Sexta-feira, 17 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

FEITOS & DESFEITAS > JOURNAL OF DEMOCRACY

Publicação ganha uma versão em português

Por Márcio Sampaio de Castro em 05/06/2012 na edição 697
Reproduzido do Valor Econômico, 30/5/2012; título original: “Journal of Democracy ganha uma versão em português”; intertítulo do OI

O controle da internet e o avanço da religião na China, a corrupção endêmica na Índia e o papel do Partido da Justiça e Democracia (AKP) na Turquia contemporânea. Temas rotineiramente não encontrados na imprensa brasileira são objeto de artigos publicados pelo Journal of Democracy, editado pelo National Endowment for Democracy (NED) e pela Johns Hopkins University. Criada em 1990, a publicação ganha a partir deste mês sua versão em português, como fruto de uma iniciativa do Instituto Fernando Henrique Cardoso (iFHC) e o Centro Edelstein de Pesquisas Sociais. A proposta faz parte do projeto Plataforma Democrática, encabeçado pelas duas organizações, que tem como principal meta declarada contribuir para a consolidação da democracia na América Latina.

Segundo Sergio Fausto, superintendente executivo do iFHC, o Journal contribuirá com esse esforço, uma vez que será voltado a um público formado por estudantes e professores da área de ciências humanas, jornalistas e demais interessados em temas relacionados à política internacional e ao embate democracia versus regimes autoritários. Fausto ressalta que uma das grandes virtudes da publicação é a sua capacidade de abordar temas complexos do mundo contemporâneo sem derivar para uma linguagem acadêmica, o que a torna mais acessível.

Em sua avaliação, as recentes e vertiginosas transformações no cenário internacional, como a Primavera Árabe, a crise na zona do euro, com os consequentes riscos de extremismos políticos na região, e ainda a ascensão dos Brics têm despertado um crescente interesse do público doméstico. “Na medida em que a presença do Brasil no mundo aumenta e o interesse do país e dos brasileiros pelo mundo também aumenta, o acompanhamento do cenário internacional torna-se uma necessidade natural”, afirma Fausto.

Fase superada

Inicialmente, estão previstas duas edições anuais e o acesso será livre a todos os interessados, que só precisarão acessar os sites do iFHC ou do Centro Edelstein para baixar uma versão em PDF.

Este primeiro número trará um “dossiê China”, com dois artigos a respeito do controle da internet no país asiático e um terceiro sobre o avanço de sentimentos religiosos naquela sociedade, a despeito dos esforços do Partido Comunista Chinês. Fecham a edição uma análise sobre o papel do partido de orientação islâmica AKP à frente da sociedade turca e um texto sobre as ameaças da corrupção ao modelo de desenvolvimento econômico indiano.

Quanto às críticas de que o NED, financiado pelo Congresso dos Estados Unidos e em sintonia com as diretrizes do Departamento de Estado, buscaria a imposição de algum tipo de agenda, através de mecanismos como o Journal, o superintendente do iFHC rebate: “O NED é, de fato, ligado ao Congresso, que é bipartidário. O fato de publicarmos algo deles não quer dizer que haja um alinhamento automático. É preciso que as pessoas avaliem a publicação pela qualidade que ela tem. Não é um instrumento imperialista. Acho que já passamos dessa fase.”

***

[Márcio Sampaio de Castro, para o Valor Econômico]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem