Sábado, 20 de Abril de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1033
Menu

ENTRE ASPAS >

Brasil é o 8º país com maior número de acessos à web

10/02/2011 na edição 628


Folha de S. Paulo, 10/2


Brasil é o 8º país do mundo que mais acessa a internet


O Brasil ultrapassou o Reino Unido e se tornou o oitavo país com maior número de acessos únicos à internet. É o que revela estudo feito pela empresa comScore.


Em dezembro do ano passado, segundo o levantamento, 40 milhões de pessoas acima dos 15 anos acessaram a internet pelo menos uma vez na semana -crescimento de 20% ante o mesmo mês de 2009.


A China lidera o ranking de visitantes únicos, com 292 milhões de visitas, seguida pelos EUA, com 181 milhões.


O estudo também mostrou que as regiões Sudeste e Sul lideram o número de acessos à internet e que os usuários do Nordeste são os que mais passam tempo navegando no computador.


 


 



Folha de S. Paulo, 10/2


Álvaro Fagundes


Aplicativo de tablet permite ao usuário confessar seus pecados


iPad, perdoa-me porque pequei. iPad? Exatamente. O tablet da Apple agora tem um aplicativo que permite ao usuário confessar seus pecados.


Pelo aplicativo (que também funciona em iPhones e custa US$ 1,99), o usuário pode navegar pelos dez mandamentos para encontrar onde se enquadra seu pecado.


O programa também oferece a opção de escrever qual foi o pecado cometido.


E, para quem está preocupado se alguém vai desrespeitar o sétimo mandamento (não roubarás), o aplicativo permite que o usuário coloque uma senha para que seus pecados não deixem o confessionário eletrônico.


O programa foi criado por uma companhia que desenvolve aplicativos, mas recebeu o aval de padres americanos e do bispo de Indiana, com a ressalva de que ele não substitui a confissão na igreja.


O Vaticano, porém, foi bem mais enfático na sua posição sobre o programa.


‘É fundamental entender que os ritos de penitência exigem diálogo pessoal entre os penitentes e seu confessor. Eles não podem ser substituídos por qualquer aplicação de telecomunicações’, disse Federico Lombardo, porta-voz do Vaticano.


‘Eu devo ressaltar para evitar ambiguidade: sob nenhuma circunstância é possível se confessar pelo iPhone.’


Segundo os inventores, o programa não foi criado para substituir as confissões presenciais.


  


 


Folha de S. Paulo, 10/2


Apple inicia a produção do novo iPad, afirma ‘WSJ’


A Apple começou a produzir uma nova versão de seu tablet iPad, mais fina e leve e equipada com uma câmera frontal e processador mais rápido, publicou o ‘Wall Street Journal’, citando fontes próximas do assunto. A Apple não comentou.


Também pode ser lançada uma caneta para o iPad. O site Patently Apple descobriu uma patente do produto pedida pela empresa em 2008. A caneta seria usada em programas de escrita ou desenho.


De acordo com um funcionário da Apple, a caneta tem como objetivo ampliar o uso do iPad entre estudantes. Steve Jobs, presidente da empresa, já disse que uma caneta como acessório de um tablet é um sinal de fracasso.


 


 


Folha de S. Paulo, 10/2


Facebook muda de sede para suportar ritmo de expansão


Com o objetivo de suportar o ritmo de crescimento, o Facebook anunciou ontem que vai sair de sua sede em Palo Alto e vai mudar para perto do município de Menlo Park, na Califórnia. O site de relacionamentos alugou a nova sede, de propriedade da Oracle, por 15 anos, com opção de compra após cinco anos. O valor estimado do local hoje é de US$ 200 milhões.


 


 


Folha de S. Paulo, 10/2


Luciana Coelho


Nos EUA, Apple é questionada por jogos infantis do iPad e do iPhone


A Apple entrou na mira do órgão de proteção ao consumidor nos EUA depois que um deputado questionou se transações financeiras promovidas dentro de aplicativos para crianças, baixados em sua loja do iTunes, são práticas enganosas.


Em carta enviada anteontem à Comissão Federal de Comércio (FTC), o deputado democrata Edward Markey pede ao órgão que investigue a questão e forneça mais informações ao consumidor sobre as chamadas compras intra-aplicativo (in-app).


‘Estou preocupado com a forma como esses aplicativos são promovidos para o consumidor, sobretudo para crianças’, escreveu Markey, da subcomissão de comunicação, tecnologia e internet da Câmara, em seu site.


O FTC ainda não se pronunciou sobre o caso. Uma reportagem publicada pelo jornal ‘Washington Post’ cita pais que baixaram aplicativos gratuitos para os filhos pequenos e terminaram com uma conta de mais de US$ 1.000 (R$ 1.650) na mão.


Embora os jogos para iPhone e iPad sejam gratuitos, às vezes a criança é estimulada a fazer compra real para obter um determinado item e passar de fase.


Esse é o caso do aplicativo Smurf’s Village, da Capcom Interactive, com o qual a menina Madison Kay, 8, gastou US$ 1.400 comprando ‘smurfberries’ sem saber que o dinheiro era real.


Os joguinhos são baixados da loja do iTunes, na qual só se faz download com abertura de uma conta, que requer dados do cartão de crédito.


CONFUSÃO


A Folha testou o aplicativo que estimula a compra das ‘smurfberries’. Após poucos minutos, na fase cinco, o jogo só avança se o jogador construir uma ponte que precisa ser paga com ‘smurfberries’ -vendidas em pacotes de até US$ 99 (R$ 164).


Só recentemente o fabricante incluiu lembrete na tela de compra dizendo que o dinheiro é real. Mesmo assim, é fácil confundir o dinheiro real com a moeda fictícia usada no jogo (insuficiente para cumprir tarefas).


Outros jogos citados pelo ‘Post’ são o Tap Zoo e o Dolphin Play.


Procurada pela Folha, a Apple não respondeu perguntas sobre a manutenção das vendas intra-aplicativos em jogos infantis até o fechamento desta edição.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem