Segunda-feira, 03 de Agosto de 2015
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº861

ENTRE ASPAS > SOU ALEXANDRE

Ricardo Bonalume Neto

04/01/2005 na edição 310

‘Sem o som e as legendas, este documentário poderia parecer o treinamento de soldados americanos para combater no Iraque hoje. E é quase isso: trata-se do treinamento de atores para participar de uma batalha da Antigüidade que aconteceu logo ali, em Gaugamela, no norte do Iraque. Mas é parte de ‘Alexandre’.

Assim como agora, essas batalhas também envolveram jovens do Ocidente lutando com seus colegas da mesma idade do Oriente.

Havia tempos em que os atores e os extras não precisavam de muito esforço para participar de um filme. Bastava colocar as roupas antigas, ‘de época’, e pronto.

Mas, em nome da autenticidade, o diretor Oliver Stone criou um campo de treinamento de soldados/atores em Marrocos, para fazê-los lutar como ‘na vida real’ dois milênios atrás. Os atores correm pelo deserto como marines, cantando canções de marcha.

Stone fez o ator principal, Colin Farrell, ser ensinado por especialistas em artes marciais, equitação e tática e estratégia militares. O principal consultor militar é um velho capitão aposentado dos marines, Dale Dye, que tenta fazer do ator um ‘marechal de campo’.

É curioso, no mínimo. É como se Farrell fosse fazer tudo aquilo de verdade: conquistar o Império Persa, incluindo lutar no Afeganistão e na fronteira da Índia.

O documentário se concentra nos aspectos mais físicos do filme. É pena, pois o consultor histórico de Stone, o historiador Robin Lane Fox, é um personagem e tanto. Que fez questão de participar do filme como cavalariano, segundo o jornal ‘The New York Times’.

O treinamento de Farrell para encarnar o mais importante general ocidental da história -mesmo Napoleão, o número dois da lista, o reconhecia como tal- é apenas parte da coisa. Mais interessante é ver como seu magnífico Exército foi recriado. O documentário dá boas pistas. Alexandre tinha uma arma formidável nas mãos, reunindo a falange de infantaria pesada e uma cavalaria ágil e impactante. Isso ajuda a explicar a proeminência do Ocidente ainda hoje. E talvez devesse ajudar a entender os limites dessa influência. Poder militar nem sempre se traduz em poder político.

SOU ALEXANDRE. Quando: dias 2, às 21h, e 3, à 1h, no Discovery Channel.’



UM SÓ CORAÇÃO
Laura Mattos

‘DVD mistura ‘Um Só Coração’ e ‘Vídeo Show’’, copyright Folha de S. Paulo, 1/01/05

São seis discos com 22 horas e 16 minutos de uma produção que agradou críticos e audiência. A caixa de DVDs de ‘Um Só Coração’, contudo, não traz nada inédito nos extras: o que vende como ‘bastidores e depoimentos do elenco’ não passa de um apanhado de reportagens exibidas pelo ‘Vídeo Show’ à época da série.

Recém-lançado, o pacote de R$ 250 é o mais novo título da ‘fábrica de DVDs’ que não pára de gerar lucros para a Globo. O reaproveitamento do ‘Vídeo Show’ segue tendência norte-americana de investir pouco nos extras, utilizando, por exemplo, cenas já gravadas em entrevistas coletivas.

Dentre os 47 minutos do ‘Vídeo Show’, há entrevistas superficiais com os autores, Maria Adelaide Amaral e Alcides Nogueira, feitas num corredor, no lançamento da série. E depoimentos ‘bombásticas’ do elenco, como Erik Marmo afirmando que seu personagem, Martin, ‘é um cara muito interessante’ e Fernanda Paes Leme ‘revelando’ que ‘Elisa [amiga de Yolanda Penteado] é um presente.’ Isso sem falar de momentos constrangedores causados por uma reciclagem mal editada, como quando a repórter pergunta a Ana Paula Arósio qual será o fim de Yolanda. ‘Não posso contar’, responde, fazendo mistério sobre um desfecho que todo mundo já viu na TV e reviu no DVD.

Algumas reportagens reaproveitadas são interessantes, como as que o ator José Rubens Chachá, intérprete de Oswald de Andrade, visita a casa do modernista na rua Augusta; Cássio Scapin, o Santos Dumont, mostra as curiosidades da antiga residência do aviador, e Miriam Freeland vai a Santos para conhecer a cadeia na qual Patricia Galvão, a Pagu, interpretada por ela, ficou presa na década de 30.

O que vale mesmo a pena ver nesse ‘vale a pena ver de novo’ é o encontro de Cássio Gabus Mendes, que fez o papel de Juvenal Penteado (irmão de Yolanda), com um de seus filhos, Alfredinho. Criança na minissérie, ele hoje é um senhor e diz como se sente ao rever a história de sua família. Ao final, dá um beijo emocionado no pai de mentira. Para o telespectador, resta a sensação de que não custava nada (ou pelo menos não custava tanto) a Globo ter investido mais num bom material extra para os DVDs de uma série que merece lugar na estante.’



TV / ANO NOVO
Folha de S. Paulo

‘TV saúda Ano Novo com programas velhos’, copyright Folha de S. Paulo, 30/12/04

‘O ano é novo, mas as atrações televisivas para o Réveillon já são velhas conhecidas do público. Entre a São Silvestre e a queima de fogos, a TV aberta se concentra em musicais, enquanto a paga praticamente ignora a data.

A Band transmite ao vivo, de Salvador, show com Danilo Caymmi, Jorge Aragão, Harmonia do Samba. Amanhã, tem ‘Show do Pôr do Sol’, com Daniela Mercury e convidados como Gabriel, o Pensador e Fernanda Abreu. Já o ‘Show da Virada’, da Globo, gravado no mês passado, traz Wanessa Camargo, Leonardo, Daniel, Bruno e Marrone, KLB, Ivete Sangalo e outros. O SBT saúda 2005 em clima retrô, com edição especial do ‘Programa do Ratinho’ dedicada à jovem guarda, com Golden Boys, Jerry Adriani e Os Incríveis.

A Record faz contagem regressiva com um ‘Show do Tom’ especial, que recebe Banda Eva e Terrasamba; a Gazeta recebe, hoje, Zeca Pagodinho e Fundo de Quintal no ‘Passarela do Samba’. A Rede TV! exibe especial com Ivan Lins amanhã, enquanto a Cultura traz hoje programa com a cantora Fortuna e o Projeto Guri.

TV paga

A virada de ano não causou grandes alterações na programação dos canais pagos. Entre as atrações temáticas, o Multishow exibe hoje ‘Mandou Bem Especial’, com previsões astrológicas para 2005. O Futura dedica o ‘Sala de Notícias’ aos principais assuntos de 2004. Quem não se interessa por fogos de artifício têm no Telecine maratona Indiana Jones, amanhã, e filmes como o brasileiro ‘Lisbela e o Prisioneiro’.’



MEMÓRIA / MYRIAM MUNIZ
Esther Hamburger

‘Myriam Muniz e o desconforto com a TV’, copyright Folha de S. Paulo, 29/12/04

‘No último dia 18 morreu Myriam Muniz, grande figura dos palcos brasileiros. Ao contrário de muitos de seus companheiros do Teatro de Arena, a atriz e diretora fazia parte de um grupo menos conhecido do grande público: o dos que não fizeram, ou fizeram pouca TV.

A carreira de Muniz, atriz e diretora, faz parte da trajetória de profissionais atuantes na esquerda cultural dos anos 60 que hesitaram diante da expansão dos meios eletrônicos.

Quando o governo militar fechou o teatro, a Rede Globo investia na produção de teledramaturgia. Alguns dos jovens atores engajados migraram para a então recém-inaugurada emissora carioca sem necessariamente abdicar de seus ideais.

No Arena, Muniz contracenou e conviveu com atores como Antônio Fagundes, Juca de Oliveira, Gianfrancesco Guarnieri, Paulo José e Dina Sfat.

Outros -por convicção, porque foram para o exílio no exterior (caso do diretor Augusto Boal), porque não se adaptavam à rotina da indústria cultural, ou por uma combinação desses fatores- permaneceram fiéis aos palcos.

O papel mais popular de Muniz foi D. Santa, a mãe de ‘Nino, o Italianinho’ [com Juca de Oliveira], novela que foi ao ar em 1969, na ainda poderosa Tupi.

A popularidade constrangeu a atriz pouco preparada para representar o papel de estrela. Na esteira do sucesso dessa performance, ela interrompeu abruptamente sua participação televisiva.

Suas interpretações em filmes de Ana Carolina ajudaram a trazê-la de volta em papéis pequenos, porém fortes, nas minisséries ‘Dona Flor e Seus Dois Maridos’ e ‘Os Maias’. Em 2004 apareceu na estranha ‘Metamorphoses’ (Record).

Muniz era uma atriz densa. Seu jeito não combinava com o naturalismo que impregna a TV. Seu desconforto na tela pequena era visível. Pior para o público.

Esther Hamburger é antropóloga e professora da ECA-USP’

Todos os comentários

PRIMEIRAS EDIçõES > GUERRA & TERROR

Ricardo Bonalume Neto

Por lgarcia em 31/10/2001 na edição 145

GUERRA & TERROR

"Taleban derrota EUA na guerra da informação", copyright Folha de S. Paulo, 25/10/01

"Os Estados Unidos e o Reino Unido já estão perdendo pelo menos uma guerra no Afeganistão: a de propaganda. Ironicamente isso acontece com militares que acham que ?aprenderam? a lidar com a opinião pública depois do fracasso que foi a intervenção americana no Vietnã, nos anos 60 e 70.

E, mais irônico ainda, estão recebendo lições de ?guerra de informação? ou ?psicológica? de uma milícia que proíbe sua própria população de ver televisão ou mesmo ouvir música. E que ?enforca? aparelhos de TV e fitas cassete em postes e árvores.

Por enquanto as imagens mais impactantes da guerra são de crianças afegãs supostamente atingidas em bombardeios americanos. Os vídeos assépticos e cuidadosamente maquiados divulgados pelos EUA continuam lembrando videogames, e não uma guerra.

Traumatizado pelo que julga ter sido o impacto de imagens de americanos mortos em combate durante o conflito vietnamita, americanos e britânicos procuraram controlar o acesso ao campo de batalha desde então, como fizeram durante a Guerra das Falklands/Malvinas de 1982, a do Golfo em 91, e os ataques aéreos a Kosovo, Iugoslávia, em 99.

?Embora o impressionante número de 2.700 jornalistas tenha acompanhado as forças da Otan quando elas entraram em Kosovo no final da campanha de bombardeio -no auge da Guerra do Vietnã eram 500 correspondentes-, o público se afogou em ondas e ondas de imagens que juntas não revelavam nada?, declarou o jornalista australiano Phillip Knightley em uma palestra recente sobre o tema.

Knightley é autor do mais famoso livro sobre cobertura de guerras, ?A Primeira Vítima?, cuja primeira edição é de 1975 (a brasileira, 1978), e trata principalmente do jornalismo anglo-americano.

O livro foi depois atualizado, incluindo até o bombardeio da Otan sobre Kosovo em 1999, e dando ênfase à Guerra das Falklands/Malvinas, que segundo o jornalista marcou a recuperação dos militares desde a derrota no Vietnã e indicou uma recuperação da tradicional dominação sobre a mídia nos Estados Unidos e Reino Unido.

Problemas básicos

Em sua palestra, Knightley definiu os cinco problemas básicos das coberturas de guerras:

1. Cada governo tenta controlar os meios de comunicação para obter apoio aos seus objetivos; 2. Se necessário, o governo vai mentir para os meios de comunicação; 3. Muitos correspondentes de guerra aceitam as mentiras em nome do patriotismo, convicção ou ambição pessoal; 4. Os editores e proprietários dos órgãos de imprensa aceitam as mentiras, pois é de seu interesse apoiar o governo do momento; e 5. Se isso não estiver funcionando, o governo vai empregar propagandistas profissionais e relações públicas para manipular a opinião pública.

A opinião de Knightley, que nunca cobriu pessoalmente uma guerra, de que os correspondentes sempre falham na tarefa de fazê-lo, é criticada por Max Hastings, atualmente editor do jornal londrino ?Evening Standard?.

Hastings cobriu conflitos em Biafra, Vietnã, no Oriente Médio, Chipre e outros lugares, além de ter acompanhado as tropas britânicas que retomaram as Falklands/Malvinas, o que descreve no livro ?Going to the Wars? (?Indo às Guerras?), considerado um verdadeiro manual de como cobrir um conflito.

?Eu sempre achei seu livro profundamente falho, porque ele ignora o problema fundamental de se escrever sobre um conflito. Você está tentando montar um quebra-cabeças no qual a maior parte das peças está faltando. A escolha para o correspondente de guerra não é entre reportar verdade e falsidade, mas entre reportar um fragmento da realidade ou então não fazer nada?, afirma o editor inglês sobre o livro de Knightley.

?Todos jornalistas têm que competir com a falsidade oficial, em guerra e na paz. Na guerra, não só os comandantes contam mentiras aos repórteres, como muitas vezes nem eles sabem a verdade.?

Para Hastings, os jornalistas devem obstinadamente correr atrás dos fragmentos -e deixar claro que não são toda a verdade-, e deixar para os historiadores a tarefa de preencher os buracos no quebra-cabeças depois.

Segundo Hastings, muitos de seus colegas jornalistas acreditam que uma genérica ?responsabilidade com a nossa profissão? passaria por cima de ?meros interesses públicos ou nacionais?. Para ele, isso ?reflete uma presunção coletiva quase insana. Na guerra ou na paz, os meios de comunicação só podem se justificar pela referência ao interesse público?.

?Não é necessário acreditar que os correspondentes de guerra devam escrever o que os governos querem que escrevam, ou transmitir opiniões adequadas ao estado-maior -eu nunca fiz isso na minha vida-, mas meramente que nós não devemos frivolamente passar segredos operacionais que podem custar vidas?, acrescenta ele.

?Em uma guerra, quando questões de vida e morte estão em jogo, se os jornalistas se enxergarem como mero espectadores nas arquibancadas do Coliseu, colocando o dedão para cima ou para baixo com absoluta indiferença aos que estão lutando pela sobrevivência na arena, eles não poderão esperar muito respeito do público?, afirma Hastings.

Knightley dá uma receita do modo como os meios de comunicação se comportam ao cobrir uma guerra, em quatro pontos que sempre se repetiriam:

1. A guerra vai ser apresentada em termos da luta do bem contra o mal; 2. O lado maligno vai ser demonizado e seu líder apresentado como um novo Hitler, louco e sanguinário; 3. O lado do bem vai ser mostrado como o salvador da civilização, humanitário e forçado a agir por causa da barbárie do outro lado; e 4. Com esse objetivo, velhas histórias sobre atrocidades serão tiradas da gaveta e recicladas -algumas serão verdade, outras serão falsas, e só depois da guerra se vai saber o que foi verdade e o que foi propaganda.

?Todas as campanhas militares são julgadas, no final, pelo seu sucesso ou não. Não importa quão honrados sejam os motivos, ou bem intencionadas, suas desculpas. Se você começa uma guerra, tem de vencê-la?, escreveu Hastings em artigo no último dia 19.

E, mesmo que o Afeganistão tenha um novo governo e seja reconstruído, a vitória só vai acontecer com Osama bin Laden preso ou morto, conclui ele."

 

"De Charlton Heston a Bin Laden", copyright Folha de S. Paulo, 25/10/01

"Está esquecido nas locadoras o vídeo de Os dez mandamentos (EUA, 1956), de Cecil B. DeMille. Todos os viventes já o viram. Por definição. É um dos pilares da mitologia visual do tal ?Ocidente? do século 20. Pois agora, no princípio da assim chamada primeira guerra do século 21, é perturbador revê-lo. É aterrador. O Moisés de Charlton Heston emerge do passado como um justiceiro genocida. Atenção: não falamos aqui do profeta fundador que está no Velho Testamento, do ordenador da civilização em que todos existimos. Este, desde já, está além do alcance deste artigo. Não é de religião que se fala aqui, mas de entretenimento e de suas conexões com o jornalismo. Falamos, portanto, do Moisés hollywoodiano – que age como um fanático impiedoso. E aí é que está: por disparatado que seja, há aspectos desse personagem, o hollywoodiano, que poderiam ser atribuídos, ainda que com todas as reservas, ao terrorista louco Osama Bin Laden. Você vai dizer, com toda razão, que não há nenhum termo de comparação entre o personagem do cinema dos anos 50 e o criminoso real do noticiário contemporâneo. Sim, você tem razão, mas vamos nos lembrar de que as transfusões de sentido entre as imagens, neste tempo dominado pelo entretenimento, não seguem nenhuma lógica racional.

Hoje é assim. Qualquer signo se associa a qualquer outro signo sem cerimônia, sem reverência, sem método. O nosso tempo evolui como num zapping de TV. Pode-se narrar a Revolução Francesa em ritmo de videoclipe. Pode-se fazer de um videoclipe uma causa política. We are the children etc. Um sósia de Che Guevara faz propaganda de Bom-Bril, um sósia do Padre Marcelo anuncia motocicletas. Há poucos anos um pastor deu um chute numa Nossa Senhora, pondo-a no lugar de bola de futebol. John Lennon se declarou mais famoso que Jesus Cristo e um roqueiro brasileiro canta que ?o papa é pop?. Com o Moisés cinematográfico dá-se o mesmo. Primeiro, Hollywood o transforma num astro que arrasta as multidões não mais para a outra margem do mar, mas para as poltronas acolchoadas dos cinemas. Na tela, ele já não é um ser de luz; é apenas o vingador que flagela o povo do Egito para chantagear o faraó. O cinema americano não consegue adaptar a biografia do profeta sem banalizá-la, sem reduzi-la a um filme de mocinho. Que, se fosse filmado hoje, teria Arnold Schwarzenegger no papel principal.

O telejornalismo atual também se estrutura como um filme de mocinho. Daí que, quando tenta mostrar o rosto e a fala de um fanático terrorista que habita cavernas e montanhas desérticas, isso se torna uma questão de segurança mundial. Há o risco terrível de que a sonolenta face de Bin Laden adquira uma tênue aura de grandeza – irracional, por certo, mas ainda assim uma aura. Quando George W. Bush prometeu caçá-lo, também como num filme de mocinho, na luta do ?bem contra o mal?, era de se esperar que ele, Bin Laden, ganhasse alguma projeção. Mas nem tanta: seus perseguidores não admitem que sua imagem cresça além do que já cresceu. E por que tanta vigilância? Seria possível que Bin Laden, por acaso, se beneficiasse da mística que ainda hoje emana daquele antigo Moisés de Charlton Heston, daquele Moisés de folhetim em celulóide, um Moisés um tanto circense, hiperbólico, de laquê na cabeleira? Não, não seria possível. Mas mesmo a possibilidade exígua, uma possibilidade quase impossível, já é em si mesma ultrajante, infamante, apavorante.

O medo que ela nos infunde é o medo de nós mesmos, ou melhor, é o medo tardio que desenvolvemos da mitologia cinematográfica na qual acreditamos, por décadas, como se ela fosse um oráculo para a celebração da crueldade, da força bruta e do assassinato como via de solução para os impasses. A divindade-tela-de-cinema nos proporcionou delícias inesquecíveis nos mostrando genocídios fartos, sangue aos borbotões, rios inteiros de sangue – como os rios do Egito sob o Moisés de Charlton Heston. Essa divindade, a tela, cobrou dos seus sacerdotes, os cineastas, não mais sacrifícios reais de virgens e mancebos, mas exigiu sacrifícios simbolizados. Na tela, morreram todos os indivíduos e todos os povos a quem estaríamos encarregados de odiar – e o Moisés de Charlton Heston foi um de seus carrascos. Ele foi, sim, um terrorista implacável. Não poupava nem a população civil. Enviava as pragas, dos gafanhotos para a lavoura à peste para os animais. Enviava a morte – e matou uma criança em especial, o filho do faraó. A libertação dos hebreus foi assim retirada do Velho Testamento, onde era feita de palavras, e projetada sobre a tela, onde, refeita em imagens, acabou se prestando à disputa entre os caprichos de Charlton Heston e os de Yul Brynner (o faraó Ramsés). O filme convencia o público de que tanta crueldade era justa: os egípcios tiveram o que ?mereceram?. Pagaram com sangue.

É por isso que, quando as autoridades do governo George W. Bush movem todos os recursos para impedir uma alta exposição de Bin Laden na TV, penso que o problema é menos de ordem jornalística e mais de ordem mítica. Há todo tipo de desculpa para os constrangimentos que as autoridades impõem às emissoras de TV: o terrorista iria conseguir inflamar comunidades islâmicas fundamentalistas, iria passar mensagens em códigos aos seus comandados (como se Bin Laden desse suas ordens como quem faz micagens num jogo de truco). Mas, para o tal ?Ocidente? e seus governantes, o insuportável não é bem isso. O insuportável é que aquele personagem sem luxo, de barbas longas, habitante de paragens inóspitas, que diz que não dará sossego aos Estados Unidos até que as crianças na Palestina tenham paz, evoque, por alguma dessas associações sem razão que as imagens do entretenimento admitem entre si, a figura mítica do justiceiro milagroso – e terrorista – das superproduções dos anos 50. Essa figura está guardada na cinemateca afetiva do ?Ocidente?. Não, Condoleeza Rice não teme que Bin Laden arregimente simpatizantes por meio do telejornalismo objetivo. Todos sabem que o telejornalismo é incapaz de objetividade nessa matéria. O que arrebata no noticiário não é o relato dos fatos, mas o componente espetacular que esse relato incorpora. Talvez o que Condoleeza tema, mesmo que não saiba disso, é que nós, os ?ocidentais? pacifistas recém-convertidos, descubramos que já idolatrávamos desde sempre as piores violências contra povos inteiros, desde que fossem ?merecidas?.

Em tempo: o Velho Testamento jamais estimulou o culto das imagens. E Charlton Heston não é outra coisa senão o próprio bezerro de ouro. Agora, resta ao tal ?Ocidente? exigir que Bin Laden só apareça na TV como um objeto, jamais como sujeito; como enunciado, jamais como enunciador; como um retrato remoto, jamais como imagem viva."

    
    
                     
alt="Mande-nos seu comentário">

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem