Domingo, 24 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

FEITOS & DESFEITAS > MÍDIA & MERCADO

‘O Globo’ digitaliza 88 anos de história

Por Rodrigo Polito em 20/08/2013 na edição 760
Reproduzido do Valor Econômico, 19/8/2013; intertítulo do OI

A Infoglobo lançou ontem a versão digitalizada de todo o acervo do jornal “O Globo”, desde a sua primeira publicação, em 1925. Estão disponíveis, por meio de uma homepage, mais de 2 milhões de páginas e 12 milhões de matérias com fatos que marcaram a história do Rio de Janeiro, do país e do mundo nos últimos 88 anos.

Apesar de ter sido o último dos grandes jornais a digitalizar todo o seu acervo, o “Globo” entrou nessa etapa com um diferencial em relação aos demais periódicos: a indexação do conteúdo. Na prática, o usuário terá mais facilidade para encontrar a informação de seu interesse, não só pelas páginas, mas pelas matérias publicadas ao longo dos anos. “A diferença é muito grande, e a facilidade de acesso que as pessoas vão ter é muito maior”, afirmou Marcello Moraes, diretor-geral da Infoglobo.

Os estudos sobre o produto começaram em 2010. Mas apenas no ano seguinte houve a decisão de implantar o projeto. Moraes disse que a digitalização do acervo demandou investimentos de “alguns milhões de reais”, mas que não é possível informar um valor exato, pois seria preciso contabilizar o tempo dedicado de profissionais, gastos com tecnologia, serviços de terceiros, entre outros.

Um total de 125 profissionais da Infoglobo estão envolvidos no projeto. O acervo digital foi desenvolvido para ser consultado via computadores de mesa, tablets e smartphones.

Outra aposta de diferencial da Infoglobo é relativa à composição do produto. Além do acervo em si, o site contém uma série de seções. É o caso da “Em Destaque”, uma espécie de manchete da homepage que trará uma matéria antiga do jornal relacionada a um tema do momento. “É um produto dinâmico, que relaciona a atualidade com o passado”, disse Moraes. A atualização da coluna será diária.

Gratuito, por enquanto

O site terá ainda outras quatro seções: uma sobre fatos históricos, organizados por décadas; outra contendo frases famosas, ditas por autoridades, políticos, executivos, celebridades, esportistas, entre outros; uma voltada para charges e humor, que ressaltará a visão humorística dentro do contexto geral do jornal; e a última dedicada ao Rio de Janeiro, chamada “Rio de histórias”.

Esse tópico será, segundo Moraes, “um saboroso retrato da Cidade Maravilhosa”, no qual sempre um curador da redação de “O Globo” comentará cada uma das décadas registradas pelo jornal.

A homepage também terá espaço para uma galeria de fotos, com destaque para imagens interessantes publicadas no passado.

Segundo o diretor-geral da Infoglobo, o acervo digital é um produto estratégico que compõe o portfólio de criações digitais de “O Globo”, no qual está inserida outra grande aposta da empresa, o vespertino “Globo a Mais”, voltado para tablets.

O acervo digital ficará disponível gratuitamente para degustação por um determinado período. Em seguida, ele será restrito a assinantes de “O Globo”. “Acreditamos muito na linha da cobrança pelo conteúdo digital. O futuro da nossa indústria está indo nessa direção”, afirmou Moraes.

******

Rodrigo Polito, do Valor Econômico

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem