Segunda-feira, 23 de Setembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1055
Menu

ENTRE ASPAS >

Comunique-se

11/08/2009 na edição 550

PARANÁ

Izabela Vasconcelos

Sindicato diz que jornal do Paraná pode fechar por ‘chantagem’ da direção

‘O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (Sindijor-PR) divulgou uma nota oficial hoje (07/08) onde afirma que Paulo Pimentel, dono do grupo responsável pelos jornais O Estado do Paraná e Tribuna do Paraná, está disposto a fechar um dos diários, caso uma ação, movida pelo sindicato em novembro de 2008, que exige pagamento de horas extras aos jornalistas, não seja retirada. A empresa nega as acusações.

Segundo o Sindijor-PR, o Grupo Paulo Pimentel (GPP) marcou uma reunião com a entidade para discutir soluções para o caso, mas a empresa não chegou a nenhum acordo e, na mesma reunião, o empresário Paulo Pimentel teria dito que fecharia um dos jornais por dificuldades financeiras.

‘Depois que afirmou que fecharia o jornal, a empresa avisou aos jornalistas que, caso a ação não fosse retirada, fecharia um dos jornais. Mas isso eles não disseram para o sindicato’, afirmou Aniela Almeida, diretora financeira do Sindijor-PR. De acordo com Aniela, depois que souberam da declaração da empresa, a entidade procurou Pimentel, que confirmou que a ação deveria ser retirada para que o jornal continuasse existindo.

Ação está em fase inicial

O sindicato alega e contesta que a ação nunca prejudicaria a empresa nesse sentido. ‘O processo está em fase inicial de tramitação, sem sequer ter havido a audiência de instrução ou muito menos uma sentença de primeira instância. Trata-se de um caso pior que um simples assédio moral. Beira a chantagem, a extorsão mesmo’, afirmou Fernando César Oliveira, diretor do Sindijor-PR.

Aniela afirmou que a entidade está disposta a negociar. ‘Se a empresa não estiver em condições, vamos nos entender, podemos negociar. Estamos abertos para isso, mas o Paulo Pimentel não se mostrou disposto a negociar conosco’.

O sindicato alega também que empresa cometia assédio moral, por falta e limitação de recursos para reportagens, como ‘ausência de telefones para fazer ligações para fora da Região Metropolitana de Curitiba, ausência de carros para levar os repórteres para coberturas corriqueiras, demissão dos funcionários mais antigos e transformação dos colunistas em pessoas jurídicas, entre outros despautérios’, diz a nota do sindicato, que denunciou o caso ao Ministério do Trabalho.

Grupo nega acusações

De acordo com Pimentel, as acusações do sindicato não passam de um ‘blefe’. ‘A notícia do sindicato não procede. Os nossos funcionários não concordam com a ação movida pelo sindicato. E não temos expectativa de fechar o jornal, essa história é um blefe’, afirmou.

Apesar de negar que fecharia um dos jornais, Pimentel informou que o grupo estuda a possibilidade de fundir os dois jornais. ‘Não é fechar, seria uma fusão, sem nenhuma relação com a ação trabalhista do sindicato, nada condicionado. Mas isso é uma coisa que ainda estamos estudando’, declarou.’

 

RÚSSIA

Comunique-se

Tribunal de Moscou ordena continuação do julgamento de jornalista assassinada

‘O tribunal militar de Moscou ordenou nesta sexta-feira (07/08) a continuação do novo julgamento do caso da jornalista assassinada Anna Politkovskaia, suspenso quarta-feira (05/08), depois de ambas as partes terem pedido o reenvio do inquérito para o Ministério Público. O juiz do tribunal, Nikolai Tkachuk, pediu que a seleção de jurados comece dia 07/09.

O Supremo Tribunal da Rússia anulou, em junho, a sentença que absolveu três suspeitos do assassinato da jornalista russa, na sequência de um recurso apresentado pelo Ministério Público, que alegou a existência de ‘infrações’ durante o processo.

Anna Politkovskaia foi uma das poucas jornalistas russas que continuou cobrindo a guerra na Chechênia e as violações dos direitos humanos durante a presidência de Vladimir Putin. Ela foi assassinada no edifício em que vivia em Moscou no dia 07/10/06.

Com informações da AFP.’

 

DIPLOMA

Comunique-se

AMB defende volta da exigência do diploma de Jornalismo

‘A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), junto com a Associação Brasileira de Imprensa (ABI), assinou nesta quinta-feira (06/08) uma nota pública defendendo a exigência do diploma em Jornalismo para o exercício da profissão.

Pelo documento, elaborado durante o 2º Encontro de Jornalistas das Associações Filiadas à AMB, as duas entidades ‘renovam o compromisso com a construção de um conjunto de normas regulamentadoras da profissão de jornalista, com a exigência de curso superior’.

‘Temos compromisso com o Judiciário e as prerrogativas e direitos dos magistrados, mas também com a democracia. Vivemos um momento de reflexão sobre temas como censura e dispensa do diploma de jornalismo’, afirmou o presidente da AMB, Mozart Valadares Pires.’

 

******************

Clique nos links abaixo para acessar os textos do final de semana selecionados para a seção Entre Aspas.

Folha de S. Paulo

Folha de S. Paulo

O Estado de S. Paulo

O Estado de S. Paulo

Comunique-se

Carta Capital

Terra Magazine

Agência Carta Maior

Veja

Tiago Dória Weblog

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem