Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

FEITOS & DESFEITAS > SITES POLÍTICOS

Com humor e crítica, jornalismo digital cresce na AL

Por Sylvia Colombo em 07/08/2012 na edição 706
Reproduzido da Folha de S.Paulo, 5/8/2012; intertítulos do OI

Reproduzido da Folha de S.Paulo, 5/8/2012; intertítulos do OIUm porco-espinho, uma cadeira vazia, um farol no meio da escuridão, o letreiro de uma clínica onde foi parar um velho ditador. Assim, enigmáticos e irônicos, são os símbolos que identificam o novo jornalismo digital da América Latina.

O fenômeno se espalha por Argentina, Colômbia, América Central, México e Chile.

Reconhecidos pela Fundação Nieman, de Harvard, e apadrinhados por grandes nomes do meio, como o norte-americano Jon Lee Anderson, os sites de perfil político do continente começam a ganhar repercussão pelo conteúdo diferenciado.

No México, o “Animal Político” ofereceu uma ampla cobertura da relação entre o grupo midiático Televisa e o então candidato do PRI às eleições, Enrique Peña Nieto.

Na Argentina, o “El Puerco Espín” publicou reportagem sobre a história da fabricante de papel-jornal Papel Prensa e o jornal Clarín na ditadura. Na Colômbia, o “Silla Vacía” traz os bastidores da disputa entre o presidente Juan Manuel Santos e o seu antecessor, Alvaro Uribe.

Já os jornalistas do “El Faro”, de El Salvador, receberam ameaças após reportagem sobre uma negociação do governo com narcotraficantes.

Governo e mídia

Fundados e editados por jornalistas veteranos, na faixa dos 40/50 anos, e compostos por equipes jovens, os novos veículos seguem o modelo de “The Huffington Post”. Agregam blogs e conteúdos externos, mas apostam em longas reportagens e crônicas.

“O jornalismo tradicional não supre algumas carências do novo leitorado. Não está tão ativo nas mídias sociais e, geralmente, não trata de temas que saiam dos círculos de poder”, diz à FolhaDaniel Chávez, do “Animal Político”.

“Estamos na frente dos grandes jornais em temas de direitos humanos, narcotráfico e crime organizado. É mais difícil virarmos alvo da violência, porque somos pequenos, então temos mais liberdade”, completa.

O “Silla Vacía”, fundado pela colombiana Juanita León, ex-repórter do El Tiempo, chama-se assim por causa de uma marcha que indígenas fizeram para encontrar Uribe, mas ele não compareceu. “A imagem da cadeira vazia é muito forte na Colômbia, do poder que se ausenta”, diz.

Os editores aproveitam sua passagem pelos veículos grandes para usar contatos e pedir textos de colaboradores. Em geral, sem pagar nada.

O “Silla Vacía” também tem o apoio de entidades como Open Society Institute e National Endowment for Democracy. Outros, como o “El Puerco Espín” e o “Animal Político”, sobrevivem de aportes de seus fundadores.

“Em países em que há tantos problemas entre o governo e a mídia, sites como esses têm um importante papel”, diz Graciela Mochkofsky, do “El Puerco Espín”.

A jornalista cita a Argentina, onde o governo está em atrito com os principais jornais, e os lugares onde o narcotráfico é atuante, como o México e a América Central.

***

[Sylvia Colombo, da Folha de S.Paulo em Buenos Aires]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem