Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

ENTRE ASPAS > QUINTA-FEIRA, 10/12

Irã fecha jornal de irmão do líder supremo

Por Leticia Nunes (seleção de textos) em 10/12/2009 na edição 567


Leia abaixo a seleção de quinta-feira para a seção Entre Aspas.


 


************


Folha de S. Paulo


Quinta-feira, 10 de dezembro de 2009


 


REPRESSÃO


Efe


Irã fecha jornal dirigido por irmão caçula do líder supremo


‘Autoridades iranianas fecharam ontem o jornal reformista ‘Hayat-e No’, dirigido por Hadi Khamenei, irmão do líder supremo, aiatolá Ali Khamenei, alegando que a publicação fere a união nacional e alimenta tensões.


Em sua edição de terça-feira, a última antes do banimento, o jornal deu amplo destaque às manifestações da véspera, nas quais protestos antigoverno de dezenas de milhares de pessoas foram reprimidos pela polícia, que prendeu 200 pessoas.


As manifestações, apoiadas pelos principais líderes reformistas, contestam a reeleição do linha-dura Mahmoud Ahmadinejad no pleito de junho e exigem mais liberdades individuais.


Irmão mais novo do líder supremo, com quem está rompido desde os anos 90 por achar que ele concentra demais poder, Hadi, 62, é um influente clérigo reformista e professor universitário.


O ‘Hayat-e No’ já havia sido banido uma primeira vez em 2002, após a publicação de uma caricatura acusada de ofender o fundador da República Islâmica, aiatolá Ruhollah Khomeini.’


 


 


TODA MÍDIA


Nelson de Sá


Choque


‘Por Folha Online e outros, ‘protesto contra José Roberto Arruda termina em confronto entre manifestantes e Polícia Militar’. Na locução de Fátima Bernardes para a ‘confusão’:


‘Um grupo de mil manifestantes interrompeu o trânsito numa avenida movimentada, em frente ao Palácio do Buriti, sede do governo. Policiais a cavalo avançaram contra os estudantes. Quem tentou resistir foi agredido. A tropa de choque também atirou bombas de gás lacrimogêneo.’


CAVALO


Na home do UOL, ‘cavalaria da tropa de choque acua manifestantes que protestavam contra o governador’


UM


Por G1, iG e outros, ‘manifestante tenta se proteger da Polícia Militar do Distrito Federal’


RASCUNHO VS. RASCUNHO


Depois do ‘rascunho’ de países ricos e Dinamarca, noticiado anteontem pelo ‘Guardian’, o mesmo jornal britânico informava ontem que o secretário-geral Ban Ki-moon, em entrevista, ‘reafirma liderança da ONU nas negociações de Copenhague’.


Do ‘El País’ ao ‘Financial Times’, ecoou o dia todo a reação dos ‘países pobres’ e de ambientalistas às ‘táticas desleais dos Estados ricos’.


E o ‘New York Times’ postou, com eco na Folha Online, que ‘Brasil, África do Sul, Índia e China’ estariam elaborando documento em resposta ao dos ricos. ‘Diz-se’, na expressão do jornal americano.


‘WP’ & SARAH PALIN


A republicana Sarah Palin escreveu no alto da página de opinião do ‘Washington Post’ em defesa do ‘boicote’ dos EUA a Copenhague (acima). Argumenta com o ‘climagate’, a revelação de que cientistas de uma universidade manipularam dados. O texto amplia outro que ela havia postado no Facebook, dizendo que ‘decisões de política exigem ciência de verdade’.


A publicação pelo ‘WP’ foi o que mais ecoou, ‘sob fogo’, segundo o Huffington Post, de críticas como ‘o ‘WP’ quer acabar ainda mais rápido’.


CAPITALISMO DE ESTADO LÁ


Parte de sua série ‘USA Inc. – O Estado do Capitalismo’, o ‘Wall Street Journal’ deu a manchete on-line ‘Boeing atinge turbulência e o Tio Sam voa para o resgate’.


Diz que as companhias aéreas enfrentam recessão, mas a fábrica de aviões produz como não fazia ‘há anos’, com a injeção de bilhões que recebeu do Ex-Im Bank, em ‘intervenção governamental’ do banco criado pelos EUA em 1934 ‘para lutar contra a Grande Depressão’. Anteriormente, o ‘WSJ’ havia questionado o ‘estímulo de Tio Sam’ à GE.


BASTIDORES


Em sua série sobre meandros financeiros, a nova edição da revista do ‘Valor’ mostra ‘os bastidores das operações com ações da Embraer que levaram o Credit Suisse a pagar R$ 19,2 milhões à CVM para encerrar inquérito’


SÓ BRIC SALVA


O ‘WSJ’ noticiou entrevista do principal executivo da Embraer destacando a previsão de queda de 10% no faturamento em 2010. Já a Reuters ressaltou que o ‘BNDES deve financiar US$ 1,8 bi em jatos Embraer em 2010’. E o cenário externo ‘frágil’ teria como contraponto ‘o front interno’, com encomendas de Azul e Trip.


Ainda no ‘WSJ’, o jornal acompanhou e postou vídeo de um voo do Lineage 1000, ‘mais caro jato executivo da Embraer’, de Hong Kong para Macau, com ‘uma dúzia de ricos chineses, potenciais compradores’.’


 


 


PRÊMIO


Folha ganha Prêmio Esso na área de ciência e tecnologia


‘A revista especial ‘No coração da Antártida’, publicada pela Folha, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo 2009 na categoria Informação Científica, Tecnológica e Ecológica. A premiação aconteceu na terça-feira à noite, no Rio de Janeiro.


A revista circulou encartada com a Folha em 22 de março deste ano. Enviados especiais aos montes Patriot, a 1.000 km do polo Sul, o colunista Marcelo Leite e o fotógrafo Toni Pires acompanharam com exclusividade a primeira missão científica brasileira no coração do continente austral.


O Prêmio Esso de Jornalismo ficou com a reportagem ‘Os Sertões’, do ‘Jornal do Commercio’, de Recife. No centenário da morte de Euclides da Cunha, Fabiana Moraes e Schneider Carpeggiani visitaram os locais descritos pelo escritor para mostrar o que mudou no sertão do país.


Na categoria Reportagem, os vencedores foram Rosa Costa, Leandro Colon e Rodrigo Rangel, de ‘O Estado de S. Paulo’, autores de série sobre os atos secretos do Senado Federal.


Mônica Puga, Junior Alves, Alex Oliveira, Aline Grupillo e Eliane Pinheiro, do SBT, ganharam o prêmio de Telejornalismo com ‘Confronto na Linha Vermelha’. O prêmio de Fotografia ficou com ‘Exilados na fome’, de Arnaldo Carvalho, do ‘Jornal do Commercio’.’


 


 


COMUNICAÇÕES


Sofia Fernandes e Elvira Lobato


Comissão conclui votação de mudanças na TV por assinatura


‘A Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara concluiu a votação do projeto de lei nº 29, que propõe a regulamentação única para as mídias de TV por assinatura e abre espaço para que as operadoras de telecomunicações prestem esse serviço.


O texto-base do projeto foi aprovado na última quarta-feira, ficando cinco destaques para serem votados ontem. Nenhum deles foi aprovado, inclusive um que propunha a eliminação do polêmico artigo que cria cotas para produção nacional.


O texto segue para a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara, depois vai à votação no Senado e só então segue para a sanção do presidente Lula. O projeto pretende elevar a competição do setor e criar um marco regulatório unificado para todos os meios -TV a cabo, rádio ou satélite.


Mas aprovação pela comissão não eliminou a polêmica. Os setores que tiveram propostas derrotadas na Câmara prometem reacender a discussão no Senado.


Um caso é o da publicidade nos canais de TV paga. A versão atual do projeto permite que as TVs pagas tenham o mesmo percentual de publicidade (25% dentro da grade de programação) que as abertas, o que é contestado por parte dos radiodifusores.


O SBT quer que as TVs pagas sejam impedidas de veicular publicidade, com a alegação de que elas já têm a receita da venda de assinatura. Outro ponto polêmico, o sistema de cotas para estimular a produção de conteúdo nacional é combatido pelos programadores estrangeiros e por parte das operadoras de TV por assinatura.’


 


 


TELEVISÃO


Silvia Corrêa


SBT vende reportagem a anunciante


‘O jornalismo do SBT terá obrigatoriamente de fazer reportagens sobre uma série de shows em janeiro no hotel de Silvio Santos no Guarujá, se depender do acordo feito entre o departamento comercial da emissora e anunciantes.


Anteontem, ao apresentar o projeto Verão Jequitimar em um restaurante de São Paulo, Ricardo Ribeiro, diretor de vendas do SBT, afirmou que as quatro cotas comerciais incluem cobertura do evento pelo jornalismo da casa. A Folha o questionou se a cobertura jornalística estava sendo oferecida ao anunciante, e Ribeiro reiterou a informação. Cada uma das quatro cotas a anunciantes custa R$ 4,2 milhões, e duas delas já foram vendidas.


Ontem, Ribeiro disse, por meio da assessoria do SBT, que ‘nosso jornalismo vai cobrir sim, como cobre todos os eventos do SBT, independente de plano comercial’. O evento foi anunciado por Patrícia Abravanel, filha de Silvio e diretora de novos negócios do grupo.


Diretor de jornalismo do SBT, Paulo Nicolau declarou ontem à Folha: ‘O jornalismo do SBT é independente e só faz cobertura do que é notícia’.


Nos anos anteriores, o jornalismo da emissora realizou reportagens sobre o evento.


O projeto no hotel Sofitel Jequitimar, será de 7 a 24 de janeiro próximo e inclui apresentações de Rita Lee, Pitty, das bandas Fresno, NXZero e da dupla de sertanejo universitário Fernando e Sorocaba. (LAURA MATTOS)


DOSSIÊ COLLOR


Fernando Collor disse ao ‘Dossiê Globonews’ que se arrepende de ter pedido, quando era presidente, para a população ir às ruas vestida de verde e amarelo. Foi um erro ‘gravíssimo’, segundo ele. ‘Vi ali que a presidência estava perdida’, disse, sobre o a fato de a maioria ter usado preto naquele dia.


BOMBA COLLORIDA


Collor declarou ainda que terminou de escrever seu ‘livro-bomba’, mas ainda não sabe quando irá lançá-lo, porque ‘provocará um grande impacto na política brasileira’. A entrevista vai ao ar no próximo sábado, às 19h05, no Globonews.


TROFÉU


A reportagem ‘Confronto na Linha Vermelha’, exibida pelo SBT, ganhou anteontem o prêmio Esso de telejornalismo.


MERCI


A Sky diz que o francês TV5 se prepara para ter toda a programação legendada. O canal vai substituir o Eurochannel em 2010. A Sky diz que ‘em pesquisas feitas pelo SAC, o Eurochannel não surge como um canal preferido’ pela maioria.


SUPERAÇÃO


A Band estuda transformar histórias de superação em quadro do ‘Toda Sexta’. A experiência começa no dia 25, com uma entrevista que Jessica Cox, 26, deu a Galisteu. Psicóloga norte-americana, ela nasceu sem os braços e pilota aviões.


ROJÕES


No Réveillon da Globo, Serginho Groisman apresenta a festa de Copacabana do palco principal. Sarah Oliveira e Nívea Stelman estarão em outros palcos montados na praia.’


 


 


 


************


O Estado de S. Paulo


Quinta-feira, 10 de dezembro de 2009


 


LIBERDADE DE IMPRENSA


Mariângela Gallucci


Julgamento sobre censura deve ocorrer hoje


‘O Supremo Tribunal Federal (STF) adiou para hoje o julgamento do pedido de liminar apresentado pelo Estado com o objetivo de acabar com a censura que impede o jornal há 132 dias de publicar reportagem sobre a Operação Boi Barrica, da Polícia Federal, que investigou o empresário Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).


O julgamento estava marcado para ontem, mas foi adiado porque o tribunal precisou de três horas para julgar uma reclamação sobre a eleição para presidente do Tribunal Regional Federal (TRF) da 3ª Região. Quando os ministros retornaram de um intervalo, já eram 18 horas e o presidente da corte, Gilmar Mendes, anunciou que, ‘diante do adiantado da hora’, o julgamento ficaria para hoje.


Sob pena de multa diária, o Estado não pode publicar as informações que obteve sobre a Boi Barrica, por causa de uma determinação do desembargador do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJ-DF) Dácio Vieira. Reportagem publicada na época mostrou que Vieira é do convívio social da família Sarney e também do ex-diretor-geral do Senado Agaciel Maia.


Ao rejeitar um dos recursos apresentados pelo jornal, Vieira fez duras críticas ao Estado. Com base nesses argumentos, o desembargador foi considerado suspeito para julgar o caso. Depois, o próprio TJ-DF se declarou incompetente para decidir sobre a mordaça e remeteu o processo para a Justiça do Maranhão, em decisão criticada por diversos juristas.


RECURSOS


Ao todo, os advogados do jornal já recorreram até agora cinco vezes para tentar derrubar a censura. Na última, o Estado pediu uma liminar no Supremo com base na decisão de abril do tribunal que derrubou a Lei de Imprensa e fixou o entendimento de que é plena a liberdade de imprensa, não sendo, portanto, admitida a censura.


No julgamento da Lei de Imprensa, o Supremo concluiu que a legislação era incompatível com a atual Constituição Federal, de 1988, e destacou que a censura era inadmissível.


Na decisão, houve uma referência explícita à censura procedente do Poder Judiciário. ‘Não há liberdade de imprensa pela metade ou sob as tenazes da censura prévia, inclusive a procedente do Poder Judiciário’, diz o texto.


No último dia 19, o relator do último recurso do jornal, ministro Cezar Peluso, preferiu não decidir sozinho o pedido de liminar e levou o caso para o plenário do STF, integrado por 11 ministros. Já o empresário Fernando Sarney protocolou uma petição pedindo que a censura seja mantida pelo Supremo.


Liminar do Tribunal de Justiça do DF em ação movida por Fernando Sarney proíbe o jornal de publicar dados sobre a investigação da PF acerca de negócios do empresário, evitando assim que o ‘Estado’ divulgue reportagens já apuradas sobre o caso’


 


 


PRÊMIO


Fernando Paulino


Série sobre atos secretos dá Prêmio Esso ao ‘Estado’


‘O Estado conquistou o Prêmio Esso de Reportagem de 2009 com a série sobre os atos secretos no Senado, dos repórteres Rosa Costa, Leandro Colon e Rodrigo Rangel. O Esso é a mais importante premiação do jornalismo brasileiro. As reportagens revelaram que mais de 500 atos administrativos foram assinados pela cúpula do Senado e entraram em vigor sem que fossem devidamente publicados nos boletins da Casa.


Os atos secretos foram utilizados para nomear e promover servidores, entre eles parentes de parlamentares e diretores do Senado, além de distribuir e ampliar outras benesses, como plano de saúde vitalício.


O Esso de Reportagem foi o 11º prêmio recebido pelo Estado em 2009. O Esso de Jornalismo foi para o Jornal do Commercio, de Recife, com Os Sertões. Criado em 1955, o Esso é o mais tradicional prêmio de jornalismo do Brasil.


Ao receber o prêmio, anteontem à noite, Rosa Costa criticou a censura sofrida pelo Estado em razão de liminar concedida pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal, em ação movida por Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Desde 31 de julho, o jornal está proibido de publicar dados sobre a investigação da Polícia Federal acerca dos negócios do empresários. ‘Dedico (o prêmio) ao nosso jornal, que está censurado. Espero que isso acabe de uma vez. O mínimo que se pode falar é que é uma indecência.’


Ainda na fase de seleção das reportagens, os jurados aprovaram uma nota de repúdio à censura. ‘A Comissão de Seleção dos trabalhos concorrentes ao Prêmio Esso de Jornalismo vem manifestar o seu repúdio, protesto e preocupação com a censura judicial imposta ao jornal O Estado de S. Paulo, por ter este noticiado a trajetória e os negócios do filho do ex-presidente da República e presidente do Senado, José Sarney. Não se trata de reivindicar imunidade nem de considerar a imprensa acima da lei, mas de apontar uma aplicação distorcida dos princípios legais para evitar que fatos em apuração pela Polícia Federal sejam tornados públicos’, diz a nota divulgada anteontem, na premiação do Esso. ‘Tal prática tem sido usada com frequência para manter privilégios e ocultar métodos pouco claros de gestão do bem público, muitas vezes confundido e tratado como se privado fosse. Tal pressão é ainda muito forte, principalmente, em pequenos jornais, muitas vezes submetidos a processos e sentenças indenizatórias que chegam a inviabilizar a sua existência.’


Os ganhadores em cada categoria foram: jornalismo – Jornal do Commercio, de Recife, com Os Sertões; reportagem – Estado; fotografia – Jornal do Commercio, de Recife, com Exilados da Fome; informação econômica – Correio Braziliense com O Brasil que Emergirá da Crise; informação científica, tecnológica e ecológica – Folha de S. Paulo com No Coração da Antártida; primeira página – O Dia por A Faixa Preta Hoje é de Luto; criação gráfica – Jornal do Commercio, de Recife, por Os Sertões e revista Época por Voo Air France 447; interior – A Tribuna de Santos com Caso Alessandra; Regional 1 – Diário de Pernambuco com Quilombola – Os Direitos Negados de um Povo; Regional 2 – Jornal de Santa Catarina com O Maior Desastre Climático do Brasil; Regional 3 – O Globo com Democracia das Favelas; Telejornalismo – SBT com Confronto na Linha Vermelha. Os sites Museu da Corrupção e Congresso em Foco receberam o prêmio de melhor contribuição à imprensa . O primeiro por agrupar casos de corrupção ocorridos desde 1964 e o segundo por ter noticiado desvios no uso de passagens aéreas por parlamentares.’


 


 


Reportagem começou em junho


‘A série Dos Atos Secretos aos Secretos Atos de José Sarney teve início dia 10 de junho com a manchete Senado acumula mais de 300 atos secretos para criar cargos. Em julho, reportagem mostrou que Sarney ocultou da Justiça Eleitoral a casa onde vive em Brasília, avaliada em R$ 4 milhões. O senador alegou que houve ‘erro’ do contador.


Outro alvo da investigação jornalística foi a Fundação Sarney. O Estado revelou que a entidade desviou R$ 500 mil do patrocínio de R$ 1,3 milhão da Petrobrás para empresas de fachada ou da família do senador. O dinheiro deveria ser usado em projeto de digitalização do acervo, mas nunca saiu do papel. No dia 22 de julho, o jornal publicou trechos de gravações feitas pela PF, com autorização da Justiça, em que Sarney conversa com o filho Fernando Sarney – que conseguiu liminar na Justiça proibindo o Estado de dar informações sobre a Operação Boi Barrica, da PF.’


 


 


TELEVISÃO


Cristina Padiglione


Web vira laboratório


‘Certa de que o público que paga para ver TV é o mesmo que tem acesso à banda larga, a direção do canal GNT promete incrementar seu site em 2010 e lá depositar algumas ideias capazes de se estender futuramente à tela da TV. Esses são os casos dos quadros Mamãe eu Quero (sobre maternidade, com Astrid Fontenelle), Pirei (dicas de produtos, tendências e lugares, por Betty Lago), Sinal Fechado (com Patrícia Koslinski, focado no estilo dos pedestres nos semáforos) e Viagem Gastronômica (tour entre França e Espanha, com a chef Karen Couto).


Os febris vídeos tutoriais com passo a passo de make-up e moda, que têm engrossado a audiência de youtubes e afins, também entram em cena no novo site do GNT.


Na TV, 2010 prevê novas temporadas de Mothern e Irritando Fernanda Young. O Menu Confiança cede a vez ao Que Marravilha!, com todos os erres a que Claude Troisgros tem direito: o mais bem-humorado dos franceses percorrerá o País em busca de influências regionais na culinária francesa. O GNT negocia ainda com outro francês, Olivier Anquier, novos episódios culinários a bordo de seu irretocável Fusca.’


 


 


 


************


 

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem