Quarta-feira, 13 de Novembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1063
Menu

ENTRE ASPAS >

Carta Capital

20/10/2009 na edição 560

ANÁLISE
Mino Carta

Governo e mídia

‘Depois de definir como patifes os jornalistas que não trabalham para ele e de processar os diários La Repubblica e L’Unità, Silvio Berlusconi acaba de abrir fogo contra a imprensa estrangeira. Na qual também figuramos, modestamente, pois costumamos falar do premier italiano como caricatura ambulante. Claro está que Berlusconi se refere a publicações bem mais ilustres: The Economist, Times, Financial Times, New York Times, Wall Street Journal, El País, e outras de alto porte.

Este é apenas um capítulo de uma ‘questão midiática’ que se alastra pelo mundo, provocada por relações conflituosas entre governos e mídia. Barack Obama nada tem a compartilhar com Berlusconi, mas não deixa de ter seu papel no enredo, tanto mais de destaque por ser ele quem é. O presidente dos Estados Unidos toma em relação à Fox News uma atitude inédita, capaz de tornar-se exemplar aos olhos de outros governantes.

Agredido (o verbo cabe) diariamente pelo noticiário mais reacionário do país, frequentemente com recurso a invencionices, falsidades e mentiras, Obama anuncia sua decisão de passar a considerar a Fox News como partido político igual à oposição republicana, o que, na prática, implica portas fechadas para os profissionais da emissora, mais um braço do poder de Rupert Murdoch. É hora do espanto?

Os Estados Unidos orgulham-se de uma tradição democrática antiga, garantida inclusive pela atuação de uma imprensa livre como poucas. Não faltará quem passe a clamar, não somente em terra americana, contra o assalto à liberdade de expressão. Por ora, surpreende a falta de reação dos jornalões nativos. Obama é, porém, Obama.

A drástica medida reveste-se, de todo modo, de uma peculiaridade interessante. Ou inquietante? A depender de quem a encara. Por exemplo, o presidente Lula, que como Obama não apresenta a mais pálida semelhança com Berlusconi, teve a mídia nativa alinhada contra ele desde a campanha eleitoral de 2002, salvo raras exceções.

Concentram-se a seu desfavor editorialistas, colunistas, editores, repórteres. Exército a serviço de um partido político, compacto no momento de desfechar ofensivas. A arma empregada nem sempre foi a mera opinião, à qual cada um tem direito. Pelo contrário, também no caso houve invencionices, falsidades e mentiras. Sem falar das omissões e das interpretações desprovidas de apoio na verdade factual.

Poderia o governo Lula enxergar um exemplo válido no revide de Obama? Sabemos que o nosso presidente jamais tomaria a decisão do colega americano, mesmo se concordasse com ela entre o fígado e a alma. Quem sabe haja outros graúdos globais dispostos a se comoverem. Diferente foi a saída do casal Kirchner. Levaram o Parlamento argentino a aprovar uma lei pela qual se impede o monopólio midiático por parte de quem quer que seja. Ninguém pode ser dono de tudo.

Aqui o alvo flagrante é o grupo de El Clarín, ferrenho opositor, e cujo monopólio é discutido há mais de 30 anos. O casal cuida dos seus interesses, está claro, mas a lei, similar a outras em vigor em vários países do chamado Primeiro Mundo, é altamente democrática. Inútil seria esperá-la do Congresso brasileiro, desinteressado em uma democracia, digamos assim, ortodoxa. Mais cômoda a democracia sem povo, ou, por outra, a do privilégio. Aí ficamos em família.

Os jornalistas brasileiros teriam de se empenhar por uma lei similar, garantia de um efetivo pluralismo, em proveito de sua profissão e das suas chances de praticá-la em situação de verdadeira liberdade. Ocorre ser este, no entanto, o país onde os profissionais chamam o patrão de colega e o sindicato lhes fornece carteirinha. Não conheço outro onde a mídia feche de um lado só, desde o instante que minha memória alcança. Talvez Obama dissesse: eis aí um partido político. Mais consistente, mais sólido, mais determinado, aliás, de quantos no Brasil se apresentam como tais.

Algo me intriga e me sugere falar ainda da Itália, um país que teria de envergonhar-se ao eleger Berlusconi.

O jornal Corriere della Sera revelou em primeira mão as mais recentes aventuras donjuanescas do premier, patrocinadas por um empresário corrupto. Furo de reportagem, como se diz na linguagem das redações. O resto da mídia foi atrás e deu amplo seguimento ao assunto.

Que aconteceria no Brasil? Sempre que CartaCapital antecipou-se na divulgação de informações exclusivas e relevantes contou com o silêncio imponente da margem oposta. Muitas vezes, publicamos hoje o que o resto da mídia apresenta como novidade meses e até anos depois. Esqueçamos, porém, as ofensas sofridas em quinze anos de vida, acusados desde 2003 de governistas, porque, a despeito de amiúde crítica do governo, CartaCapital empenhou-se em frequentar a verdade factual.

Trato, tão somente, de aproveitar a oportunidade para informar que, no momento oportuno, definiremos a nossa escolha em relação ao pleito do ano próximo, como, de resto, se dá em países democráticos dotados de uma imprensa livre, ainda que sujeita, eventualmente, às pressões do poder. Enquanto isso, o resto da nossa mídia fingirá, com a desfaçatez useira e sua inesgotável aposta no alheamento popular, equilíbrio, isenção, equidistância.’

 

INTERNET
Felipe Marra Mendonça

Brincadeira tem hora

‘Um artigo da repórter Jessica Vascellaro no Wall Street Journal de segunda-feira 12 (http://online.wsj.com/article/SB20001424052970203803904574431151489408372.html) suscitou uma discussão interessante e salutar em vários sites e blogs pela internet. O argumento central da jornalista fica explícito no começo do texto, ‘o e-mail teve um longo período como o rei das comunicações. Mas o reinado acabou’. Vascellaro argumentou que seu lugar tem sido tomado por serviços como o Twitter e o Facebook, que segundo ela estão sempre ligados e, portanto, ‘criam novas maneiras de se comunicar que são muito mais rápidas que o -e-mail e muito mais divertidas’.

O primeiro ponto a ser feito aqui é que Vascellaro não teria sequer conseguido acesso às tão divertidas redes sociais se não tivesse uma conta de e-mail. Um endereço, mesmo que descartável, é condição para conseguir acesso a esses serviços. Isso, argumentaria a conectada repórter, é só uma questão burocrática. ‘Para que esperar por uma resposta a um -e-mail se é possível ter uma imediatamente com os serviços de mensagens instantâneas? Graças ao Facebook, algumas perguntas podem ser respondidas sem nem mesmo terem sido feitas. Não é preciso perguntar para uma amiga se ela saiu do trabalho caso ela tenha atualizado seu status no site e revelado isso para o mundo.’

Vascellaro se esquece que ainda existem pessoas que preferem não compartilhar com repórteres do Wall Street Journal ou os demais milhares de usuários de redes sociais o que elas estão fazendo, aonde estão ou o que acabaram de comer ou até mesmo regurgitar. São pessoas que talvez prefiram responder a perguntas pertinentes, na hora que julgar mais conveniente e escrever algo razoavelmente coerente.

Ou seja, preferem o ato da comunicação, não da reação espasmódica característica às redes sociais. É esse tempo para pensar que ainda faz parte do atrativo das trocas de e-mail. Pode não ser um meio perfeito, mas é a evolução do ato de colocar a caneta no papel. Além disso, não é possível anexar arquivos às mensagens do Twitter ou ter a segurança de que importantes arquivos corporativos serão escondidos de olhos alheios no Orkut. Não existe quem consiga ‘tuitar’ uma carta formal em 140 caracteres. E a permanência das mensagens de e-mail, é muito importante em certas situações.

A conclusão fundamental é que toda tecnologia existe porque seus usuários a adotaram e a utilizam cotidianamente. Ainda existem pessoas que utilizam o fax, assim como usuários que preferem o Facebook sobre todas as outras formas de comunicação. Entre as duas pontas, o reinado do -e-mail definitivamente ainda não acabou.’

 

DITADURA
Redação CartaCapital

Até o Paraguai encara o passado

‘Mais um passo foi dado em direção à compreensão dos atos e crimes das ditaduras militares na América Latina. Fruto de um acordo entre o governo do presidente Fernando Lugo e organizações de defesa dos direitos humanos, o Paraguai abriu os arquivos da ditadura nesta quarta-feira 14.

O país precedeu a onda de ditaduras militares que tomou a região quando, já em 1954, o general Alfredo Stroessner, filiado ao Partido Colorado, assumiu o poder e lá ficou por 35 anos. Durante o regime, milhares de paraguaios sofreram perseguições, com mais de 15 mil pessoas presas e torturadas.

Norma Barrios, responsável pelo processamento dos documentos, afirmou à imprensa que, das 10 mil pastas que compõem o arquivo, cerca de 200 contêm informações sobre a atuação dos militares na repressão da era Stroessner. Ativistas que tiveram acesso aos documentos também encontraram dados sobre a Operação Condor, que durou entre as décadas de 70 e 80, organizando a colaboração entre os regimes militares da região contra seus opositores de esquerda.

A abertura dos documentos era uma das promessas de campanha de Lugo, cuja eleição colocou fim aos 61 anos de domínio Colorado.

A decisão paraguaia é mais uma a expor a lentidão e a tibieza com que as autoridades do Brasil lidam com o tema por aqui.’

 

******************

Clique nos links abaixo para acessar os textos do final de semana selecionados para a seção Entre Aspas.
Folha de S. Paulo

Folha de S. Paulo

O Estado de S. Paulo

O Estado de S. Paulo

Comunique-se

Carta Capital

Terra Magazine

Agência Carta Maior

Veja

Tiago Dória Weblog

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem