Sexta-feira, 20 de Outubro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº962

ENTRE ASPAS > TERÇA-FEIRA, 08/01

NYT concentrará recursos
na mídia impressa e web

Por Luiz Antonio Magalhães em 10/01/2007 na edição 415


Leia abaixo os textos de segunda-feira selecionados para a seção Entre Aspas.


************


O Estado de S. Paulo


Segunda-feira, 8 de janeiro de 2007


NYT SEM TVs
O Estado de S. Paulo


New York Times vende emissoras


‘O grupo The New York Times Company, dono do The New York Times, fechou a venda de nove emissoras de televisão, por US$ 575 milhões, à Oak Hills Capital Partners. A decisão havia sido anunciada em setembro passado. O objetivo da operação é concentrar os esforços da empresa na área de imprensa escrita e na divisão de internet. O conjunto de emissoras vendido inclui quatro repetidoras da rede CBS.’


TELEVISÃO
Etienne Jacintho


TV Rá-Tim-Bum: 2 anos no ar


‘A TV Rá-Tim-Bum, cria da TV Cultura, comemora dois anos no ar. A rede estreou com promessa de ter uma programação infantil 100% brasileira. E assim foi, porém à custa de produções antigas da Cultura, como O Mundo da Lua.


Esse foi o início. Agora, a TV Rá-Tim-Bum se tornou um canal que movimenta a produção infantil nacional. A emissora veicula atrações feitas por um núcleo interno, além de programas feitos por produtoras independentes e por outras redes educativas. ‘O produtor não se animava porque não tinha espaço de exibição’, fala Mauro Garcia, diretor de Programação da TV Rá-Tim-Bum.


O canal pago ampliou ainda a produção de episódios de Cocoricó – que terá mais 26 histórias e novos personagens -, e inovou com atrações como o Baú de Histórias, que ganhará novo formato, e com as boas peças que exibe em seu Teatro Rá-Tim-Bum. Assembléia dos Bichos e As Velhas Fiandeiras são alguns títulos do programa em 2007. ‘A idéia é aproveitar as peças em cartaz em São Paulo e mostrá-las em todo o Brasil’, conta Garcia. Ele comenta que está estudando uma maneira de comercializar essas atrações em DVD. Aliás, o teatro está representado também em Dango Balango, atração com bonecos do grupo Giramundo.


Em março, a emissora terá mais novidades, como a estréia Que Tipo de Criança Você É?, da produtora Usina Animada, que mesclará animação com depoimentos de crianças. Outro projeto é em parceria com a revista Ciência Hoje e feita pelo núcleo de animação da emissora.


Garcia conta que a TV está desenvolvendo três formatos com o desenhista Daniel Azulay, há tempos longe da telinha: um estúdio de desenhos, uma oficina de brinquedos de sucata e uma animação com os personagens da Turma do Lambe-Lambe.


entre-linhas


Flávia, a Big Brother que entrou no lugar de Yumi (desclassificada por ter omitido que participava do programa Topa ou Não Topa, do Silvio Santos), também já dançou em outro canal.


O próprio Boninho, diretor do BBB, conta que Flávia era dançarina do programa de Márcio Garcia na Record. Mas a moça, ao contrário da outra, não omitiu a informação.


Daniela Oliverti entra em Páginas da Vida como Laís, irmã de Lavínia (Letícia Sabatella).


Hoje tem Bernardinho no Roda Viva. Às 22h40, na TV Cultura.’


***


MTV International tem novo presidente


‘A Viacom nomeou Robert M. Bakish para a presidência da sua unidade MTV Networks International. Segundo Bakish, o foco da MTV será melhorar a programação e elevar a audiência em mercados cruciais, como a Alemanha e a Grã-Bretanha. Richard Greenfield, analista de mídia da Pali Research, disse que os negócios da MTV têm sido particularmente ruins na Inglaterra, em parte por causa do mercado publicitário em queda.’


************


Folha de S. Paulo


Segunda-feira, 8 de janeiro de 2007


TELECOMUNICAÇÕES
Elvira Lobato


Fundo é acusado de favorecer a Telemar


‘O sindicato dos telefônicos de Minas Gerais, em queixa apresentada ao procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, acusou acionistas controladores da Telemar de usarem o fundo de pensão dos empregados, o Atlântico, em benefício próprio.


Em maio de 2004, o fundo comprou 4% da Telemar Participações (holding dos acionistas controladores do grupo Telemar) por R$ 356,68 milhões. Segundo o sindicato, foram pagos R$ 259,5 milhões a mais do que as ações valiam. O volume total da carteira de ações do fundo é de R$ 538 milhões e seu patrimônio, de R$ 2,4 bilhões.


Os acionistas controladores dizem que o preço foi estabelecido por avaliador externo, e que a operação passou pelo crivo da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) e da SPC (Secretaria de Previdência Complementar).


A SPC, que fiscaliza os fundos de pensão, limitou-se a informar que o Atlântico foi autuado, recorreu da autuação, que o recurso ainda não foi julgado e que o processo é sigiloso.


A operação envolveu o fundo de pensão e quatro empresas privadas acionistas da Telemar Participações: La Fonte, Andrade Gutierrez, Lexpart (Opportunity e fundos de investimentos) e Asseca (grupo GP Investimentos). Cada um vendeu 1% da empresa para o fundo.


Segundo cálculos de administradores de investimentos ouvidos pela Folha, se o Atlântico tivesse aplicado os R$ 356,68 milhões em 2004 em CDI teria hoje R$ 506,5 milhões, ao passo que os 4% da Telemar valeriam penas R$ 186,7 milhões.


A Telemar Participações não é negociada em Bolsa e seu único ativo são as ações da TNL (Tele Norte Leste) adquiridas no leilão de privatização da Telebrás, em 1998. Assim, o valor de suas ações é calculado com base na cotação desses papéis.


No mês passado, a ação ordinária da TNL estava em R$ 31,74. Considerando que as ações dos controladores valem 25% mais do que as dos minoritários, chegou-se ao valor atual de R$ 184,85 milhões.


Dois valores


Há mais um indício de que o preço pago em 2004 foi alto. O Atlântico é dono, indireto, de mais 5% do capital da Telemar Participações, que foram adquiridos no leilão da Telebrás, em 1998, em nome da Fiago Participações. Os 5% estão contabilizados por R$ 114,64 milhões no balanço de junho, enquanto os 4% estão por R$ 324,58 milhões.


O fundo comprou as ações dos controladores por operação triangular: primeiro, adquiriu 100% das ações sem direito a voto de outra empresa dos controladores, Alium Participações e, em seguida, as trocou por ações da Telemar.


Só a primeira parte do negócio foi pública. A compra das ações da Alium foi feita em leilão no mercado de balcão da Bovespa, que durou 15 minutos. Segundo o sindicato, a Alium dera prejuízo de R$ 97,36 milhões em 2002 e de R$ 98,76 milhões em 2003, e não valeria o valor desembolsado pelo fundo de pensão.


O negócio chamou a atenção do mercado financeiro, na ocasião. O jornal ‘Valor’ noticiou que o preço justo apontado por analistas seria R$ 153 milhões.


Outro caso polêmico levantado pelo sindicato mineiro foi o investimento no grupo La Fonte, acionista da Telemar. Em março de 2003, ele comprou R$ 170 milhões em ações preferenciais, sem direito a voto, da LF Tel, por intermédio de um fundo exclusivo de investimento chamado Krill.


Trinta e dois meses depois, em novembro de 2005, as ações foram contabilizadas pelo Atlântico por R$ 159,39 milhões, e, em janeiro deste ano, foram trocadas por papéis da La Fonte Participações. Segundo o sindicato, atualizando-se os valores, o negócio teria dado prejuízo de R$ 90,5 milhões ao fundo de pensão.


O Atlântico tem 13% de seu patrimônio em investimento direto na Telemar Participações (fora os 5% que tem, através da Fiago) e 8,6% em ações da La Fonte, quando o limite legal por empresa é de 5%.


É sócio em empresas de outros dois acionistas controladores da Telemar: investiu R$ 60 milhões em AG Concessões, (grupo Andrade Gutierrez), em 2003, e tem R$ 30 milhões investidos no parque temático Hopi Hari, do grupo GP.


O Atlântico tem, ainda, R$ 26,8 milhões em cotas do fundo de investimentos GP Tecnologia, e R$ 2,4 milhões em contas do fundo AG Angra.’


TELEVISÃO
Laura Mattos


Globo leva ao ar homenagem à Band


‘Depois de ter de levar ao ar o desfile de Silvio Santos no Sambódromo do Rio, em 2001, a Globo neste ano foi obrigada a mostrar, em seus intervalos, um samba-enredo em homenagem ao fundador de outra concorrente, a Rede Bandeirantes.


João Jorge Saad e seu grupo de comunicação, que em 2007 completa 70 anos, são o tema da Nenê de Vila Matilde, escola de samba de São Paulo. Nos bastidores da Band, o clima é de euforia com o destaque que conquistou na líder de ibope.


Filho do homenageado, João Carlos Saad, atual presidente do Grupo Bandeirantes, é um crítico ferrenho da Globo, que já chamou de ‘monopolista’.


A vinheta com o samba-enredo da Nenê já está sendo veiculada nos intervalos da Globo, que tem contrato para transmitir o Carnaval do Rio e de SP.


O enredo da escola neste ano leva o seguinte título: ‘A Águia Radiante com um Pioneiro das Comunicações – João Jorge Saad: 70 Anos de Conquistas e Realizações’. A letra do samba-enredo fala em ‘credibilidade na informação’, ‘titulares da notícia’, afirma que a Bandeirantes ‘lutou nas Diretas’, no esporte é ‘grande exemplo, fez nascer um novo tempo’, além de ser ‘pioneira paulistana a transmitir’ o Carnaval. Refere-se a João Saad como ‘uma lição de vida, de fibra e coragem’.


A Nenê, que já ganhou seis títulos em SP, neste ano terá Royce do Cavaco como intérprete e prevê cerca de 3.700 componentes no desfile.’


***


Último Show Do Caçador De Crocodilos Irá Ao Ar


‘O último programa do caçador de crocodilos Steve Irwin, morto em 4 de setembro quando o ferrão de uma arraia atingiu seu peito, irá ao ar nos Estados Unidos no dia 21 de janeiro. O episódio, ‘Ocean’s Deadliest’ (os mais mortais do oceano), não incluirá nenhuma cena da morte nem mesmo do dia em que o acidente aconteceu. A fita original com a cena foi entregue à esposa dele e todas as cópias foram destruídas.’


************

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem