Quarta-feira, 14 de Novembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1013
Menu

FEITOS & DESFEITAS >

Bola de cristal

Por Luis Fernando Verissimo em 01/07/2014 na edição 805

É conhecida a história daquele editor de jornal que se lembrou, em cima da hora, que, no dia seguinte, era Páscoa e o jornal precisava se referir à data. Entrou na redação e pediu a um repórter: “Escreve aí cinco linhas sobre o martírio de Jesus Cristo.” E o repórter: “A favor ou contra?”

Também faz parte do folclore jornalístico a matéria feita antes do fato, que vale para qualquer eventualidade. Considerações sobre o nada, à prova de desmentido. Outro recurso do jornalista na sua eterna luta com os prazos de fechamento do jornal é fazer duas matérias, uma prevendo uma coisa e outra prevendo o seu oposto. Este é perigoso, pois há sempre o risco de haver confusão e sair a matéria errada. No caso do futebol, a matéria dupla feita antes de se conhecer o resultado do jogo – por que ganhamos, por que perdemos – requer uma dose ainda maior de sangue-frio.

O essencial. A verdade é que entre todos os avanços tecnológicos disponíveis, hoje, para jornalistas e palpiteiros ainda não inventaram o que realmente precisamos. Lembro a sensação que foi, entre nós, subdesenvolvidos, a aparição de jornalistas europeus com computadores portáteis, ainda primitivos, mas já anos na frente dos nossos humildes blocos de notas e canetas, na Copa do México, em 1986.

Uma análise abalizada

Transcrevíamos nossas notas com máquinas de escrever pré-históricas e, depois, picotávamos nossas matérias em fitas de Telex, para transmiti-las à redação. Hoje temos tudo na palma da mão e na ponta dos dedos – celulares, smartphones, tablets, satélites e etcéteras eletrônicos – para transmissões instantâneas, mas ainda não temos bolas de cristal.

Nada mais antigo, do tempo de magos e feiticeiras, do que bolas onde se enxerga o futuro. Mas falta a versão para jornalistas.

Assim não dá.

Tortura. Confissão: o texto acima foi escrito antes do jogo entre Brasil e Chile, no Mineirão. Agora eu sei qual foi o resultado da partida. E cada vez me convenço mais que decisão nos pênaltis deveria ser proibida pela Convenção de Genebra. Quanto ao jogo propriamente dito, minha análise abalizada é a seguinte: Ufa!

******

Luis Fernando Verissimo é jornalista e escritor

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem