Segunda-feira, 24 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1005
Menu

ENTRE ASPAS > WATERGATE

Folha de S. Paulo

01/07/2005 na edição 335


‘No livro que lançará na próxima quarta sobre o ‘Garganta Profunda’, o jornalista Bob Woodward, do ‘Washington Post’, diz que Mark Felt mentiu ao negar, em interrogatório no Departamento da Justiça, que fosse o informante das reportagens que comprovariam o envolvimento do então presidente Richard Nixon no escândalo do Watergate. Woodward também diz ter desconfiado que, no ‘Post’, algum espião passava informações para a Casa Branca. O livro foi obtido pelo ‘USA Today’ numa livraria que por engano passou a vendê-lo antes do prazo acertado pela editora.’



 


VENEZUELA


O Estado de S. Paulo


‘Âncora de TV anti-Chávez se demite para casar com ministro ‘, copyright O Estado de S. Paulo, 01/07/2005


‘A jornalista Isabel González – uma das âncoras de um programa de TV que faz ferrenha oposição ao presidente venezuelano, Hugo Chávez – pediu demissão na quarta-feira à noite, depois de declarar-se apaixonada pelo ministro de Informação, Andrés Izarra. Isabel apresentava o programa Alô, Cidadão, que se dedica a receber e comentar telefonemas e mensagens de e-mail que criticam Chávez. O programa tem formato parecido com o Alô, Presidente, comandado por Chávez todos os domingos.


‘É o momento de decidir que ninguém, a não ser eu mesma, tem o controle de minha vida particular e, como mulher, tenho o direito de escolher com quem quero compartilhar minha vida’, disse Isabel ao despedir-se dos telespectadores. ‘Vou com a consciência e o coração tranqüilos, e Deus sabe que vou contente.’


Isabel é enteada do dirigente social-democrata Antonio Ledezma, líder de quase todas as manifestações de oposição ao governo de Chávez. Izarra, por seu lado, é filho do militar da reserva William Izarra, atual vice-chanceler para a Ásia e Oriente Médio e companheiro de Chávez durante a tentativa de golpe liderada pelo atual presidente contra Carlos Andrés Pérez, em 1992.


Segundo um jornal de Caracas os dois se conheceram há seis meses, planejam casar-se numa ilha paradisíaca no fim de julho e convidaram Chávez para ser padrinho do casamento.’



INTERNET


Luís Nassif


‘A internet contra o atravessador ‘, copyright Folha de S. Paulo, 01/07/2005


‘O controle do país passa pela tecnologia da informação. O Estado de São Paulo lançou pioneiramente o sistema de compras eletrônicas. O Datasus já trabalhava com alguns bancos de dados relevantes. Ontem foi dado um passo relevante, com o lançamento do Portal de Compras de Medicamentos do Governo Federal, centralizando todas as informações sobre compras feitas em todo país com recursos do SUS (Sistema Único de Saúde). Trata-se de um passo importante. Anos atrás, o Hospital das Clínicas de São Paulo propôs aos três grandes hospitais paulistanos -Beneficência, Albert Einstein e Sírio Libanês- troca de informações sobre lista de preços de medicamentos. Havia diferenças relevantes entre os remédios, ora punindo um ou outro hospital. A partir do momento em que os preços são divulgados publicamente, ocorrem os seguintes fenômenos. Primeiro, aumenta o poder de barganha dos compradores. Segundo, impede negócios escusos. Terceiro, chama a atenção para a importância das compras consorciadas entre municípios. Os dados serão informativos. Mas, gradativamente, se pensa em centralizar as compras de remédios, iniciando pelos órgãos federais da administração direta, autárquica e fundações. Hoje em dia, essas compras chegam a R$ 13 bilhões anuais, R$ 2 bilhões dos quais adquiridos diretamente pelo SUS e o restante repassado para Estados e municípios. Pelas contas iniciais, é possível reduzir preços em cerca de R$ 8,5 bilhões desse total. Podem ser extraídos diversos tipos de relatórios. Um deles permite saber qual foi o menor e o maior preço pago por medicamento onde houve mais de um comprador. Entrando no item acetato de glatiramer 20 mg, fica-se sabendo que a Secretaria da Saúde da Bahia adquiriu 840 mil unidades ao preço médio de R$ 84,17 a unidade. Já a Secretaria da Saúde do Espírito Santo adquiriu 252 ao preço unitário de R$ 94,77. Obviamente, a maior quantidade adquirida ajudou a derrubar preços. Essas e outras circunstâncias têm que ser analisadas. Mas, à medida que se juntem todos os dados, o observador poderá indagar por que a Bahia adquiriu tanto medicamento e o Espírito Santo tão pouco. O trabalho de fiscalização consistirá em cruzar dados e analisar as diferenças. Para algumas vão aparecer explicações; para outras, não. O importante é que, para o comprador correto, o sistema permitirá acesso a informações para poder monitorar seus preços. Para o venal, haverá o temor de ser descoberto. Principalmente a comparação entre preços reduzirá gradativamente a figura do atravessador. Uma observação inicial, a partir da análise do sistema, demonstra a extraordinária vantagem das compras consorciadas. Em muitos dos itens, o Consórcio Paraná -integrado por 378 municípios paranaenses- conseguiu os melhores preços. No caso do ácido acetilsalicílico, por exemplo, conseguiu um preço unitário de R$ 0,0080, contra R$ 0,029 do preço mais alto. No caso de ácido fólico, o preço unitário do consórcio foi de R$ 0,0190, contra R$ 0,17 da Secretaria da Saúde do Rio Grande do Norte.’



O Globo


‘FBI ataca grupos de pirataria digital’, copyright O Globo, 01/07/2005


‘O governo americano fechou ontem uma operação, que teve a colaboração de mais dez países, contra organizações que promoviam pirataria na internet. Elas são responsáveis por prejuízos de pelo menos US$ 50 milhões devido à venda de cópias não autorizadas de filmes e programas de computador.


A operação, que contou com agentes do FBI (a Polícia Federal americana) e investigadores dos outros países, começou na quarta-feira. Foram presas quatro pessoas, confiscadas centenas de computadores e fechados oito servidores usados na distribuição das cópias piratas.


– O Departamento de Justiça está mirando no topo da cadeia de fornecimento da pirataria: uma vasta cadeia de distribuição que fornece a grande maioria do conteúdo digital ilegal disponível hoje na internet – disse o procurador-geral dos EUA, Alberto Gonzales.


Chamada Operação Site Down (algo como ‘abaixo o site’), a ação teve a participação de agentes do FBI infiltrados em três estados americanos e a ajuda de autoridades de Alemanha, Austrália, Bélgica, Canadá, Dinamarca, Holanda, Israel, Portugal e Grã-Bretanha.


Os quatro americanos presos – Chirayu Patel, David Fish, Nate Lovell e William Veyna – são acusados de violar leis federais de proteção de direito autoral. Todos são supostos membros de grupos ‘warez’, um tipo de organização secreta da internet que negocia itens piratas.


Os membros de grupos ‘warez’ só conversam em salas de chat criptografadas, seus servidores precisam de senhas e ficam em vários países. O FBI usou seus próprios servidores para atrair membros de grupos ‘warez’, disse a procuradoria.


Acredita-se que esses grupos tenham distribuído cópias piratas de ‘Star Wars: A vingança dos Sith’ e ‘Sr. e Sra. Smith’, entre outros.’


Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem