Terça-feira, 11 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

ENTRE ASPAS >

Fusão entre Sky e DiretcTV
começa a ser julgada no Cade

Por Luiz Antonio Magalhães em 25/05/2006 na edição 382


Leia abaixo os textos de quinta-feira selecionados para a seção Entre Aspas.


************


O Globo


Quinta–feira, 25 de maio de 2006


FUSÃO SKY/DIRECTV
Martha Beck


Sky-DirecTV: fusão é recomendada com restrições


‘BRASÍLIA. O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) começou ontem o julgamento do processo de fusão entre Sky e DirecTV no mercado brasileiro. O relator do caso, Luís Delorme Prado, sugeriu a aprovação com restrições e foi acompanhado pelos conselheiros Paulo Furquim e Abraham Sicsú. A votação, no entanto, não foi concluída devido a um pedido de vista do conselheiro Ricardo Cueva.


Entre as restrições sugeridas está a exigência de que a empresa criada com a fusão – Sky Brasil – tenha um preço único para os assinantes em todo o país. Segundo o relator, a Sky Brasil terá 97% do mercado de TV por assinatura via satélite.


Prado também recomendou que a nova empresa fique impedida de firmar contratos de exclusividade de transmissão de cinco eventos esportivos no país: os campeonatos de futebol brasileiro, carioca e paulista e as copas Libertadores da América e do Brasil. Segundo ele, essa programação tem muita lucratividade, e os concorrentes podem ser prejudicados caso sejam impedidos de transmiti-las.


O processo de fusão começou em 2003, quando o grupo News Corp. – que já compartilhava com as Organizações Globo o controle da Sky – adquiriu da Hughes Electronics Corporation o controle da DirecTV. Com isso, as Organizações Globo, que já controlam a Net, passaram a ter participação na Sky Brasil com poder de interferir no conteúdo. Por isso, Prado também sugere que a Net não tenha mais poder de vetar decisões da Sky Brasil sobre conteúdo nacional a ser exibido no país.’


TV DIGITAL
Mônica Tavares


TV digital: comitê entrega proposta semana que vem


‘BRASÍLIA. O Comitê de Desenvolvimento do Sistema Brasileiro de TV Digital vai enviar ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na próxima semana, a minuta de decreto instituindo o padrão de TV digital que será implantado no Brasil. Os ministros que integram o comitê reuniram-se ontem, na Casa Civil, para elaborar a proposta. A expectativa é que o texto fique pronto até o fim desta semana. A Casa Civil havia informado, em reunião com o setor industrial há cerca de 15 dias, que o governo escolheria o padrão até o fim deste mês.


– A apresentação (a Lula) deve ser na semana que vem – afirmou o ministro das Comunicações, Hélio Costa. – É evidente que ele pode fazer uma série de alterações.


Legislação específica será elaborada pelo Congresso


O ministro disse que o governo dará a indicação de como será implantada a TV digital no país, porque toda a legislação referente ao assunto – como o modelo de negócios e o plano de outorgas, que são afetados pela tecnologia escolhida – será elaborada pelo Congresso. Segundo ele, o debate já começou no Legislativo.


– Queremos apenas tecnicamente viabilizar a TV digital. Como ela vai funcionar é o Congresso que tem de decidir – afirmou Costa.


O governo está estudando os aspectos técnicos e as propostas comerciais dos três padrões de TV digital existentes no mundo: o americano (ATSC), o japonês (ISDB) e o europeu (DVB).’


************


O Estado de S. Paulo


Quinta–feira, 25 de maio de 2006


TV DIGITAL
O Estado de S. Paulo


Decreto da TV digital terá apenas diretrizes


‘O presidente Luiz Inácio Lula da Silva receberá na próxima semana uma minuta de decreto com diretrizes para a adoção da TV digital no Brasil. O governo trabalha com a idéia de um decreto sucinto, só com a definição do padrão tecnológico e algumas regras para a transição do sistema analógico para o digital. Ontem o Comitê de Desenvolvimento do Sistema Brasileiro de TV Digital, formado por nove ministros, se reuniu. Segundo o ministro das Comunicações, Hélio Costa, haverá só diretrizes. ‘Quem vai fazer a legislação é o Congresso’, disse.’


FUSÃO SKY-DIRECTV
O Estado de S. Paulo


Cade faz restrições à fusão Sky-DirecTV


‘O relator do processo de fusão da Sky com a DirecTV no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), conselheiro Luiz Carlos Prado, recomendou aprovação da operação com restrições. Mas a decisão do Cade foi adiada: o conselheiro Ricardo Cuevas pediu vista do processo. Antes, dois outros conselheiros já haviam votado com o relator, que sugeriu, por exemplo, que a nova empresa pratique um preço nacional único.’


EUA / MERCADO EDITORIAL
O Estado de S. Paulo


Jornais da Filadélfia têm novos donos


‘Os dois jornais mais importantes da Filadélfia, The Inquirer e Philadelphia Daily News, serão vendidos a investidores locais por US$ 562 milhões, na seqüência do processo de vendas de empresas iniciado pela McClatchy Co. após a compra das publicações da Knight Ridder. No início do ano, a McClatchy adquiriu 32 jornais da Knight Ridder, e disse que venderia 12 deles. O novo grupo será liderado pelo executivo e publicitário local Brian Tierney.’


TELEVISÃO
Taíssa Stivanin


Criança vê 3 horas de TV por dia


‘Eles são fascinados por tecnologia, discriminam quem não usa roupa de marca, rotulam como nerd um colega que use óculos e os únicos livros lembrados por eles são da série Harry Potter. Ah, e assistem a três horas de TV por dia. De maneira geral, esse é o perfil do jovem que assiste ao canal pago Cartoon Network, em um estudo realizado no ano passado com cerca de 1.300 crianças via site (www.cartoonnetwork.com.br) e durante um evento promovido pela marca, a Copa Toon.


O Cartoon Network tem uma audiência recorde de 30 milhões de page viewers. As crianças, com idade entre 7 e 15 anos, também participaram de pesquisa qualitativa. Elas tiveram de imaginar como seria o quarto ideal, o que levariam em uma viagem e o que diferenciava uma roupa ‘na moda’ de uma roupa ‘de nerd’ – geralmente os mais estudiosos e menos populares nas escolas.


Deu no que era esperado: as crianças estão viciadas em uma indústria de consumo amparada pela mídia audiovisual e um possível amigo só é interessante dependendo do que ele tem ou aparenta.O verbo mais conjugado por essa geração é comprar. Existem, é claro, diferenças entre meninas e meninos: eles são apaixonados por tecnologia, desejam ter computador, TV de tela plana, I Pac, IPod e celular – quase 80% dessas crianças, pertencentes às classes A e B, possuem um aparelho. Gostam de esporte, jogos que podem ser baixados via celular, computador ou outros meios, e raras vezes almoçam ou jantam com a família.


As meninas são mais interativas e estudiosas, mas, para elas, o protótipo da feia é a menina de cabelos curtos e lisos, que anda de bermuda e camiseta. Gente assim é tachada de ‘loser’, mau perdedor. Não foi à toa que a cantora Avril Lavigne mudou o figurino e está loiríssima.’


************


Folha de S. Paulo


Quinta–feira, 25 de maio de 2006


CÓDIGO DA VINCI
Carlos Heitor Cony


O código da burrice


‘RIO DE JANEIRO – Entre as besteiras que circulam por aí sobre ‘O Código Da Vinci’, a mais arrepiante é que a história do casamento de Jesus com Maria Madalena derruba um ‘dogma’ da Igreja Católica.


Não há nenhum dogma sobre isso. Há o sexto mandamento, que Moisés trouxe do Sinai, anterior de alguns séculos ao nascimento de Jesus e à existência da igreja. Mandamento que, com os outros nove, formam a Torá do judaísmo, que passou para o cristianismo e, mais tarde, para todas as seitas que dele nasceram. Mesmo que Jesus se tenha casado, isso em nada afetaria sua missão e, principalmente, a sua mensagem, que há 20 séculos atravessa a história. Além do mais, foi ele quem elevou o casamento a uma categoria sagrada, a um dos sacramentos, ao lado do batismo, da confissão, da comunhão etc. Seu primeiro milagre foi nas bodas de Canaã, da qual participava com sua mãe, Maria.


Que se escandalizem os que desejam escândalo. A besteira do livro e do filme passará sem deixar vestígios. A lenda de um relacionamento de Jesus com Madalena é antiga, e a igreja, nenhuma das igrejas cristãs, não perdeu ou perderá substância por causa disso.


Jesus casou, e daí? Sugerir que, ao longo dos séculos, a Igreja Católica boicotou esse casamento é uma besteira que nem merece o nome de folclore religioso. E procurar descendentes do casal ao longo da história equivale à procura da mula-sem-cabeça e do saci-pererê.


Umberto Eco, que além de romancista é um ensaísta de peso, disse tudo quando foi questionado sobre ‘O Código da Vinci’: uma burrice. Casado ou solteiro, Jesus, para seus crentes, será sempre a alegria dos homens. Os ‘homens’ aqui incluindo as mulheres, formando a humanidade pela qual, segundo seus crentes, ele morreu, redimindo-a do pecado original.’


TODA MÍDIA
Nelson de Sá


‘No primeiro turno’


‘A Globo esperou até o ‘Jornal Nacional’ para dizer no final da escalada de manchetes:


– O instituto Datafolha divulga nova pesquisa com a preferência dos eleitores para a Presidência.


Mas a CBN, a Globo.com, o Globo Online e demais Globos passaram o dia com a Sensus e a manchete ‘Lula venceria no primeiro turno’.


Na mesma linha foram outros telejornais ou portais -e o Google Notícias. Até sites como Congresso em Foco e Agência Nordeste, o governista Vermelho e o oposicionista Primeira Leitura.


Não demorou e as agências espalhavam.


No NYT.com, o despacho da Reuters, sob o título ‘Lula aumenta liderança’, destacou o impacto da ‘violência’ em Geraldo Alckmin.


No WSJ.com, a Dow Jones sublinhou a estabilidade nas intenções de voto em Lula e a perspectiva de crescimento da economia.


A Bloomberg foi na mesma linha, registrando a avaliação de um analista de Nova York -de que a recuperação em ritmo maior do que o esperado favoreceu Lula.


Nos blogs brasileiros, as reações foram na linha ‘Lula levita’ ou ‘Lula melhor que FHC em 98’, esta destacada na home do UOL.


E não tardou para Josias de Souza, Fernando Rodrigues, Ricardo Noblat e Jorge Bastos Moreno se voltarem à ‘crise tucano-pefelê’.


Do último, citando casos de confronto aberto entre Tasso Jereissati, Jorge Bornhausen, Cesar e Rodrigo Maia, FHC, Alberto Goldman, ACM, Cláudio Lembo, Aécio Neves, Alckmin e outros:


– Eles estão se devorando… Se matando.


LULA E OS ‘ERROS’


Com a visita de Jacques Chirac, o Brasil foi parar na manchete do site do francês ‘Le Monde’, com direito a entrevista sem fim com o presidente, sob o título ‘Como Lula administra um futuro gigante’. O brasileiro falou da grande potência energética, do atrito na América Latina, do ‘acordo próximo’ nas negociações comerciais globais. No muito pouco que se tratou do mensalão, o presidente declarou que é preciso diferenciar entre os ‘erros’ pelos quais seu partido vai pagar na Justiça ‘e os crimes que os adversários atribuem ao PT’.


Lula, no Lemonde.fr, se estendeu sobre Copa, Bolsa-Família etc.


CAIXEIRO-VIAJANTE


Os jornais de Paris, com ‘Le Monde’ bem à frente, se alongaram outra vez na cobertura simpática ao Brasil, com perfil etc. Ainda assim, a atenção maior, como já se verificou antes na entrevista de Jacques Chirac ao ‘JN’, é com o comércio. Nas manchetes francesas, é o ‘centro da visita’. Chirac, em relação às negociações na Organização Mundial do Comércio, à Globo:


– É preciso esforço dos dois lados, um entendimento em que cada parte possa ceder. A França está pronta.


O BODE


A primeira manchete do ‘JN’, longe de uma eventual vitória no primeiro turno, foi para o dólar.


Em submanchetes, foi um destaque por todo lado. No enunciado da Folha Online, ‘Dólar vai a R$ 2,40, o maior valor em nove meses’. Outros sites foram mais curiosos -como no portal iG, que anunciou:


– Bode no mercado.


O QUE FAZER


O novo correspondente do ‘Financial Times’, Jonathan Wheatley, cobrou cortes na Previdência -e até sugeriu aos investidores atenção aos ‘desequilíbrios do Brasil, ao realocar ativos’.


Mas o destaque do jornal foi para artigo de Victor Bulmer, para o qual ‘as reportagens negativas da região conflitam com as tendências’. E tome elogios ao Brasil.’


Sylvia Colombo


Código do barulho


‘‘Muito barulho por nada.’ Foi com o nome de uma famosa comédia de Shakespeare (‘Much Ado about Nothing’) que o ‘L’Osservatore Romano’, o jornal do Vaticano, deu o título à resenha do filme ‘O Código Da Vinci’, que publicou anteontem. Assim, parece que a própria igreja, que num primeiro momento havia atacado o filme, está percebendo que tratá-lo pelo que ele realmente é -uma ficção rocambolesca de segunda linha, confusa e inverossímil- pode ser a melhor estratégia para minar a propagação de temas e interpretações indigestos.


Baseado no livro homônimo de Dan Brown, ‘O Código Da Vinci’, que está lotando bilheterias pelo mundo e causando intensas reações de religiosos, é um thriller apoiado em evangelhos apócrifos e outros documentos deixados à parte pela igreja. Seu sucesso deve-se muito a um calculado tratamento pseudo-científico que dá a sua trama novelesca.


A principal controvérsia do livro está no fato de afirmar que Jesus Cristo e Maria Madalena teriam tido uma filha e que toda a história posterior do cristianismo teria sido um esforço para ocultar essa ‘verdade’.


A Folha assistiu a uma sessão do filme com o teólogo e historiador da Igreja Católica Oscar Beozzo, que chamou a atenção para outros pontos que o filme toca e que ele considera atuais. A saber: a batalha pela interpretação dos textos (o que é apócrifo e o que é autêntico), a importância da mulher no Novo Testamento e a sexualidade de Cristo. ‘Não acho ruim as pessoas irem assistir. É bom que saibam quais problemas preocupam a igreja hoje.’


Para Juan José Tamayo, professor de teologia da Universidade Carlos 3 de Madri, o interesse recente em revitalizar o papel de Maria Madalena surgiu por conta de um revisionismo feminista. ‘Mostrar que ela era mais importante do que deixam crer os textos supostamente oficiais tem a ver com nosso ambiente cultural de hoje, que valoriza as perspectivas de gênero’, diz.


Já para dom Antonio Dias Duarte, bispo auxiliar do Rio de Janeiro, a revisão das ações de Maria Madalena não é prioridade. ‘A igreja de cada época tem suas questões. Na atualidade, a questão não é Madalena, mas assuntos mais relevantes, como a justiça social e a defesa da vida humana’, diz.


Outro aspecto que Beozzo vê o filme apontar é a necessidade que o contexto atual tem de pedir transparência às organizações religiosas. ‘Tem razão o filme em denunciar o lado violento e condenável das Cruzadas, da Inquisição, da exclusão das mulheres, da falta de transparência institucional e de abrir um debate sobre estas questões’, diz o teólogo. ‘O lado problemático do filme’, acrescenta, ‘é o de passar a imagem de uma vasta operação histórica de ocultação de verdades e de atribuir um caráter mafioso e violento a instituições como a Igreja Católica, a Opus Dei etc.’


Com relação ao retrato da Opus Dei, d. Duarte, que é membro da prelazia, rechaça a maneira como esta e a igreja são mostradas. ‘O ‘Código’ não diz a verdade. Tanto o filme como o livro mostram uma imagem distorcida de Jesus Cristo. Uma imagem que não corresponde à verdade histórica e que, dessa maneira, distorce também a imagem da igreja’, conclui.’


TELEVISÃO
Daniel Castro


Novela da Record vai virar seriado de ação


‘‘Prova de Amor’, a novela da Record que abalou a hegemonia da Globo na faixa das 19h, vai virar seriado de ação ainda no segundo semestre de 2006.


Numa tentativa de continuar faturando com a boa audiência da novela, o bispo Honorilton Gonçalves, superintendente-artístico e homem-chave de Edir Macedo na Record, acaba de encomendar ao autor Tiago Santiago um projeto de spin-off (filhote) de ‘Prova de Amor’.


Santiago, que ainda tem 29 capítulos de ‘Prova de Amor’ para escrever (a novela acaba em julho, após ser esticada em mais de dois meses), já trabalha em uma idéia de série.


‘O seriado vai girar em torno de três núcleos: o policial, com Diana (Patrícia França) e Júlio (Jorge Pontual); a casa do Padilha (André Mattos), com Maria Ceiça, Marina Miranda e as crianças; e a casa dos Avelar, só com Teresa (Cláudia Alencar), Cadu (Raul Gazolla) e Gábi (Theo Becker)’, adianta o autor. ‘Esta é a idéia inicial, pré-aprovada pela direção da Record. Terá ação e humor’, diz.


Santiago só deve escrever os primeiros episódios da série. Além de concluir ‘Prova de Amor’, que vem batendo na casa dos 20 pontos (um feito histórico para a Record), ele supervisiona sua substituta, ‘Bicho do Mato’. E já está escalado para escrever uma novela das oito em 2007.


O seriado será um investimento de risco. Dentro da Record, há quem duvide que uma novela de sucesso possa dar certo em outro formato.


GAROTO-ENXAQUECA


Em baixa no Ibope, Carlos Massa, o Ratinho, já pediu ao SBT a substituição do diretor de seu programa, José Paulo Vallone, que está no cargo há menos de dois meses. Se entrar um novo diretor, será o quarto de Ratinho só neste ano.


BAIXO LEBLON


A Globo vai reproduzir no Projac trechos do Leblon. A próxima novela das 21h, ‘Páginas da Vida’, se passará no bairro carioca (como todas de Manoel Carlos). Para não ter de parar o trânsito para gravar, a saída foi refazer parte do Leblon em cidade cenográfica.


NEW WAVE


O tema de abertura de ‘Páginas da Vida’ será ‘Wave’, com Tom Jobim ao piano, numa versão de um antigo disco que Manoel Carlos guarda em casa.


ALÉM DO ÉDEN


A poucos metros dos impecáveis jardins da TV Cultura, que acabam de ser reformados, funcionários da emissora pública fizeram uma manifestação ontem: ‘comemoraram’, com um bolo de três metros, os três anos de ‘calote’ do dissídio salarial (12%) de 2003.


OUTRO LADO


A Cultura diz que o dissídio não foi pago porque o Estado de São Paulo, em 2003, superou o limite de gastos da Lei de Responsabilidade Fiscal. Diz que o aumento está ‘sub judice’ e que acatará a decisão judicial.


MAIS STATUS


A Globo tem um projeto de transformar seu departamento de esportes (que cuida também do canal SporTV) em uma central, desvinculando-o da Central Globo de Jornalismo.’


************

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem