Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

ENTRE ASPAS > TERÇA-FEIRA, 16/3

Lula busca ministro para dialogar com a mídia

Por Leticia Nunes (seleção de textos) em 16/03/2010 na edição 581


Leia abaixo a seleção de terça-feira para a seção Entre Aspas.


 


************


Folha de S. Paulo


Terça-feira, 16 de março de 2010


 


GOVERNO


Valdo Cruz


Lula quer ministro para abrir ‘canal de diálogo’ com a mídia


‘O presidente Luiz Inácio Lula da Silva busca um nome para ocupar o Ministério das Comunicações que possa estabelecer um ‘canal de diálogo’ com os donos e diretores de empresas de comunicação.


O ministério ficará vago em abril com a saída do cargo de Hélio Costa (PMDB-MG) para disputar o governo mineiro.


Segundo um auxiliar de Lula, ele tem se queixado do que classifica de ‘atitude agressiva’ de alguns setores da mídia e avalia nomear um ministro das Comunicações com ‘capacidade de interlocução’ com a mídia.


A relação de Lula com a imprensa desde que chegou ao poder nunca foi amistosa. Ele costuma dizer que não lê jornais e chegou a afirmar que o ‘papel da imprensa não é o de fiscalizar, e sim de informar’.


Na semana passada, disse que, ‘neste país, eles [empresários da mídia] não estavam acostumados a ter um presidente da República que não precisa almoçar com eles, jantar com eles e tomar café com eles para governar este país.’


A ideia, segundo assessores de Lula, é que o sucessor de Hélio Costa seja alguém que faça uma ‘conexão com as TVs e jornais impressos’ na busca não só de dialogar com os empresários mas também transmitir o pensamento do presidente acerca de críticas feitas pela mídia contra seu governo.


Lula está preocupado principalmente em defender sua candidata, a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil). Sua equipe tem debatido estratégias para tentar melhorar a relação de Dilma com a imprensa.


Até agora, Lula ainda não citou nomes que poderiam se encaixar nesse perfil, mas já avisou a cúpula do PMDB, responsável pela indicação política para o Ministério das Comunicações, de sua intenção.


Segundo a Folha apurou, os peemedebistas vão tentar buscar um nome que agrade o presidente e possa exercer a função pretendida por Lula.


O presidente avalia que esse novo ministro poderia dividir com Franklin Martins (Comunicação Social) o trabalho de diálogo com a imprensa.


Deslocar Martins para o ministério de Hélio Costa está fora de cogitação, por ele hoje desempenhar também um papel de conselheiro político do presidente no Palácio do Planalto.


A intenção inicial do PMDB era apoiar a indicação do nome preferido do ministro Hélio Costa, que gostaria de fazer seu atual chefe de gabinete, José Artur Filardi, seu substituto à frente do ministério.


No discurso da semana passada, Lula também criticou os editoriais dos jornais. ‘De vez em quando é bom ler [editoriais de jornais] para a gente ver o comportamento de alguns falsos democratas, que dizem que são democratas, mas que agem querendo que o editorial deles seja a única voz pensante no mundo’, disse.’


 


 


CAMPANHA


Catia Seabra e Flávio Ferreira


Justiça suspende propaganda de Dilma em SP


‘A Justiça Eleitoral de São Paulo proibiu ontem a veiculação de peças de propaganda partidária do PT na TV nas quais o presidente Luiz Inácio Lula da Silva faz elogios à ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, pré-candidata do partido à Presidência.


Nas inserções, Lula afirma que Dilma é ‘mineira’, mas tem ‘a cara e a alma’ de São Paulo -a peça faz parte da estratégia petista de alavancar a votação da ministra no Estado.


Segundo a decisão do corregedor eleitoral de São Paulo, desembargador Alceu Penteado Navarro, o conteúdo das inserções ‘ultrapassa os limites’ estabelecidos para a propaganda partidária gratuita.


A legislação determina que essa publicidade seja utilizada exclusivamente para divulgar programas, eventos, atividades congressuais e posições políticas dos partidos.


Navarro acolheu um pedido de concessão de medida liminar apresentado pelo PSDB e pelo PMDB e proibiu que fossem ao ar as peças agendadas para ontem, amanhã e sexta-feira. No despacho, o desembargador liberou a veiculação das peças de propaganda com conteúdo diferente daquela em que Dilma é elogiada.


Em nota, o PT informou que vai recorrer da decisão e que veiculará amanhã e na sexta inserções com o senador Aloizio Mercadante e com a ex-ministra Marta Suplicy.’


 


 


PUBLICIDADE


Santander une Folha e ‘Estado’ em campanha publicitária


‘Os assinantes da Folha na cidade de São Paulo recebem hoje exemplar do jornal ‘O Estado de S. Paulo’, enquanto os do ‘Estado’ ganham a Folha. A ação é parte de nova campanha publicitária do banco Santander na capital paulista.


O objetivo da ação publicitária, segundo Fernando Byington Egydio Martins, vice-presidente de marca do Santander, é passar a mensagem de que é possível juntar produtos diferentes em benefício do cliente.


O banco está na fase final da fusão com o Real, antigo concorrente adquirido em 2007.


Criada pela agência Talent, a campanha ‘Juntos’ envolverá ações com outras empresas concorrentes.


O diretor-executivo comercial da Folha, Antonio Carlos de Moura, disse que o jornal concordou com a ação publicitária do Santander por ser inovadora. ‘Está no DNA da Folha’, disse.


Segundo Moura, o impacto desta ação mostra ao mercado publicitário as ‘imensas possibilidades’ de comunicação que o meio jornal permite.’


 


 


Frei Betto


Criança e consumo


‘A CAPITAL paulista sedia, de hoje a quinta-feira, no Itaú Cultural, o 3º Fórum Internacional Criança e Consumo, uma iniciativa do Instituto Alana. Especialistas no tema debaterão como prevenir e reduzir os efeitos da publicidade de produtos e serviços destinados a crianças e adolescentes.


A população com idade inferior a 12 anos é hipervulnerável à comunicação mercadológica devido ao mimetismo próprio da infância, à falta de discernimento, à afirmação da personalidade, à dificuldade de distinguir desejo e necessidade. ‘Formar cidadãos ou consumistas?’, eis a questão.


Nessa cultura hedonista, em que os valores sonegados da subjetividade são pretensamente substituídos pelo valor agregado da posse de bens e serviços, crianças e jovens se veem ameaçados pela incidência alarmante da obesidade precoce, da violência (inclusive nas escolas), da sexualidade irresponsável, do consumo de drogas, do estresse familiar e da degradação das relações sociais.


Com a laicização crescente da sociedade ocidental, que, com razão, repudia o fundamentalismo religioso, a moral perde seu anteparo na vivência da fé, as ideologias altruístas, em crise, cedem lugar ao individualismo egocêntrico e a tecnociência aprimora meios de relacionamento virtual em detrimento da alteridade real e da inter-relação comunitária e coletiva.


Vivemos, como Sócrates, na terceira margem do rio: os deuses do Olimpo já não oferecem parâmetros éticos e a razão depara-se com a própria insuficiência diante da avassaladora pressão mercantilizadora de todas as dimensões da existência. Onde, nos mais jovens, o idealismo, a abnegação, a ânsia pelo transcendente, o sonho de mudar o mundo?


Na contramão da tendência imperante, o projeto do Instituto Alana disponibiliza instrumentos de apoio e informações sobre direitos do consumidor nas relações de mercado que envolvam crianças e adolescentes.


Produz e distribui conhecimento acerca do impacto do consumismo na formação desse público, fomenta a reflexão a respeito da influência da mídia e da comunicação mercadológica na vida, nos hábitos e nos valores de pessoas em idade de formação.


O projeto Criança e Consumo engloba três áreas: jurídico-institucional, comunicação e eventos, pesquisa e educação.


A área jurídico-institucional recebe denúncias de práticas de comunicação mercadológica -principalmente publicidade veiculada em TV, internet e revistas- consideradas abusivas. Em contato com as empresas responsáveis pela peça publicitária, faz-se notificação para que cesse a veiculação do apelo comercial. A área de comunicação e eventos promove debates e seminários para discutir e divulgar essas questões.


A de educação e pesquisa estuda de maneira multidisciplinar a temática e põe no site www.criancaeconsumo.org.br bibliografia sobre o tema.


A partir dessas iniciativas, o projeto contribui para a formação de uma consciência crítica e cidadã sobre os aspectos negativos da mercantilização da infância e da juventude. No início de março, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) sinalizou que as novas regras sobre publicidade de alimentos e bebidas não saudáveis, a serem divulgadas, não oferecerão proteção especial ao público infantil.


Isabella Henriques, coordenadora do projeto Criança e Consumo, alertou sobre as graves consequências dessa decisão, que exclui todos os artigos de proteção à infância, como o veto ao uso de desenhos em publicidade, à promoção de alimentos e bebidas nocivas em escolas e ofertas com brindes.


Segundo ela, isso significa o poder público negligenciar os direitos da crianças e adolescentes, declinando-os em favor de interesses privados. Crianças não podem ser tratadas como consumidores comuns. Merecem tratamento diferenciado. É preciso levar em conta o trabalho da força-tarefa criada em 2009 pelo Sistema Nacional de Defesa do Consumidor, voltado à proteção de consumidores hipervulneráveis. Essa força-tarefa conta com a participação do Instituto Alana, do grupo de comunicação social do Ministério Público Federal, da Anvisa e do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor.


Induzir a criança ao consumismo precoce é inflar o desejo na direção de ambições desmedidas. E, quanto maior o anseio, mais profundo o buraco no coração e, portanto, a frustração e os sintomas depressivos. Perversa intuição profissional faz com que o traficante de drogas conheça bem essa patologia e dela saiba tirar proveito.


CARLOS ALBERTO LIBÂNIO CHRISTO, o Frei Betto, 65, frade dominicano, é assessor de movimentos sociais e escritor, autor de ‘Calendário do Poder’ (Rocco), entre outros livros. Foi assessor especial da Presidência da República (2003-2004).’


 


 


TODA MÍDIA


Nelson de Sá


Sem paz


‘No meio do dia, nos enunciados da ampla cobertura pela BBC Brasil, manchete para ‘O vírus da paz está comigo, diz Lula em Israel’. Também ‘Lula defende ouvir mais gente no processo de paz’ e ‘Em viagem política, Lula busca dar mais voz ao Brasil no Oriente Médio’. Não era muito diferente dos despachos por AFP, ‘Lula sonha com paz no Oriente Médio’, Bloomberg e outras agências.


Porém, de passagem na BBC Brasil, ‘Israel propõe ida de Lula a túmulo de sionista e gera mal-estar’, pois não teria feito o mesmo com outros mandatários. Não demorou e a manchete on-line do israelense ‘Haaretz’ dizia que o chanceler ‘Lieberman boicota visita por causa da recusa’ brasileira em homenagear o fundador do sionismo. O Ynetnews, site do ‘Yediot Ahronot’, acrescentou que foi ‘também pela ligação com o presidente iraniano’. E foi o que ecoou por UOL, G1 e outros, por aqui.


Já o ‘Jornal Nacional’ ressaltou que a ‘posição em relação ao Irã provoca críticas’ a Lula, de modo geral.


CINEMA & TV


No site do ‘Wall Street Journal’, ‘Brasil mira propriedade intelectual em conflito por algodão dos EUA’. Abrindo a reportagem de Gerald Jeffris e Jeff Fick, de Brasília, com a nova lista para eventual retaliação o Brasil ‘eleva as apostas’ -embora o Itamaraty insista que é só para estimular ‘setores interessados’ a pressionar Washington. Reuters e Bloomberg destacam que o país seria o primeiro a usar as sanções permitidas pela OMC.


No texto do ‘Diário Oficial’, a retaliação incluiria o ‘licenciamento de direitos de obras audiovisuais sem autorização do titular’. Na mira, cinema e TV.


BOLETIM


Na manchete do Drudge Report, ‘EUA e Reino Unido mais perto de perderam a nota AAA’. Abrindo o despacho da Bloomberg para a ameaça da agência de classificação de risco Moody’s, os dois países estão ‘substancialmente’ perto de terem suas notas reduzidas.


O relatório foi também submanchete on-line do ‘New York Times’, também ressaltando a expressão usada, ‘substancialmente’ -e lembrando que os EUA são AAA desde a primeira avaliação, em 1949.


EIKE E OS EUA


Em meio aos questionamentos sobre a viabilidade do sistema político em Washington, o ‘NYT’ deu a longa reportagem ‘EUA só concordam em uma coisa: a capital é partidarizada [ou polarizada] demais’. Além da comparação com a China, o jornal desta vez ressaltou declarações do bilionário Eike Batista, lamentando o ‘engarrafamento político’ nos EUA:


‘No Brasil, nosso presidente pode implementar medidas de emergência [e foi assim que o país saiu da crise financeira] mais rapidamente do que todo o mundo’.


KRUGMAN E A CHINA


Na manchete de papel do ‘WSJ’, ‘China fala grosso com EUA’, em defesa do yuan, contra o ‘protecionismo comercial’ que cobra a valorização da moeda.


Já o ‘NYT’ destacou que a ‘China usa regras do comércio global para tirar vantagem’. O colunista Paul Krugman foi além e propôs que os EUA ‘enfrentem a China’. Descrevendo como um ‘absurdo’ a defesa do yuan, ele cobra que o governo Obama parta para uma ‘política dura’ e imponha tarifa de até 25% sobre a importação de produtos chineses.


JOGOS ELEITORAIS


Por Valor Online, Bloomberg e outros, o Bank of America Merril Lynch avaliou ontem que, ‘surpreendentemente, a volatilidade atual é substancialmente menor que em 2006, quando Lula era um claro favorito’. Em suma, o banco diz que ‘não é possível que o período seja tão tranquilo’ e ‘os investidores não estão sendo compensados pelo risco eleitoral’ de José Serra e Dilma Rousseff. Sugere que eles se defendam de um eventual ‘tombo’ do real, na campanha, com derivativos cambiais.


Na semana passada, o mesmo Bank of America já havia sugerido trocar dívida brasileira por mexicana, diante do suposto risco eleitoral sobre ‘quem vai comandar o Banco Central e o Ministério da Fazenda’.


NA FRENTE?


‘Uma fonte política’ falou ontem à Reuters Brasil que a pesquisa CNI/Ibope, concluída na última quarta-feira e com divulgação adiada para a próxima quarta, ‘deve trazer Serra cinco pontos à frente de Dilma’, e não um ponto atrás, como se publicou. De qualquer maneira, ‘em queda’, no movimento já ‘capturado por outros institutos’’


 


 


TELEVISÃO


Andréia Michael


EBC dirá a conselho que vídeo de ministros é fonte de receita


‘Em reunião hoje, o Conselho Curador da EBC (Empresa Brasileira de Comunicação) ouvirá explicações da administração da estatal sobre a produção de vídeos em que ministros -inclusive candidatos nas próximas eleições- fazem balanço de sua gestão no governo Lula.


‘Vamos dizer que a produção desses vídeos não constituiu qualquer tipo de programação para a TV Brasil. Foi um trabalho prestado à Secom pela EBC Serviços, empresa que integra a holding EBC e é seu braço para fazer dinheiro’, afirma Tereza Cruvinel, diretora-presidente da EBC, que comanda a TV Brasil e a EBC Serviços.


A Secom (Secretaria de Comunicação Social da Presidência) é o principal cliente da EBC Serviços, empresa por meio da qual a holding estatal gera receita própria e reduz sua dependência dos cofres públicos.


Em 2009, 95% do orçamento de R$ 350 milhões da EBC eram de verbas do governo.


Neste ano, tal participação caiu para 65% de R$ 457 milhões.


Em 2010, a prestação de serviços renderá R$ 157 milhões à holding. A reunião do conselho é ordinária, mas o assunto dos vídeos entrou na pauta do encontro depois que surgiu na imprensa. ‘Não acho ruim ter que explicar. É até bom, porque aí não podem dizer que não somos transparentes’, diz Cruvinel.


Também haverá um balanço sobre a situação das oito rádios que compõem o sistema EBC.


HUMBERTO MARTINS GRAVA CENAS COM GISELÉ FRÓES


Na pele do médico viúvo Ricardo, o ator se dividirá entre se envolver ou não com Jane, com quem trabalha em uma clínica de reprodução assistida em ‘Entre Dois Amores’ (Globo)


TEFLON


A equipe de transmissão da Band tentou blindar a organização (leia-se a emissora) de críticas à Indy na transmissão do evento no domingo à tarde. Na batida de Mario Moraes com Marco Andretti, os narradores culparam os pilotos pelo acidente -os competidores já haviam reclamado da pista.


DISLEXIA


Luciano do Vale levou seu estilo para a narração. Errou o nome de vários pilotos, como faz com os jogadores de futebol.


GRID


A Band empatou com SBT e Record em segundo lugar, com oito pontos de média e dez de pico com a corrida. Globo, que exibiu filme e ‘Domingão do Faustão’ no período, ficou com 12,5 (750 mil domicílios ligados na atração na Grande SP).


CONGA LA CONGA


O ‘Tudo é Possível’ (Record) voltou a apostar em Gretchen no ‘Troca de Família’ e nos blocos gigantes: ficou três horas sem intervalos na tarde de domingo. Deu certo.


ATADURA


A quase ninfomaníaca Veruska (Maria Clara Gueiros) e a romântica Michele (Marisa Orth) estarão na equipe do atrapalhado doutor Solano (Ney Latorraca) na nova série da Globo ‘SOS Emergência’. O texto é de Marcius Melhem e Daniel Adjafre, que têm pai e irmão médicos. Estreia em 4/4.


APARÊNCIAS


‘Vamos revelar o homem louco que existe por trás da seriedade de um médico’, diz o Melhem, que também é ator.


com Clarice Cardoso’


 


 


Laura Mattos e Lúcia Valentim Rodrigues


TV aposta na Copa da alta definição


‘‘Éééééééé do Brasiiiiiiiiil’! Está chegando a hora de ouvir o grito em alta e boa definição.


A Copa deste ano será a primeira transmitida em HD, ou ‘high definition’. Em bom português, isso quer dizer que todos os jogos terão, na televisão, uma qualidade de som e imagem semelhante à do cinema.


E é por aí que as emissoras de TV e fabricantes de televisores estão gritando mais do que o Galvão Bueno para convencer os torcedores/consumidores a investir na nova tecnologia.


A questão agora -para quem já tem televisão em alta definição e para os que continuam na dúvida- é saber o que o investimento trará além dos lances da seleção com nitidez fantástica.


Nesta quinta, estreia ‘Vida’, no canal Discovery HD, um marco na aposta em alta definição. O documentário inglês, com dez episódios, reúne cenas da vida animal que só puderam ser captadas graças à potência das câmeras de HD.


Entre outras cenas impressionantes, o espectador acompanha o momento em que uma mosca aspira bolhas de ar para aumentar as antenas que sustentam seus olhos. Se estivesse a centímetros desse inseto na Malásia, a pessoa não conseguiria ver a metamorfose.


‘Vida’ foi ao ar no domingo passado no Discovery tradicional. Fernando Medin, vice-presidente da rede no Brasil, explica o motivo: ‘Demos um aperitivo ao público, mas é outra experiência assistir em alta definição. Foi dado o primeiro passo para a inserção do HD, mas o mercado ainda é pequeno’.


O Brasil tem hoje 2,5 milhões de televisores sintonizados em TV digital, os únicos que podem transmitir programas em alta definição. Segundo Frederico Nogueira, presidente do Fórum do SBTVD (Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre), até a Copa, esse número deve saltar para 7 milhões, incluindo mini-TVs e celulares. No Brasil, segundo o IBGE, são 54,7 milhões de domicílios com TV, ou 95,13% da população.


Nogueira diz que nesta semana será lançada na TV uma campanha para explicar o que é preciso para ver essas imagens espetaculares. Em primeiro lugar, o sinal digital tem de ter chegado à sua cidade. Depois, vem a parte de abrir a carteira para ter um televisor adequado (confira quadro nesta página).


Quem quiser parar no Galvão Bueno o gasto acabou por aí.


As TVs abertas estão ampliando seu conteúdo em alta definição na tentativa de atrair cada vez mais o espectador e acelerar a migração da tecnologia analógica para a digital.


O interesse se justifica porque, num futuro próximo, a TV digital terá interatividade, que possibilitará novos negócios às emissoras, como a venda de produtos por controle remoto.


As redes, por lei, terão de transmitir a mesma programação nos dois sinais até junho de 2016, dez anos após a publicação do decreto sobre o início das transmissões digitais. Depois, haverá o chamado ‘apagão analógico’, ou seja, só os novos televisores funcionarão.


Para fugir do Galvão


As TVs pagas também se mobilizam para conquistar os que querem fugir do Galvão na Copa e estão dispostos a investir além do gasto com o televisor.


Nos pacotes de alta definição das TVs por assinatura, os atrativos vão de filmes recém-lançados com a qualidade do cinema até a possibilidade de fazer, com o controle remoto, seu próprio replay durante um jogo ao vivo da Copa ou dar pause na novela para ir ao banheiro.


A ESPN HD, único canal de esportes com 24 horas em alta definição, enviará 80 profissionais para a África do Sul. Além dos jogos, vai dedicar até 15 horas diárias para a Copa.


Agrício Neto, vice-presidente de marketing e programação da Sky, diz que as assinaturas do HD aumentaram 20% desde o final do ano passado. Ele quer dobrar esse número em 2010. Para tanto, vai lançar mais seis canais, além dos 30 já existentes. ‘Nosso retorno demonstra que a gravação é o grande diferencial. O público quer montar sua própria programação.’


O Telecine deve ter mais um canal de filmes. Já Pedro Garcia, diretor do Globosat, prevê que, aos poucos, toda a programação seja em alta definição.’


 


 


Emissoras se armam para interatividade; quem já tem TV digital terá de gastar mais


‘Depois da alta definição, o próximo passo será a interatividade. Está sendo testado pela indústria e pelas redes de TV um software, o Ginga, que possibilitará que o telespectador interaja com o que está no ar.


Isso significa que poderá, por exemplo, votar no ‘BBB’ ou comprar produtos de merchandising com o controle remoto.


Atuais televisores com conversor digital embutido e conversores avulsos não têm Ginga. Ou seja: quem já investiu em novo aparelho terá de gastar mais para a interatividade. Televisores sem conversor e os já prontos para TV digital terão de ser ligados em nova caixa.


Segundo o presidente do Fórum do SBTVD (Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre), Frederico Nogueira, os novos conversores deverão custar cerca de R$ 500. Ele não acha injusto com quem já investiu em um novo aparelho. ‘Hoje o consumidor já tem a alta definição. A interatividade é o próximo passo. Além disso, os aparelhos estão barateando.’


O SBT mantém no ar experimentalmente um portal que poderá ser acessado por controle remoto com notícias, previsão do tempo e informações da programação. A Globo faz testes de interatividade com alguns programas. Além disso, acaba de lançar a TV digital rural, que fará com que comunidades distantes, dependentes de parabólicas, vejam programação digital regional, o que valoriza seus comerciais.’


 


 


Laura Mattos


Rede TV! põe sua produção na ‘TV nova’ e igreja na ‘velha’


‘A Rede TV! está exibindo em seu sinal digital programação diferente da do analógico.


Para quem só tem a transmissão antiga, a emissora deixou os horários arrendados para igrejas evangélicas. Quem já pôde investir em uma TV digital vê reprises de programas produzidos pela Rede TV!.


Informalmente, emissoras concorrentes acusam a Rede TV! de prejudicar os telespectadores que não puderam comprar ainda uma TV digital e de ir contra o decreto do presidente Lula que regulariza a transição do sinal analógico para o digital. A lei prevê que, até junho de 2016, deverá haver ‘a veiculação simultânea da programação em tecnologia analógica’.


O Ministério das Comunicações (MC) pediu à Agência Nacional de Telecomunicações que investigasse o procedimento. A Rede TV! foi notificada e apresentou sua defesa, que está sendo analisada pelo MC.


Kalled Adib, superintendente de operações da Rede TV!, afirma que não há no decreto determinação para que a programação seja a mesma.


‘Se eu tenho três filhas bonitas e apenas um príncipe para casar com uma, vou beneficiar uma delas ou prejudicar todas?’, metaforiza. ‘Estamos fazendo um bem para a indústria. Além disso, as igrejas não produzem em alta definição’, diz.


Polêmica da TV Cultura


A TV Cultura de SP também se envolveu em uma polêmica, em 2009. A emissora optou por dividir o espaço da banda digital, capaz de transmitir um canal em alta definição, para a exibição de três digitais, mas não HD -a chamada multiprogramação, vetada por lei.


Um deles é a própria TV Cultura, o segundo é a MultiCultura, com programação de arquivo, e o terceiro, o Univesp TV, da Universidade Virtual do Estado de São Paulo, projeto de cursos à distância em parceria com o governo estadual.


A Cultura, por determinação do Ministério das Comunicações, teve de interromper a transmissão dos outros dois canais. Depois, solicitou ‘autorização para uso de multiprogramação em caráter científico-experimental’, o que lhe foi concedido pelo ministério.’


 


 


André Barcinski


Série cria impacto com criaturas maravilhosas


‘Os números impressionam: quatro anos de produção e 3.000 dias de filmagem em terra, mar e ar, usando equipamentos de alta definição e última geração.


‘Vida’, a série em dez episódios que o Discovery HD Theater estreia quinta, às 22h, é uma produção do Discovery Channel e da BBC, cuja parceria já rendeu as ótimas séries ‘Planeta Terra’ e ‘Planeta Azul’.


A julgar pelo episódio de estreia, ‘Desafios da Vida’, o programa tem tudo para ser um marco. As imagens beiram o inacreditável: minúsculas pererecas escalam árvores gigantes para depositar seus girinos; no Brasil, macacos-prego ensinam aos filhotes a técnica de quebrar castanhas com uma pedra; cenas em macro e câmera lenta mostram a língua de um camaleão capturando um louva-a-deus. A cada nova sequência, fica a pergunta: ‘Como diabos eles filmaram isso?’.


O primeiro episódio trata da batalha pela sobrevivência de diferentes espécies. Vemos golfinhos batendo as nadadeiras no fundo do mar para criar círculos de lama em volta de cardumes de pequenos peixes. Assustados, os peixes pulam para fora do círculo, caindo diretamente na boca dos golfinhos, que já estão à espera.


Outras sequências impressionantes mostram guepardos caçando um avestruz, a luta de hipopótamos pelo domínio de um lago cheio de fêmeas, o nascimento de milhares de pequenos polvos, e a batalha de uma foca para não ser comida por baleias orca. Crianças menores podem se assustar com o violento ataque de uma foca leopardo a um grupo de pinguins, mostrado em detalhes.


Algumas imagens se destacam, como o processo de crescimento de um inseto da Malásia: depois de sair do casulo, ele inspira ar para ‘encher’ a cabeça e adquirir forma. Parece uma cena de ‘Alien’.


Na Costa Rica, uma perereca (‘do tamanho de uma unha’, diz o narrador) alimenta e defende seus girinos. Para protegê-los de predadores, ela escala árvores e deposita os girinos em minúsculas poças d’água, que se acumulam dentro de bromélias. Depois, o processo de crescimento é filmado de dentro da bromélia, que, ampliada pelas lentes, mais lembra um enorme vale. A música e os efeitos sonoros realçam a beleza e o impacto das cenas.


Bem que o Discovery poderia fazer um 11º episódio, com o ‘making of’ da série. Porque, para impressionar mais que o esforço e técnica necessários para filmar ‘Vida’, só mesmo as criaturas maravilhosas que os documentários mostram.


O único ponto negativo, pelo menos na pré-estreia da série exibida no último domingo, só no canal tradicional, foi a decisão da emissora de mostrar, a cada intervalo, chamadas para documentários sobre assassinos seriais, como o Maníaco do Parque. Uma escolha no mínimo discutível, porque ‘Vida’ tem classificação livre e deve atrair muitas crianças.


Um dos comerciais, sobre o ‘Vampiro de Niterói’, era particularmente violento: dizia que o sujeito havia matado ‘pelo menos 15 crianças’, exibia reconstituições de crimes e uma imagem em que o bandido aparecia com o rosto coberto de sangue. Para adicionar um toque macabro, um investigador perguntava: ‘Por que você cortou o pescoço do menino?’.’


 


 


Lúcia Valentim Rodrigues


Oitavo ano de ‘24 Horas’ perde rumo em meio a subtramas desconexas


‘O agente Jack Bauer virou vovô na oitava temporada de ‘24 Horas’. Mas foram os roteiristas da série que envelheceram e encaretaram, transformando o enredo em um amontoado de subtramas desconectadas e com gente desinteressante ocupando a maior parte das 24 horas mais importantes do ano para o canal Fox.


Hoje o oitavo ano estreia na TV paga brasileira. Enquanto isso, nos EUA, já foi ao ar quase a metade dos episódios. Os boatos já dão conta de que esta será a última temporada do seriado de ação. A audiência não anda ligando tanto para o dinheiro investido por temporada -estimado em US$ 40 milhões.


Kiefer Sutherland já interpretou torturas questionáveis até a sétima temporada. Matou um chefe, entregou o melhor amigo, fez o que achava que precisava para salvar os EUA.


Neste ano, não sabe direito para onde deve ir. À beira da aposentadoria, sua única intenção parece ser, contraditoriamente, a de recuperar o antigo emprego de volta.


Seus colegas também estão perdidos. Chloe (Mary Lynn Rajskub) e Renee (Annie Wersching) voltaram para o seriado, mas não têm funções que vão muito além da cara de choro.


A única personagem consistente é a presidente dos EUA, em negociação para um tratado de desarmamento de um país fictício do Oriente Médio.


É a ameaça contra a vida dessa dirigente que vai movimentar o seriado. O resto do elenco desfila suas desimportâncias, parecendo existir apenas para passar o tempo.


O público vai sofrer por Jack.


Coisas ruins parecem sempre à sua espreita, e ele ganhou afeição com o passar dos anos. Mas o enredo frouxo indica que chegou o fim de uma era para esta que foi a primeira série com o imaginário pós-11 de Setembro.


Tomara que Jack tenha uma retirada digna. Ele merece.’


 


 


 


************


O Estado de S. Paulo


Terça-feira, 16 de março de 2010


 


TELEVISÃO


Patrícia Villalba


A Itália volta a enfeitar novela


‘A Toscana onde vai se desenvolver boa parte de Passione, a próxima novela das 9 da Globo, será uma paisagem bem diferente daquela região dos campos banhados de sol, fixada na mente do público graças a filmes românticos como Sob O Sol da Toscana (Audrey Wells, 2003). Com uma equipe de 50 pessoas, entre elas 15 atores, a diretora Denise Saraceni capta há dez dias o fim do inverno italiano, em cenas que ocuparão os 60 primeiros capítulos da novela. A previsão é que as filmagens durem cinco semanas, amparadas ainda por uma equipe de produção local. ‘Infelizmente – ou felizmente – as novelas não são como as estações do ano. O ideal seria gravar na primavera ou no verão, mas a novela vai estrear em maio’, diz Denise.


A provável falta de luz quente para amarelar campos floridos, entretanto, não deve fazer falta, acredita a diretora – vai, sim, mostrar ao público uma Toscana longe do óbvio e, ainda, bem adequada à história que Passione pretende contar. ‘Começamos agora e, durante a novela, o tempo vai passar, e as paisagens vão se modificar’, observa. ‘A novela é muito realista, e temos uma família que trabalha no campo. Então, essa época é perfeita para a agricultura, quando eles estão arando a terra. Nesse aspecto, vamos ganhar muito.’


Na Itália, a equipe grava em Roma, em pontos puramente turísticos, como Vaticano, Castel de Sant’Angelo, Coliseu, Fórum Romano, Piazza Campidoglio, Bocca della Veritá, Fontana di Trevi, Piazza Navona, Pantheon e Piazza de Spagna. As cenas gravadas ali farão parte de uma sequência em que o personagem Totó viaja a passeio com um de seus filhos, Adamo (Germano Pereira). Na Toscana propriamente dita, haverá gravações em Florença, Siena, Montepulciano, Monticchielo, San Quirico, Pienza, San Galgano, Corsano, Igreja San Giovani Batista, Montecchiaro, Frantoio, Monteriggioni, Locanda Della Amororosa, Buonconvento.


É a terceira viagem que a diretora faz à região para tocar esse trabalho. A primeira foi ainda no passado, quando ela acompanhou o autor Silvio de Abreu na pesquisa par ao desenvolvimento da trama. ‘O Silvio já tinha uma sinopse, mas faltavam os elementos para desenvolver essa história lá. Ficamos 15 dias e fizemos uma pesquisa muito interessante para estruturar os personagens. Tudo isso para que ele escrevesse a novela a partir de uma realidade’, explica.


Denise encontrou o Estado num hotel em Ipanema dois dias antes de embarcar para a Itália e pouco antes de comandar a primeira leitura do texto de Silvio de Abreu feita pelos atores que compõem a família da matriarca Bete Gouveia (Fernanda Montenegro). Mais comum em montagens de teatro, a leitura faz parte da pré-produção da novela, e tem o objetivo de estabelecer laços entre os atores que viverão membros da mesma família e seus empregados. Na primeira cena, Bete Gouveia, que acaba de ficar viúva de Eugênio (Mauro Mendonça), pede a Clara (Mariana Ximenes), enfermeira de seu marido, que guarde um segredo. A moça, vilã da história, ouviu o marido de Bete revelar que o filho que ela julgara morto no nascimento está vivo, na Itália – é o camponês Totó, interpretado por Tony Ramos.


Ponte aérea. Até o capítulo 60, a novela se desenvolve entre São Paulo e a cidade fictícia italiana Laurenza-in-Chianti, onde fica o sítio do protagonista, que será erguida em cidade cenográfica no Projac, em Jacarepaguá. ‘A cidade cenográfica será um mix de tudo o que o Silvio e eu gostamos na nossa primeira viagem – pequenas ruelas, alguma arquitetura especial, o que havia de mais característico. Quem conhece a Toscana vai lembrar bastante, porque ela terá uma forte identidade com as cidades medievais da região’, detalha a diretora.


Em São Paulo, onde Silvio de Abreu tradicionalmente ambienta suas novelas, grande parte da ação se passa no Tatuapé, na zona leste, numa rua fictícia da zona norte e no Ceagesp – todos estarão no Projac. ‘Mas a passagem pela Toscana não será uma daquelas típicas viagens de começo de novela’, observa a diretora. ‘Essa novela especificamente é uma história de drama e comédia muito forte, em que a dramaturgia acontece nos dois lugares, São Paulo e Itália. Não é uma novela de paisagem, onde os personagens vão fazer uma viagem – apesar de que, claro, vamos procurar mostrar os lugares mais bonitos da região. Por isso, ela é tão difícil de realizar.’’


 


 


Patrícia Villalba


Diretora volta suas lentes mais uma vez para São Paulo


‘Denise Saraceni talvez seja a diretora carioca que mais filmou em São Paulo. Ela é atraída pela cidade desde o seriado Malu Mulher (1979), a primeira produção em que atuou na Globo, como assistente de produção. Aqui, já rodou, por exemplo, as novelas Torre de Babel (1998), Belíssima (2005) e Ciranda de Pedra (2008), além da minissérie Queridos Amigos (2008), onde mostrou a cidade nas épocas mais diversas. Em Passione, por meio do autor Silvio de Abreu, ela descobriu o Tatuapé, na zona leste, um bairro com dois mundos. ‘É uma loucura o Tatuapé, me surpreendi com o dinheiro que rola lá’, admite. Mas está mesmo encantada pela Ceagesp, que terá parte reproduzida no Projac. ‘Conseguimos ali cenas incríveis. Vai ser um trabalho bonito de reconstituição.’’


 


 


Avatar: Lucro na TV


‘A companhia Newscorp, de Rupert Murdoch, deverá lucrar entre US$ 350 milhões e US$ 400 milhões com a estreia do filme Avatar na televisão. As informações foram fornecidas pela agência Bloomberg. Nesta semana, a superprodução do diretor James Cameron, ganhadora de três Oscars, caiu duas posições, ficando em 7.º lugar na arrecadação nos cinemas dos Estados Unidos.’


 


 


Keila Jimenez


Record enterra milhões para manter A Fazenda


‘Há mais de um mês sem inquilinos famosos – afinal, a segunda edição acabou em 11 de fevereiro – A Fazenda, da Record, está investindo na plantação de dinheiro. Ou pelo menos deveria. Com a realização de uma terceira edição do reality show prevista só para setembro, a emissora está gastando milhões por mês para manter a estrutura do programa.


O Estado apurou que, dos 200 profissionais envolvidos em A Fazenda, pelo menos metade segue contratada pelo canal, mas sem trabalhar. A sede do reality, a fazenda de 150 mil metros quadrados Toca dos Leões, em Itu, interior de São Paulo, também continua arrendada, por cerca de R$ 100 mil mensais – pela emissora. A rede, que chegou a fazer uma proposta de compra, voltou atrás, por questão de estratégia. A Record teme que, ao comprar a sede do programa, a dona do formato, a Sony, inflacione o valor do produto, com base na certeza de que a rede tem intenção de manter o reality por muito tempo em sua programação.


Avaliados em cerca de R$ 25 milhões, os equipamentos para a realização programa, incluindo câmeras, geradores, refletores e até antenas de transmissão, seguem na fazenda em Itu. Para tanto, a Record tem de manter no local profissionais de manutenção e seguranças, que se revezam. O local continua protegido de curiosos e moradores locais. Os animais da fazenda, assim como o caseiro da Toca dos Leões, também seguem por lá, mantidos pela emissora.


Para abater esse custo, a rede chegou a negociar com a Televisa o aluguel do local e da estrutura do programa – na entressafra das edições de da A Fazenda – para a realização de uma versão mexicana do reality, mas não deu certo.


Homem de Preto. É assim, de CQC, que João Gordo aparecerá em Legendários, da Record


8 pontos foi a média da F-Indy, domingo, na Band. O evento alcançou o segundo lugar em ibope no horário


16 pontos de audiência foi a média da estreia da temporada 2010 da Fórmula 1, anteontem, na Globo


‘Ela põe a Madonna no chinelo’


Elogio da coreógrafa Débora Colker a Joelma, vocalista da banda Calipso, durante Domingo do Faustão de anteontem


A Grande Família ficará menor. Andrea Beltrão vai mesmo deixar a série para entrar em um novo projeto na Globo. Na trama, Marilda vai encontrar um maridão rico e sumir da vida de Nenê (Marieta Severo).


Corre nos bastidores da Rede TV! que O Impostor, do Pânico, não invadiu a cerimônia do Oscar, como mostraram no programa de domingo. A emissora estaria realmente credenciada para o evento, lebre levantada pelo site Kibe Loco, da Globo.com. Alan Rapp, diretor do Pânico, nega a existência de credenciais.


Demitir já foi mais fácil, né Justus? Em The Rebel Billionarie, formato original do reality que Roberto Justus terá no SBT, o bilionário e apresentador inglês Richard Branson gosta de mostrar que topa qualquer aventura (bungee jump, paraquedismo, crocodilos) antes de colocar os participantes nessas roubadas.


Sérgio Mallandro brigando com Mara Maravilha e Simony em um júri. Gugu ressuscitou na Record – muito bem por sinal – a velha fórmula do Show de Calouros, de Silvio Santos. À vontade, o apresentador mostrou que bom professor ele teve, e que esse pode ser o caminho para reduzir o assistencialismo da atração.


Alma Gêmea acabou, bem, por sinal, com final na casa dos 30 pontos de ibope no Vale a Pena Ver de Novo. Mas os hits chicletes de Fábio Jr. não ficarão fora das novelas da Globo. Uma das personagens de Escrito nas Estrelas, próxima trama das 6, passará o dia cantarolando sucessos do cantor. Fábio, que aprovou a fã ficcional e topou até dar uma passadinha na novela.


Produção bonita, recursos gráfico de primeira, mas falta cuidado nos diálogos de A História de Ester, da Record. Metade dos personagens fala como na Pérsia a. C. – quer dizer, como os roteiristas acham que se falava naquela época – a outra metade, como a turma de Malhação, da Globo.’


 


 


CAMPANHA


Clarissa Oliveira


Justiça veta propaganda do PT com Lula e ministra


‘A Justiça Eleitoral ordenou ao PT paulista que tirasse do ar as inserções veiculadas na televisão desde o fim da semana passada, que têm como protagonistas o presidente Lula e a ministra Dilma Rousseff. No vídeo, Lula procura aproximar do eleitorado paulista sua pré-candidata ao Planalto. Após ela dizer que tem ‘muito carinho e respeito’ pelo Estado, ele afirma: ‘Essa mineira que viveu no Rio Grande é a cara e a alma de São Paulo.’


A decisão foi tomada em resposta a um pedido de suspensão apresentado pelo PMDB. O mesmo pedido foi apresentado pelo PSDB. O corregedor regional eleitoral Alceu Penteado Navarro concluiu que as inserções contrariam a lei que rege a propaganda partidária. A regra proíbe expressamente a promoção de candidatos a cargos eletivos.


‘Há elogios rasgados à candidata escolhida para ser a sucessora de Lula’, diz o advogado do PMDB, Ricardo Vita Porto. O partido quer que o PT perca cinco vezes o tempo utilizado irregularmente na TV. Não há previsão de multa por propaganda antecipada para a eleição presidencial, o que, segundo o advogado, é de competência do TSE.


Assim que foi avisado da proibição, o PT preparou a substituição dos filmes. ‘O PT vai recorrer dessa decisão. Mas, para nós, a disputa eleitoral não deve ser jurídica e sim de projetos políticos’, respondeu o presidente estadual do PT, Edinho Silva.’


 


 


Falta de regras deixa pré-campanha aberta a propaganda


‘Uma situação inusitada acontece neste período de vácuo nas regras para as eleições: políticos recorrem a formas de propaganda que são proibidas a partir de 6 de julho. Um exemplo é a distribuição de brindes, vetada pela lei durante a campanha. Na semana passada, moradores foram presenteados com camisetas do vereador Claudinho da Academia, na inauguração de complexo esportivo na favela da Rocinha, com a inscrição ‘Lula e Cabral contra a desigualdade social’.


No mesmo dia, à noite, durante comemoração pelo Dia da Mulher, foram distribuídas ventarolas com as imagens do presidente Lula e da ministra Dilma Rousseff e a inscrição ‘ele é o cara’ de um lado e ‘ela é a coroa’ de outro. Lula, Dilma e o governador Sérgio Cabral (PMDB) estavam presentes nas duas solenidades com ares de comício.


‘Qualquer campanha eleitoral precisa de atenção muito antes do período da propaganda autorizada. Se não houver rigor no início e resposta efetiva, a antecipação da campanha vai avançando, por vários instrumentos’, alerta o juiz Luiz Márcio Pereira, de 40 anos, coordenador da fiscalização da propaganda eleitoral no Estado do Rio.


Xiita. Considerado ‘xiita’ até por colegas magistrados, Pereira quer mudanças na lei para ampliar o período das restrições aos candidatos. Embora fale em tese, sem citar situações específicas, o juiz é a favor de que lançamento de projetos, visitas a obras e inaugurações não tenham faixas de agradecimento a prováveis candidatos nem bandeiras partidárias. ‘Não precisa ser muito letrado para ver que nas inaugurações há uma intenção eleitoral’, diz Pereira.


O juiz defende a tese de que a expressão ‘ano eleitoral’, que existe na lei para proibir lançamento de novos programas sociais, seja estendida para evitar a chamada promoção pessoal. Com isso, os futuros candidatos estariam sujeitos a restrições desde 1.º de janeiro do ano em que houver eleição. Não poderiam exibir cartazes de felicitações nem de divulgação de suas atividades. ‘Temos de mudar a filosofia. Promoção pessoal de quem tem filiação partidária, em ano eleitoral, tem conotação de campanha’, afirma.


Fiscalização. Até a requisição de funcionários públicos para trabalhar na fiscalização da propaganda ilegal é difícil nesse período. ‘Há um descompasso entre a legislação e a prática. A lei diz que a requisição de pessoal para os TREs é feita seis meses antes da eleição’, observa Pereira. Na fase de pré-campanha, os candidatos também estão livres de prestar contas à Justiça Eleitoral.


Não têm de explicar o quanto foi gasto nem a origem dos recursos que compraram os brindes, alugaram os carros de som e pintaram as faixas de divulgação de seus nomes.


PERGUNTAS & RESPOSTAS


Como fiscalizar pré-campanhas


1. Qual a data para o início da campanha eleitoral?


Dia 6 de julho.


2.Até lá, pré-candidatos podem expor suas plataformas políticas?


Sim. E desde que não peçam votos, estão aptos a fazê-lo na mídia.


3.Um pré-candidato que hoje é deputado, por exemplo, pode divulgar seus atos parlamentares?


Sim, desde que não mencione a possível candidatura.


4.Um pré-candidato só pode ser processado se efetivamente pedir votos?


Não. Segundo instrução do Tribunal Superior Eleitoral, basta que haja evidência de dolo.’


 


 


PUBLICIDADE


Marili Ribeiro


Santander une ‘Estado’ e ‘Folha’


‘A ideia de unir diferenças em prol de algo em comum permeia todo o conceito da campanha que anuncia a definitiva integração do Santander ao Banco Real. A frase escolhida para assinar as peças publicitárias explicita esse convite: ‘Vamos fazer juntos?’


E, para mostrar que a convivência inteligente sempre é possível, o banco resolveu reunir os dois maiores jornais de São Paulo em uma ação inédita. Sob o patrocínio do Santander, os assinantes do Estado estão recebendo hoje um exemplar da Folha de S. Paulo, e vice-versa.


A campanha da agência Talent quer difundir o novo jeito de ser e fazer negócios no banco e, por isso, convenceu os concorrentes a se juntarem na iniciativa. ‘Esse projeto foi de produção complexa, mas bastante simples no acerto com os dois veículos, pois, acredito, eles entenderam claramente o conceito e perceberam que não era somente uma ação publicitária, mas uma proposta que levaria as pessoas a terem mais informações e novos pontos de vista’, diz o diretor-geral de mídia da Talent, Paulo Stephan.


Um mesmo pacote traz os dois jornais, onde um anúncio propõe: ‘Tome decisões levando em conta mais pontos de vista. Vamos fazer juntos?’ A diretora Comercial do Estado, Isabel Borba, avalia que se trata de uma ação ousada, ‘ao gerar impacto e, ao mesmo tempo, quebrar um paradigma, mostrando que trabalhar juntos, unindo duas empresas concorrentes, valoriza e dignifica a indústria que representamos’.


Toda a linha da campanha costura a atitude que uma nova cultura colaborativa, no sentido de defender a importância de trabalhar em conjunto com todos os públicos, pode ter espaço no mundo dos negócios.


Outros ‘rivais’ vão se unir nessa campanha. Os âncoras das rádios Bandeirantes AM, BandNews, Eldorado e Jovem Pan AM vão gravar, juntos, uma conversa sobre tema ainda não definido. O resultado desse encontro será transmitido simultaneamente pelas quatro emissoras.


A maior ambição da campanha é evitar um choque ante as diferenças das duas instituições, que sempre tiveram atitudes diversas. O vice-presidente de Gestão, Marketing e Comunicação do Santander, Fernando Martins, diz que a mensagem principal é mostrar os benefícios que a união dos bancos traz.’


 


 


INTERNET


Google dá mais sinais de que sairá da China


‘O Google afirmou ontem que mantém as conversas com o governo chinês sobre a censura de seu serviço de buscas no país, apesar dos sinais crescentes de que a empresa possa fechar suas operações na China em breve. O maior mecanismo mundial de buscas está em um impasse há dois meses com Pequim sobre as restrições à internet no país. O Google alega que ele e outras empresas foram atacados por hackers na China.


O presidente executivo da empresa, Eric Schmidt, disse na semana passada que espera anunciar em breve um resultado das negociações com os representantes chineses sobre a oferta de um mecanismo de busca sem censura para um país com 384 milhões de usuários de internet.


Muitos especialistas têm duvidado deque o Partido Comunista Chinês se comprometerá em acabar com a censura e, no fim de semana, o Financial Times afirmou que as conversas chegaram a um impasse crítico, e que é ‘99,9%’ certo que feche seu site no país, o Google.cn.


Autocensura. Um representante do Google disse ontem que as conversas com as autoridades chinesas não terminaram, mas acrescentou que a empresa está irredutível sobre não aceitar a autocensura. ‘Deixamos bem claro que não iremos mais autocensurar nossos resultados de busca’, disse o representante do Google à Reuters, sob condição de anonimato por causa da política da empresa.


A China obriga os operadores de internet a bloquearem palavras e imagens que o partido considere inaceitável. ‘Sempre mantivemos nossa previsão de que, uma vez que o Google anunciou que não aceitaria censura, é quase impossível imaginar um cenário em que o Google não haja como disse ou que o governo aceite a sua posição’, disse Mark Natkin, diretor-gerente da Marbridge Consulting, consultoria especializada nos setor de tecnologia chinês.’


 


 


 


************

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem