Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

ENTRE ASPAS > FIM DE SEMANA, 3 E 4/03

Último Segundo

06/03/2007 na edição 423

SEGUNDO MANDATO
Alberto Dines

Nós e os pingüins, 02/03/07

‘‘Eles sofrem mais do que nós, são mais indefesos. É mais fácil ser gente…’ O informal café da manhã do presidente Lula com onze jornalistas na última quinta rendeu duas afirmações categóricas: a equipe econômica está blindada (portanto, não será atingida pelo rearranjo ministerial) e um terceiro mandato equivale a brincar com a democracia.

Valeu a pena. Apesar da modéstia do cardápio do ‘pequeno-almoço’ (como dizem os portugueses), o compromisso de não voltar aos palanques em 2010 demarca o presidente do caudilhismo de Hugo Chávez e pode apressar a montagem do ministério, atrasada 60 dias por conta das eleições de 2008 e seguintes.

A surpresa da manhã foi o comovido pronunciamento presidencial em defesa dos pingüins resultado do documentário francês ‘A Marcha dos Pingüins’ assistido recentemente no cineminha do Planalto. Despreocupado com a leitura política do filme que nos EUA e Europa o tornaram ícone da pieguice conservadora, o presidente abriu a alma, mostrou-se um mediador sensível e competente.

É exatamente isso que se espera de um presidente da República. Além das funções formais de Chefe da Nação, Supremo Magistrado, Comandante em Chefe das Forças Armadas, o chefe do Executivo deve ser também o Grande Narrador, vocalizador de sentimentos, íntérprete das emoções coletivas. Diapasão.

Hoje, na era das esferográficas, talvez poucos saibam o que vem a ser um mata-borrão, mas o presidente da República tem exatamente esta função: absorver os excessos da tinta para tornar a mensagem legível e perene.

Os atributos do mata-borrão são opostos aos do papel impermeável, incapaz de assimilar. O mata-borrão mantém, incorpora, não deixa escorrer.

O País horroriza-se há um mês com a barbárie cometida contra o menino João Hélio e o nosso Grande Narrador ainda não conseguiu tocar-se como fez com os pingüins. Neste episódio está irreconhecível: suas reações continuam burocráticas, acadêmicas, forenses. Em outras palavras, inumanas e distantes.

Não cabe ao presidente legislar ou mudar o código penal, mas penalizar-se é a sua obrigação. Sofrer com aquela crueldade seria uma forma de calar uma indignação que desta vez mostra uma rara consistência e insistência. Aquele ser humano que no dia da posse beirou a imprudência ao classificar como terroristas as ações dos narcotraficantes, agora parece recolhido.

Obrigado pelos estrategistas a distanciar-se de questões como crime e castigo, delitos e penas, o intérprete das nossas emoções só consegue mostrar compaixão pelos pingüins. Os absurdos da condição humana não o comovem, sensibiliza-o apenas a condição pingüinense.

A Europa está abismada com o assassinato dos três ativistas franceses dos direitos humanos para esconder um desfalque e o Grande Narrador desliza na paisagem antártica. Este caso é ainda mais brutal porque o tríplice homicídio foi premeditado.

Os assassinos, entre eles um ex-menino de rua recuperado anos antes pelas vítimas, cometeu um ‘crime de colarinho branco’ e, para encobri-lo, não teve escrúpulos e optou pela chacina. Uma infração moral (que a sociedade brasileira costuma tratar com visível leniência), desta vez conseguiu chocar simplesmente porque se transformou em banho de sangue. O princípio dos vasos comunicantes ocorre em todas as esferas. A tolerada corrupção, enfim, exibiu todo o seu potencial de periculosidade.

Quem maltrata os pingüins é a Natureza, quem está maltratando a auto-estima de um povo que se acreditava bom e decente é a imagem de sua natureza distorcida por tantas perversidades.

O governo precisa escapar do falso dilema da diminuição da maioridade penal como medida inicial para conter a violência. Esta é uma questão que se resolverá no Legislativo ou num referendo popular. Mas este falso dilema está funcionando como uma mordaça. Está calando solidariedades e subverte prioridades. De repente, por artes do cinema, os sofrimentos dos pingüins ficaram mais importante do que as nossas misérias.’

******************

Clique nos links abaixo para acessar os textos do final de semana selecionados para a seção Entre Aspas.

Folha de S. Paulo – 1

Folha de S. Paulo – 2

O Estado de S. Paulo – 1

O Estado de S. Paulo – 2

Diário do Nordeste

Veja

Comunique-se

Direto da Redação

Último Segundo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem