Fabiana Parajara | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Quarta-feira, 15 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

ENTRE ASPAS > TV PAGA

Fabiana Parajara

17/08/2004 na edição 290

‘A Net vai lançar em outubro um serviço de TV digital por assinatura, o Net Digital. Para isso, a empresa deverá investir R$ 100 milhões em três anos, período em que espera atrair cem mil assinantes, entre clientes novos e que vão migrar da TV a cabo para o novo sistema.

A Net Digital será oferecida primeiro às cidades de São Paulo e Rio de Janeiro e estendida a outras capitais no próximo ano. A transmissão será feita pelo padrão DVB, usado na Europa, que a empresa espera que seja adotado pelo governo federal.’



Patrícia Queiroz

‘Em três anos, Net quer 100 mil clientes do seu serviço de TV digital’, copyright Telecom Online, 10/8/04

‘Com a previsão de lançar comercialmente seu serviço de TV digital, em São Paulo e no Rio de Janeiro, até o final deste ano (a empresa testará o produto, junto a 300 usuários das mesmas praças, neste terceiro trimestre), a Net Serviços de Comunicação S/A acredita que, em três anos de operação, a novidade detenha 100 mil clientes. Segundo Ciro Kawamura, diretor de marketing da operadora de TV paga, serão investidos R$ 4,3 milhões, nos próximos três meses, nas campanhas promocionais do novo serviço. ‘Nossa intenção é fidelizar o cliente (a empresa soma hoje uma base de 1,375 milhão de usuários no serviço de TV paga), além de aumentar nosso ARPU (receita média por assinante)’, disse Kawamura. O executivo lembrou que o decodificador a ser usado para a disseminação da TV digital deverá ser oferecido ao cliente por meio de aluguel, cuja mensalidade ficará ‘abaixo dos R$ 20’. Já a mensalidade do serviço de TV paga, com a digitalização, deverá ter seu valor aumentado. Kawamura, no entanto, não indicou de quanto será esse acréscimo.’



Arnaldo Comin

‘TVA entra para a era digital’, copyright Meio & Mensagem, 9/8/04

‘A TVA apresenta nesta terça-feira, dia 10, na feira da Associação Brasileira de Televisão por Assinatura (ABTA), a digitalização dos seus sistemas de distribuição de conteúdo. Trata-se da primeira operadora por cabo no País a adotar a tecnologia digital, em uma corrida que deverá incluir até o final do ano a concorrente Net. A distribuição de conteúdo pelo novo formato será feita paralelamente à analógica e terá lançamento oficial para toda a base de 320 mil assinantes em setembro. O projeto da empresa já havia sido antecipado pelo Meio & Mensagem na edição de 10 de maio de 2004.

De acordo com a diretora superintendente da companhia, Leila Lória, os investimentos na tecnologia foram pequenos: US$ 1 milhão (cerca de R$ 3 milhões) apenas na distribuição do sinal, uma vez que não foi necessário fazer ajustes na infra-estrutura de cabo. Outros R$ 3 milhões serão utilizados nos próximos meses em comunicação dirigida aos assinantes. ‘Acabou aquela fase em que as empresas gastavam fortunas para esperar que um dia houvesse retorno’, diz. ‘O mercado hoje investe com base em critérios muito claros de rentabilidade’.

Nessa fase de implementação do sistema digital, os principais ganhos do cliente estão na interatividade. A TVA, controlada pelo Grupo Abril, lançará um portal, dentro da grade de programação, que permitirá ao usuário navegar com muita facilidade por todo o conteúdo disponível da operadora, assistindo a trailers e sinopses das atrações. ‘Pesquisas nos Estados Unidos, onde a tecnologia digital já está bastante difundida, mostram que o maior benefício almejado pelo cliente é a interatividade’, diz.

Paralelamente a empresa disponibilizará mais 20 canais, sendo dez exclusivamente da HBO, além de outros dez de diferentes programadoras. Novos formatos de pay-per-view e canais com conteúdo misto de várias programadoras – como shows do arquivo da MTV, produções independentes ou séries do Discovery – também serão lançados.

Segmentação e DVR

A estratégia da companhia, impulsionada pela digitalização, é flexibilizar ao máximo os pacotes de programação. ‘Estamos indo a fundo no processo de segmentação, com a criação de 25 pacotes’, diz Leila. Nesse contexto, a idéia da operadora é migrar a tecnologia analógica para pacotes econômicos, visando ampliar a base nos públicos das classes B- e C+. Os pacotes da empresa irão variar de R$ 56,90 a R$ 119,90 no sistema digital e até R$ 42,90 no analógico.

A adoção da nova plataforma exigirá a troca do decodificador por parte do usuário. O equipamento será por enquanto importado, dentro de um estoque de 20 mil unidades já adquirido pela TVA. O objetivo é o de nacionalizar a produção nos próximos meses, barateando o custo do equipamento. O preço médio do aparelho é de R$ 300, mas poderá ser comprado por até R$ 100 no caso dos assinantes dos pacotes mais caros. ‘Na prática, os clientes que estão no topo da nossa carteira pagarão muito pouco e terão um acréscimo em torno de 10% no preço do pacote para ter acesso aos novos canais’, constata.

A grande novidade prometida pela TVA no processo de digitalização é o lançamento, em novembro, da tecnologia Digital Video Recorder (DVR), que precisará de uma nova troca de decodificador por parte dos interessados. O sistema, que já é largamente difundido nos EUA e na Europa, oferece interatividade total do usuário com a grade. É possível ‘carregar’ os programas na hora desejada e ainda eliminar a exibição das janelas comerciais, um verdadeiro pesadelo para a indústria da propaganda. O custo dessa tecnologia para o cliente ainda não foi definido. ‘Não quisemos lançar o DVR junto ao sistema digital pois avaliamos que seria excesso de informação ao assinante’, afirma. ‘O conceito de interatividade vai precisar de um período de aculturação e não quisemos atropelar a implementação do novo sistema’.

O objetivo da empresa neste momento é comunicar os clientes sobre as novidades e detalhar a segmentação dos pacotes de programação. Nos próximos 30 dias serão feitos testes nos domicílios para avaliar a reação do usuário com a nova plataforma. Em setembro a empresa deflagrará uma campanha de marketing direto, assinada pela Mark Mix, do grupo Rapp Collins. A promessa é enviar malas bastante segmentadas para que o assinante compare seu atual pacote com os novos disponíveis na mesma faixa de preço. ‘Nossa meta é fazer a migração de 20% a 30% da nossa base nos próximos meses’.

A Net, líder nacional do segmento com 1,3 milhão de assinantes, é mais cautelosa em sua estratégia de migração tecnológica. ‘Primeiro precisamos resolver a questão do fornecimento dos decodificadores, para não haver demanda reprimida, mas é certo que o sistema digital será lançado no mercado até o final deste ano’, assegura Francisco Valim, presidente da empresa e também da ABTA.’



Daniel Castro

‘DirecTV prepara série sobre Chico Buarque’, copyright Folha de S. Paulo, 14/8/04

‘A operadora de TV paga DirecTV e Chico Buarque estão em fase final de negociações para a realização de uma série de três programas especiais sobre a obra e a vida do cantor e compositor, que completou 60 anos em junho. A expectativa é que o acordo seja fechado na próxima semana.

O projeto é uma mistura de documentário com show. Terá material inédito e contemporâneo (como show exclusivo de Chico) e imagens do acervo da Band, principalmente dos anos 70 e 80, quando a emissora gravou vários shows de Chico, alguns deles reunindo a nata da MPB na época. A direção será de Roberto de Oliveira, ex-vice-presidente da Band.

A DirecTV ainda acerta com Chico Buarque aspectos comerciais. A idéia é exibir o material na América Latina e depois exportar para emissoras do mundo todo e também lançá-lo em DVD.

Para custear o projeto, a DirecTV usará recursos de contribuição compulsória feita pela própria empresa à Ancine (Agência Nacional do Cinema). A DirecTV tem cerca de R$ 7 milhões retidos na Ancine, que empregará em várias séries de programas musicais, segundo o gerente-geral Luiz Eduardo Baptista.

Chico deve protagonizar a segunda série dessa leva. A primeira será ‘7 X Bossa Nova’, que estréia no final do ano com episódios dedicados a Johnny Alf, João Donato, Carlos Lyra, Roberto Menescal, Marcos Valle e Celso Fonseca.

OUTRO CANAL

Chibata A nova versão de ‘Escrava Isaura’, da Record, foi classificada ontem pelo Ministério da Justiça como inadequada para antes das 20h, por conter ‘violência leve e insinuações de sexo leve (agressão física)’. A versão original da trama, exibida pela Globo em 1976, durante a ditadura militar, foi ao ar às 18h. A Record vai recorrer. Pretende exibi-la, a partir de 27 de setembro, às 19h.

Vazio Heródoto Barbeiro (‘Jornal da Cultura’) e Juca Kfouri (‘Cartão Verde’) não apareceram para trabalhar na TV Cultura anteontem, ‘reforçando’ a greve de 24 horas dos funcionários. O primeiro se livrou da pecha de ‘fura greve’ porque viajou e o segundo, porque, devido à paralisação, não tinha estrutura para gravar _o ‘Cartão Verde’ foi reprisado.

Cheio Apesar da greve, a Cultura (cuja programação em boa parte é constituída de reprises) não deixou transparecer muitos problemas ao telespectador. Os telejornais foram produzidos apenas por chefes (que até operaram câmeras) e com imagens gravadas em dias anteriores ou fornecidas por outras TVs públicas.

Locação A Band fechou com o shopping center SP Market e gravará lá o ‘reality show’ ‘Tá na Mão’, cujo vencedor será aquele que ficar mais tempo com as mãos em um carro. As gravações, ainda sem previsão de datas, devem durar cerca de 72 horas.



Folha de S. Paulo

‘Segmentação em filmes é a tendência na TV paga’, copyright Folha de S. Paulo, 15/8/04

‘Segmentação dentro de canais de filmes tem se mostrado a principal tendência da TV por assinatura brasileira. Na última semana, durante a feira de televisão paga ABTA 2004, realizada em São Paulo, foram lançados quatro novos canais, todos com características de programação muito definidas para diferentes públicos.

Um deles, o TCM Classic Hollywood, é a novidade da Turner International para o Brasil no segundo semestre. Voltado para adultos com mais de 35 anos, o canal não terá intervalos comerciais, e as transmissões serão feitas por 24 horas.

No TCM, serão transmitidos cerca de cinco filmes por dia de um acervo de 3.000 títulos produzidos entre as décadas de 1930 e 1970, além de séries de TV como ‘Jeannie é um Gênio’, ‘Os Três Patetas’ e ‘A Noviça Voadora’.

Segundo a assessoria de imprensa da Turner, o canal deve estrear em 1º de setembro, mas nenhum contrato foi fechado ainda com operadoras de TV a cabo.

A novidade da Rede Telecine ficou por conta do canal Telecine Pipoca, que em 1º de outubro substituirá o Telecine Happy. O Pipoca exibirá uma seleção de lançamentos, filmes de ação, comédias e dramas exibidos no Telecine Premium, Action e Emotion em versão dublada, 24 horas depois da exibição nos canais.

Na manhã, o Pipoca terá programação voltada para crianças.

Segundo o diretor geral da rede, João Mesquita, a idéia do novo canal partiu de solicitações dos assinantes e do sucesso das versões dubladas do Telecine Happy.

Com a extinção do Telecine Happy, as comédias passarão a ser exibidas no Telecine Emotion.

Também como substituto de um canal já existente, o Universal Channel estréia no dia 1º de setembro no lugar do USA, ainda com um perfil bastante próximo do antecessor.

O Universal entra no mercado com três novas séries de investigação -seu carro chefe- e com um pacote de cem filmes voltados para os públicos adolescente, jovem e adulto.

De acordo com o gerente geral do Universal Channel no Brasil, o lançamento do canal fecha um ciclo de recuperação do USA iniciado há dois anos, quando o acervo de filmes foi ampliado, e as séries de investigação passaram a ocupar a maior parte da grade.

O último dos lançamentos fica por conta da Fox, que apresentou o FX, canal voltado para o público masculino com idades de 18 a 49 anos, ‘pensado a partir do homem brasileiro’, como explicou o vice-presidente sênior da empresa, Hernán Lópes.

O FX, que tem como slogan ‘o que o homem vê’, deve entrar no ar em janeiro de 2005. Como principais atrações, o canal apresenta filmes e séries de ação, séries de humor, esportes radicais e programas eróticos.

Lópes informou que US$ 5 milhões devem ser gastos até o final de 2006, quando a Fox espera o início dos lucros do canal. Disse ainda que já apresentou o projeto para ‘várias operadoras’, mas o preço ainda não foi discutido.

Ancine

Na parte de programação, dois canais pagos apresentaram novidades nacionais também voltadas para um público específico, produzidas com recursos da Ancine (Agência Nacional do Cinema).

‘Os Pescoçudos’, ‘Geraldinho’ e ‘Overman’ fazem parte das novidades. Eles entraram no pacote infantil ‘Cartum Netiuorque’, do Cartoon Network, que a partir de outubro vai veicular 21 vinhetas dos personagens de Caco Galhardo, Glauco e Laerte. Cada vinheta tem duração de 40 a 50 segundos.

Para a realização das historinhas foram gastos R$ 600 mil provenientes do Condecine (Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica).

Com verba mais alta -R$ 2 milhões- e aspirações maiores -de comercialização nos Estados Unidos e Europa-, a DirecTV anunciou uma série musical voltada para as classes A e B.

Batizado de ‘7 x Bossa Nova’, o especial, filmado em 16mm, é dividido em sete episódios, sendo seis programas autorais, com duração de 70 minutos, com shows e entrevistas, e um último com uma seleção no estilo ‘melhores momentos’.

Os capítulos serão conduzidos por Nelson Motta, que entrevistará Johnny Alf, João Donato, Carlos Lyra, Roberto Menescal, Marcos Valle e Celso Fonseca.

A primeira gravação será realizada em outubro, e o primeiro episódio da série será lançado em dezembro no Canal 605. Segundo o diretor de programação Jorge Brandão há uma intenção de que sejam produzidos CDs e DVDs a partir dos episódios.

Também com verba da Ancine -cerca de R$ 1,5 milhão-, a DirecTV deve produzir cinco programas da marca Som Direto neste ano, com artistas nacionais consagrados tocando jazz, blues e música instrumental. Entre os nomes já definidos estão Joyce, Wagner Tiso e Toninho Horta.

A empresa anunciou ainda uma série de 12 shows realizados em parceria com a gravadora independente Trama, o ‘Trama-605’. Os nomes já selecionados são Cesar Camargo Mariano e Pedro Camargo, Claudio Zoli, Nação Zumbi, Tom Zé, Ed Motta, Wilson Simoninha, Max de Castro, Jair de Oliveira, Otto e Fernanda Porto. A veiculação dos shows começa em agosto.

Brasileiros

O E! Entertainment Television anunciou três novos programas, sendo duas produções nacionais -’Galãs Brasileiros’, nova edição da série ‘Segredos de Novelas’, que conta a história de sete galãs da atualidade; e ‘Garotas da Capa’, com trajetórias de playmates do país- e uma norte-americana, cujo protagonista é um cirurgião plástico brasileiro, ‘Dr. 90210’. A série, que estréia em 3 de outubro, vai pelo lado oposto dos reality shows que mostram plásticas e os bons resultados em pacientes. Aqui o foco é o médico.’



Pay-TV News

‘Com digital, TVA espera migração de até 30% em um ano’, copyright Pay-TV News, 10/8/04

‘A expectativa da TVA é de que, nos próximos 12 meses, cerca de 20% a 30% da base atual analógica da operadora migre para o serviço TVA Digital. De acordo com a diretora superintendente da TVA, Leila Loria, ‘a migração depende da política de preços praticada pela operadora’. Ela conta que a base de assinantes foi segmentada por perfis, em cerca de 30 grupos diferentes, e as propostas serão diferenciadas. ‘Assinantes mais antigos terão mais vantagens para migrar’, diz.

Valores

Na migração, os preços da adesão ao TVA Digital vão de R$ 59,90 a R$ 199,90 e os da mensalidade vão de R$ 56,90 a R$ 119,80.

As novas assinaturas terão preço de adesão que varia de R$ 99,90 a R$ 299,90, mas as mensalidades variam nos mesmos valores da migração. Atualmente, o preço médio da adesão ao serviço analógico é de R$ 60 e a mensalidade varia de R$ 42,90 a R$ 99,80.

Os valores incluem a aquisição do decoder digital, modelo padrão.

Segundo a executiva, já existem mais de três fornecedores internacionais tentanto se credenciar junto ao BNDES para iniciar a fabricação local dos decoders digitais em Manaus. ‘Aquele que conseguir se credenciar junto ao BNDES terá a nossa preferência na aquisição dos equipamentos’, diz.

A TVA também está conversando com fornecedores para oferecer aos seus assinantes, a partir de novembro, o DVR, que além de decodificar o sinal do TVA Digital com todas as suas funcionalidades, agrega funções como a gravação de programas com programação pelo guia eletrônico.’

***

‘Confirmada a parceria entre TVA e Primeira Escolha’, copyright PAY-TV News, 10/8/04

‘A TVA confirmou nesta terça, 10, durante a ABTA, a parceria com a operadora Primeira Escolha, que tem licença de STFC para o Estado de São Paulo e de SCM para todo o País para o provimento de telefonia com base em voz sobre IP (VoIP). A Primeira Escolha usará a infra-estrutura instalada do Ajato, braço de internet em banda larga da TVA para fornecer o serviço de VoIP em cima da plataforma da Net2Phone.

Os testes comerciais do serviço, chamado VoiPE, terão início na segunda quinzena de agosto com cem assinantes do Ajato na capital paulista e devem seguir até o fim de setembro. Segundo o presidente da Primeira Escolha, Mario Leonel Neto, a grande maioria desses usuários da Ajato são clientes empresariais.

De acordo com o diretor de novos negócios da operadora de TV a cabo, Amilton de Lucca, a TVA investiu cerca de US$ 500 mil na compra de decodificadores da Net2Phone para converter os telefones comuns dos assinantes que farão os testes em telefones IP. Cada conversor tem capacidade para até quatro aparelhos telefônicos convencionais e custa em média US$ 100.

Os esforços de venda do serviço em parceria com a TVA deverão ter início apenas em outubro, após finalizados os testes comerciais.

O Ajato tem atualmente uma base de 25 mil usuários residenciais e cerca de 2 mil corporativos. A expectativa, segundo de Lucca, é alcançar cerca de 5 mil novos clientes residenciais de VoIP nos próximos 12 meses. ‘Também nos próximos 12 meses cerca de 30% a 40% da base atual de clientes corporativos devem aderir aos serviços de VoIP’, estima de Lucca. ‘O objetivo é fazer um pacote de serviços para o usuário e ganhar em receita.’

Segundo de Lucca, o serviço de internet em banda larga hoje atinge aproximadamente de 3 milhões de residências na cidade de São Paulo, 700 mil via cabo e as demais via MMDS. ‘Esse horizonte será ampliado com a digitalização do MMDS a partir de 2005, porque esvazia o espectro e poderemos estender o Ajato via MMDS para mais residências’, prevê de Lucca.

Exclusividade

O contrato entre a TVA e a Primeira Escolha é de 12 meses, renováveis por igual período. ‘Embora não seja um contrato de exclusividade, até porque pela regulamentação a TVA é obrigada a abrir sua rede para outras operadoras de VoIP, a Primeira Escolha deve dar ‘preferência’ para a TVA na área em que atuamos’, explica o diretor de novos negócios, Amilton de Lucca.

Entretanto, como revela Mario Leonel, a Primeira Escolha já está em negociações avançadas com outros provedores de infra-estrutura de banda larga em outras regiões do País. Segundo ele, ‘cerca de 100 a 200 outros pontos estão em teste no restante do Brasil, em cidades como Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre e outras cidades do interior’.

Os serviços serão ofertados para todo o território nacional apenas para empresas, por meio da licença de SCM da Primeira Escolha.’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem