Sábado, 18 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

ENTRE ASPAS > ARMANDO NOGUEIRA (1927-2010)

O jornalismo que faz falta

Por Alberto Dines em 31/03/2010 na edição 583

Armando Nogueira detestava o lugar-comum – a elegância e a poesia dos seus textos esportivos são a melhor prova. O que ele escrevia para o dia seguinte tornou-se literatura definitiva – graças ao jornal impresso onde nada se deleta, tudo fica. Armando participou das mais importantes experiências jornalísticas da segunda metade do século passado: no Diário Carioca, no Jornal do Brasil e até mesmo numa reforma da Tribuna da Imprensa que não chegou a se materializar.


Nas tocantes homenagens prestadas na segunda e terça-feira (29 e 30/3) na mídia brasileira, pouco se falou da sua atividade como pauteiro do Jornal do Brasil no início dos anos 1960. Parecia galã de cinema, pilotava ultraleves, era tenista, gourmet exigente. Tocador de gaita. Mas durante alguns anos era o primeiro a chegar à Redação, o jornal saía da sua alma e da sua Olivetti horas depois.


Anos dourados


Ninguém lembrou que a presença de Armando Nogueira na chefia da Central Globo de Jornalismo significou uma transfusão vital dos rigorosos paradigmas do jornalismo impresso para o mundo da imagem em movimento.


Professor nato mas não teorizador, líder sem bravatas, este acreano de Xapuri foi o mais autêntico representante do jornalismo carioca nos anos dourados.


Este jornalismo está fazendo falta.

Todos os comentários

  1. Comentou em 01/04/2010 Cristiana Castro

    Isso, Ricardo. KD o OI impresso?

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem