Segunda-feira, 19 de Agosto de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1050
Menu

FEITOS & DESFEITAS >

O jornal de domingo

Por Adriana Calcanhotto em 08/10/2013 na edição 767

Nunca este instante deste domingo, neste jornal de domingo existiu antes ou voltará a existir, ainda que o próximo possa ser bastante parecido

Domingão de sol ou de chuva, não sei, hoje é quinta-feira. Sei é que neste instante deste domingo, neste jornal de domingo sendo lido agora, neste instante, este instante é agora. Todo domingo, gostando-se ou não, é domingo. Nascem Domingas e Domenicos. Inevitável este instante deste domingo, agora. Cada palavra revelando-se nesta página deste jornal, deste domingo, neste instante deste domingo, sendo lida, agora, no instante em que está sendo lida, é esta palavra, neste instante. Nunca antes deste instante houve este instante deste domingo.

Domingo é dia de domingo, não há disfarce para este instante de agora deste domingo. O jornal de domingo não foi feito no domingo, mas é domingo quando, neste instante deste domingo, cada palavra é lida neste instante, nem antes nem depois do instante em que este domingo está sendo este domingo, agora. Domingas e Domenicos sendo velados. Nunca este instante deste domingo, neste jornal de domingo existiu antes ou voltará a existir, ainda que o próximo possa ser bastante parecido.

Enquanto está sendo lido o jornal de domingo deste domingo, neste instante de agora, este instante de agora está sendo este instante de agora. É domingo enquanto este instante de agora neste jornal de domingo está sendo este instante de agora deste domingo, enquanto Domingas e Domenicos estão sendo concebidos.

Alguma coisa

Cada palavra sendo lida neste jornal de domingo deste domingo, neste instante, agora, é lida enquanto este instante está sendo este instante. No instante de agora, este instante, neste instante, neste jornal de domingo, é o instante, neste instante.

A palavra sendo lida neste jornal de domingo, porque cada palavra só é palavra neste instante de agora em que está sendo lida, cada palavra lida neste jornal de domingo deste domingo, enquanto agora está sendo agora, irrecuperavelmente agora, cada palavra sendo lida agora neste instante, nesta contracapa do Segundo Caderno do jornal de domingo, só é palavra por estar sendo lida, agora.

É agora que este instante está sendo agora. Neste jornal de domingo deste domingo, este instante, no instante em que cada palavra é a palavra lida, e só assim ela é palavra, ela, a palavra é o instante de agora neste jornal de domingo, deste domingo. Amanhã, segunda-feira, o jornal de domingo não deixará de ser o jornal de domingo. Poderá ser o jornal de ontem, mas não escapará de ser jornal de domingo e é nesse escaninho dos acervos em que vai jazer. Os que escrevem para o jornal já vivem normalmente atormentados desde que Rubem Braga disparou “escrever para o jornal é como escrever na areia”. Imagina no domingo. Todo mundo espera alguma coisa de um sábado à noite quando o jornal de domingo já está consumado. Como este instante, consumido, neste instante, agora. Há quem leia o jornal de domingo já no sábado, mas será este domingo neste instante, este, de agora, ainda que o jornal já esteja lido, o horóscopo dissecado, as palavras-cruzadas feitas. Nada se sabe do instante seguinte, a não ser que virá. E que já foi.

Nenhuma outra espécie de vida sobre o planeta está neste instante lendo o jornal de domingo porque para nenhuma outra espécie de vida sobre o planeta é domingo, ou deixa de ser. O jornal de domingo, neste instante sendo lido por um espécime da única espécie que lê o jornal de domingo, procurando por alguma coisa que não saberia nomear e que talvez seja por isso mesmo que procura a cada página, instante por instante. Um exemplar da espécie que está destruindo o até então único planeta que conhece bem e do qual necessita para sobreviver. Os golfinhos por exemplo, não leem os classificados do jornal de domingo, as crônicas mal traçadas ou o caderno de esportes, estão muito ocupados em ser golfinhos.

Todo mundo espera alguma coisa do jornal de domingo. Deste jornal de domingo, deste domingo, neste instante, de agora. Neste, este. Este.

******

Adriana Calcanhotto é cantora e compositora

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem