saúde’. No ‘JN’, surgiu incisiva.


E TEM MAIS


Ao longo do dia, submanchete no UOL, ‘Salário mínimo deve ir a R$ 507 em 2010’, anunciou o governo.


ATRASADOS


Enquanto o ministro Edison Lobão garantia na Agência Brasil que ‘todos os Estados serão beneficiados’, sites e portais seguiam os passos dos governadores Sérgio Cabral e José Serra.


Os dois foram à cerimônia, postou o Terra, mas chegaram ‘atrasados’, perdendo a abertura, postou a Folha Online. Depois, no G1, ‘Cabral se diz satisfeito, Serra pede debate’. No ‘JN’, Serra surgiu no final, calmo, ponderado.


PRÉ-SAL & POLUIÇÃO


A imagem do dia, on-line e nos telejornais, veio com o ato do Greenpeace, invadindo a cerimônia e posando, diante de Lula, com a faixa ‘Pré-sal e poluição, não dá para falar de um sem falar do outro’. No Twitter, especulou-se sobre a opinião de Marina Silva


INDEPENDENCE DAY


Foi a notícia de maior eco sobre o Brasil, pelo mundo. A ‘Forbes’, que dias antes destacava a ‘apreensão’ das companhias americanas, postou que ‘Brasil revela os controles sobre as descobertas de petróleo’. O ‘Wall Street Journal’ noticiou ‘mudança na política’ e, em primeira reação, questionou o ‘Independence Day’ de Lula, dizendo que pode afastar as estrangeiras. Observou porém que o ‘Big Oil’ já está acostumado a regras assim. Também o ‘New York Times’ sublinhou que a ‘gigante brasileira é beneficiada em prejuízo das rivais estrangeiras’. Também MarketWatch, Bloomberg etc.


Em outra direção, o ‘Guardian’ ressaltou que Lula ‘busca erradicar pobreza com os bilhões do petróleo’.


AINDA A TV DIGITAL


Nos primeiros posts do Blog do Planalto, revelados ontem depois de tantas idas e vindas, nada de pré-sal. Focavam a defesa por Lula de projeto comum dos países da Amazônia para o clima. E o acordo com a Argentina, para a TV digital


CHINA CAI, BRASIL CAI


Nas manchetes pelo mundo, destaque para o tombo na Bolsa de Xangai, que levou à queda das commodities e se juntou ao pré-sal para derrubar a Petrobras. A baixa na Bovespa foi reportagem à parte no ‘WSJ’ e no ‘Financial Times’, dada como ‘uma das vítimas’ emergentes, pelas relações comerciais com a China.


‘BRASIL VENCE A GUERRA’


Também em destaque ontem no ‘WSJ’, ‘Organização Mundial do Comércio permite que Brasil multe os EUA’. ‘WSJ’ e ‘FT’ sublinharam a reação formal americana, que preferiu apontar a redução no valor de retaliação que havia sido pedido pelo Brasil.


Em tom inusual, o ‘JN’ deu na escalada após o pré-sal, ‘Brasil vence a guerra contra Estados Unidos na OMC’.’


 


 


EUA


Clóvis Rossi


Saúde e petróleo


‘LONDRES – A Casa Branca está usando um método novo na batalha ideológica em torno do plano de saúde que o presidente Barack Obama tenta fazer passar no Congresso, mas enfrenta uma formidável oposição entre os próprios congressistas e em parte importante da opinião pública.


Em correspondência aos ‘obamistas’ (e aos jornalistas), informa que o vice-presidente, Joe Biden, produziu um vídeo para desmascarar ‘a mais grossa mentira’ de todas, a de que ‘nosso sistema de seguro saúde funciona bem e que os americanos não se importam com a reforma [do sistema]’.


Aí, apela: ‘Você pode ajudar o vice-presidente a desmontar esse mito mandando seu próprio vídeo contando por que a reforma importa para você. É uma oportunidade para americanos de todos os perfis e situações advogarem pela reforma com suas próprias palavras’.


Belo exemplo. Não seria aplicável ao Brasil, no caso do pré-sal?


Se se trata, como diz o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de ‘uma nova independência’ para o Brasil, não seria natural -além de democrático- que o debate em torno do assunto envolvesse o maior número de pessoas?


Não parece elitista demais restringir a discussão aos especialistas de plantão, aos governadores (interessados menos no marco regulatório e mais nas receitas futuras) e ao Congresso (que não tem sido exatamente o palco de manifestações pelo bem público)?


Os especialistas dirão que o público em geral não entende patavina de petróleo para poder opinar. Mas mortais comuns, no Brasil como nos Estados Unidos, entendem da vida que levam e, por extensão, da vida que gostariam de levar, com a mexida na saúde, em um caso, e no petróleo, no outro.


PS – Inauguro hoje a coluna eletrônica ‘Janela para o mundo’, em www.folha.com.br/janelarossi.’


 


 


TECNOLOGIA


Folha de S. Paulo


Sony vai distribuir navegador do Google em seus PCs


‘O Google se aliou à Sony para que inclua o Chrome, o navegador da empresa americana, em seus computadores, em uma tentativa de aumentar a participação de mercado dele. Além disso, a companhia disse que negocia acordos semelhantes com outras fabricantes de computadores. Apesar de elogiado, o Chrome é pouco utilizado, sendo, cerca de um ano depois de seu lançamento, usado por 2% dos internautas -o Explorer, da Microsoft, tem 68% de participação.’


 


 


PERSONAGENS


Janaina Lage


Disney compra Marvel por US$ 4 bilhões


‘A Disney anunciou ontem que comprará por US$ 4 bilhões a Marvel Entertainment, em um negócio apontado como o primeiro sinal de consolidação dos estúdios de Hollywood após a crise.


Com o acordo entre as empresas, passam a fazer parte de um mesmo portfolio personagens tão díspares como Mickey Mouse e Homem-Aranha, Pocahontas e Homem de Ferro e Ursinho Puff e X-Men.


A negociação começou em junho e só foi fechada depois de cumprida uma das exigências da Marvel: a inclusão de ações entre as formas de pagamento. Além do apoio dos acionistas, o negócio precisará da aprovação de órgãos antitruste.


O acordo prevê o pagamento de US$ 30 por ação em dinheiro mais 0,745 ação da Disney para cada ação da Marvel. Na prática, considerando pagamento em dinheiro e em ações, o montante chega a US$ 50 por papel da Marvel, o que representa um prêmio de 29% em relação à cotação de fechamento da última sexta-feira.


A expectativa da Disney é que o negócio seja concluído até o fim deste ano.


Esta não é a primeira vez que a Disney vai às compras. Em 2006, ela adquiriu a Pixar Animation Studios, a criadora do ‘Toy Story’, por US$ 7,4 bilhões em ações.


O sinal de que os estúdios que têm dinheiro em caixa podem aproveitar as oportunidades que surgiram no mercado em razão da crise fez com que as ações da DreamWorks Animation, a companhia por trás dos filmes do ‘Shrek’, subissem, com especulações de que ela poderia ser comprada por uma empresa maior.


A compra da Marvel pode aumentar a influência da Disney em um nicho de mercado que ela vem perdendo espaço: o do público jovem masculino.


Enquanto personagens da Disney como ‘Hannah Montana’ e a programação do seu canal de TV fazem sucesso entre as garotas, os heróis da Marvel, como Thor, Hulk e Quarteto Fantástico, têm mais êxito entre os garotos.


Licenciamentos


O acordo abre espaço para o uso dos 5.000 personagens da Marvel nos parques temáticos da Disney, em seus canais de TV a cabo, sem falar no licenciamento de produtos. O negócio reflete ainda a busca de marcas fortes que possam interessar o consumidor em um momento de queda no mercado de DVDs.


Segundo o presidente da Disney, Robert Iger, os heróis da Marvel não são imunes à tendência do mercado, mas têm mais chances de um resultado favorável.


No longo prazo, no entanto, o principal nicho de mercado é a distribuição dos filmes da Marvel. A Disney afirmou que vai respeitar os contratos em vigor entre a Marvel e outras empresas, mas que no longo prazo pretende atuar neste filão. O blockbuster ‘Homem de Ferro’, com Robert Downey Jr., por exemplo, foi distribuído pela Paramount Pictures, que já tem acordo para o lançamento do segundo filme e de um eventual terceiro. O filme obteve US$ 585 milhões em bilheterias no mundo todo.


Analistas questionam ainda se há espaço para tornar heróis menos conhecidos da Marvel em campeões de bilheteria, já que os mais famosos já se tornaram franquias de sucesso, como o Homem-Aranha. Após o anúncio, as ações da Disney caíram 3% e as da Marvel dispararam 25%.’


 


 


TELEVISÃO


Daniel Castro


Record negocia Susan Boyle para o ‘Programa do Gugu’


‘A Record está negociando a vinda da cantora escocesa Susan Boyle ao Brasil, para apresentação no ‘Programa do Gugu’. A emissora tentou trazê-la para o programa de estreia, anteontem, mas não conseguiu porque ela está gravando CD.


Susan Boyle virou celebridade após se apresentar no reality show ‘Britain’s Got Talent’.


A Record continua insistindo em ter Susan Boyle. O programa de Gugu tentará ter sempre uma atração internacional.


Anteontem, Gugu correu um ‘risco calculado’ ao apostar no performático Blue Man Group (BMG). Temia cair no Ibope, porque os americanos são pouco populares. Mas isso não ocorreu. ‘Isso mostra que eu posso melhorar o nível’, diz Homero Salles, diretor-geral.


Segundo Salles, havia opções mais populares, mas o BMG foi escolhido para marcar ‘ruptura’ com o SBT e mostrar busca de qualidade ao mercado.


O programa marcou 16,4 pontos de média. Perdeu para o ‘Fantástico’ (24,7) e empatou com ‘No Limite’ (16), ambos da Globo, mas deu o dobro de Silvio Santos (8), no SBT, com quem concorreu diretamente.


A Record, entretanto, espera mais. Quer a liderança.


Gugu começou o programa muito nervoso. Até errou o nome (disse ‘Domingo Legal’). Só começou a relaxar com o quadro ‘Dançando Pra Valer’.


Terminado o programa, Homero Salles, expulso do SBT há dois meses, foi à forra no Twitter. ‘Chupa, concorrência… Dia 30, inesquecível!!!’ e ‘Tô de alma lavada’, postou. E provocou Daniela Beyruti, filha de Silvio Santos e diretora do SBT: ‘Noite difícil?’, perguntou a ela.


NÓS PAGAMOS


O Comando de Aviação do Exército mobilizou homens, helicóptero e carros para levar uma ‘arma secreta’ ao SBT. Era o microfone branco de Eliana. A operação serviu de abertura do programa da loira no SBT, anteontem.


ENERGIA


‘Eliana’ marcou 10 pontos de média na estreia. Superou a Record (‘Tudo É Possível’ e ‘Domingo Espetacular’). Durante 22 minutos não consecutivos, ganhou também do ‘Domingão do Faustão’, graças à menina Maisa Silva.


RETORNO


Recuperado de resfriado, Silvio Santos voltou ontem aos estúdios do SBT. Gravou o ‘Show do Milhão’.


FORÇOU 1


Para executivos da Record, o ‘Fantástico’ ‘forçou a barra’ ao explorar nas duas últimas edições o suposto ‘sumiço’ do cantor Belchior. Entendem que foi um ‘artifício’ para evitar derrotas para ‘A Fazenda’ e ‘Programa do Gugu’.


FORÇOU 2


Dia 23, a Globo disse que Belchior ‘sumiu do mapa’. Domingo, o mostrou no Uruguai.


OUTRO LADO


A Globo sustenta o sumiço de Belchior. ‘A produção do ‘Fantástico’ ouviu mais de 60 pessoas ligadas ao cantor (família, profissionais e amigos). Para todos, entre um ano e meio, dois anos, ele não dá notícias’, disse em nota, citando ainda o abandono de carros e dívidas.’


 


 


Lúcia Valentim Rodrigues


Motoqueiros estreiam no DVD antes da TV paga


‘A pirataria faz emissoras de TV procurarem novas alternativas para lançar programas. A estratégia da Fox para ‘Sons of Anarchy’ foi empacotar a primeira temporada completa em DVD antes de levar a série ao ar. A rede marcou a estreia do seriado para novembro, no FX.


Enquanto isso, nos EUA, uma segunda temporada já está sendo finalizada, com lançamento marcado para o dia 8 de setembro, no FX de lá. Kurt Sutter, que escreveu o violento ‘The Shield’, é o criador da mistura de ‘Hell’s Angels’ com ‘Família Soprano’. A escolha do canal mais masculino da grade se justifica pelo enredo: uma gangue de motoqueiros negocia armas e ‘cuida’ de uma cidadezinha chamada Charming, na Califórnia.


Motos que são o sonho de consumo de qualquer aficionado por duas rodas, muita violência e bebedeiras e um pouco de sexo seguram a trama bem escrita e muito bem protagonizada por Ron Perlman (que ficou mais conhecido no papel do demônio de ‘Hellboy’).. Ele é Clay, presidente da gangue Sons of Anarchy (filhos da anarquia). Na ideia original, o clã era uma exaltação da liberdade de viver em cima de uma moto aliada a um código de conduta entre seus membros.


O loirinho Jax (Charlie Hunnam) é filho do outro sócio-fundador e entra em crise ao encontrar o diário de seu pai, que mostra como o grupo foi levado para a bandidagem por Clay, com a venda de armas. A trama ganha ares shakespearianos com o casamento de Clay com a mãe de Jax, consagrando a liderança do delinquente e legando uma herança de violência ao jovem, que, embora ganhe mais consciência entre certo e errado, não hesita em atear fogo a um ex-colega que desobedeceu a uma ordem.


A gangue domina a cidade para o bem e para o mal. Protege os moradores dos traficantes (e de qualquer concorrência), mas exige que fechem os olhos para suas maldades.


Além da comodidade, quem assistir em DVD ganha extras de making of, que mostram mais detalhes das motos e das tatuagens dos atores. Resta saber se essa nova tentativa da Fox não vai ser um tiro no pé.


SONS OF ANARCHY


Distribuidora: Fox; R$ 99,90


Classificação: não indicado a menores de 16 anos’


 


 


INTERNET


Thiago Ney


Com YouTube, Vanusa volta a ser hit


‘Belchior, Vanusa. Por vias tortas, a classe média vai descobrindo seus astros populares.


No domingo, mesmo dia em que Belchior reapareceu no Uruguai, Vanusa voltou a ser uma cantora comentada com a ajuda de um vídeo no YouTube.


Famosa nos anos 70 por interpretar canções como ‘Lá no Pé da Serra’, ‘A Carta’ e ‘Problemas’, ela foi convidada a participar do Encontro Estadual de Agentes Públicos, ocorrido entre 11 e 13/3 deste ano.


Vanusa interpretou o hino nacional acompanhada de um músico ao violão. No trecho ‘Gigante pela própria natureza/ És belo, és forte impávido colosso’, troca o ‘impávido colosso’ por ‘risonho e límpido’..


A partir daí, a interpretação segue com diversos erros. Antes que Vanusa chegue aos versos finais, o chefe de cerimônia agradece a presença da cantora e encerra sua participação (para assistir: no YouTube, digite ‘vanusa hino nacional’).


Desde anteontem, espalhou-se o rumor de que Vanusa estaria embriagada ao interpretar o hino. Waldemar Tchirichian, 70, empresário de Vanusa e ex-marido de Angela Maria, nega a informação.


Segundo Waldemar, Vanusa sofre há algum tempo de labirintite. ‘A Vanusa não bebe; apenas fuma muito. Ela passou por uma depressão muito forte e tomava um monte de medicamentos para a labirintite por conta própria.’ Esses medicamentos teriam causado a alteração de comportamento registrada no evento.


Desde julho, segundo o empresário, Vanusa está sem se apresentar. Ela sofreu uma queda em casa e quebrou a clavícula. ‘Teve de passar por três cirurgias porque sofre de osteoporose.’ Mãe de três filhos, a cantora volta aos palcos no próximo dia 20, em Maceió.


Vanusa e Belchior


Vanusa e Belchior. A dupla não é estranha. Um dos maiores sucessos da cantora, a música ‘Paralelas’, é uma composição de Antônio Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes, o recém-encontrado Belchior. A canção está no disco ‘Amigos Novos e Antigos’, de 1975 (para assistir, busque no YouTube as palavras ‘vanusa’ e ‘paralelas’).’


 


 


Mônica Bergamo


Escola de Sasha lida ‘com 20 línguas’


‘‘Thanks for calling the American School. For English, press one. Para português, pressione dois.’ O telefone da Escola Americana do Rio de Janeiro, onde estuda Sasha, filha da apresentadora Xuxa, atende assim, em inglês. Na semana passada, Sasha postou no Twitter: ‘Estou aqui filmando [ela está no elenco de ‘Xuxa em o Mistério de Feiurinha’] (…) vou fazer uma sena [ela queria dizer cena] com a cobra’. Xuxa brigou com os twitteiros que criticaram a filha e justificou o erro afirmando que a garota estuda em escola americana. O ‘headmaster’ [diretor] da escola de Sasha, Robert Lee Werner, explicou à coluna, em inglês, os procedimentos do colégio.


FOLHA – Qual é a prioridade da escola? Inglês ou português?


ROBERT LEE WERNER – Nós somos uma escola especial, uma escola internacional. Não lidamos só com uma ou duas línguas, nós lidamos com provavelmente 20 línguas porque os estudantes vêm de todo o mundo. Nós temos aulas em inglês, português, francês, espanhol. Encorajamos o uso de todas as línguas no ambiente apropriado.


FOLHA – Quantas aulas são em inglês e quantas em português para um aluno brasileiro?


WERNER – Não posso dar um número exato. Temos algumas aulas em português, e outras em inglês. Cada estudante pode ter um número diferente de aulas em uma língua ou em outra, incluindo francês e espanhol.


FOLHA – No caso de uma estudante como a filha de Xuxa, Sasha…


WERNER – Eu não falo sobre estudantes específicos. Não é apropriado trazer o nome de um estudante específico e eu apreciaria se o nome de um estudante não fosse usado, especialmente estudantes que possam ter mais fama [‘higher profile’] na comunidade.


FOLHA – É que a mãe dela justificou o erro dela dizendo que ela estuda em uma escola americana.


WERNER – É muito inapropriado colocar isso em um jornal. É muito ridículo criticar um estudante porque cometeu um erro. Todos os alunos erram. Quem fez isso fez algo muito inapropriado.’


 


 


 


 


************


O Estado de S. Paulo


Terça-feira, 1º de setembro de 2009 


 


SARNEY VS OESP


Daniel Bramatti


‘New York Times’ noticia censura contra ‘Estado’


‘Como nos tempos da ditadura militar, a censura ao Estado é de novo tema de reportagem do jornal The New York Times. Nos anos 60 e 70, o diário norte-americano abordou as restrições impostas à liberdade de imprensa no Brasil. Na edição de ontem, o que ganhou destaque foi o veto judicial à circulação de determinadas informações.


O texto faz um relato sobre a proibição de reportagens relacionadas a investigação da Polícia Federal sobre o empresário Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). A medida foi tomada pelo desembargador Dácio Vieira, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal. Está em vigor desde o dia 31 de julho.


Segundo o NYT, a determinação judicial foi ‘amplamente vista como um retrocesso depois de importantes avanços na remoção de restrições a uma imprensa livre’- referência à derrubada, pelo Supremo Tribunal Federal, da Lei de Imprensa herdada da regime militar.


A reportagem põe a medida que atingiu o Estado no contexto de outras ameaças à liberdade de imprensa na América Latina, que partem principalmente de governantes. Exemplo mais destacado é o da Venezuela.


‘Além do Brasil, o caso Sarney deu relevância a preocupações por toda a América Latina de que, apesar de uma década definida pela ascensão de líderes populistas que prometeram ajudar os oprimidos, muitos juízes continuam a se curvar aos caprichos dos poderosos ao censurar jornalistas’, aponta o texto escrito pelo correspondente Alexei Barrionuevo.


‘Para a família de José Sarney, a enxurrada diária de reportagens sobre nepotismo e corrupção envolvendo seu nome não dava para aguentar’, diz Barrionuevo, ao descrever a ofensiva de Fernando Sarney para bloquear as reportagens. A investigação da PF incluiu a gravação de conversas telefônicas de Fernando com o pai.


Ouvido pelo NYT, o diretor de Conteúdo do Grupo Estado, Ricardo Gandour, declarou: ‘As gravações mostram um senador, com seu filho e parentes próximos, negociando empregos e benefícios como se o Senado fosse uma empresa privada, de propriedade da família’.


MILITARES


‘Um coronel do Exército brasileiro observou as primeiras milhares de cópias do da edição dominical do jornal O Estado de S.Paulo saírem das impressoras. Então ordenou a parada das máquinas e confiscou a edição.’ Assim começava reportagem do NYT, em 25 de setembro de 1969, sobre a ação de censores em jornais de São Paulo e do Rio.


Em 1973, o diário americano voltava a abordar, de forma parecida, o mesmo drama. ‘Todas as noites, por volta das 23h, um censor da Polícia Federal brasileira vai à Redação de O Estado de S.Paulo, o jornal mais influente do País, lê todas as provas e corta qualquer material que trate de assuntos tabu ou que pareçam ?inconvenientes?.’


No fim de 1974 e início de 1975, o Estado, que completava 100 anos, foi tema de nova reportagem e de editorial no NYT. ‘Quase solitário entre os jornais brasileiros, o Estado firmemente se recusa a praticar a autocensura, preferindo demonstrar sua independência ao imprimir colunas de poesia nos espaços em branco deixados pelas atribuladas tesouras dos agentes do governo’, dizia o editorial.’


 


 


Fausto Macedo


Ex-ministro do Supremo pede decisão mais rápida


‘A censura ao Estado completou ontem um mês, sem previsão de quando poderá ser efetivamente revogada. ‘Não me parece normal esse atraso’, avalia Carlos Velloso, ex-ministro presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e ex-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). ‘Essa morosidade excessiva é incomum para medidas desse tipo. O mandado de segurança deve obedecer a uma tramitação rápida porque é preferencial.’


Contra o decreto judicial que o proíbe de divulgar reportagens sobre Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), o Estado ingressou com três medidas, duas exceções de suspeição do desembargador Dácio Vieira e um mandado de segurança – todas apresentadas na primeira semana de agosto. Até agora o Tribunal de Justiça do Distrito Federal não pôs um fim à demanda.


‘Sem conhecer os autos, estou achando que essa lentidão está realmente excessiva’, alerta Velloso. ‘Isso não costuma ser comum. Está nos regimentos dos tribunais e nos códigos que o mandado de segurança tem sempre preferência.’


O ex-ministro alerta que ‘o mandado é um remédio constitucional, assim como o habeas corpus, porque trata de garantias previstas na Carta’. ‘Deve receber tramitação mais rápida, preferencial a outros processos. Mandados entram em pauta em primeiro lugar. Os regimentos dos tribunais e os códigos consagram a preferência para o julgamento dessas ações constitucionais.’


Luiz Flávio Borges D?Urso, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)/São Paulo, considera que o direito está com a parte, mas o Judiciário demora para reconhecer esse direito. ‘É essa situação que o Estado experimenta, algo atípico. Quando a proibição cair certamente já terá causado prejuízos irreparáveis, não apenas ao jornal como à cidadania.’


‘É um absurdo, trata-se de uma questão de preservação da democracia’, avalia o advogado criminalista Mário de Oliveira Filho. ‘Não estamos cuidando aqui da liberdade individual de alguém, de uma única pessoa, estamos tratando da liberdade de todo o povo brasileiro que a liberdade de imprensa alcança.’


Oliveira Filho ressalta que ‘com um habeas corpus busca-se celeridade da Justiça em defesa e em nome de alguém, mas neste episódio a causa é da população de um País inteiro’. O advogado repudia a demora da Justiça. ‘O Estadão não está buscando algo em benefício próprio, não pede concessão de privilégio. Procura simplesmente resguardar o interesse público da população que tem pleno direito de saber aquilo que acontece de bom e de podre no País. Há um notório interesse público na causa, que se sobrepõe ao particular.’


‘O que é estranho é a incompatibilidade da pressa de uma liminar que restringe valor constitucional tão importante como a liberdade de imprensa e que gera sentimento de orfandade da norma jurídica’, observa Luís Fernando Camargo de Barros Vidal, presidente da Associação Juízes para a Democraica.


‘O Judiciário tem que ter a sensibilidade de perceber a repercussão na sociedade um determinado caso e dar a agilidade necessária para tomada final da decisão, qualquer que seja ela’, prega Ricardo de Castro Nascimento, presidente da Associação dos Juízes Federais em Sâo Paulo. ‘Vejo com ceticismo aqueles que entendem que os processos são como uma fila bancária que tem que ser julgados em ordem necessariamente cronológica.’’


 


 


LULA NA REDE


Clarissa Oliveira e Leonencio Nossa


Presidente estreia blog na internet


‘O Blog do Planalto, criado como mais um canal de comunicação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do governo na internet, estreou ontem na internet com dificuldade para permanecer no ar. Durante toda a manhã e boa parte da tarde, era impossível carregar a página, condição atribuída pelo governo ao excesso de usuários. Segundo o Planalto, o blog suporta 6 mil usuários simultaneamente.


Na estreia, o novo canal de comunicação do Planalto já trouxe um personagem para atuar como fonte bem informada dos bastidores do poder. Sob o título Acabou a tensão pré-sal, nota no blog informa que depois da tensão pré-sal dos últimos dias, o jantar que o presidente Lula ofereceu aos governadores Sérgio Cabral (RJ), José Serra (SP) e Paulo Hartung (ES) ‘celebrou a santa paz federativa’. E atribui a um ‘joão-de-barro que costuma fazer seu ninho perto da biblioteca do Palácio da Alvorada’ a informação de que, até que se defina uma nova repartição dos royalties do petróleo, ficam mantidas as regras atuais de distribuição.


O governo lança o blog no momento em que esse mecanismo já está sendo superado pelo Twitter, um microblog, site de mensagens instantâneas.. O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, foi o primeiro representante da equipe do presidente Lula a entrar na nova onda.


O governador José Serra também é adepto do Twitter e considerado o político mais popular da rede de microblogs, com 71 mil seguidores em tempo real.’


 


 


CAMPANHA


Julia Duailibi


TV Tucana inaugura transmissão pela web


‘Na primeira transmissão ao vivo, pela internet, da TV Tucana, os dirigentes do PSDB paulista disseram que a definição do candidato que disputará o governo de São Paulo no ano que vem só será feita após o partido resolver o nome que concorrerá ao Palácio do Planalto. Uma decisão está atrelada à outra, afirmou a cúpula tucana no Estado.


A decisão do PSDB paulista dá respaldo ao argumento usado pelos principais nomes tucanos na disputa presidencial, os governadores José Serra (SP) e Aécio Neves (MG). Ambos avaliam que o melhor para o partido é jogar o debate sobre a candidatura presidencial para o começo do ano que vem.


A pouco mais de um ano da eleição de 2010, o partido conta com dois candidatos ao governo do Estado, o ex-governador e atual secretário de Desenvolvimento, Geraldo Alckmin, e o secretário estadual da Casa Civil, Aloysio Nunes Ferreira. Os dois trabalham discretamente para viabilizar seus nomes na corrida pelo Palácio dos Bandeirantes.


O projeto da TV Tucana pretende agilizar a comunicação do partido com a militância às vésperas da eleição. Os líderes da legenda responderam a perguntas dos internautas, basicamente sobre eleição. De acordo com os dados oficiais, cerca de 600 pessoas acompanharam a transmissão, que contou com a presença do secretário-geral do partido em São Paulo, César Gontijo. Os tucanos também minimizaram a eventual entrada do ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci na disputa pelo Palácio dos Bandeirantes.’


 


 


Eugênia Lopes


Internet pode ter propaganda paga de candidatos


‘Carro chefe da campanha presidencial da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) correm o risco de não poder ser inauguradas com ampla publicidade e propaganda a partir de abril de 2010. A restrição faz parte da nova proposta de reforma eleitoral, que deverá ser votada hoje na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e na Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT) do Senado. A proibição de propaganda relacionada à inauguração de obras públicas nos seis meses que antecedem as eleições de outubro foi incluída pelos senadores Marco Maciel (DEM-PE) e Eduardo Azeredo (PSDB-MG), que fizeram um substitutivo conjunto da reforma eleitoral.


Uma das principais alterações feitas no Senado foi a permissão para que seja feita propaganda paga na internet. Essa proposta não fazia parte do projeto da Câmara, que estabeleceu apenas a liberação do uso da internet nas campanhas eleitorais. ‘Mas qual será o critério de acesso ao portal da internet para cada candidato? Vai ser por sorteio? Temos de garantir a isonomia’, observou o líder do PT no Senado, Aloizio Mercadante (SP), ao argumentar que a propaganda paga na internet nos Estados Unidos é permitida apenas para os candidatos à Presidência da República. ‘O projeto está com muitos problemas, existem mais de 50 emendas que não foram analisadas pelos relatores e acho muito difícil a reforma ser votada amanhã (hoje) nas duas comissões.’


O líder do DEM, senador José Agripino Maia (RN), é outro que fez reparos. ‘Essa questão da internet tem de ser bem esclarecida. É o fato novo que vai significar para as eleições de 2010 o que a televisão significou para as eleições de 20 anos atrás’, afirmou Agripino. ‘Não acredito que a reforma seja votada amanhã (hoje) nas comissões.’ O líder do DEM convidou Maciel para expor as alterações à reforma para a bancada do partido.


‘São dois relatores de oposição que não tiveram nenhum diálogo com os partidos da base do governo. Não tivemos nenhuma reunião’, reclamou Mercadante. As novas regras eleitorais têm de ser aprovadas até o fim de setembro para valerem para as eleições de outubro de 2010. Mas, como os senadores estão propondo mudanças no projeto aprovado pelos deputados, o texto terá de voltar para a Câmara para nova rodada de votações. ‘Temos de aprovar até o fim de setembro, mas não creio que haja grandes problemas, porque a Câmara já debateu essa reforma exaustivamente’, afirmou o senador Garibaldi Alves (PMDB-RN).


Os relatores da reforma eleitoral acolheram quase cem emendas apresentadas pelos senadores. Para Azeredo, relator da reforma na Comissão de Ciência e Tecnologia, uma das principais alterações feitas em relação à proposta aprovada pelos deputados foi o fim do voto em trânsito para presidente da República. ‘Ainda não dá para termos voto em trânsito porque o risco de fraude é muito grande’, argumentou o tucano.


‘O clima é para votarmos a reforma. O ideal seria que o projeto fosse o aprovado pela Câmara’, disse a líder do governo no Congresso, senadora Ideli Salvati (PT-SC).


A reforma da reforma


Internet


Na Câmara


Libera o uso da internet pelos candidatos e partidos durante os três meses de campanha eleitoral, que começa em julho. Veda qualquer tipo de propaganda paga na internet


No Senado


Além de liberar o uso da internet, permite a propaganda eleitoral paga na rede. Cada candidato tem direito a 12 inserções de propaganda paga na internet, limitada a um oitavo da tela


Doações


Na Câmara


Permite a doação de pessoa física via internet, inclusive com cartão de crédito. O doador terá de ser identificado e o limite da doação é de 10% da renda anual


No Senado


Foi acrescentada a doação por telefone e por cartão de débito


Voto em trânsito


Na Câmara


Permite o voto em trânsito para presidente da República nas


capitais. Hoje essa possibilidade não existe


No Senado


Não prevê voto em trânsito


?Votão?


Na Câmara


Cria o voto impresso, a partir das eleições de 2014, para que possa ser conferido pelo eleitor. Hoje o voto é eletrônico, mas sem instrumento de confirmação


No Senado


Descarta o adoção do voto impresso e cria o chamado ‘votão’. Ao final da votação, a pessoa vê na tela da urna eletrônica a confirmação dos candidatos escolhidos debates


Na Câmara


Mantém a necessidade de participação de todos os candidatos às eleições majoritárias (presidente, governador e senador) em debates promovidos por TVs e rádios


No Senado


Assegura a participação de pelos menos dois terços dos candidatos, cujos partidos tenham representação na Câmara, nos debates de rádio e televisão


Cassação


Na Câmara


Mantém a não-exigência de nova eleição no caso de cassação ou cancelamento do diploma de candidato majoritário. O segundo colocado continua a assumir o posto, exatamente como ocorreu recentemente com a posse dos novos governadores do Maranhão, Roseana Sarney, e da Paraíba, José Maranhão, ambos do PMDB


No Senado


Estabelece a necessidade de uma nova eleição, caso a Justiça Eleitoral cancele ou casse o diploma de um candidato majoritário que tenha sido eleito. Ou seja, o segundo colocado na eleição não assume o governo automaticamente e terá de passar no teste das urnas’


 


 


PERSONAGENS


Brooks Barnes, The New York Times


Disney compra a Marvel em operação de US$ 4 bilhões


‘O Homem-Aranha e seus companheiros da Marvel Entertainment vão agora fazer parte da Walt Disney Company. A Disney anunciou que vai pagar US$ 4 bilhões – sendo 60% em dinheiro e 40% em ações – pela aquisição da Marvel, que tem um acervo de cerca de 5 mil personagens, entre eles X-Men, Os Quatro Fantásticos, Homem de Ferro, Capitão América e Thor..


A Marvel explorou de maneira agressiva seus personagens mais populares, com filmes e produtos de consumo, e tem uma série de acordos com vários estúdios que permanecerão vigorando. Por exemplo, a Twentieth Century Fox continuará com a franquia X-Men, enquanto a Sony Pictures Entertainment manterá o Homem-Aranha. E a Paramount Pictures continuará distribuindo filmes do Homem de Ferro – pelo menos, até que o acordo expire. Portanto, essencialmente, a Disney está operando com três estúdios concorrentes.


Entretanto, a companhia acha que desfrutará de uma enorme oportunidade para acrescentar os personagens da Marvel aos seus outros negócios. Os personagens da Marvel passarão a fazer parte dos parques temáticos da Disney, enquanto os produtos de consumo constituirão um enorme grupo, particularmente no que se refere ao mercado internacional, em que a Marvel tem menos penetração.


Os produtos de propriedade intelectual da Marvel estão mais difundidos entre os meninos – uma área em que a Disney poderia explorar sua ajuda.. Enquanto produtos equivalentes da linha de merchandising de Hannah Montana e de enorme sucesso, como as Princesas, consolidaram o apelo da Disney entre o público de meninas adolescentes, recentemente as franquias para meninos têm-se mostrado mais difíceis de pegar. O Disney XD, o novo canal a cabo destinado ao público de meninos adolescentes, poderá abrigar imediatamente os personagens da Marvel.


A aquisição vem sendo preparada há vários meses, quando o principal executivo da Disney, Robert A. Iger, contactou o principal executivo da Marvel, Ike Perlmutter. As conversações se intensificaram nas duas últimas semanas, e a Disney concordou com uma das principais exigências da Marvel: que as ações fizessem parte do acordo. Desse modo, os acionistas da Marvel receberão US$ 30 por ação em dinheiro, mais cerca de 0,745 ação da Disney para cada ação da Marvel. O acordo foi avaliado em US$ 50 por ação, com um prêmio de 29% sobre cada ação da Marvel.


‘Acreditamos que o fato de acrescentarmos a Marvel à fantástica carteira de marcas da Disney proporcionará oportunidades consideráveis para o crescimento e a criação de valor a longo prazo’, disse Iger em um comunicado.


Segundo Perlmutter, ‘a Disney é o lugar perfeito para o enorme acervo de personagens da Marvel, considerando sua comprovada capacidade de expandir a criação de conteúdo e o licenciamento de operações’.


Ele continuará supervisionando o patrimônio da Marvel e trabalhará diretamente com as linhas globais de negócios da Disney com a finalidade de construir e integrar ainda mais esse patrimônio.


A aquisição se dá no momento em que a Disney, com suas grandes operações de parques temáticos e de publicidade pela televisão, enfrenta dificuldades pela falta de DVDs de sucesso, pelas fracas vendas de publicidade na ABC e pela redução dos gastos dos consumidores nos parques temáticos. No terceiro trimestre encerrado no dia 27 de junho, o lucro da companhia teve queda de 26%.’


 


 


IMAGEM


Camila Molina


A hora e a vez das imagens


‘A fotografia é destaque desse mês em São Paulo, graças a uma série de mostras importantes, como a dedicada ao mestre Henri Cartier-Bresson, a partir do dia 16, no Sesc Pinheiros (com lançamento de livros), e eventos em torno do gênero, como a terceira edição da feira SP- Arte/Foto, no Shopping Iguatemi, e a realização da primeira edição do festival SP Photo Fest, no Museu da Imagem e do Som (MIS). Já se tornou característico dos últimos anos o aumento crescente do mercado de fotografia na capital paulista, mas mesmo exposições desse meio não ficam em segundo plano na programação de museus e instituições da cidade.


‘Era surreal São Paulo não ter um festival de fotografia organizado para acontecer todos os anos, e se contentar apenas com eventos esporádicos’, diz o empresário Luiz Marinho, que esteve à frente do Paraty em Foco, no Rio de Janeiro, por quatro anos, e agora lança o SP Photo Fest, bancado, majoritariamente, do próprio bolso – mas com parcerias importantes, como a Leica, que ele representa; a Agência Estado e o Metrô. O festival paulistano, entre os dias 10 e 13, não será um concorrente do de Paraty, que agora, em sua quinta edição, ocorre também neste mês, a partir do dia 23. Começa com uma versão que apresenta palestras e workshops de estrelas da fotografia mundial e nacional.


A terceira edição da feira SP-Arte/Foto, que será inaugurada no dia 9, também trará à cidade um mito da fotografia, o americano Elliott Erwitt, da agência Magnum, que lançará livro. Além de sua participação, a feira é uma oportunidade para se ver mais de 300 imagens dos mais variados autores, expostas nos estandes de 17 galerias de São Paulo, Rio e Bahia. A SP-Arte/Foto é ramo da SP-Arte – Feira Internacional de Arte Contemporânea. No evento será apresentada a mostra Portraits – Fotojornalismo em O Estado de S. Paulo, com uma seleção de obras de fotógrafos da Agência Estado.’


 


 


Simonetta Persichetti


Mostra celebra Cartier-Bresson e seu olhar que espreita o inusitado


‘Captar o essencial com apenas uma imagem. Sempre foi esse o mote de Henri Cartier-Bresson (1908-2004) ao sair às ruas com sua inconfundível Leica para conseguir captar flagrantes com se estivesse capturando delitos. Invisível, como só ele acreditava ser, Cartier-Bresson nos ensinou a olhar de maneira diferente para as mesmas coisas que vemos todos os dias. Estar atentos. Prontos..


Parte de sua estética inconfundível e que marcou a visualidade do século 20 poderá ser vista a partir do dia 16 no Sesc Pinheiros, como um dos eventos em destaque do ano da França no Brasil, numa iniciativa conjunta entre o Sesc São Paulo, a Agência Magnum e a Fundação Henri Cartier-Bresson. São 133 fotografias, que também fazem parte do livro Henri Cartier-Bresson: Fotógrafo, que será lançado no Brasil pela Cosac Naify no dia da abertura da exposição.


A mostra tem curadoria do editor Robert Delpire e inclui imagens realizadas em 23 países durante os 40 anos que fotografou. No Brasil, a coordenação geral do projeto (que inclui a mostra paralela Bressonianas, debates, oficinas e exibição de filmes) é do curador Eder Chiodetto, que dividiu as imagens da exposição em três grandes temas.


O primeiro é Street Photography, caracterizado pelos flagrantes de rua onde os gestos cotidianos e a surpresa são o mote. Muitos confundem essas imagens com uma estética surrealista, mas basta ver seus filmes e ler seus depoimentos para ver que, sim, ele era amigo desses artistas, mas sua forma de entender a arte nunca fez parte de suas fotos. Talvez a presença surrealista que críticos afirmam se dê nas suas imagens flagrantes. Um olho que espreita o inusitado, o átimo aparentemente invisível.


O segundo núcleo, Conflitos, nos apresenta o Cartier-Bresson fotojornalista, a partir do fim da 2ª Guerra Mundial. Um olhar mais duro, quase raivoso. Não podemos esquecer que ele mesmo ficou três anos preso num campo de concentração até conseguir fugir. As imagens europeias deste final bélico mostram toda a sua indignação com o regime nazista e também o seu respeito pela liberdade. Mais suaves e poéticas são as imagens da cobertura da morte de Gandhi na Índia. Um olhar que tenta captar a grandeza deste homem que já havia sido imortalizado por muitos outros fotógrafos.


E, por fim, o terceiro núcleo é o de Retratos, onde podem ser vistos e revistos personagens relevantes de nossa época, quase sempre retratados num momento de distração, como se tivessem se acostumado à presença do fotógrafo e nem se dessem mais conta do que ele estava fazendo por lá.


Cartier-Bresson começou a fotografar em 1931 durante uma viagem à África. Foi lá que ele teve seu primeiro contato com a Leica, a câmara fotográfica que se tornaria a extensão de seu olhar. E durante 40 anos não parou de fotografar. Suas imagens simples, diretas, aparentemente fáceis de serem feitas, encantam e nos mostram que seu silêncio as tornou referência imagética do século 20.


Mas vai ser a partir de 1947, ao fundar com Robert Capa (1913-1954), David Seymour (1911-1956) e George Rodger (1908-1995) a agência cooperativa Magnum, que o profissional Cartier-Bresson se firma definitivamente como fotógrafo. Em 1974, ele deixa de lado a fotografia e volta para sua antiga paixão, a pintura e o desenho. Com a mesma simplicidade de suas fotografias, ele passou por este mundo: silencioso, mas fundamental.


Para complementar a mostra de Henri Cartier-Bresson , o fotógrafo e curador Eder Chiodetto organizou uma exposição paralela, Bressonianas, com 42 imagens de fotógrafos brasileiros que, em algum momento, sofreram a influência do fotógrafo francês: imagens de Cristiano Mascaro, Carlos Moreira, Juan Esteves Tuca Vieira, Flávio Damm, Orlando Azevedo e Marcelo Buainain. Cada um desses profissionais traz em sua estética algo de bressoniano, sem contudo espelhar as fotografias do mestre. Daí o nome da exposição, Bressonianas: ‘São as imagens que nos lembram Cartier-Bresson e não os fotógrafos’, comenta o curador. Imagens que relatam os gestos cotidianos, o flagrante da rua, que podem ser vistas e reconhecidas nas fotos de Cristiano Mascaro e Carlos Moreira; o olhar atento do fotojornalista que aparece nos trabalhos de Flávio Damm, desde sua época como fotógrafo da extinta revista O Cruzeiro, até o olhar mais atual do fotojornalismo de Tuca Vieira e o trabalho independente de Marcelo Buainain que fez da Índia o tema de seu trabalho. Olhares que em algum momento se cruzam com o olhar de Cartier-Bresson: ‘A paixão pelo prosaico e pela fugacidade da vida são marcas profundas da obra bressoniana’, nos lembra Eder Chiodetto.


O livro Henri Cartier-Bresson: Fotógrafo foi publicado em 1979 com 155 imagens selecionadas pelo próprio fotógrafo em parceria com seu antigo amigo, o editor Robert Delpire. No livro ele apresenta suas imagens agrupadas em seis grandes capítulos, de forma a nos levar diretamente a uma reflexão do que estamos vendo, cria encontro de olhares inesperados para suas fotografia: ‘Bresson opta por promover o encontro de duas realidades distantes ao invés de estabelecer um critério cronológico de antologia ao volume’, afirma Augusto Massi, editor da Cosac Naify.


SERVIÇO


EXPOSIÇÃO


HENRI CARTIER-BRESSON – FOTÓGRAFO


Área de exposições, Térreo e Sala de oficinas, 2º andar


16 de setembro, às 20h (para convidados)


Visitação de 17 de setembro a 20 de dezembro 2009


Ter a sex, das 10h30 às 21h30 | sab, dom e fer, das 10h30 às 19h30


MOSTRA BRESSONIANAS


Área de exposições – 3º andar


16 de setembro, às 20h (para convidados)


SESC Pinheiros


Endereço: Rua Paes Leme, 195


Horário de funcionamento da Unidade – Terças a sextas, das 13h às 22 h. Sábados, domingos e feriados, das 10h às 19h.


Tel. para informações: 11 3095.9400


ESTACIONAMENTO – COM MANOBRISTA – VAGAS LIMITADAS – Veículos, motos e bicicletas – Terças a sextas, das 7h às 22h; Sábados, domingos e feriados, das 10h às 19h. Taxas: Matriculados no SESC: R$ 5,00 as três’


 


 


O Estado de S. Paulo


O fotojornalismo por 10 de seus autores


‘O retrato é, sem dúvida, uma das mais fascinantes linguagens fotográficas. Quando olhamos um portrait, o que procuramos nele, como nos vemos? O repórter especial do Caderno 2, Antonio Gonçalves Filho, curador da mostra Portraits – Fotojornalismo em O Estado de S. Paulo, que integra a Feira SP-Arte/Foto/2009, estabelece uma relação entre os retratos feitos para o jornal – ‘que não são meros instantâneos’ – com os retratos pintados da época vitoriana, que por seus aspectos formais procuravam revelar a personalidade, a profissão do retratado.


Gonçalves Filho selecionou dez fotografias de dez fotojornalistas do Estado (Antonio Milena, Eduardo Nicolau, Ernesto Rodrigues, Jonne Roriz, José Luiz da Conceição, José Patrício, Hélvio Romero, Márcio Fernandes, Paulo Liebert e Paulo Pinto). Personagens e personalidades que se destacam em suas áreas, como Paulo Autran e José Saramago, aparecem fotografados e interpretados por um olhar singular, o do fotógrafo de jornal: ‘Cada profissional tem um olhar próprio. Um se preocupa mais com o aspecto formal da composição, outro mais com o seu modelo’, comenta.


Cada vez mais podemos apreciar fotojornalistas com produções mais apuradas e ambição estética, sem esquecer, contudo, o fundamental do jornalismo, que é a informação. Em cada imagem revela-se o reconhecimento de um olho pensante e da autoria fotográfica: ‘Acho que a internet banalizou muito a imagem e queria mostrar como nasce a linguagem de autores que resistem à uniformização cultural e fazem da fotografia reconhecidamente uma arte’, afirma o curador. S.P.


Serviço


SP-Arte/Foto 2009. Espaço Iguatemi. Av. Brig. Faria Lima, 2.232, 9.ºandar. Dias 10 e 11, das 15 às 21 h; dias 12 e 13, das 14 h às 21 h. Grátis. Preview no dia 9, às 16 h. www.sp-arte.com ‘


 


 


TELEVISÃO


Keila Jimenez


Sem censura livre


‘A TV brasileira sofre com escassez de filmes e programas de classificação livre para preencher a programação vespertina. A constatação é do secretário Nacional da Justiça, Romeu Tuma Jr., que diz que as emissoras não se esforçam em produzir conteúdo adequado para o horário e preferem ver filmes e novelas antigas com cenas decepadas para passar pela classificação indicativa.


‘Há uma demanda cada vez maior por filmes de censura livre. E, para adequar os títulos que não são apropriados ao horário, as emissoras acabam picotando as histórias. Não seria melhor produzir atrações de qualidade e própria para menores de 10 anos?’, argumenta Tuma. ‘O mesmo acontece com as reprises de novelas. É claro que uma novela das 8 terá de ser cortada para ser exibida à tarde’, continua. ‘Seria mais simples se o Ministério da Justiça não tivesse de interferir, pedir readequação.’


Para o secretário, a produção de mais conteúdo de classificação livre acabaria com o excesso de reprises de blockbusters nas tardes de domingo e de filmes com temática infantil durante a semana. ‘Seria benéfico também para a audiência’, diz ele.’


 


 


 


 


************

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem