Terça-feira, 21 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

ENTRE ASPAS > FIM DE SEMANA, 13 E 14/2

Veja

16/02/2010 na edição 577

ENTREVISTA / NICK HORNBY
Jerônimo Teixeira

O pensador do pop

‘Nick Hornby, 52 anos, é um dos principais nomes da ficção inglesa contemporânea. Com best-sellers como Alta Fidelidade e Um Grande Garoto no currículo (ambos transpostos com sucesso para o cinema), ele é às vezes descrito como alguém que se dedica a retratar um tipo muito específico: trintões e quarentões que se recusam a crescer. Seu tema, no entanto, é outro: a maneira como a cultura pop – e a música em especial – moldou a sua geração e as gerações seguintes. Seus personagens são um amálgama das canções que ouvem, do estilo de roupa que usam, do time para que torcem. Mas não são só superfície. Partindo desses adereços, Hornby sabe como dar densidade a cada um de seus heróis – sempre num estilo leve e mordaz. Seus trabalhos mais recentes, aliás, têm mulheres como protagonistas. O romance Juliet, Nua e Crua será lançado em maio no Brasil pela editora Rocco. Bem antes disso, nesta sexta-feira, estreia em circuito nacional Uma Educação, que narra o caso de uma adolescente com um homem mais velho, no início dos anos 60. O filme concorre ao Oscar nas categorias melhor filme, melhor atriz (Carey Mulligan) e roteiro adaptado – esse último assinado por Hornby e publicado no Brasil, nesta semana, também pela Rocco. ‘Uma produção independente inglesa não tem chance de ganhar, por isso nem escreverei um discurso de agradecimento’, diz o autor, que falou a VEJA por telefone, da Inglaterra.

A música pop ainda é um canal para os jovens expressarem suas diferenças em relação aos pais?

Isso não funciona mais bem assim. O rock agora é como a literatura: existe uma biblioteca estabelecida. Você ouve o que está sendo feito hoje, e se dá conta de que algumas coisas se parecem com Jimi Hendrix ou Pink Floyd, e volta a escutar esses músicos. Sei que os jovens fazem isso: estão ouvindo Jimi Hendrix como quem lê Flaubert.

Então não há mais música para expressar rebeldia?

Bem, fora do rock, ainda há algumas formas musicais que os pais têm dificuldade para entender. O hip-hop é um exemplo, não tanto pela música em si, mas pela atitude social que seus artistas transmitem. É irônico: achamos que somos muito liberais e que nada do que nossos filhos façam pode nos chocar. O que nos choca no hip-hop são o machismo e o materialismo das letras. De certo modo, ficamos incomodados com o conservadorismo dessa música.

Em um artigo do ano passado sobre música digital, o senhor comenta que ‘uma música de três minutos não vai durar a sua vida toda’. É uma ideia um tanto diferente da noção tradicional que temos de arte, como algo duradouro, que fala para apreciadores de todas as gerações.

Na verdade, não acho que as duas ideias sejam necessariamente incompatíveis. Uma boa canção pop pode ter algo a dizer a sucessivas gerações. Mas, no meu consumo diário de música, não quero ouvir algo que já ouvi 500 vezes antes. Ainda ouço Bob Dylan de vez em quando, mas não sei se vou ouvir, por exemplo, Blonde on Blonde do começo ao fim. Meus filhos ainda podem ter uma relação intensa com esse disco de Dylan. Trata-se de uma obra de arte que resiste ao tempo.

Seu filho mais velho é autista. Qual é a relação dele com a música?

Ele tem um iPod e ouve música no carro ou na hora de dormir. Tem seu gosto musical, e a música ajuda em alguns momentos. Mas ele não pede para ouvir música com frequência.

Seus livros costumam ter vários elementos autobiográficos. O senhor cogita escrever um romance sobre a experiência de ter um filho autista?

Não, no momento não. Como leitor, mesmo tendo um filho autista, não creio que teria o desejo de ler um livro sobre o tema. E, se um livro pode se tornar um peso para o leitor, não vale a pena escrevê-lo.

Não haveria um modo de escrever sobre o tema sem que o livro se tornasse, como o senhor diz, um peso?

Não sei. Não consigo pensar em um modo leve de escrever sobre isso.

O iPod e a música em formato digital mudaram o modo como o ouvinte se relaciona com a música?

Sim. Foi uma mudança completa, e não sei ainda se para o bem ou para o mal. Há inúmeras comunidades organizadas em torno da música no mundo virtual, mas esse intercâmbio não existe mais no mundo real. Em Londres, pelo menos, não dá mais para ir a uma loja de discos para se encontrar com pessoas que tenham gosto musical similar ao seu. Esse tipo de loja, que eu retratei em Alta Fidelidade, não existe mais – aliás, seria impossível escrever esse livro ambientado nos dias de hoje. Ao mesmo tempo, cresceu demais o volume de músicas disponíveis.

Como assim?

Na adolescência, minha relação com a música era muito íntima e intensa, porque eu não tinha dinheiro para comprar muitos discos. Comecei minha coleção com o primeiro disco- solo do Paul McCartney, que eu ouvi bastante. Comprei outros discos, mas não foram muitos. Hoje é bem diferente. Outro dia, uma sobrinha minha me pediu algumas indicações de música. Dez minutos depois, eu havia carregado perto de 200 álbuns no iPod dela. Uma quantidade dessas seria um sonho inalcançável quando eu tinha 15 ou 16 anos. Não sei como os jovens se relacionam hoje com a música, que importância lhe dão, com esse acesso tão fácil a uma quantidade tão grande.

O senhor sente falta das lojas de discos que fecharam?

Não sou um nostálgico. Não temos mais esses lugares de encontro para falar pessoalmente com outros fãs de música. Mas a internet oferece compensações. Eu vejo muitos blogs de MP3, que funcionam mais ou menos como lojas de discos – mas dando algumas canções de graça. Como consumidor, não estou preocupado com os formatos digitais. É como profissional de uma área criativa que eles me preocupam.

Por causa da dificuldade de cobrar por produtos digitais que caem na rede?

Sim. Daqui a dez anos, poderá ser difícil fazer dinheiro com livros, com música ou com filmes. Será um obstáculo para a profissionalização do artista. Pode afetar a qualidade das obras e até mesmo a idade das pessoas que fazem música. A única maneira de ganhar dinheiro com música será fazendo turnês a todo momento, o que, com exceções, não é uma atividade tão comum entre músicos mais velhos. Se você está na faixa dos 40 ou 50 anos e tem família, filhos para cuidar, a estrada não é necessariamente compatível com seu estilo de vida. A música pode acabar sendo como o serviço militar: algo que você faz por pouco tempo quando é jovem – e depois parte para outras coisas.

O senhor ainda compra CDs ou já aderiu completamente à música digital?

Não sou inteiramente digital. Compro CDs de vez em quando. Tenho a sensação de que, se não tenho a música fisicamente, ela se perde. Quando faço o download de alguns discos, uma semana depois não lembro mais quais eram. Já não sei mais o que tenho no meu iPod. É por isso que gosto de comprar os CDs mais importantes: é mais fácil lembrar deles quando estão visíveis em uma pilha na minha casa.

O ensaio autobiográfico da jornalista Lynn Barber em que se baseia Uma Educação está muito distante do seu território pop habitual. A protagonista é uma menina de 16 anos, no início dos anos 60, que gosta de música clássica e chanson francesa. O que o motivou a escrever o roteiro do filme?

No seu tom, entre engraçado e doloroso, o ensaio de Lynn Barber não é tão diferente do que eu tento fazer na ficção. A protagonista do filme é uma menina do subúrbio que receia estar perdendo as coisas legais que acontecem na cidade. Esse também já foi um tema dos meus livros, especialmente Febre de Bola. Penso em Uma Educação como uma espécie de versão feminina – e sem futebol – de Febre de Bola.

O senhor foi esse adolescente que temia estar perdendo as coisas?

Eu me reconheço nesses personagens, sim. Vivia a uns 50 quilômetros de Londres e não gostava de ficar em casa. Na minha adolescência, eu passava muito tempo em Londres, atrás não só do futebol, mas também de música e de livros.

O que a trilha sonora do filme diz sobre o início dos anos 60 na Inglaterra?

Queria uma trilha que se afastasse do rock’n’roll – uma trilha que parecesse mais velha do que Jenny (a personagem principal, que tem 16 anos). É o tipo de música que ela ouviria para parecer sofisticada e adulta – Ravel, Juliette Gréco. Uma garota como Jenny não poderia gostar de música pop, que só começou a ser levada a sério alguns anos depois, quando os Beatles e os Rolling Stones conquistaram reconhecimento artístico. Nos anos retratados no filme, os jovens ingleses educados não se interessavam pela cultura americana, mas pela francesa. Queriam comer comida francesa, ouvir música francesa, ler romances franceses e ver filmes franceses da nouvelle vague.

O que aconteceu com a França para perder essa influência cultural?

Não sei explicar – você teria de perguntar aos franceses. Acho que é difícil manter a autoconfiança quando as pessoas não se interessam mais por você (risos). E, claro, quando os americanos começaram a levar sua cultura pop mais a sério, o resto do mundo também se interessou por ela.

O crítico musical Jon Savage, autor de A Criação da Juventude, diz que seus livros só fazem exaltar o quarentão que tenta parecer jovem ouvindo música pop. Como o senhor responde a esse tipo de crítica?

Jon Savage não é um escritor muito bem-sucedido – e, quando alguém faz sucesso, isso o deixa furioso. De certo modo, somos inimigos ideológicos. Acho que a crítica musical que ele faz é pretensiosa e tediosa. Minha obra não glamouriza o quarentão imaturo – mas não acredito que críticos como Savage tenham lido meus livros. Eles se atêm a uma ideia feita sobre a minha literatura.

Seu primeiro livro, o autobiográfico Febre de Bola, era sobre sua paixão pelo Arsenal, time de Londres. Nunca lhe ocorreu escrever mais sobre futebol – sobre a seleção inglesa, talvez?

Sinto que tudo o que eu tinha a dizer sobre futebol já foi dito em Febre de Bola. Fazer outro livro sobre o tema seria barateá-lo. E eu torço apenas pelo Arsenal, não pela seleção.

Por que não?

Não gosto muito dos jogadores ingleses. Recentemente, houve um escândalo com John Terry, que deixou de ser o capitão da seleção inglesa por causa de uma série de problemas em sua vida privada – que envolvem infidelidade e bebida. A torcida inglesa já teve, pelo menos no passado, seus problemas de violência e racismo. Para um torcedor da minha idade, é um pouco difícil se identificar com um time desses. De resto, as disputas interclubes andam mais interessantes do que as Copas do Mundo. Costumava ser o contrário – mas, hoje, todos os melhores jogadores do mundo estão em cinco ou seis times europeus.

Seus livros mostram uma compreensão aguda da psicologia dos fãs – sejam de esporte, sejam de música. Nos seus romances, esse fã obsessivo que idolatra um time ou um músico é sempre um homem. A admiração fanática não existe entre mulheres?

Logo que comecei a ir ao estádio para torcer pelo Arsenal, eu olhava ao redor e via homens de todas as gerações – garotos, adultos, velhos. Eu já imaginava então que o time seria uma paixão para a minha vida toda. Não creio que o mesmo se dê com as mulheres. Para elas, essas paixões são coisa da infância, que elas abandonam quando chegam à idade adulta. Aos 13, 14 anos, elas podem idolatrar uma boy band, mas depois se esquecem disso. E essa talvez seja uma atitude mais saudável.

O senhor imagina que, como cantor de rock ou jogador de futebol, seria mais feliz do que é como escritor?

Já senti isso, mas não mais. Tenho 52 anos e um joelho ruim. Há uma vantagem fantástica na escrita: é uma atividade à prova de idade. Também fico satisfeito com o anonimato do escritor. Você pode ser tremendamente famoso como autor e, mesmo assim, levar uma vida normal. Não costumam nos reconhecer na rua. Um astro pop ou um jogador de futebol não contam com isso.’

 

INTERNET
Mais rápido que o flash

‘O Google anuncia a construção de uma rede de banda larga ultrarrápida, 500 vezes mais veloz que a conexão usada no Brasil. Com a investida, a empresa tenta assumir a liderança na corrida pela internet do futuro

Começa a ficar repetitivo. Na semana passada, o Google anunciou, outra vez, o lançamento de mais um produto que promete transformar a indústria de tecnologia: uma conexão de internet ultrarrápida. A proposta é oferecer uma rede de banda larga cuja velocidade de transmissão de dados seja de 1 gigabit por segundo (Gbps) – 100 vezes a velocidade das conexões por fibra óptica existentes hoje nos Estados Unidos e 500 vezes a velocidade com que os brasileiros navegam na internet. A princípio, a novidade será experimental e beneficiará um pequeno número de cidades. ‘Planejamos disponibilizar o serviço a um preço competitivo a até 500.000 pessoas e empresas’, afirmou James Kelly, coordenador do projeto no Google. Esse promete ser o primeiro grande passo da companhia fora do mundo virtual. Até então, a maioria dos avanços do Google ocorreu diretamente no campo dos programas para computador e serviços on-line.

Desde 2005, o Google já investia em fibras ópticas para interligar seus servidores, tornando as buscas mais rápidas e diminuindo os custos de transmissão de seus vídeos do YouTube. Nos últimos anos, porém, o volume de aquisições desse tipo de cabo pela empresa foi tão grande que provocou uma série de especulações sobre suas reais intenções. Com o anúncio, ficou claro que o plano era sair das próprias instalações para fazer o circuito completo de transferência de dados, alcançando a chamada ‘última milha’, ou seja, a casa das pessoas. A banda larga que o Google pretende criar – e que poderá lhe custar até 1,6 bilhão de dólares em investimentos – poderá transformar em realidade algo que agora parece reservado aos filmes de ficção científica. Será possível, por exemplo, a um arquiteto alemão transmitir pela internet, em tempo real, imagens de uma maquete em três dimensões ao seu cliente no Japão. Outra vantagem será baixar em instantes arquivos que hoje requerem horas para ser abertos, mesmo em países que lideram o ranking de banda larga. É o caso do download de um filme de longa-metragem em alta definição. Na Coreia do Sul, que atualmente tem a internet mais rápida do mundo, isso se faz em cerca de quatro horas. No Brasil, são necessárias 49 horas (ou mais de dois dias) para completar essa tarefa.

O investimento é uma tentativa de solucionar um problema real: o risco de um congestionamento na rede mundial de computadores. Um estudo recente da consultoria americana Nemertes Research mostra que até 2014 a infraestrutura de acesso à internet que as empresas planejam criar não atenderá mais à demanda. Não só a escassez de grandes investimentos das empresas de telecomunicações estimulou o Google a focar nessa nova área. Pesou ainda o fato de o governo americano ter anunciado um plano extremamente tímido para expandir as redes de banda larga. Enquanto o presidente Barack Obama prometeu gastar 7,2 bilhões de dólares na área, a estimativa da agência reguladora do setor (a Comissão Federal de Comunicações) é que seria necessário um aporte de até 350 bilhões de dólares.

Outros países também investem para liderar nessa área. O governo neozelandês anunciou no ano passado um projeto que prevê a instalação de fibras ópticas que levarão internet ultrarrápida a 75% da população até 2020. Existem projetos semelhantes no Japão e na Inglaterra. Portanto, se o Google tem a intenção de ser referência em tecnologia, ele não pode correr o risco de que os Estados Unidos – sua sede e seu principal mercado – fiquem para trás na corrida da banda larga, que constitui a base para o avanço dos serviços de internet. ‘É só uma questão de tempo para que todos invistam com força nessa tecnologia’, afirma Eduardo Tude, da consultoria Teleco. ‘A internet do futuro exigirá conexões mais velozes.’

A intenção do gigante americano de estimular o desenvolvimento de super-redes é, acima de tudo, promover ao máximo o uso das ferramentas on-line. Isso tem ligação direta com o modelo de negócio do Google, em que o faturamento é resultado do número de acessos nas páginas da internet. As experiências bem-sucedidas da Apple e da Amazon indicam que, para atrair usuários e fazer com que fiquem mais tempo na web, as companhias precisam atuar em várias frentes, de venda de aplicativos a aparelhos matadores, como um iPhone ou Kindle. Com a novidade, o Google mostra estar no mesmo caminho de inovação e atuação diversificada de suas rivais. Tudo o que o gigante não quer é seguir a trajetória trilhada pela Microsoft até agora. Por mais que tente, a empresa de Bill Gates não conseguiu criar produtos que atingissem a mesma popularidade do Windows e do pacote Office – ambos lançados na década de 80. Considerando os últimos passos do Google, mais rápidos que os do super-herói Flash dos quadrinhos, a probabilidade de ele comer poeira é pequena.’

 

TELEVISÃO
Marcelo Marthe

Que delícia de invasão

‘No primeiro episódio da série americana V, os arranha-céus de Nova York são encobertos por um óvni gigantesco. E o mesmo ocorre em metrópoles como o Rio de Janeiro – até o Cristo Redentor é lançado na escuridão. Mas o monumento carioca mais vistoso em cena é outro: a líder dos extraterrestres. Anna, cujo rosto surge numa projeção no céu para anunciar que eles vieram à Terra em missão de paz, é vivida por Morena Baccarin, atriz nascida no Rio e radicada nos Estados Unidos desde os 10 anos. Regravação de uma minissérie dos anos 80, V (de ‘Visitantes’) converteu-se, em novembro, na estreia de maior sucesso da rede ABC desde Lost. De quatro episódios iniciais, teve sua temporada alongada com mais oito, que estrea-rão nos Estados Unidos em março. A série, que chegará ao canal pago brasileiro Warner em abril, conferiu fama a Morena. Hoje com 30 anos, ela é o ‘rosto mais quente’ da TV daquele país, proclamou a revista People. A atriz, que já acumulava outros trabalhos na ficção científica, entrou de vez para o imaginário dos fãs do ramo com Anna – que se revela a monstrenga-mor de uma raça de lagartos que almejam parasitar o planeta. Morena vê motivações nobres na personagem. ‘Anna só tenta fazer algo admirável por seu povo’, disse a VEJA, por telefone, do Canadá, onde grava o programa.

Morena mudou-se para os Estados Unidos nos anos 80, quando seu pai, o jornalista Fernando Baccarin, foi trabalhar na sucursal da Rede Globo em Nova York. Incentivada pela mãe, a atriz Vera Setta – que atuou em chanchadas nos anos 70 e, mais recentemente, na peça Os Monólogos da Vagina -, ela cursou teatro na prestigiosa Juilliard School. Os pais retornaram ao Brasil. Morena, então com 17 anos, ficou. ‘Hoje me considero mais americana que brasileira’, diz. A imersão na cultura local lhe deu uma vantagem nesse mercado: ela fala inglês sem sotaque. ‘Mas meu português é elementary (básico)’, afirma.

Embora seu sonho fosse fazer teatrão clássico, o máximo que obteve foi uma vaga como substituta da atriz Natalie Portman numa peça do russo Anton Tchekov (1860-1904). ‘Foi frustrante ver outra brilhando no papel que eu queria’, diz. A dificuldade no teatro nova-iorquino levou-a, em 2001, a se bandear para Los Angeles. Logo no terceiro dia na cidade, conheceu o roteirista Joss Whedon (de Buffy, a Caça-Vampiros) – e, no sexto dia, já estava gravando o seriado Firefly. ‘Nessa profissão, não basta talento. Tem de ser sortuda’, afirma. Em Firefly (e no filme Serenity, de 2005, derivado dele), ela interpretava Inara Serra, uma prostituta intergaláctica (Morena fez, ainda, ponta na saga Stargate SG-1). ‘Numa convenção de fãs, conheci até uma nenenzinha chamada Inara’, diz. São os nerds prestando homenagem a Morena.’

 

Marcelo Marthe

Minutos de sabedoria

‘A fisioterapeuta Larissa (Patrícia Carvalho-Oliveira) não faz só massagens na tetraplégica Lu-ciana (Alinne Moraes). Sempre que ela surge em Viver a Vida, o espectador pode esperar algum conselho luminoso. Quando Luciana se mostra revoltada com a perda dos movimentos, Larissa a conforta: ‘Meu amor, vou repetir para você: espere. O tempo vai lhe dar a resposta’. Ao eleger a ‘superação’ como tema, o autor Manoel Carlos acabou produzindo uma novela de autoajuda. ‘Parto do princípio de que não existe beco sem saída’, diz ele. O enfoque não se limita aos depoimentos de gente sofrida no final dos capítulos. Na internet, a equipe do noveleiro mantém um blog em que Luciana dá lições de perseverança (detalhe: as pessoas deixam comentários e perguntas como se a personagem fosse de carne e osso). Mas é a fisioterapeuta quem melhor sintetiza esse espírito, digamos, motivacional. Na condição de preparadora do elenco (sua função original – e que a levou a obter a ponta como atriz), Patrícia auxilia as estrelas da novela a ‘se encontrarem’. Como uma Deepak Chopra de saias, ela se vale de um método que mistura teatro, alquimia e física quântica. ‘Energia gera forma e forma gera energia. Para atingir a vibração vital, os atores têm de se localizar nesse fluxo louco’, diz. Muito louco.

Embora Manoel Carlos garanta nunca ter lido um livro de autoajuda, há semelhanças notáveis entre as situações do folhetim e essas obras – que compõem um filão editorial robusto, com mais de 50 000 títulos disponíveis nas livrarias. As conversas de Luciana com a mãe, Tereza (Lilia Cabral), parecem ecoar a ficção espírita de Zibia Gasparetto (veja o quadro). No hospital, a médica Ariane (Christine Fernandes) soa como os camaradinhas espirituais Chalita e padre Fábio – autores do best-seller Cartas entre Amigos – quando oferece apoio ao marido de uma paciente com câncer (consolo nada desinteressado: ela está é doida para tomar o lugar da mulher). ‘O Manoel Carlos está se esmerando em oferecer instrumentos terapêuticos aos espectadores’, constata um profissional do ramo, o psiquiatra Roberto Shinyashiki, autor de Você – A Alma do Negócio.

O trabalho de Patrícia, pessoa física, é a prova de que a autoajuda desconhece fronteiras de gênero (e de piração). A carioca de 35 anos se descreve como uma ‘mulher multimídia e multifuncional’. É autora de 3 – Um Romance para Ler de uma Só Vez, história sobre um casal narrada numa toada fragmentária (e com certo tom de aconselhamento sentimental). Para divulgar o livro, lançado de forma independente, a moça comparece a livrarias usando um vestido de noiva. A certa altura, arranca a cauda do vestido e, leve e solta, engata uma performance poético-robótica. ‘Quero passar uma mensagem de resgate do romantismo: amem-se profundamente’, diz.

E ela é o guru dos bastidores. O ibope da novela é capenga e os atrasos de Manoel Carlos na entrega dos roteiros exasperam os atores – mas estes sempre terão Patrícia para lhes dar consolo. Ela estabeleceu seu cacife ao monitorar a atriz Larissa Maciel, novata na Globo, como a cantora Maysa na minissérie homônima. Seu método, o Lupa, pretende ‘ampliar a realidade do ator’ (daí o nome: a lupa amplia, entende?). O Lupa se baseia na velha noção alquímica das quatro forças da natureza, terra, fogo, água e ar. ‘Quando Maysa cantava, seu olhar penetrante era reflexo da força da água. O pescoço também era água.Trabalhei essa energia na Larissa’, diz. Patrícia repetiu a técnica com atores de Viver a Vida como Mateus Solano, intérprete dos gêmeos Jorge e Miguel. ‘Jorge é terra total. Já o Miguel está mais para o fogo e a água’, avalia. Jayme Monjardim, diretor de Maysa e de Viver a Vida, foi quem apostou na preparadora – e apadrinhou sua conversão em atriz, depois de ela passar meses treinando Alinne Moraes como tetraplégica. Patrícia, de quebra, já tinha auxiliado a cantora Tânia Mara, mulher do diretor, num esforço de ‘libertação da voz’. Para a autoajuda, não há mesmo becos sem saída.’

 

******************

Clique nos links abaixo para acessar os textos do final de semana selecionados para a seção Entre Aspas.

Folha de S. Paulo

Folha de S. Paulo

O Estado de S. Paulo

O Estado de S. Paulo

Comunique-se

Veja

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem