Quinta-feira, 22 de Fevereiro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº975

FEITOS & DESFEITAS > MÍDIA & MERCADO

Paredes estão caindo

Por Nizan Guanaes em 11/03/2014 na edição 789
Reproduzido da Folha de S.Paulo, 4/3/2014; intertítulos do OI

Mark Zuckerberg é um visionário ambicioso. Quando o Facebook fez dez anos, algumas semanas atrás, ele escreveu carta aberta aos mais de 1 bilhão de usuários de sua rede social na qual deixa claro o caminho. “Hoje, apenas um terço da população mundial tem acesso à internet. Na próxima década, teremos a oportunidade e a responsabilidade de conectar os outros dois terços”, escreveu.

Zuckerberg pensa grande, a sua régua é de bilhão.

Poucos dias depois de comemorar a primeira década da companhia que fundou no campus de Harvard, comprou, por cerca de U$ 19 bilhões, o aplicativo Whats’App. Muita gente ficou chocada com o preço pago por uma empresa que praticamente não gera receita, como o Facebook em seus primórdios.

Mas, rebateram executivos do Facebook, gera a fantástica cifra de 1 milhão de novos usuários/consumidores por dia. Sim, por dia. Já são mais de 450 milhões usando o serviço de mensagem instantânea para aparelhos móveis.

Custo da oportunidade

Voltando à carta de Zuckerberg, cuja mensagem central é “temos ainda bilhões e bilhões de pessoas a conectar”, pode-se concluir que a sua aposta é na conexão móvel, ou, em inglês universal, mobile.

Muita gente pensa assim.

O Mobile World Congress, maior feira do setor, em Barcelona, teve 72 mil participantes no mês passado, e os seus organizadores não foram nada modestos ao promovê-la: “Os participantes terão a oportunidade de experimentar em primeira mão como o mobile está revolucionando os negócios em vários setores e transformando o dia a dia de bilhões de pessoas ao redor do mundo.”

Na minha área, a publicidade, as transformações já são brutais. O digital não é mais uma ferramenta, mas a base da criação. As telinhas pela qual nos comunicamos não param de encolher, de aumentar, de ganhar mobilidade, conectividade, utilidade. É uma revolução dentro da revolução, o disruptivo depois da disrupção. É natural que haja confusão.

Com a palavra, o Google. “As pessoas não estão diferenciando o que estão fazendo em telas diferentes, por isso os publicitários deveriam ser mais agnósticos sobre onde atingir o usuário. O fundamental é não falar de mobile, mobile, mobile. Estamos falando de viver com os usuários. Em que aparelho você está? Qual é sua questão? Como podemos ajudá-lo? É um conjunto de atividades muito mais amplo e rico para nós”, disse Nikesh Arora, CBO (chief business officer) do Google, em conferência com analistas do mercado.

Claro, nem tudo o que é bom para o Google é bom para você, mas é bom prestar atenção na visão holística de Arora. As diferenças do que vemos nas diferentes telas que nos cercam estão sumindo. O conteúdo se imporá aos aparelhos. A mensagem, ao meio. Não é o mobile, mas a mobilidade. Estar no lugar certo, na hora certa, com a informação e a mensagem que o usuário/consumidor valoriza e aplica.

A cadeia americana de restaurantes Chipotle’s, por exemplo, permite fazer pedidos por um app quando se está nas redondezas, apressando o atendimento para quem está com pressa. Em cidades grandes com viagens longas e transportes lentos, os aplicativos podem resolver e adiantar muitas tarefas do dia a dia, bancárias, de abastecimento doméstico, de entretenimento, turismo etc. A mobilidade definitivamente reduz o custo da oportunidade.

Redes de supermercado e outros varejistas nos EUA já enviam aos consumidores em suas lojas ou em ruas perto delas alertas de promoções de produtos que costumam consumir ou outras informações interessantes.

Não vale ficar parado

As paredes estão caindo. Quem passa na rua pode “ver” as promoções dentro da loja sem precisar entrar.

O mundo antes chamado virtual transbordou da tela e é parte essencial do mundo chamado real.

Essa sombra permanente de conexões, informações e aplicações cotidianas pode nos aprisionar e pode nos liberar. Pode ser cerca ou ponte. Acredito mais na ponte.

Os celulares são ferramentas transformadoras da vida nas regiões mais pobres do mundo. E nas mais ricas também.

Na era da mobilidade, só não vale ficar parado.

******

Nizan Guanaes, publicitário, é presidente do Grupo ABC

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem