Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

ENTRE ASPAS > GLOBOPAR EM CRISE

Tela Viva

12/10/2004 na edição 298

‘A previsão inicial para o anúncio formal da reestruturação da dívida da Globopar era para julho, depois ficou para agosto e agora a expectativa é ‘para breve’. A informação de fontes próximas à negociação continua a mesma: já foram concluídos os entendimentos com os credores sobre as cláusulas financeiras e as garantias. O acordo geral prevê basicamente um alongamento da dívida de aproximadamente US$ 1,5 bilhão, sem grande deságio e pouca queda de juros. Há outras propostas para quem quer receber mais cedo e, nesses casos, obviamente o deságio será maior. O que está retardando o anúncio do acordo são os pormenores da redação dos documentos. Depois do anúncio do acordo haverá ainda um prazo até o fim do ano para a troca dos papéis da dívida da Globopar, como no caso da Net Serviços. Ao mesmo tempo em que trará os termos de sua renegociação, o grupo Globo deve revelar também o acerto societário com a News Corp e com a Liberty Media em relação à Sky.’



QUALIDADE NA TV
Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação

‘Rede pratica democracia da comunicação na TV’, copyright Boletim de Divulgação do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação – nº 43 – 8/10/2004

‘FNDC, Campanha ‘Quem Financia a Baixaria é Contra a Cidadania’ e Radiobrás fecham proposta para colocar no ar, pela primeira vez, um programa ao vivo para todo o Brasil sobre qualidade da programação na TV e a democratização da comunicação. O debate será transmitido por satélite no próximo dia 17 (domingo), a partir das 14h, e terá recepção aberta a todas às emissoras que desejarem exibi-lo. Estão programadas também manifestações públicas nas ruas das principais cidades e pelo rádio que prometem envolver a população de diversos estados.

Videoconferência realizada hoje pela manhã acertou os detalhes da articulação que levará ao ar no dia 17/10, a partir das 14h, o primeiro programa de TV articulado pela sociedade para discutir a democratização da comunicação e a qualidade da programação da TV brasileira. A produção servirá de estímulo para que a população possa protestar contra a baixaria na TV e, ao mesmo tempo, discutir saídas para o problema. Como parte das atividades brasileiras do Dia Mundial pela Democracia na Mídia, a iniciativa inclui uma grande mobilização da Campanha ‘Quem Financia a Baixaria é Contra a Cidadania’, movimento da sociedade civil e da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, em torno do desligamento dos aparelhos de TV durante uma hora do mesmo dia, das 15h às 16h.

Com objetivo de convocar a sociedade a participar deste ato simbólico, a TV Nacional de Brasília estará exibindo o debate com retransmissões para emissoras estatais, legislativas, comunitárias, universitárias e pelas rádios Nacional, da Câmara e emissoras comunitárias em todo o Brasil. ‘Um programa ao vivo com intervenções públicas de várias cidades do País vai concretizar na tela um tipo de conteúdo de qualidade para a TV que deveria ser patrocinado pelas emissoras mas é sempre desprezado’, afirma o coordenador-geral do FNDC, Celso Schröder. O programa será transmitido de forma simultânea pela Rede Abraço de Rádios Comunitárias (leia abaixo). Nos estados de Minas Gerais, São Paulo, Espírito Santo, Rio Grande do Sul e Goiás, já estão confirmadas manifestações em praças e feiras onde serão distribuídos informativos sobre a importância deste dia. A TV Câmara entrará ao vivo da Torre de TV de Brasília durante manifestação dos estudantes de comunicação, que estarão inaugurando uma rádio onde serão feitas enquetes com a população.

De acordo com a assessoria de imprensa da Campanha, ‘a idéia principal deste dia é resgatar o respeito aos direitos humanos na programação de TV que nunca viu tanta violência na televisão como nos dias atuais. O povo brasileiro tem presenciado, na maioria dos programas, a incitação ao crime; a discriminação por raça, sexo e orientação sexual; a prévia condenação de meros suspeitos; a exploração sensacionalista da miséria humana.’ No dia 17, o FNDC e a Campanha estão propondo às redes e ao movimento social preocupado com as questões da área das comunicações discutam o assunto e incentivem a participação de toda a sociedade. A Campanha informa também que durante a semana do dia 17 de outubro, a população também poderá denunciar ao 0800 61 9619 (ligação gratuita), as reclamações sobre os desrespeito aos direitos humanos na programação das emissoras de TV.

60 horas de rádio

Nos dias 16, 17 e 18 de outubro, a Abraço Nacional, o FNDC e seus comitês regionais de Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo, a Rádio FAE da Faculdade de Educação da UFMG, a Casa Macunaíma, a Central de Notícias em Brasília, a Associação dos Funcionários da FIOCRUZ e o Jornal Brasil de Fato articulam 60 horas de programação radiofônica ao vivo envolvendo mais de 10 estados nas cinco regiões do país. A programação especial poderá ser sintonizada em várias rádios comunitárias do Brasil e também pela internet. A Abraço e as entidades que compõem os comitês regionais do FNDC estão articulando programas nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco (CCLF – Centro Cultural Luiz Freire, de Recife), Mato Grosso, Piauí e Pará.

A grade geral de programação será fechada no dia 11. Ainda existem horários livres. Se sua entidade está interessada em propor alguma atividade ou programa, entre em contato até a próxima segunda-feira com o plantão técnico da Abraço – abraconacional@fr.fm ou (31) 3082.3755 / 9129.2249 / 9681.8250.’



JN, 35 ANOS
O Globo

‘Câmara homenageia o ‘Jornal Nacional’’, copyright O Globo, 8/10/04

‘A Câmara dos Deputados realizou ontem sessão solene em homenagem aos 35 anos do ‘Jornal Nacional’, da Rede Globo. Na sessão, o presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP), disse que a Casa não vai aprovar qualquer proposta que possa pôr em risco a liberdade de imprensa no país.

A sessão solene contou com a presença do vice-presidente das Organizações Globo João Roberto Marinho; do diretor-regional da Rede Globo em Brasília, Antonio Carlos Drummond; e da diretora de Jornalismo da Rede Globo em Brasília, Silvia Faria.

Sem citar diretamente o projeto de criação do Conselho Federal de Jornalismo, enviado pelo Executivo, João Paulo argumentou que só com absoluta liberdade de imprensa os meios de comunicação podem exercer seu papel de proteger a democracia. João Paulo afirmou que, às vezes, as notícias não agradam, mas que é preciso garantir a liberdade de informação.

– Essa é a razão de ser do jornalismo, a incumbência dos meios de comunicação, papel que só se pode exercer com absoluta liberdade de imprensa para que o rádio, o jornal e a televisão se façam realmente defensores da liberdade. Nenhuma proposta que ouse retomar a censura ou pôr em risco a liberdade de imprensa prosperará nesta Casa – disse João Paulo.

O líder do PFL na Câmara, José Carlos Aleluia (BA), criticou o envio do projeto que cria o Conselho Federal de Jornalismo e cobrou do governo federal a retirada da proposta da Câmara.

– Todos nós, brasileiros, e o ‘Jornal Nacional’ já manifestou posição sobre o assunto, devemos estar alertas a fim de impedir que se implante um conselho que venha a restringir a liberdade de comunicação, que chega aos lares brasileiros por meio da televisão. A imprensa livre é o melhor caminho para seguirmos. Estou convicto de que o presidente Lula irá concordar em retirar o projeto que tramita na Casa – disse Aleluia.’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem