Terça-feira, 15 de Outubro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1059
Menu

ENTRE ASPAS >

Lula defende internet livre nas eleições

Por Leticia Nunes (seleção de textos) em 15/09/2009 na edição 555


Leia abaixo a seleção de terça-feira para a seção Entre Aspas. 
 


************


Folha de S. Paulo


Terça-feira, 15 de setembro de 2009 


 


REFORMA ELEITORAL


Simone Iglesias e Fábio Zanini


Lula defende internet livre nas eleições


‘O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu ontem o uso ‘livre’ da internet nas campanhas eleitorais, assunto que está sendo debatido na reforma eleitoral, prevista para ser votada hoje no Senado. A tendência é de aprovação de emenda que libera a cobertura pela rede mundial dos computadores.


Outra mudança provável é a de realização de eleição direta para preencher os cargos de governadores e prefeitos que ficarem vagos por cassação dos titulares pela Justiça. Atualmente, o segundo colocado assume, se a eleição foi em segundo turno. Se foi em primeiro, há nova eleição, direta (menos de dois anos de governo) ou indireta.


A rádios de Roraima Lula disse que durante anos os políticos lutaram pela liberdade de expressão e que, agora, não podem trancar inovações tecnológicas. Por isso, afirmou, seria ‘loucura’ proibir o uso da web.


‘Eu acho que a eleição não pode ser uma coisa que cause tanto medo a algumas pessoas que querem proibir. Vivemos a vida inteira com liberdade política, liberdade de organização partidária, de expressão, de comunicação, e agora, você começa a trancar isso? Fui muito vítima disso e acho que tem que ser livre mesmo’, disse.


Lula afirmou que os internautas devem ter o direito de ter acesso a dados sobre candidatos. ‘É importante que as pessoas saibam quem é o candidato, que a vida das pessoas seja futucada na internet porque tem coisas boas e ruins.’


E ressaltou a necessidade de discutir a regulamentação do uso da internet, especialmente no caso de pedofilia. ‘A internet é uma coisa que fugiu ao controle do criador. O que é importante é que a gente tenha o seguinte cuidado: a gente precisa normatizar sem proibir a liberdade de internet’, disse.


O Senado aprovou na semana passada o texto principal da reforma eleitoral, mas deixou para votar em separado pontos mais polêmicos, como emenda do senador Aloizio Mercadante (PT-SP) que retira restrições às informações na internet na eleição. Nos últimos dias, cresceu a chance de a emenda ser aprovada. PT, DEM, PTB e PMDB devem votar em bloco pela liberação total.


O parecer dos relatores, Eduardo Azeredo (PSDB-MG) e Marco Maciel (DEM-PE), é mais restritivo. Libera blogs e sites de relacionamento para defenderem um determinado candidato ou partido, mas impede que sites jornalísticos ou portais deem tratamento privilegiado a qualquer concorrente, a menos que haja razão jornalística para isso. O problema, dizem os críticos, é definir o que é tratamento privilegiado.


Também haverá polêmica sobre a criação de uma ‘cláusula de barreira’ para ida a debates. A proposta acatada pelos relatores é que só candidatos de partidos com ao menos dez congressistas sejam obrigatoriamente convidados.’


 


 


BLOG DO PLANALTO


Folha de S. Paulo


Lula enaltece críticas em site sem comentários


‘Em vídeo postado ontem no Blog do Planalto, Lula ressaltou a importância da participação de internautas e pediu que eles continuem interagindo. Mas o blog, lançado há duas semanas, não permite comentários nos posts. ‘Espero que um dia o Planalto tenha um blog que não tenha defeito’, disse.’


 


 


TRIBUNAL


Ranier Bragon


Dono de castelo move 44 processos contra órgãos de imprensa


‘O deputado Edmar Moreira (PR-MG) move na Justiça de Minas Gerais 44 processos em que cobra de vários órgãos de imprensa, locais e nacionais, indenização por danos morais.


Além de jornais regionais e segmentados, como o ‘Estado de Minas’, ‘O Tempo’ e a ‘Folha Universal’, o deputado aciona jornais e revistas de circulação nacional, como a Folha, ‘O Estado de S. Paulo’, ‘O Globo’, ‘Veja’ e ‘IstoÉ’, TVs -’Band’, ‘SBT’ e ‘Record’-, o site UOL (ligado ao Grupo Folha), jornalistas e apresentadores, entre eles José Luiz Datena, Jô Soares, Marcelo Tas e Hebe Camargo.


Edmar foi corregedor da Câmara por sete dias. Ao tomar posse, em fevereiro, defendeu que a Justiça, e não mais o Conselho de Ética da Casa, passasse a julgar os deputados acusados de quebra de decoro. Ele renunciou ao posto uma semana depois e pediu desfiliação do DEM devido à repercussão da notícia de que havia colocado à venda um castelo no interior de Minas Gerais, com torres de até oito andares e 36 suítes.


Réu no STF (Supremo Tribunal Federal) sob a acusação de ter se apropriado de contribuição previdenciária de funcionários, além de ser investigado, também no STF, por suspeita de crime contra a ordem tributária (inquérito que corre em segredo de Justiça), teve processo arquivado pelo Conselho de Ética da Câmara em julho. A suspeita era de uso de verba pública para pagamento de sua empresa de segurança por serviços não prestados.


Edmar afirma que já pagou o que devia ao INSS e diz que construiu o castelo com renda de suas empresas de segurança, tendo o repassado a dois filhos.


Dos 44 processos movidos pelo deputado, 2 já tiveram decisão: um, contra o jornal ‘Folha Universal’, foi julgado procedente, e o veículo foi condenado a pagar R$ 30 mil de indenização, mais a publicação da sentença em espaço proporcional à notícia veiculada. Outro, contra ‘O Tempo’, não foi aceito e Edmar foi condenado a pagar R$ 1.000 pelos honorários e custos do processo. Em ambos os casos, cabe recurso.


Os 44 processos correm em diversas varas cíveis. A consulta pela internet não dá acesso à íntegra. Mas a Folha apurou que a reclamação básica de Edmar é que a imprensa informava sobre o castelo e levantava suspeita de que ele o havia omitido das declarações de renda.


A Folha tentou falar com o deputado na sexta-feira e ontem. Seu gabinete informou que nem ele nem os advogados dariam entrevistas.


A maioria dos processos é contra os jornais mineiros ‘Estado de Minas’ e ‘O Tempo’. No caso da Folha, os processos são contra o jornal, o site UOL e os jornalistas Fernando Rodrigues e Josias de Souza.’


 


 


ARGENTINA


Silvana Arantes


Cristina recua de abrir TV a cabo a telefônicas


‘O governo argentino recuou ontem de um ponto-chave de seu polêmico projeto de Lei de Serviços Audiovisuais, em discussão no Congresso.


A presidente Cristina Kirchner anunciou em entrevista coletiva que eliminará do texto a autorização às companhias telefônicas para entrar no negócio de TV a cabo e oferecer o ‘triple play’ (telefone, internet e cabo), um mercado de estimados US$ 6 bilhões ao ano.


Cristina disse que essa volta atrás irá ‘dissipar as dúvidas sinceras que legisladores possam ter tido e eliminar as desculpas que outros utilizavam [para se opor ao projeto]’.


A entrada das companhias telefônicas no negócio audiovisual feria os interesses do Grupo Clarín, o maior conglomerado de mídia argentino, que hoje é líder absoluto no mercado da TV a cabo, com cerca de 50% dos assinantes no país.


Na quinta passada, uma blitz da Receita Federal na sede do diário ‘Clarín’ e em residências de diretores do grupo foi vista como uma tentativa do governo de intimidar um jornal opositor e enfraqueceu sua base de apoio ao projeto. O governo Cristina negou responsabilidade na blitz e disse que ela foi uma operação montada por ‘terceiros’ para fragilizar a posição da Casa Rosada na discussão da lei de mídia.


‘A objeção fundamental que escutei é que estaríamos substituindo um monopólio [do Grupo Clarín] por outro, com a inclusão das telefônicas na nova lei de mídia’, disse ontem a presidente.


‘Creio que tivemos um formidável avanço, porque admitimos que evidentemente há um monopólio na Argentina e que então não se pode substituí-lo por outro’, arrematou.


O ‘Clarín’ contestou em sua edição de anteontem a avaliação do governo de que detém um monopólio. O jornal apresentou porcentagens comparativas de propriedade de veículos impressos, rádios e TVs e suas respectivas parcelas de audiência e afirmou que o grupo ‘é líder num mercado plural e competitivo’.


Suspeitas


As ressalvas sobre o papel que teriam as companhias telefônicas no mercado audiovisual argentino com a eventual aprovação da nova lei iam além de uma eventual conformação monopolista.


O casal Kirchner estaria agindo para favorecer um empresário amigo em futuros contratos, segundo versão de diversos jornais argentinos, sobretudo o ‘La Nación’, que há meses investiga o assunto.


O fio condutor da manobra seria a decisão tomada no mês passado pela Comissão Nacional de Defesa da Concorrência de obrigar a Telecom Itália a retirar seus investimentos feitos na Telecom Argentina, porque eles configuram monopólio.


Por trás dessa decisão haveria um acerto dos Kirchner para a compra da parcela da Telecom Itália por um empresário aliado do governo. O Grupo Clarín, que também teria interesse em adquirir o negócio, editou no mês passado reportagens em seu diário acusando o empresário de ser o mandante de um assassinato há 15 anos.


Cristina afirmou que a inclusão das companhias telefônicas no projeto ‘tem a ver com os princípios contidos na lei de distinção entre conteúdo, transmissão e distribuição e com o aspecto da convergência tecnológica, que é inexorável’.


A presidente afirmou que, além de esclarecer as razões da inclusão das telefônicas, queria deixar claro que seu propósito com o projeto ‘é essencialmente dotar a sociedade argentina de um instrumento legal que possa permitir que se escutem as vozes de todos e se desmonopolize esse setor’.


O governo tem pressa em votar o projeto de lei de mídia antes de dezembro, quando assumem os parlamentares eleitos em junho, e o Congresso passa a ter maioria opositora.


Estão em curso negociações para votar nesta semana ou na próxima a ratificação do projeto na Câmara dos Deputados.’


 


 


TODA MÍDIA


Nelson de Sá


Discurso afinado?


‘Na Folha Online, ‘Serra e Aécio demonstram união e desconversam sobre chapa pura’. No site de ‘O Estado de S. Paulo’, com a imagem ao lado, ‘afinam discurso e criticam Lula’. Mais precisamente, atacam a ‘volúpia arrecadatória’ ou a ‘volúpia centralizadora’, em ‘referência ao apetite da União na arrecadação de impostos’. FHC ‘fez coro aos dois’.


Por outro lado, o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário, que defende a ‘redução da carga tributária empresarial’ e sempre questionou Lula, divulgou estudo com números diversos, desta vez. Com maior destaque nos dois sites, manchete inclusive, ‘Carga tributária cai e fica em 36% do PIB’.


E diz o presidente do IBPT que ‘houve crescimento nominal da arrecadação porque só a União promoveu medidas de desoneração. Os Estados nada fizeram para auxiliar a sociedade no combate à crise’.


EM ALTA


No alto das buscas de Brasil o dia todo, com Bloomberg, ‘PIB vai crescer este ano e saltar 5% em 2010, diz Credit Suisse’. Antes, o banco previa contração. No segundo destaque das buscas, o mercado ‘aposta que crescimento não vai estimular inflação’.


EM ALTA DE 100%


Nas manchetes de UOL, Valor Online etc. no fim do dia, ‘Bolsa fecha em alta e já sobe mais de 100% em menos de um ano’. No site do ‘Wall Street Journal’, o avanço da Bovespa e do real era creditado ao aumento no ‘fluxo de fundos estrangeiros’.


DOS EMPREGOS À POUPANÇA


Lula falou às rádios de Roraima e foi parar nas manchetes da Folha Online ao Terra no final da tarde, ‘Brasil gerou 150 mil novos empregos em agosto’.


Mas veio o ‘Jornal Nacional’ e encerrou as boas notícias todas, com a manchete ‘Investidores aumentam os depósitos nas cadernetas de poupança e o governo propõe taxar as aplicações acima de R$ 50 mil’.


DEU NA ‘FOLHA DE BOA VISTA’


Segundo o Blog do Planalto, Lula deu 187 entrevistas em 2009, até sexta, contra o total de 182 em 2008.


E ontem ele falou com exclusividade à ‘Folha de Boa Vista’, que o questionou sobre a Venezuela no Mercosul. Ecoou mundo afora, por agências, a resposta de que o Senado vai aprovar a entrada de Hugo Chávez.


FORA DA ONU


Em destaque nos sites brasileiros e pelas agências, ‘Brasil pressiona e embaixador de Honduras é expulso de sessão da ONU’. Na Reuters, ‘Enviado de Honduras diz ter sido expulso de órgão da ONU’, sob acusação de representar um governo ‘ilegal’.


E DA EUROPA


Na manchete global do ‘El País’, ‘Espanha proíbe a entrada no país de representantes do governo ‘de facto’ hondurenho’. Acrescenta depois que ‘a União Europeia aprovará [hoje] uma declaração em defesa da ordem constitucional em Honduras’.


‘CLARÍN’ DERRUBA TELES


No alto da home do argentino ‘Clarín’, ‘Cristina volta atrás na permissão para telefônicas na TV a cabo’, no projeto de Lei dos Meios de Comunicação. Era a principal medida de ‘desconcentração’ do setor no país, que tem no ‘Clarín’ seu ‘principal grupo de mídia’.


GOOGLE DOMINA BRASIL


Ontem em enunciado do ‘New York Times’, ‘Onde o Google é realmente grande: Índia e Brasil’, apresentados como ‘dois dos mercados de maior crescimento’ mundial. E no ‘press release’ da empresa de medição ComScore, postado por Yahoo e Reuters, ‘Google domina a paisagem de internet na Índia e no Brasil’.


Segundo o levantamento, nos dois países, para cada hora que os internautas gastam on-line, 18 minutos são voltados a sites do Google. Entre eles, o Orkut, a principal rede social em ambos -e apenas neles.


‘Mas o Orkut é só parte da história’, sublinha o ‘NYT’. O Google responde, por exemplo, por 90% das buscas no Brasil, 88% na Índia. YouTube, Google Maps, Blogger e Gmail são dominantes, em suas faixas.


SEM CONFIANÇA


Ontem o ‘NYT’ e o ‘Washington Post’, entre outros jornais, noticiaram que nos EUA a ‘confiança na mídia noticiosa caiu para novo recorde de baixa’. A pesquisa Pew mostrou que, para 74%, as organizações jornalísticas favorecem um lado ou outro na cobertura política.


DESNECESSÁRIA


Para o colunista de mídia do ‘WP’, Howard Kurtz, o episódio em que um âncora da Fox News, o popularesco Glenn Beck, abriu campanha e derrubou um assessor de Obama mostra que a ‘mídia estabelecida’ não é mais necessária como ‘intermediária’ nas intervenções políticas.’


 


 


EQUADOR


Quito quer órgão ‘zelador’ para imprensa


‘A ala governista do Equador apresentou ontem à imprensa o projeto de uma nova lei de comunicação que pretende regular meios privados e públicos criando um ‘Conselho de Comunicação e Informação’ autônomo.


O projeto, proposto pelo parlamentar e jornalista Rolando Panchana, próximo ao presidente Rafael Correa, seria apresentado ontem diretamente à Assembleia Nacional, mas o governo voltou atrás e abriu o texto para sugestões da sociedade.


Pelo atual projeto, o funcionamento de emissoras de rádio, TV e veículos impressos ‘estarão sujeitos a um registro de operação’ no Conselho de Comunicação e Informação, a ser criado. A licença teria validade de um ano.


Entre outras funções, o órgão seria um ‘zelador’ dos direitos da comunicação, destinado a ‘garantir a satisfação das demandas sociais e o funcionamento dos meios públicos, privados e comunitários’.


O presidente Correa, que mantém tensas relações com a mídia equatoriana, disse à imprensa local, no sábado, que não conhecia o projeto de lei, mas que ‘será exigida responsabilidade pelo que se diz na imprensa’.


Na posse de seu segundo mandato, há um mês, ele dissera que a mídia é sua principal adversária e pregara maior controle sobre a liberdade de imprensa.’


 


 


IRAQUE


Associated Press


Jornalista que atirou sapato em Bush deve ser solto hoje


‘Esperada para ontem, a soltura de Muntader al Zaidi, jornalista iraquiano que atirou seus dois sapatos contra o ex-presidente americano George W. Bush no ano passado, foi adiada para hoje.


Familiares do repórter tinham passado mais de cinco horas ontem na porta da base do Exército iraquiano em que ele está detido por agressão, quando um de seus irmãos recebeu um telefonema de Zaidi com a notícia que a papelada com a ordem de libertação não ficaria pronta. Seu irmão Uday então ameaçou armar uma tenda e ficar acampado na porta da base até a soltura.


Após seu ato de protesto, quando também chamou Bush de ‘cachorro’ em dezembro passado, Zeidi, que passou seu 30º aniversário preso, foi de um pouco conhecido repórter de TV à condição de herói do mundo islâmico -recebeu de propostas de emprego a ofertas de casamento.


A investida contra o ex-presidente dos EUA tem simbolismo forte na cultura islâmica, que considera tanto a sola dos sapatos quanto o cachorro impuros.’


 


 


TELEVISÃO


Daniel Castro


SBT vai a Brasília reclamar de invasão evangélica na TV


‘Diretor de rede do SBT, Guilherme Stoliar foi ontem a Brasília para reclamar ao ministro Hélio Costa, das Comunicações, do avanço das igrejas, principalmente as evangélicas, sobre a programação das TVs.


Stoliar levou ao ministro um levantamento de todas as emissoras compradas ou arrendadas (parcial ou totalmente) por igrejas recentemente. Nos últimos anos, o SBT perdeu afiliadas para a Record, controlada pela Igreja Universal. Neste ano, ficou sem sinal em Cuiabá (MT) porque sua afiliada migrou para a Band após esta ter a sua parceira local arrendada para a mesma igreja que ocupa quase toda a grade da Rede 21 (do grupo Bandeirantes).


O executivo do SBT quer saber do Ministério das Comunicações se é legal ou ilegal o arrendamento de programações, parcial ou totalmente, por igrejas. Há um mês, em almoço com jornalistas, Stoliar afirmou que ‘vender horário na TV, seja para igreja ou para programa de vendas, é contra a lei’, conforme registrou a coluna ‘Ooops’, do UOL.


Stoliar se baseou no decreto 52.795/1963, que disciplina as operações de rádio e TV. O decreto afirma que as programações têm de ter ‘finalidade educativa e cultural’ e que as emissoras não podem vender mais de 25% de seus espaços. Na Record, por exemplo, só a Igreja Universal, em cinco horas diárias, ocupa 21% do espaço.


O Ministério das Comunicações e a Band não comentaram o assunto. A Record afirmou não ter ‘nada a dizer’. A Rede TV!, que também vende horários, disse que não existe ‘impedimento legal’.


ASSÉDIO 1


Amaury Jr. tem recebido ligações frequentes de Alexandre Raposo e Walter Zagari, respectivamente presidente e vice-presidente da Record. A emissora quer o apresentador da Rede TV! ancorando um programa vespertino.


ASSÉDIO 2


O contrato de Amaury Jr. com a Rede TV! vence em novembro. Ele tem reclamado que seu programa entra no ar muito tarde, mas teme a competição vespertina na Record.


SEXO É VIDA


A Globo não vai esperar 2010 para dar um ‘up’ em ‘Amor e Sexo’, que vem marcando 18 pontos. Deverá esticar a atual temporada, que teria cinco episódios, em mais três sextas.


PADRÃO Q


Exibido mais de quatro horas após o término do Grande Prêmio de Monza, na Itália, o ‘Globo Notícia’ de anteontem noticiou a vitória de Rubens Barrichello com imagens do GP de Valência, na Espanha, disputado três semanas antes.


PRAGA DE PASTOR


Márcio Garcia, que no começo de ‘Caminho das Índias’ era protagonista, terminou a novela sem direito a uma única fala no último capítulo, como se fosse um figurante de luxo.


MAGREZA


Em reunião com diretores de núcleo, Manoel Martins, diretor-geral de Entretenimento da Globo, disse que só tem vagas para dois ou três novos especiais de fim de ano.’


 


 


PUBLICIDADE


Mônica Bergamo


Tique-taque


‘O Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária) mandou a Colgate mudar a embalagem do creme dental Colgate Total 12 e tirar de circulação os anúncios em TV, internet e folhetos. A Procter & Gamble, fabricante da Oral-B, questionou o slogan de que o concorrente ‘previne contra 12 problemas bucais e protege por 12 horas’. Apresentou estudos afirmando que o efeito, para algumas dessas doenças, não dura o tempo alardeado.


DETALHES


A Colgate diz que as alterações são ‘uma adaptação para melhor entendimento do consumidor’ e que a eficácia de seu produto é ‘comprovada por 65 estudos publicados’.’


 


 


FOTOGRAFIA


Mario Gioia


Mostra extensa sintetiza produção de Cartier-Bresson


‘São Paulo recebe amanhã a mais abrangente exposição de Henri Cartier-Bresson (1908-2004), talvez o principal nome da fotografia no século 20, cuja obra se celebrizou pelo conceito do ‘momento decisivo’.


Com 133 imagens, feitas entre 1926 e 1974 e que sintetizam a produção do fotógrafo francês, o Sesc Pinheiros também organiza dois debates, na sexta e no sábado, que devem questionar o ‘momento decisivo’ como eixo da obra bressoniana.


‘Nos EUA, em 1952, um livro sobre a sua obra teve como título ‘O Momento Decisivo’, e essa ideia se cristalizou quando se fala de Bresson, nem sempre de modo exato’, afirma Eder Chiodetto, 44, organizador da mostra e da exposição paralela ‘Bressonianas’, que reúne trabalhos de sete brasileiros, como Cristiano Mascaro.


‘Em correspondência com editores, Bresson fala de uma imagem furtiva dentro da sua obra. Isso se aproxima mais da leitura da exposição, que vai ao encontro de um olhar humanista e da busca de uma poética cotidiana’, afirma Chiodetto.


A montagem de ‘Henri Cartier-Bresson – Fotógrafo’ traz imagens anteriores à criação da agência Magnum por Bresson e outros quatro fotógrafos, em 1947, registros nos quais o estilo do francês já aparece.


Também são exibidas imagens de Bresson durante diversos conflitos, em especial a Segunda Guerra Mundial -ele serviu no Exército francês, foi prisioneiro e lutou na Resistência. Há também um segmento para os retratos.


Contra a modernização


Para a francesa Emmanuelle Denavit-Feller, 33, diretora do departamento cultural da Magnum, são poucos os herdeiros, de fato, do olhar bressoniano.


Ela cita o italiano Ferdinando Scianna e o francês Guy Le Querrec, ambos da agência, como renovadores da obra de Cartier-Bresson.


‘Muitos se dizem continuadores da tradição dele, mas a maioria apenas banaliza o que é entendido como momento decisivo’, avalia ela.


Cartier-Bresson, em 1994, votou contra a entrada do britânico Martin Parr, que sinalizaria a modernização da famosa agência. Foi voto vencido e, depois, se dedicou mais aos desenhos e pinturas. ‘Hoje a agência tem uma grande pluralidade, privilegiando uma política de autoria’, diz a francesa.


HENRI CARTIER-BRESSON – FOTÓGRAFO


Quando: abertura amanhã, às 20h (convidados); de ter. a sex., das 10h30 às 21h30, e sáb., dom. e feriados, das 10h30 às 19h30; até 20/12


Onde: Sesc Pinheiros (r. Paes Leme, 195, SP, tel. 0/xx/11/3095-9400);


classificação: livre


Quanto: entrada franca


Debates: sex., 18/9, às 20h, com Jean-Luc Monterosso e Helouise Costa; sáb., 19/9, às 18h, com Gabriel Bauret e Maurício Lissovsky’


 


 


Livro reúne 155 imagens do fotógrafo


‘A editora Cosac Naify, em parceria com o Sesc, lança amanhã, junto da abertura da exposição, livro sobre a obra do fotógrafo francês.


‘Henri Cartier-Bresson – Fotógrafo’ (R$ 170; 344 págs.) tem textos do poeta francês Yves Bonnefoy e de Augusto Massi, professor da USP e diretor editorial da Cosac.


As 155 imagens da publicação foram selecionadas pelo próprio Cartier-Bresson. Há desde os retratos famosos, como o de Matisse, Giacometti e Faulkner, até registros prosaicos. Fotografias de viagem ao redor do mundo também estão presentes.’


 


 


CINEMA


Morre Patrick Swayze, astro de ‘Ghost’ e ‘Dirty Dancing’


‘Morreu ontem em Los Angeles (EUA) o ator americano Patrick Swayze, galã dos filmes ‘Dirty Dancing’ (1987) e ‘Ghost’ (1990). Ele tinha 57 anos e lutava contra um câncer no pâncreas.


‘Patrick Swayze morreu em paz com a família ao lado após enfrentar os desafios de sua doença pelos últimos 20 meses’, disse a porta-voz Annet Wolf em comunicado publicado ontem à noite.


O diagnóstico da doença foi anunciado em março de 2008. Os médicos afirmaram, à época, que o ator teria menos de dois anos de vida.


Mesmo após o anúncio, ele continuou trabalhando e estrelou a série ‘The Beast’, do A&E, em que interpretava um investigador do FBI. Com audiência de 1,3 milhão de telespectadores nos EUA, o canal decidiu não renovar o contrato do ator.


Em entrevista ao canal ABC em janeiro deste ano, Swayze disse: ‘Viver mais cinco anos já estaria de bom tamanho. Já superei as expectativas. Ninguém achava que eu sobreviveria a 13 episódios de uma série’. O ator era casado desde 1975 com a atriz e dançarina Lisa Niemi.’


 


 


 


 


************


O Estado de S. Paulo


Terça-feira, 15 de setembro de 2009 


 


REFORMA ELEITORAL


Liege Albuquerque


Lula defende uso livre da internet em período eleitoral


‘O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu ontem o uso livre da internet em campanhas eleitorais. ‘Seria impossível imaginar que você vai controlar a internet. O que é importante é seguir um critério, não permitir determinadas coisas na internet. Eu assisti à CPI da Pedofilia e o que precisa, ao invés de proibir, é responsabilizar quem usa a internet’, afirmou o presidente, em entrevista de uma hora às rádios locais de Boa Vista.


O presidente se referiu ao debate no Senado sobre eventuais restrições a blogs e portais de internet durante o período eleitoral. Mas a proposta perdeu força nos últimos dias e não deve ser aprovada.


Para Lula, é necessário manter a liberdade de expressão e comunicação. ‘Já fui muito vítima disso, então vamos dar aos internautas o direito de descobrir mais coisas’, disse o presidente.


O Senado votará hoje um projeto de minirreforma eleitoral que deverá acabar com qualquer restrição ao uso da internet em campanhas eleitorais, liberando sites de notícias, blogs, redes de relacionamento (como o Orkut) e de mensagens instantâneas (como o Twitter) para fazer propaganda e dar opinião sobre candidatos. O projeto de reforma vai ainda definir a realização de eleição direta a qualquer momento para as vagas de governadores e prefeitos que tiverem o mandato cassado por crime eleitoral.


‘Apesar da boa intenção ao liberar totalmente o uso da internet, o tiro pode acabar saindo pela culatra’, alertou ontem o senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), um dos relatores da reforma eleitoral. ‘Como a internet vai ficar sem regra nenhuma, pode ser que a Justiça Eleitoral resolva fazer uma resolução para legislar sobre o assunto.’ Azeredo lembrou que, nas eleições de 2008, coube aos tribunais regionais eleitorais decidir sobre as regras na internet em cada Estado.


PRAZOS


A fim de valer para as eleições do ano que vem, a minirreforma eleitoral precisa estar aprovada e publicada até o dia 3 de outubro.. Ocorre que o projeto precisa passar por uma nova votação dos deputados, uma vez que os senadores mudaram a proposta que veio da Câmara.


Um dos pontos polêmicos do texto é o que estabelece a realização de eleições diretas para a vaga de governadores cassados. Na semana passada, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), boicotou a aprovação da reforma para tentar tirar do texto emenda do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) que previa eleição direta para substituir políticos cassados nos dois primeiros anos de governo. Sarney temia que qualquer mudança na legislação acabasse afetando Roseana Sarney (PMDB), sua filha, que em abril assumiu o governo do Maranhão no lugar do governador cassado Jackson Lago (PDT). Assessores jurídicos do Senado disseram a Sarney que a Constituição não admite eleições diretas para substituir cassados.


Colaborou Eugenia Lopes’


 


 


ARGENTINA


Ariel Palacios


Cristina cede para aprovar lei de radiodifusão


‘A presidente argentina, Cristina Kirchner, promoveu ontem uma manobra estratégica ao anunciar que removerá da polêmica lei de radiodifusão a possibilidade de as empresas telefônicas participarem do novo mapa das empresas de mídia na Argentina e controlarem TVs a cabo.


A presença das telefônicas provocava a rejeição dos parlamentares de esquerda e de centro-esquerda, grupo crucial para aprovar a nova lei, já que o governo está com um número apertado de deputados para conseguir sua aprovação.


‘Desta forma, eliminamos qualquer dúvida que alguns setores tinham’, afirmou Cristina durante uma breve entrevista coletiva. Os aliados do governo pretendem debater e votar ainda nesta semana o projeto na Câmara de Deputados.


A lei que Cristina e seu marido, o ex-presidente Néstor Kirchner, querem fazer aprovar reduz o número de licença dos atuais grupos de mídia – aos quais também impõe limites geográficos -, aplica um férreo controle do Poder Executivo sobre as concessões de licença e favorece a presença de sindicatos e organizações sociais (tradicionalmente aliados dos Kirchners) na mídia.


A oposição argumenta que a nova lei restringe a liberdade de imprensa, enquanto a presidente sustenta que elimina monopólios do setor, principalmente do Grupo Clarín – detentor de emissoras de TV aberta e a cabo e de rádios, além de jornais diários de circulação nacional especializados em economia e esportes -, com o qual o governo está em pé de guerra há um ano.


A oposição pretende adiar a votação para dezembro, quando toma posse o novo Parlamento, no qual o governo será minoria.


SERVIÇO SECRETO


Na quinta-feira, entre 180 e 200 inspetores da Receita Federal argentina apareceram inesperadamente em várias empresas do Grupo Clarín para uma operação de fiscalização sem precedentes. No dia seguinte, o governo afirmou que não havia ordenado a blitz.


No entanto, segundo o jornal Clarín, a operação, na qual foram apreendidos documentos e computadores, teria sido ordenada por Francisco Larcher, o número 2 da Secretaria de Inteligência (Side), o serviço secreto argentino.


‘Essa operação teve a autorização do (ex-presidente Néstor) Kirchner’, sustentou o jornal Perfil.’


 


 


TECNOLOGIA


Gerusa Marques


Chile anuncia adesão à TV digital nipo-brasileira


‘A construção de um modelo sul-americano de TV digital, com base no sistema nipo-brasileiro, ganhou ontem uma adesão de peso com a opção do governo chileno pelo padrão japonês. O ministro das Comunicações, Hélio Costa, anunciou a adesão do Chile, prevendo que o padrão japonês de televisão digital, com inovações brasileiras, terá os ‘melhores preços do planeta’ para televisores, conversores e equipamentos.


Apesar do otimismo do ministro, a adoção da tecnologia ainda é modesta no País. No mês passado, o Fórum do Sistema Brasileiro de TV Digital (SBTVD) divulgou que haviam sido vendidos cerca de 1,6 milhão de receptores no País. O software de interatividade Ginga, única tecnologia genuinamente brasileira no sistema, deve começar a ser incorporado aos equipamentos somente este mês. Os conversores de TV digital mais baratos custam cerca de R$ 300, o mesmo preço de há um ano atrás.


Segundo Costa, a redução de preços será obtida com a ampliação da escala de produção, já que a adoção de um mesmo sistema por todos os países sul-americanos pode dobrar o mercado atual de televisores, que é de 10 milhões por ano no Brasil. Até o momento, já são quatro países. O Peru tomou sua decisão em abril e a Argentina aderiu no mês passado.


‘Estamos caminhando para um grande sistema sul-americano de TV digital, que vai possibilitar todo intercâmbio comercial, cultural, artístico e técnico entre os países do Cone Sul’, afirmou.


Costa informou que, no próximo mês, a Venezuela também deverá fazer sua opção pelo sistema nipo-brasileiro. Segundo o ministro, os entendimentos estão avançados também com Equador e Cuba, e há conversas com Bolívia e Paraguai. Ele disse que ainda tem esperança de que os governos do Uruguai e da Colômbia voltem atrás na opção que fizeram pelo padrão europeu. ‘Todo mundo que erra tem o direito de voltar atrás’, brincou.


A partir de 1º de janeiro, os televisores de plasma de até 42 polegadas produzidos na Zona Franca de Manaus já sairão da fábrica com o conversor de TV digital embutido. A decisão consta de portaria do Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio, publicada na sexta-feira passada.


No mês passado, uma outra portaria estabeleceu regras para televisores de tela cristal líquido (LCD). Os aparelhos acima de 32 polegadas terão de vir com conversor embutido a partir do próximo ano, alcançando os de 26 polegadas em 2011, e valendo para todos os televisores de LCD em 2012. Em 2008, foram produzidos cerca de 11 milhões de aparelhos, sendo 2,7 milhões com tela de plasma e de LCD. Até maio deste ano, a produção foi de 2,1 milhões de TVs de tubo e 1,2 milhão de plasma e LCD.’


 


 


TELEVISÃO


Keila Jimenez


Globo testa formatos


‘A Globo já definiu dois de seus especiais de fim de ano, que podem ganhar uma vaga fixa na programação em 2010. São eles: um infantil de Péricles Barros e Denise Saraceni sobre uma fábrica de brinquedos muito especial, e uma sitcom de Cláudio Paiva sobre os bastidores caóticos de uma telenovela.


Ainda sem nome, o infantil, da mesma dupla que fez em 2009 o especial O Natal do Menino Imperador, conta a história de uma fábrica de brinquedos que está há muitas gerações sob o comando de uma mesma família. Na véspera de Natal, a fábrica recebe a visita de um menino pobre e muito criativo, que mudará para sempre o destino daquela família.


Já o projeto de Claudio Paiva tem um ar Som & Fúria, da 02 Filmes. A atração, também ainda sem título definido, mostrará os bastidores de uma novela com duas narrativas distintas: a da trama e a do que acontece por trás das câmeras. Brigas, chiliques de atores, dificuldades de produção, resumindo: o mundo televisivo sem nenhum glamour.


Ambos os programas buscam uma chance entre as temporadas curtas ( de três meses) na programação da Globo em 2010.’


 


 


 


 


************

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem