Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

ENTRE ASPAS > TERÇA-FEIRA, 6/02

Telepastores são
indiciados nos EUA

Por Luiz Antonio Magalhães em 07/02/2007 na edição 419


Leia abaixo os textos de terça-feira selecionados para a seção Entre Aspas.


************


Folha de S. Paulo


Terça-feira, 6 de fevereiro de 2007


MÍDIA & RELIGIÃO
Cíntia Acayaba


Arcebispo da Paraíba critica novo templo da Universal


‘A inauguração anteontem de um novo templo da Igreja Universal do Reino de Deus em João Pessoa (PB) recebeu críticas públicas da principal autoridade católica local, o que gerou duros ataques e respostas da igreja pentecostal.


O arcebispo da Paraíba, dom Aldo di Cillo Pagotto, divulgou nota atribuindo a ‘suntuosidade’ do templo -com capacidade para 5.100 fiéis- a ‘promessas propaladas por seus líderes, induzindo o povo de boa-fé a alcançar a prosperidade material em formas imediatistas’.


‘Diante de prementes carências, pessoas não esclarecidas, sem acompanhamento em uma comunidade de fé e vida, em breve tempo, tornam-se adeptas desses grupos religiosos’, diz a nota, intitulada ‘A fé mercantilizada’. ‘São, porém, induzidas a contribuir com coletas. Essa condição é inegociável, demonstrando assim, sua confiança em ‘Deus’.’


Na nota, dom Aldo questiona como templos grandiosos são construídos em espaço curto de tempo. Sugere, como resposta, o suposto envolvimento de pastores em escândalos financeiros. ‘Por certo rola muita grana nas mãos dos ‘servos e obreiros’. Quem não se lembra das malas cheias de dinheiro em mãos de ‘pastores’?’


‘A Igreja Católica não deixa claro, em pratos limpos, que essa tal fé, desta tal igreja, é diferente da que nós promovemos. Há a comercialização da fé, e eu só dei nome aos bois. Não podemos acompanhar o crescimento desses templos sem falar nada e deixar a coisa acontecer’, disse dom Aldo à Folha.


Levantamento do Seminário de Teologia Gordon-Cornwell, um dos quatro maiores dos EUA, indica que, com 24 milhões de fiéis, o Brasil é hoje o maior país pentecostal do mundo -embora também seja o maior país católico do mundo, com estimados 138 milhões de adeptos do catolicismo.


A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) disse que os arcebispos ‘têm autonomia em suas dioceses’ e que não vai se pronunciar.


Em seu site, a Universal respondeu. Disse que ‘o crescimento das igrejas pentecostais incomoda outras denominações religiosas’ e que o arcebispo ‘já esteve envolvido com denúncias de proteger frei acusado de estupro em 2002’.


O site diz que dom Aldo ‘tentou convencer três supostas vítimas de estupro a retirar queixa contra o acusado’.


‘Eu só fui oferecer apoio às meninas e aquilo foi distorcido, como se eu quisesse que elas ficassem quietas. Esse processo foi totalmente arquivado e eu fui absolutamente inocentado’, disse o arcebispo.


‘Ele deveria se preocupar com o povo da igreja dele e deixar quem está trabalhando quieto. Se a incompetência tem reinado em seu ministério e ele não desenvolve o trabalho no Estado, o problema é dele’, disse o pastor e vereador de João Pessoa Miguel Arcanjo (PRB).


MEMÓRIA: EM 1995, BISPO DA UNIVERSAL CHUTOU IMAGEM DE SANTA


Em 12 de outubro de 1995, a TV Record, do fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, bispo Edir Macedo, mostrou o bispo Sergio von Helde chutando imagem de Nossa Senhora Aparecida. Von Helde referiu-se a ela como ‘um bicho tão feio, tão horrível, tão desgraçado’. A cena causou reação violenta de católicos, que atacaram templos da Universal.’


INTERNET
Folha de S. Paulo


Cabral promete disponibilizar contas do Estado na internet


‘O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), prometeu ontem abrir as contas públicas do Estado a consultas na internet. No início de janeiro, ele vetou integralmente projeto de lei sobre o assunto.


Ontem, em sessão na Assembléia Legislativa, Cabral prometeu enviar mensagem expondo um novo planejamento de modo a tornar mais transparentes as contas do governo.


A idéia sofre resistências principalmente do secretário de Fazenda, Joaquim Levy, para quem a disponibilidade dos dados a credores pode prejudicar o Estado.


Cabral voltou a reclamar de ter assumido o cargo com uma herança negativa de sua antecessora, correligionária e ex-aliada, Rosinha Matheus (PMDB), mas afirmou que não vai aumentar impostos. ‘Temos um déficit orçamentário de mais de R$ 1 bilhão e restos a pagar de R$ 1,5 bilhão. Esta situação exige choque de gestão e um esforço fiscal, principalmente no primeiro ano’, disse.


O governador afirmou que vai usar os serviços do consultor Vicente Falcone para ajustar o Estado, inclusive na área de Segurança Pública.


Cabral pretende enviar à Assembléia uma Proposta de Emenda Constitucional para mudar o regime de contratação de servidores, que passariam a ser incorporados após concursos públicos segundo as regras da CLT.’


TODA MÍDIA
Nelson de Sá


Com o filho de 7


‘Foi destaque global desde o meio-dia, nos regionais e nacionais. O prefeito paulistano Gilberto Kassab ‘expulsou um cidadão’ de um ambulatório ‘aos gritos e empurrões’. O ‘JN’ mostrou o homem em choro convulsivo. Depois o pefelista argumentou que ‘não houve nenhuma agressão’ e que vai colocar ‘para fora sim, quantas vezes forem necessárias’, pois não era lugar para ‘manifestação política’.


A expressão pegou e o cidadão, que inicialmente era chamado de morador, virou ‘manifestante’ em sites e rádios tipo Jovem Pan. Mas esta registrou, vale notar, que o homem tratado por ‘vagabundo! vagabundo!’ foi expulso ‘com o filho de 7 anos’.


‘ALGUNS CORPOS MAIS IGUAIS QUE OUTROS’ Escrevendo no parisiense ‘International Herald Tribune’, que é do ‘New York Times’, Larry Rohter destaca como as praias do Brasil, de suposta democracia racial e econômica, escondem ‘que alguns corpos -e algumas praias-são mais iguais que outros’. Vale para Ipanema e suas ‘divisões sociais’ e de ‘pele’. É de racismo que ele trata, novamente.


AS MILÍCIAS…


Com um dia de atraso, a Globo, ‘JN’ incluso, acordou para ‘a guerra’ do Rio, entre ‘traficantes e os integrantes de milícias formadas por ex-policiais’. Foram cinco mortos ao menos, talvez seis, ‘nos morros do subúrbio’.


As tais milícias ‘invadem e expulsam os traficantes dos morros e passam a cobrar dos moradores para oferecer uma suposta proteção’.


E O PREFEITO


Para registro, segundo Xico Vargas, do site Nomínimo, o prefeito Cesar Maia começou ‘a firmar convênios com as associações de moradores de favelas’ que foram tomadas ‘pelas milícias’ no Rio.


Em sua newsletter, ‘o próprio prefeito faz a defesa das milícias’. Mas ele ‘não menciona que em três delas os novos donos já instalaram balcão para as drogas’.


Reuters


À MODA


Sob o título ‘Tortura à moda brasileira’, o ‘Valor’ deu que o documentário ‘Ghosts of Abu Ghraib’, apresentado em Sundance por Rory Kennedy, filha de Bob Kennedy, ‘atribui ao Exército brasileiro, durante o regime militar, o desenvolvimento das técnicas de tortura captadas nas fotos’ do Iraque (esq.)


TERRORISTAS 1


O G1 entrevistou Brilhante Ustra, o ex-comandante do DOI-Codi que é alvo de processo para ser declarado ‘torturador’. É ‘o primeiro a ser processado por supostos crimes durante a ditadura’. Ele confirma que uma ‘ação para declarar ‘terrorista’ [quem tiver] cometido crimes hediondos, com atentados a bomba’, está em preparação na ‘sociedade civil’.


TERRORISTAS 2


Para registro, trecho de entrevista de Janio de Freitas ao site Fazendo Media, meses atrás, sobre como apareceu a expressão nos anos 60:


– Quando começaram as primeiras ações armadas, quem passou a absurdamente chamar os participantes dos movimentos de ‘terroristas’ não foram os militares, não… Isso foi dado na redação do ‘Jornal do Brasil’. E assim foi.


ETANOL, ETANOL, ETANOL


Enquanto ecoavam as notícias de Folha e ‘Valor’ sobre a ‘parceria estratégica’ de Brasil e EUA no hemisfério, com o etanol por ponte, o ministro Guido Mantega surgiu em entrevista ao ‘Times’ de Londres, dizendo que até a Grã-Bretanha deveria ‘abraçar o etanol como alternativa ao petróleo’. No destaque tirado pela Reuters, ele espera dobrar a exportação de etanol até 2010.’


CRÍTICA CULTURAL
Folha de S. Paulo


‘Jornalista não entende de música’


‘Responsável direto pelo sucesso dos Mamonas Assassinas, Rick Bonadio, 37, mantém-se como um dos principais produtores do Brasil graças a discos de grupos como CPM 22, Hateen e Ira!. Em entrevista, ele responde à crítica de que seu trabalho seja comercial.


FOLHA – O papel dos produtores está ganhando maior importância?


RICK BONADIO – Está se aperfeiçoando. Antes o cara produzia várias coisas, era eclético demais, não tinha personalidade.


FOLHA – Como é sua relação com os artistas e gravadoras?


BONADIO – O artista sabe o que quer quando me procura, e a gravadora sabe a cara que darei ao artista. Uma das minhas características é que não fico preso a coisas como o timbre da guitarra, da bateria. Faço isso também, mas, principalmente, tento arrancar do artista as melhores músicas e decido com ele quais entrarão no disco. Muitas vezes o produtor fica interessado em tirar um ‘puta som’ e as músicas não são boas.


FOLHA – Suas produções recentes, como CPM 22, Hateen, NXZero, são bandas de guitarras com melodia pop. O que ensinou a elas?


BONADIO – Quando conheci o CPM, dei um padrão fonográfico a eles, um toque no arranjo, escolhi o repertório. Com o Hateen, disse a eles que, se fizessem repertório todo em português, seriam um sucesso.


FOLHA – Por quê? Não dá para fazer sucesso cantando em inglês?


BONADIO – É um fato. O Sepultura fez sucesso relativo na Europa. Foi uma exceção. O brasileiro, quando ouve música americana na rádio, está ciente de que está ouvindo o melhor do rock americano. Mas, com artistas brasileiros, querem músicas em português. Tem muita banda que não sabe fazer letra em português e aí vem com a desculpa: ‘Ah, a sonoridade é melhor’. Besteira. O cara não confia no taco dele.


FOLHA – Mas há o risco de essas bandas acabarem soando parecidas.


BONADIO – A identidade não está apenas na sonoridade mas no conceito artístico. Os riffs de guitarra, o vocalista, isso é que dá cara à banda. Quando o Justin Timberlake vai procurar o Timbaland, é porque ele quer o som do Timbaland. Quando você ouve meus discos, sabe que fui eu quem produzi.


FOLHA – Quais foram seus erros?


BONADIO – Errei algumas vezes. Com o Lagoa 66, aquilo foi uma produção ousada para a época, as letras eram agressivas e sarcásticas. Aconteceu logo depois dos Mamonas. Achavam que eu queria fazer algo igual aos Mamonas. Se fosse hoje, diria para a banda esperar, lançaria depois de uns dois anos.


FOLHA – Você concorda que sua música seja comercial?


BONADIO – Óbvio que é comercial. Não tô nem aí. O que vende é bom. Isso é papo de frustrado. Tem coisa que faz sucesso e não presta, tudo bem. Mas aquilo que se sustenta é bom. Uma banda como Charlie Brown Jr., com vários discos nas costas, você pode até não gostar, mas não dá para dizer que é ruim.


FOLHA – Mas longevidade não é garantia de qualidade…


BONADIO – Se você mantém um público fiel, é porque tem qualidade. Aí vira questão de gosto. Vocês críticos musicais têm um papel muito cruel. Criticam de acordo com o que gostam, e não de acordo com o que as pessoas gostam. O crítico acha que é o dono da verdade, que tem uma importância enorme, isso não faz o menor sentido. Jornalista não entende de música.’


FOTOJORNALISMO
Rubens Chiri


Única ‘crise’ do fotojornalismo ocorre nas relações de trabalho


‘Um ônibus queimado e um policial estático -a imagem nos remete à inércia do poder público frente à violência. O cassetete enverga no braço de manifestante durante assembléia de professores -tal qual a educação é massacrada. A silhueta de jovens boleiros nos confins da Paraíba -sonhos de anônimos por uma vida melhor no país do futebol.


Em contrapartida, Ronaldinho rola com uma fã -constelação se perde no ufanismo. São leituras, divagações, crônicas visuais, retratando fatos e histórias -fotojornalismo.


Essas são algumas das cem imagens que contam um pouco da realidade do Brasil e do mundo hoje e que compõem a exposição ‘Fotojornalismo 2006 – Fatos e Histórias do Cotidiano’, produzida por 83 repórteres fotográficos e organizada pela Arfoc-SP (Associação de Repórteres Fotográficos e Cinematográficos do Estado de São Paulo). O material será incorporado ao acervo da Associação dentro de um projeto de documentação iniciado há alguns anos.


Em crítica publicada no último dia 27 na Folha, intitulada ‘Exposição reflete a crise que o fotojornalismo enfrenta hoje’, o autor, Eder Chiodetto, com base no trabalho apresentado na exposição, afirma que cada vez mais o fotojornalismo aproxima-se da fotografia publicitária e perde a sua função.


As fotografias expostas por si só desdizem tal afirmação.


Há, sim, uma crise, mas no jornalismo como um todo. Especificamente no fotojornalismo, a crise não reside na produção, mas, sobretudo, na precarização das relações de trabalho. Na substancial redução dos postos de trabalho. Na desenfreada produção industrial das mídias impressas, com rígidos horários de fechamento, amarras editoriais e projetos gráficos que não tratam a fotografia como informação, e sim como mera ilustração.


Se hoje suspiramos por uma foto de Robert Capa -um ícone do seu tempo-, não devemos desacreditar em futuras referências, que terão seu valor reconhecido ao seu tempo. Afinal, cada repórter fotográfico coloca em sua foto seu olhar, sua cultura, suas emoções, sua conduta ética. E esse conjunto tão peculiar deve ser respeitado e valorizado.


RUBENS CHIRI é repórter fotográfico e presidente da Arfoc-SP.


FOTOJORNALISMO 2006 – FATOS E HISTÓRIAS DO COTIDIANO


Quando: ter. a sex., das 10h às 20h; sáb. e dom., das 10h às 18h. Até 4/3


Onde: CCSP – piso Flávio de Carvalho (r. Vergueiro, 1.000, tel. 0/ xx/11/ 3383-3402)


Quanto: entrada franca’


TELEVISÃO
Daniel Castro


Disputa de TVs por vídeo da PF envolve até ministro


‘A disputa entre Globo e Record por material gravado pela Polícia Federal da prisão de um milionário libanês que chefiava quadrilha de tráfico de drogas, na semana passada, foi parar no gabinete do ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos.


Em seu blog na internet (http://conversa-afiada.ig.com.br), o jornalista Paulo Henrique Amorim, apresentador do ‘Domingo Espetacular’ (Record), acusou ontem a Globo de apelar a Bastos para que impedisse que a PF de São Paulo desse à Record com exclusividade vídeos com imagens das investigações contra Joseph Nasrallah, o ‘Sheik do Tráfico’.


Amorim relata que estava na PF na última quinta quando soube que a repórter Mariana Kotscho, da Globo, ameaçara ‘ligar ao ministro da Justiça para reverter a decisão que beneficiava a Record’.


Diz ainda que, pouco depois, ‘a PF de Brasília avisara à Record de que o ministro tinha dado ordem para quebrar a exclusividade e dar a matéria para o ‘Fantástico’ também’.


A Globo _que acabou exibindo no ‘Fantástico’ apenas uma reportagem sobre o ‘palácio’ que Nasrallah constrói no interior de São Paulo (enquanto o ‘Domingo Espetacular’ mostrou detalhes da prisão)_ conta uma história bem diferente.


Afirma que Mariana aguardava na PF por uma entrevista sobre o caso quando o delegado responsável pela assessoria de imprensa do órgão, Humberto Prisco Neto, apareceu ‘aos gritos’, dizendo que ela não entrevistaria ninguém. ‘Mariana foi tratada com agressividade, a ponto de desmaiar, ela que está grávida’, diz nota da Globo. ‘A direção da Central Globo de Jornalismo, ao tomar conhecimento, protestou junto ao ministro da Justiça. Em nenhum momento pediu a quebra de exclusividade’, completa.


A assessoria de Thomaz Bastos diz que ele só entrou na história porque foi procurado ‘institucionalmente’ pela Globo, reclamando que a PF lhe negara informações, e que não interferiu nas negociações de exclusividade de reportagem.


O delegado Prisco Neto nega ter gritado com Mariana: ‘Ela foi tratada com urbanidade’.


BOFETADA A Estruturação, ONG gay de Brasília, está fazendo campanha para que homossexuais votem pela eliminação do lutador Felipe Cobra no ‘paredão’ de hoje de ‘BBB 7’. Na madrugada do dia 12, em imagem não exibida pela Globo, ele disse que daria uma ‘bolacha’ no ‘viadinho’ que o assediasse.


FOI BEM A estréia do ‘Por Dentro da Bola’, na Band, deu cinco pontos, quase o dobro do que Roberto Avallone registrava. A mesa-redonda foi marcada por um ‘barraco’ (já no YouTube) entre Vanderlei Luxemburgo e Marcelinho Carioca.


INSÔNIA Gugu Liberato resolveu assumir gozação do ‘Pânico na TV’. Lançou um quadro (sério) que se chama ‘Dormindo Legal’.’


Raquel Cozer


‘Quebradeiras’ resume nova cara da MTV


‘Parecia mau presságio o anúncio da MTV de que restringiria os videoclipes às madrugadas. Culpa da concorrência da internet, deu a entender o diretor de programação, Zico Góes, ao anunciar um maior investimento em produções próprias como este ‘As Quebradeiras’, que estréia hoje, às 23h.


Sim, parecia mau presságio, mas, na prática, é pior. O novo ‘reality show’ acompanha ‘as baladas, as brigas, os roman- ces e as TPMs’ (a quem interessar possa) de seis patricinhas de 18 a 21 anos numa casa de praia em Juqueí (litoral norte de São Paulo).


Todas são amigas de uma certa Camile, 19, estudante de jornalismo que pergunta se ‘notificação é sinônimo para multa’ quando um policial pára o carro em que estão entulhadas as seis garotas. Esse é o segundo grande drama do ‘reality’ -o primeiro foi descobrir que outro carro prometido para a viagem não estaria disponível. ‘Gosto de tudo certinho, não pode dar errado na hora H. Mas a vida é assim’, filosofa a modelo Vanessa, 20. De filosofia em filosofia (‘ex bom é ex morto’, medita a certa altura a aspirante a jornalista, já consciente de que notificação é aquela coisa que notifica da multa), a conclusão possível é que Góes estava certo: é melhor ver clipes na internet. Então, para quê perder tempo?


AS QUEBRADEIRAS


Quando: hoje, às 23h


Onde: MTV’


************


O Estado de S. Paulo


Terça-feira, 6 de fevereiro de 2007


MÍDIA & RELIGIÃO
Patrícia Campos Mello


Casal Hernandes é indiciado nos EUA


‘Um júri popular americano formado por 25 pessoas, reunido para avaliar se aceitava ou não as denúncias do promotor contra o casal fundador da Igreja Renascer, decidiu ontem pelo indiciamento de Sonia e Estevam Hernandes. Os jurados acusaram o casal de fraudar documentos – Sonia e Estevam foram presos no aeroporto de Miami no dia 9 de janeiro carregando US$ 56,5 mil escondidos na bagagem, inclusive em uma Bíblia, tendo declarado apenas US$ 10 mil na alfândega. Os dois tiveram de entregar seus passaportes ao governo americano e estão atualmente em liberdade condicional na região de Miami. Eles também são acusados pelo Ministério Público no Brasil de estelionato, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Ambos têm prisão preventiva decretada pela Justiça paulista.


Outras acusações feitas pelo júri dos EUA contra o casal incluem contrabando de dinheiro para os EUA e conspiração para manter o fato escondido. No total, a acusação contra Estevam teve quatro pontos, enquanto Sonia foi citada em cinco itens – ela também irá responder por mentir às autoridades do aeroporto sobre o total de dinheiro que trazia consigo.


A pena prevista para os crimes é de até cinco anos de prisão para cada um dos itens de acusação. Portanto, ele poderá ser condenado a 20 anos de prisão, enquanto Sonia pode receber uma pena de até 25 anos.


Caso consigam comprovar que o dinheiro tem origem lícita, o casal pode se livrar da prisão. Mesmo neste caso, seriam deportados para o Brasil e perderiam seus green cards (documentos de residência nos EUA). Eles também correm o risco de não poderem mais entrar nos EUA caso sejam julgados culpados.


Segundo o advogado de defesa de Estevam nos EUA, Albert Krieger, o casal vai se declarar inocente hoje no tribunal de Miami, onde se apresenta para ser citado judicialmente (veja texto ao lado). ‘A partir daí, começam os procedimentos para o julgamento, e a vida continua’, declarou em entrevista ao Estado.


Na audiência de hoje, o juiz poderá marcar a data para o início do julgamento: daqui a 70 dias. Durante esse período, a promotoria americana realiza o levantamento das provas contra o casal, que será mantido em seu estado atual de liberdade condicional. Caso sejam considerados culpados, deverão cumprir pena nos Estados Unidos antes de serem extraditados para o Brasil.


O advogado dos Hernandes no Brasil, Luiz Flávio Borges D’Urso, presidente da OAB-SP, afirmou nada saber sobre o indiciamento do casal. ‘Não posso confirmar a informação, pois não sei do que se trata’, disse. Segundo ele, isso não muda a situação dos Hernandes frente à Justiça brasileira. AP, COLABOROU EMILIO SANT’ANNA’


***


Casal se dirá inocente a juiz


‘O casal Hernandes irá se declarar inocente na audiência marcada para hoje, às 10 horas, no Tribunal de Miami. A informação foi dada ontem pelo advogado de Estevam Hernandes nos Estados Unidos, Albert Krieger.


A audiência que ocorre hoje havia sido adiada duas vezes. Os advogados dos Hernandes haviam acordado o adiamento com o procurador que os acusa para tentar um acordo que evitasse o julgamento.


A primeira audiência deveria ter ocorrido no dia 24 de janeiro. A segunda, no dia 29.


Hoje, no Tribunal de Miami, os Hernandes escutarão do juiz encarregado do caso os crimes dos quais são acusados e os direitos que a Constituição americana lhes garante.


Em seguida, Estevam e Sonia se dirão inocentes das acusações. Segundo o advogado, o dinheiro que levavam quando entraram nos Estados Unidos – um valor maior do que aquele que haviam declarado às autoridades alfandegárias – tem origem lícita.


Depois disso, a data do julgamento será marcada – para daqui a 70 dias. Eles serão julgados em Miami por um júri de 12 pessoas.’


CHINA
O Estado de S. Paulo


Site marxista acusa Pequim de ataques


‘PEQUIM – O Marxist Internet Archive, uma comunidade online que produz e organiza uma crescente biblioteca marxista, afirma que ataques de hackers, principalmente vindos da China estão prejudicando sua capacidade de oferecer textos e ameaçam obrigar a biblioteca a parar de disponibilizar material em chinês.


‘Não temos plena certeza de que seja o governo chinês’, disse Brian Basgen, que trabalha no arquivo desde 1990. Mas ele observou que o acesso ao site foi interditado temporariamente pelo governo chinês há cerca de dois anos. ‘Agora, os alvos são apenas os arquivos em chinês.’ Desde janeiro, já ocorreram centenas de ataques – 99% deles vindos da China. O site não considera marxista o regime chinês. NYT’


TELEVISÃO
Etienne Jacintho


Papo sério na MTV


‘A MTV estréia hoje, às 23 horas, o MTV Debate, programa comandado por Cazé que unirá seis convidados a cada semana para um papo sobre cidadania, comportamento e política. Segundo a diretora Raquel Affonso, o diferencial é que o programa é ‘polarizado’, pois três convidados vão defender um ponto de vista, que será rebatido pelos outros três participantes. ‘Ao final, Cazé emitirá sua opinião’, conta a diretora.


Na estréia, os limites da internet estarão na mira de Cazé e de seus debatedores. O objetivo é que o telespectador tome uma posição. ‘E a polaridade ajuda o público a formar uma opinião’, atesta Raquel.


Além da platéia, a MTV facilitará a participação do telespectador por meio de telefone e de webcam, com entrevistas fora de São Paulo. O MTV Debate pretende ser um dos carros-chefes da emissora, com sete pessoas trabalhando na produção do programa. Um número alto em comparação às outras atrações da MTV.


Resta saber se o público se interessará pela atração, já que o Debate difere, e muito, do que se vê na MTV. A favor, a emissora tem as experiências com o Tome Conta do Brasil e o Eleições 2006.


entre-linhas


Personagem de Daniel Boaventura em Malhação, Adriano sumiu de cena para fazer um curso em Harvard. Na prática, o pretexto serve para liberar o ator das gravações até março, em nome da dedicação total aos ensaios da superprodução My Fair Lady, musical que estréia no Teatro Alfa dia 8 de março.


A Casa de Cultura AMA, na novela Páginas da Vida, já vale como versão atual do Boteco da Dona Jura, aquela esquina que abrigava toda e qualquer personalidade em O Clone e que já teve reedição em Celebridade, na gafieira da Maria Clara Diniz (Malu Mader). Na semana passada, o novo ponto de encontro de artistas na ficção reuniu músicos em tributo a Tom Jobim. Agora, o AMA recebe o grupo mineiro Uakti.


Rappin Hood estréia amanhã no comando do quadro Mano a Mano, na edição das 13 horas do Metrópolis, da TV Cultura. Em foco, a cultura da periferia de Sampa, passando por teatro, dança, música e gastronomia.


O canal Fox estreará em março as novas temporadas das séries Nip/Tuck e Bones, nos dias 18 e 26, respectivamente.


De Supertramp a Luiz Melodia, Leopoldo Pacheco apresenta a trilha sonora de sua vida no Play It again de amanhã, via Armazém 41. Às 23h30, no GNT.


Os episódios americanos do Esquadrão da Moda, com Stacy e Clinton, serão apresentados, a partir de amanhã, no canal Discovery Home & Health e não mais no People + Arts.’


************

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem